A União Ainda Faz a Força

A União Ainda Faz a Força


Fazer parte de um terreiro de Umbanda exige uma conduta condizente com a filosofia da religião. Em outras palavras, não basta entrar em uma gira com a mentalidade individualista, acreditando ser uma peça única dentro daquele grupo. Certamente cada um possui sua individualidade, seus valores particulares, convicções e até afinidades. Isso tudo é perfeitamente normal, já que somos humanos e essas características são inerentes à nossa natureza.

No entanto é preciso exercer o bom senso - sempre ele. É preciso tratar cada um do grupo como seu irmão-de-fé. Mas o que significa isso?

Significa que mesmo não havendo laços consanguíneos, cada membro da correte deve tratar ao outro como irmão. Será que isso é difícil?

Talvez num primeiro momento, sim, afinal quando adentramos um templo religioso buscamos, entre outras coisas, o crescimento espiritual e, nesse primeiro momento, é provável que esse crescimento ainda não tenha sido o bastante para exercer a irmandade de maneira plena. Mas com o passar do tempo é imprescindível que ela seja exercida, e mais: é dever do dirigente do terreiro que ensine, exemplifique e exija esse tratamento dos seus filhos-de-fé. Pequenas intrigas, maledicências, constituição de sub-grupos devem ser coibidos, pois são essas atitudes, inicialmente pequenas, que muitas vezes derrubam um terreiro. Deus, os orixás, as entidades de luz certamente não vão coadunam esse tipo de atitude.

Não se trata de exigir a perfeição, pois já foi citada a natureza humana, mas se trata sim de tentar chegar o mais próximo possível a ela.

E em qual momento é possível saber se esse objetivo está sendo alcançado?

Será ao final do ano, quando realiza-se a confraternização do terreiro? Ou será na festa de Cosme e Damião, quando o terreiro fica lotado? Ou será ainda na festa de Iemanjá, quando todos se unem para ir à praia jogar flores à divina Rainha do Mar?

Todas as respostas acima estão erradas. É no momento de dor que descobrimos nossos verdadeiros amigos. E no caso em questão, é nesse momento que descobrimos se existe realmente uma irmandade ou apenas um aglomerado de pessoas vestidas de branco.

Seu terreiro se une quando um de seus membros passa por um momento de dificuldade? Os demais se mobilizam para ajudar a sanar seu problema ou ao menos dar uma palavra amiga?

Não? Então algo está errado. É preciso repensar algumas coisas urgentemente.

Muitos dirão que nada podem fazer, afinal cada um tem seus problemas cotidianos, suas obrigações, seu trabalho, os afazeres domésticos, suas dívidas. Mas se esquecem que estender a mão e praticar a caridade não significa apenas doar ou emprestar dinheiro ou coisa parecida. Muitas vezes a palavra amiga tem mais valor. Aquele tapa no ombro seguido da frase "você não está só". Um telefonema de solidariedade. Uma prece, uma vela para o anjo da guarda do companheiro de terreiro.

São pequenas atitudes que fortalecem os laços e, sendo esses cada vez mais apertados, fortalecemos também a espiritualidade que nos ampara. Nossos guias e orixás encontram em nossa solidariedade a energia positiva necessária para auxiliar aquele irmão desvalido. A união ainda faz a força. Quando nos unimos, nos fortalecemos, nossa queda se torna mais improvável. Lembre-se que a sua ajuda é sempre muito importante e ela não é necessariamente uma ajuda material, que vai lhe custar tanto. Às vezes os atos mais nobres não custam nada.

E ao entrar em um terreiro como membro da gira não se esqueça que aqueles que ali estão, passam a ser naquele momento seus irmãos. E como irmãos, um dia podem precisar de você, assim como um dia podem lhe estender a mão, pois você não está imune aos revezes da vida.

Douglas Fersan


Comentários