Palavras de um Exu

o guardião da meia noite

O Guardião da Meia Noite, Livro inspirado por Pai Benedito de Aruanda através do médium Rubens Saraceni, nos revela a extraordinária história da trajetória de um Exu, desde sua estadia no corpo físico até se tornar um servidor da Lei Divina. Abaixo, selecionei um trecho do livro que esclarece quem são e como trabalham os nossos fiéis amigos servidores da Umbanda. É mais uma constatação de que, para se conseguir trabalhar nas trevas, é preciso ter luz! Laroiê todos os Exus de Lei! Obrigada, Rubens Saraceni, por este excelente trabalho. (Ednay Melo)


***

Trecho do capítulo "Conhecendo a Lei":


"E eu pensei: Como era poderoso o Guardião dos Sete Portais das Trevas, que leu o meu pensamento.



- Não pense que consegui o meu poder sendo um tolo. Sempre dormi com um olho aberto. Nunca deixei uma ofensa sem resposta, nem um inimigo mais fraco sem conhecer o meu poder. Nunca deixei de respeitar um igual ou de temer a um mais forte. Foi assim que consegui tanto poder. Também nunca saí da lei do carma. Não derrubo quem não merecer, nem elevo quem não fizer por merecer. Não traio ninguém, mas também não deixo de castigar um traidor. Leve o tempo que for necessário, eu o castigo. Não castigo um inocente, mas não perdoo um culpado. Não dou a um devedor, mas não tiro de um credor. Não salvo a quem quer perder-se, mas não ponho a perder quem quer salvar-se. Não ajudo a morrer quem quer viver, mas não deixo vivo quem quer matar-se. Não tomo de quem achar, mas não devolvo a quem perder. Não pego o poder do senhor da Luz, mas não recuso o poder do senhor das Trevas. Não induzo ninguém a abandonar o caminho da Lei, mas não culpo quem dele se afastar. Não ajudo quem não quer ser ajudado, mas não nego ajuda a quem merecer.

Sirvo à Luz, mas também sirvo às Trevas. No meu reino eu mando e sei me comportar. Não peço o impossível mas dou o possível. Nem tudo que me pedem eu dou, mas nem tudo que dou é porque me pediram. Só respeito à Lei do Grande da Luz e das Trevas e nada mais. É isso que o Grande exige de mim, portanto, é isto que eu exijo dos que habitam o meu reino.

Não faço chorar o inocente, mas também não deixo sorrir o culpado. Não liberto o condenado, mas também não aprisiono o inocente. Não revelo o oculto, mas não oculto o que pode ser revelado. Não infrinjo à Lei e pela Lei não sou incomodado.

Agora sabe de onde vem meu poder, senhor da Meia-Noite. Eu sou um dos sete guardiões da Lei nas Trevas; os outros seis, procure e a Lei lhe mostrará.

- Por que o senhor não socorreu o Cavaleiro em sua queda?

- Foi a Lei Maior que assim determinou, por isso eu me calei. Mas quando Ela saiu em seu auxílio, eu arrasei o reino de Lúcifer para saber onde estava o Cavaleiro e acabei descobrindo, pois foi a Lei que me ordenou que assim o fizesse. Ele teve que calar-se e entregar-me o culpado.

- Obrigado, Guardião dos Sete Portais das Trevas! Deu-me uma sábia lição! Sou seu devedor!

- Nada me deve, Senhor da Meia-Noite. Gosto de ensinar a quem quer aprender mas também gosto de castigar quem aprende e faz mau uso do saber.

Ele bateu o pé esquerdo e o recinto se encheu de entidades que haviam sido religiosos quando na carne.

- Eis aí um exemplo do mau uso do saber. Eles aprenderam tudo o que precisavam para suas missões na Terra, mas não seguiram o que pregavam. Usaram do que sabiam em benefício próprio ou para arruinar aos que acreditaram neles. Olhe bem, Guardião da Meia-Noite e verá que os que se diziam sábios, iluminados, profetas, grandes lideres religiosos ou grandes sacerdotes não passavam de otários, idiotas, tolos, imbecis, cegos e mal -intencionados. Verá entre eles todo tipo de defeito e nenhuma qualidade. Eram lobos uns, pois se aproveitavam e comiam suas ovelhas, e hienas outros, pois se contentavam em consumir os restos deixados pelos lobos. Uns e outros, hoje, choram pelo erro cometido, pela oportunidade perdida e pela luz não conquistada. Viveram do mundo e não pelo mundo.
A Lei não os perdoou e os entregou a mim. Eu lhes dou o que merecem porque sou um guardião da Lei nas Trevas, e esta é a minha missão.

A Lei não iria colocar um ser bom e iluminado para castigar os canalhas, nem colocaria um carrasco como eu para premiar aqueles que venceram suas provas. Não!

Os guardiões da Lei na Luz têm uma função como a minha, mas afeita à Luz: não deixam cair quem fez por merecer à ascensão. Eu não deixo subir os que  fizeram por merecer a queda. Eu sou a mão que castiga e a que acaricia;  sou a mão que derruba e a que levanta. Tudo isso eu sou, e, ainda assim, não sou infeliz, triste, arrependido ou ruim. Não sofro de remorso por castigar aquele que a Lei derrubou, assim como um guardião da Lei na Luz nada sente ao premiar quem merece. Sou o que sou, um guardião da Lei nas Trevas, e me orgulho disso, porque sei que sou necessário a ela.

E tudo isto você também é, ou será, se assumir todo o seu passado, resgatá-lo e se sentir feliz em servir à Lei. Ela o recompensará quando assim quiser, não porque você peça qualquer recompensa pelo seu trabalho, mas porque serve-a sem lamentar por estar nas Trevas, pois Luz e Trevas são dois lados do Criador.

Há os que trabalham durante o dia e dormem à noite, mas também há os que trabalham à noite e dormem durante o dia. Há os animais que só saem de sua morada sob o sol, e aqueles que só o fazem sob o luar. Há o verão, mas  também o inverno. O que um aquece, o outro esfria. Há a primavera, mas há também o outono: O que um faz brotar, o outro faz recolher. Há o fogo para queimar e a água para saciar a sede. Há a terra para germinar e há o ar para oxigenar. Há tantas coisas e, no fim, são somente partes do Um.

Por isso lhe digo, Guardião da Meia-Noite, há os anjos e os demônios. Os anjos habitam a Luz e os demônios as Trevas. Uns não condenam aos outros, pois sabem que são o que são porque assim quis o Criador. Aqueles que vivem no meio é que criam tanta confusão com suas descidas na carne. Do nosso lado, não há nada disso. Cada um sabe a que lado pertence. E os que não sabem, são os primeiros de quem nos apossamos. Esta é a Lei que  rege a nós e a todo o resto da Criação.

Não vou falar mais, pois precisaria de muito tempo para tal. Espero que possa sair daqui melhor servidor da Lei do que quando chegou.

- Agradeço suas palavras, Guardião dos Portais. Pena que eu seja muito pequeno para ajudá-lo, senão eu diria: se precisar de minha ajuda, é só pedir!

- Pois ainda lhe digo que a maior das pirâmides não prescinde da menor de suas pedras; a maior das aves, de sua menor pena; o maior teto, de sua menor telha, e o maior corpo, do seu menor dedo. O maior rio não rejeita a menor gota de chuva, nem o maior exército o seu mais fraco soldado. O maior rico é aquele que valoriza o menor dos seus bens.

Muito mais eu poderia falar, mas me satisfaço em dizer-lhe: Obrigado, Guardião da Meia-Noite! Se eu precisar de seu auxilio, não terei vergonha de pedir-lhe, pois, por terem vergonha, muitos morrem. Morrem por terem desejado algo e não terem provado o seu gosto. Vergonha não faz parte de meu vocabulário e a palavra que mais prezo é ”respeito”. Aja assim e não será traído, nem odiado, mas respeitado. Nem os maiores passarão por cima de você, nem os menores lhe escaparão.

Ele parou de falar.

- Até a vista, Guardião dos Sete Portais das Trevas!

- Até a vista, Guardião da Meia-Noite!"







Comentários