Dia de Finados


Dia de Finados


Dia que mais as equipes socorristas espirituais trabalham.


São milhares de encarnados que, inconformados, pranteiam seus entes queridos que já partiram para uma das moradas do Pai.

São milhares de desencarnados que se desestabilizam pelas energias de dor e desespero daqueles que ficaram.

A peregrinação aos cemitérios é intensa, muitos ali vão somente neste dia, para limpar o túmulo e colocar flores, uma forma de dizer que sentem saudades.

Porém, a melhor maneira de lembrar nossos queridos que já se encontram em uma das muitas moradas de nosso Pai Maior, é orar pedindo paz e muita luz a eles. Que tenham consciência de que a morte não existe.

Que o corpo físico termina, mas o espírito é eterno e que um dia vamos nos reencontrar, seja na espiritualidade, seja numa nova jornada reencarnacionista.

Não sou contra a ida aos cemitérios, porém muito cuidado ao circular por lá. Pedindo sempre proteção na entrada e na saída e lembrando de orar pelos irmãos desencarnados que ali permanecem, ignorantes de seu novo estado. Pedindo que cada um seja esclarecido e encaminhado, na medida de seu merecimento.

Dia de orar e vigiar, de harmonizar os sentimentos e as energias, evitando os excessos.

Parafraseando nosso amado Pai Joaquim, até amor demais é prejudicial.






O texto abaixo é um pouco longo, mas vale à pena ler:


ALMA LIVRE
Corpo carcomido, morte declarada...
Olhos se fecham na Terra, olhos se abrem no além.
Alma libertada, nova etapa anunciada, brilho novo nos olhos.
Aparência rejuvenescida.
Família espiritual alegre, contato restabelecido: reciclagem de idéias e ideais, meio ambiente luminoso.
Energias coloridas.
Música maravilhosa.
As esferas são harmônicas, o reconhecimento é intuitivo.

ESSA ALMA ESTÁ EM CASA!
Sua prova terrestre foi concluída.
A carne lhe deixou marcas, pode-se vê-las em seus olhos: são brilhantes de amor, vincados pela experiência milenar.
Seu sorriso é largo, pois alcançou a liberdade espiritual,
além das barreiras da morte.
A voz da imortalidade canta; dá boas vindas ao recém-chegado.
Os amigos se regozijam com sua presença: o velho irmão está de volta!
Largou as vestes cansadas, despiu-se do seu ergástulo terreno, e devolveu-o à "Mãe Terra".
Alma boa e laboriosa, colhe agora o fruto de seu equilíbrio.
Seu corpo espiritual está resplandecente de glória.
É lindo observar a luz da alma: ela não perece nunca.
Nem mesmo quando entranhada na carne.
As ilusões humanas podem embotar seus sentidos, mas não embotam sua beleza espiritual.

ESSA ALMA ESTÁ VIBRANDO!
Conquistou bravamente a sua liberdade.
A evolução está radiante: mais um discípulo que ascendeu à "luz maior".
Na dimensão espiritual, uma alma vibra, na dimensão humana, outras almas sofrem.
Seus familiares terrestres choram, iludidos pelas travas da carne: a dor tolheu a sua intuição.
Há espiritualidade em seus conceitos, porém, a dor dilacera seus ideais.
Embora pareçam adultos, são crianças espirituais.
Seus centros energéticos querem vibrar, mas a ilusão da perda os devora.
Poderiam estar luminosos agora, ajudando o ser querido a partir em paz.
Mas a morte estendeu seu manto de trevas sobre eles também.
Enquanto a alma canta livre, seus entes queridos destilam tristeza.
Quanto desperdício de energia!
Poderiam estar aprendendo com a morte, afinal, não é todo dia que morre um familiar.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Finalmente deixou o lar terreno, para instalar-se em seu lar verdadeiro.
Inspirados em seu exemplo, muitos reencarnarão e trabalharão,
ativando o crescimento espiritual do planeta.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Superou a roda reencarnatória; seu esforço foi dignificado.
A galeria dos grandes seres está enriquecida com sua presença: mais um filho espiritual retornou!
Na romagem terrena, há tristeza, na romagem espiritual, há festa!
Luz carinhosa acalenta os espíritos desencarnados.
Um amor maior preenche suas vidas; não há nuvens de dúvida, para toldar suas percepções.
A morte foi vencida!
A própria imortalidade é a prova disso.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Sabe que seus familiares estão tristes, mas não fica triste por isso.
Sabe que o tempo lhes ensinará e que a experiência quebrará as vidraças das suas ilusões.
Sabe que a morte também irá apanhá-los e lhes desvelará os segredos da imortalidade.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE HOJE!
Mas também já chorou no passado.
Derramou muitas lágrimas no cadinho da experiência, porque não sabia discernir o real do ilusório.
Por isso, compreende o sofrimento dos que ficaram.
Emana sua luz carinhosa por eles e sussurra ao tempo que os eduque.
O amor e o conhecimento os farão entender e, no devido tempo, eles também estarão livres.
Deixarão de chorar e mergulharão na luz da imortalidade.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Que todos saibam disso e libertem-se também!

Rama e Os Iniciados* - Recebido espiritualmente por Wagner Borges - Texto extraído do livro "Viagem Espiritual"




***


Dia de Finados na Umbanda

Neste mês de novembro, no dia 02, temos por tradição o dia de finados. Para nós, umbandistas, esta data tem grande importância por tratar-se do dia em que louvamos a força e o poder do Divino Orixá Pai Omulu, o Senhor da Morte e das Transições no Universo Divino.


De uma forma geral, na sua doutrina, a Umbanda se apega intensamente na Vida, ou seja,em como devemos nos comportar enquanto encarnados para então, quando chegar a hora do desencarne, podermos garantir um lugar bom nas esferas espirituais.


Hoje, quero comentar sobre a visão da morte e a importância da mesma, sendo que cultuamos uma Divindade regente desse sentido da vida.


Para a Umbanda a morte do corpo físico não é o fim da vida. Entende-se apenas como o fim de um ciclo, ou seja, da passagem encarnatória. Após o ato da morte física do ser encarnado, este será encaminhado para uma esfera espiritual condizente com seus atos e vibração emocional acumuladas durante a passagem no corpo físico. Aqui no plano físico, estamos numa esfera neutra ou mista, onde tudo se encontra, sem distinção. Já no plano astral, os seres vivem em realidades dimensionais pertinentes às suas condições emocionais e vibracionais. Logo, se o ser vibrar ódio, um lugar com seres odiosos será sua morada. Se vibrar o amor, sua morada será um lugar agradável. Nós somos aquilo que criamos ao nosso redor e a realidade que desenvolvemos é a que levamos além do pós morte. Então, nada se acabará com o fim da vida física,quando o corpo perece este é o fim de uma etapa e o início de outra. Morremos para o mundo físico e renascemos para o mundo espiritual. Assim, o contrário acontece quando reencarnamos: “morremos”para a vida no plano etérico e nascemos para o plano físico. Nós umbandistas, devemos nos preocupar com o que criamos na nossa vida, pois já podemos desconfiar do resultado no desencarne. A Umbanda não crê em ressureição, como não crê em um Salvador ou Messias resgatador de seu rebanho,uma vez que ela prega a transcendência que cada ser deve alcançar. Ninguém fará nada por ninguém, cada qual com seu quinhão. No entanto, a crença no reencarne é a explicação do resgate dos débitos e aprendizado constante do ser.


No dia de finados, é fundamental que o umbandista, ao realizar o culto ao Divino Orixá Pai Omulu, vibre seus pensamentos nos antepassados, seus parentes desencarnados, solicitando ao Pai Omulu que ilumine a todos ,pois se algum antepassado estiver precisando de ajuda por estar perdido nas suas questões emocionais e ainda não ter alcançado a luz, pode ser oportuno de acontecer este resgate, e, aquele que já esteja em situações privilegiadas, então se sentirá gratificado pelas vibrações, além de ser o momento de demonstrar gratidão aos antepassados que promoveram a sua passagem presente.




O culto ao Orixá Omulu é o momento de exaltação da Divindade e o que mesmo representa, pois como entendemos que ele é a Divindade do “fim”, logo ele não está presente apenas na tão temida morte física, gerando uma imagem temerosa em relação a esse Orixá. Sua vibração se faz presente centenas de vezes durante nossa Vida, por exemplo, o fim de um relacionamento amoroso é o rompimento de cordões emocionais e o fim de um ciclo de convivência entre duas pessoas. Neste momento de finalização lá está presente a vibração desse Orixá para encaminhar os envolvidos em seus caminhos individuais, também posso citar a mudança de emprego, de moradia, fim de amizade, etc... Sempre em situações, principalmente de rompimentos ou encerramentos de ciclos, é esta a vibração divina que se faz presente na Vida dos envolvidos. Mesmo ficando a cargo de cada um a colheita necessária após o desencarne, a Umbanda tem na Cerimônia Fúnebre a preocupação de garantir que o espírito desencarnado fique a cargo da Lei Divina e não tenha problemas maiores com ataques de espíritos negativos. 


Este texto foi baseado em um seminário apresentado na Universidade do Sagrado Coração de Bauru- SP / Do Blog Templo Umbandista Estrela Dourada



Comentários