Ingratidão - Duas Faces da Mesma Moeda

Ingratidão - Duas Faces da Mesma Moeda

A gratidão é o sentimento positivo e harmonizador pelo qual reconhecemos o bem que outro nos proporcionou. Expressa por emanações energéticas de luminosidade. Já a ingratidão, é o oposto.


No admirável fenômeno de cura orgânica dos dez leprosos, patenteiam-se a ingratidão dos beneficiados e a interrogação do Mestre, diante daquele que havia retornado para agradecer:
—"Onde estão os outros? —Não foram dez os curados?" Nove se haviam ido, apressados, para o gozo e a algaravia, recuperados por fora, sem libertação da doença interna, que desaparecia somente a partir do momento em que fossem agradecer, modificando-se psicológica e moralmente.


Quando sofremos ingratidão, devemos entender que o ingrato, devido a sua condição evolutiva, ainda não está preparado para receber o benefício. Ou, pode ser que nós estejamos apenas, sofrendo a ingratidão que um dia também já praticamos.


Quando o benfeitor compreende: perdoa. Neste caso, cresce espiritualmente ao exercitar o entendimento e a humanidade. Estou praticando os ensinamentos de Jesus, “fazer o bem sem olhar a quem, que a mão direita não saiba o que faz a esquerda”, ou seja sem esperar recompensas.


Quando me magôo e sofro com a ingratidão há uma queda de nível vibratório que me fragiliza, tornando-me suscetível a Espíritos sofredores. Quando eu reajo e revido ao ingrato, entro na mesma frequência vibratória do ingrato, torno-me igual a ele e assimilo a ação dos obsessores espirituais. O que traz enfermidade física ou psíquica.


Aprenda a valorizar nas pessoas suas marcas positivas. Lembre-se de que cada um dá o que tem, o que pode oferecer. Uns oferecem o ácido da traição, o engodo da hipocrisia, o fel da ingratidão, pois é o que alimentam na alma.


O seu prêmio é poder servir ao próximo. Deus confiou-nos a tarefa de ajudar. E quando a realizamos com amor e responsabilidade, plantamos sementes, que posteriormente darão frutos que alimentarão a nossa alma. É a lei de Ação e Reação. Colheremos o que plantarmos.


Sofremos diante de uma ingratidão. Mas e quando o ingrato somos nós?
Quantas vezes retribuímos um benefício com desdém, indiferença e ingratidão. Quantas vezes, ao recebermos ajuda, ao invés de agradecer, achamos até que foi pouco, que as pessoas tinham a obrigação de fazer mais. E se a ajuda é de um parente então, achamos que realmente tinha a obrigação de fazê-la.


Quando somos Ingratos estamos desvalorizando em nós a nossa capacidade de receber.


Quantos de nós chegamos a uma casa espírita, ou um terreiro, amparados pela Espiritualidade amiga, num momento de dor e sofrimento; desesperados e sem forças.
Depois de algumas semanas ou meses de tratamento, sentimos –nos revigorados, deixamos então o local sem se quer agradecer. Ou pior, quando já fortalecidos passamos a julgar, a criticar o local, achando que não fui suficientemente bem atendido.
Esqueço que outros mais precisados requerem maiores cuidados, esqueço que se já consigo caminhar com minhas próprias pernas é para que agora eu faça pelos os outros, o que fizeram por mim. Retribuir ao próximo a benção que recebi, é a melhor forma de sermos gratos.


Jesus disse: ”O que fizeres aos pequeninos é a mim que o fareis.” Ser ingrato com o próximo, é ser ingrato com Deus, que através de seus mensageiros, sejam encarnados ou não, vêem ao nosso socorro quando precisamos.


Provavelmente os médiuns, depois de anos de trabalho mediúnico, sentem na pele a ingratidão, as tristezas, as magoas, as injustiças, as críticas, os desânimos, a vontade de desistir...
No trabalho mediúnico deve haver perseverança, responsabilidade e amor, principalmente nos momentos difíceis. Se um dia eu tiver que deixar a casa espírita, que me acolheu, que eu saia com a certeza de dever cumprido, com a certeza de ter feito o melhor que podia e principalmente com o coração cheio de gratidão.


“Quem se atreve a praticar o bem e a caridade, deve estar preparado para enfrentar a ingratidão”.
“A gratidão deve ser talhada em uma pedra para que vença o tempo. Já a ingratidão deve ser escrita na areia, para que o vento e água, a apague o mais depressa possível”.

Márcia Petrin 


Comentários