Pular para o conteúdo principal

Destaques

Presente nos Terreiros Fazendo a Caridade Desinteressada


Caridade nos centros de umbanda

Hoje, pipocam aqui e ali tantos cursos pagos de sacerdócio, chegando mesmo a serem mais importantes que a própria mediunidade do interessado, dependendo do nome famoso do sacerdote que os ministra. Há ainda os que afirmam que não é preciso ter mediunidade para ser sacerdote, o que é inconcebível na Umbanda. Mas, diante de tanta iniciação, mestres, magos, pais, mães, escolas, cursos, títulos, diplomas e honrarias, como fica a mediunidade e os milhares de médiuns que não foram iniciados por ninguém, não fizeram nenhum curso e estão anonimamente à frente de seus terreiros, fazendo a caridade há anos?

Pensemos profundamente na sabedoria desse fato inconteste.

Obviamente, ser sacerdote independe de ser reconhecido como tal. Lembremos do médium Zélio Fernandino de Moraes, que aos dezessete anos manifestou o Caboclo das Sete Encruzilhadas e anunciou uma religião no dia seguinte. Se fosse nos dias de hoje, infelizmente iriam fazer cara feia e perguntar quem foi seu pai e sua mãe no santo e onde fez o curso de sacerdote, desmerecendo a limpidez do mediunismo frente à desvinculação de uma confraria terrena, raiz ritualística ou escola.

LIVRO MEDIUNIDADE E SACERDÓCIO
Fonte: Pérolas de Ramatis - Facebook







Comentários