O Dom da Cura




O Dom da Cura


Mas o que vem a ser esse dom de curar?

Será, meu Deus, um privilégio de alguns?

Será esse dom uma raridade?

Quando se fala em médium de cura, todos ficam imaginando uma pessoa especial.

Mas hoje aqui venho, meus companheiros, para dar um pequeno alerta
sobre essa faculdade tão comum e tão especial ao mesmo tempo.

Quando uma mãe vê o filho chorar com alguma dor, com carinho o abraça, o afaga
e com os olhos rasos d’água pede a Deus que o cure.
E essa criança, de repente, pára de chorar. Houve milagre?

Não, amigos, essa mãe usou o seu dom de curar: o Amor.




E nós assim faríamos se tivéssemos realmente esse amor incondicional.
E unidos à fé faríamos o que muitos denominam milagre.

Mas nós, estudiosos do espiritismo, já sabemos que tais milagres não existem,
que são apenas magnetismo, energia, fé, boa vontade e amor
doado pelos médiuns e manipulados por nós.

Há o fator merecimento. Esse, Deus é que julga.

Na hora de darmos um passe não nos importa saber se aquele ser ali
é merecedor ou não, façamos a nossa parte.

E será que alguém aqui seria capaz de saber quem merece ou não?

Somos todos nós, simples aprendizes, ainda engatinhando
na estrada infinita do conhecimento.




O dom de cura está em mim, em você, em nós.
 Está nos nossos maiores e melhores sentimentos: Amor e Boa Vontade.

Será que o Mestre dos Mestres fez milagres?

Ele curou, espantou demônios, levantou os caídos, fez andar os paralíticos…
Foram milagres? Não. Ele tinha fé e o mais puro coração.
Sejam vocês, todos vocês, médiuns de cura.
Usem o que existe em cada um: Amor e Boa Vontade!




= autoria desconhecida =




Comentários

Postar um comentário