Pular para o conteúdo principal

Homenagem aos Orixás e Guias do Mês de Dezembro - 2017

Salve Oxalá! Salve Iemanjá! Salve o Povo do Oriente! Salve os Marinheiros!






Família Tulca em gira festiva em 09-12-17! Gratidão a todos pela linda homenagem, pela presença, pelo carinho e pela fé! Parabéns aos batizandos 2017! Que as bençãos de Pai Oxalá e Mãe Iemanjá proporcionem amor e paz a todos!

Oração à Mãe Iemanjá 
O teu mar, fonte de poesias e de encanto, enaltece o espírito de quem sabe ouvir o cantarolar das suas ondas...

Grande provedor de alimentos que nosso Pai Maior nos presenteou...

Acolhe a todos nós como um grande útero universal, querida Mãe de todos nós...

Aquela que alimenta, que ampara, que cuida, que ensina, que afaga...

E que, com a paciência de mãe, espera pelo crescimento espiritual de cada um...

Ajuda-me oh mãezinha, a compreender o fundamento maior do meu lugar no mundo, para que eu possa vencer as intempéries no caminho...

Para que eu possa continuar rumo ao Pai, apesar das pedras que me jogam a fim de que eu estacione...

Para que eu possa compreender e me fa…

Encontros e Despedidas

ENCONTROS E DESPEDIDAS 

Milton Nascimento, Fernando Brant 
Canta: Maria Rita



Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço
Venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
Quando quero

Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim, chegar e partir
São só dois lados 
Da mesma viagem
O trem que chega 
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro 
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida

***



Interpretação da Letra:

Em “Encontros e Despedidas” a referência é o espiritismo de Chico Xavier.

Assim, os autores traçam uma engenhosa relação entre o vai-e-vem de uma estação e a doutrina espírita.

Para os artistas, as relações são claras: Quem perdeu um ente querido fica querendo ter notícias do outro, na outra dimensão da vida, ou seja, “do lado de lá”. E quem partiu pede um carinho, um abraço, uma lembrança boa, uma prece de quem ficou.

O melhor da vida é o esquecimento do passado e não saber quando, não ter plano para partir. E se o espírito for um pouco evoluído, poderá voltar e ver os entes queridos quando quiser.

Para os autores, a vida é uma estação e todos os dias é um vai e vem. Alguns renascendo e outros desencarnando. Tem aqueles que vêm pra ficar e cumprir o seu planejamento reencarnatório todo, tem outros que vão pra nunca mais porque já estão muito evoluídos e só voltarão se quiserem, em alguma missão. Têm aqueles que renascem porém estão com medo dos compromissos e das provas, por isso querem voltar. Tem outros, tão apegados à vida material que vão mas querem mesmo é ficar por aqui. Têm espíritos cuja prova é só vir, olhar e voltar, por isso tem espíritos a sorrir e a chorar. Os que sorriem à chegada de um bebê e os que choram a partida de um amor. Assim, renascer e desencarnar “são só dois lados da mesma viagem”. “O trem que chega” (o processo de justiça da reencarnação) é o mesmo da desencarnação.

Conclusão: A vida é a plataforma da estação de chegada e partida dos espíritos pela Lei de Justiça, Amor e Caridade…(Autor desconhecido)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tapete de Oxalá (Boldo) - Pesquisado por Ednay Melo

BOLDO SETE-DORES


Nome Científico: Plectranthus barbatus Andrews 
Família botânica: Lamiaceae (Labiatae)
Sinonímias: Coleus barbatus (Andr.) Benth.

Nomes populares: boldo, boldo-de-jardim, boldo-africano, boldo-silvestre, boldo-nacional, falso-boldo, boldo-do-reino, malva-santa, malva-amarga, sete-sangrias, sete-dores, folha-de-oxalá, tapete-de-oxalá.
Origem ou Habitat: É originária da Índia (LORENZI; MATOS, 2008).
Características botânicas: é um arbusto perene, pubescente, com aproximadamente 1,5m de altura. Caule amarelo-acinzentado bastante rugoso, pouco ramificado, com ramos quadrangulares. Folhas com 4 – 8 cm de comprimento, 2,5 – 6 cm de largura, simples, opostas, ovado-oblongas, com margem dentada, verde-claro na página superior e verde-pardacento na inferior. Flores azul-violáceas , com até 2 cm de comprimento.
Habitat: Planta brasileira presente em quase todas as regiões do país - em jardins, hortas, terrenos baldios e cultivados.
História: Faz parte da medicina popular, com as mesma…

Sugestão de Livros Espiritualistas

Para você leitor, disponibilizamos em nosso Blog uma lista com sugestão de livros! 


Livros de Umbanda, Espiritualistas e Espíritas - clique aqui





















Cores, Datas Comemorativas e Dias da Semana dos Orixás - Por Ednay Melo

A Umbanda é uma religião que nos dá a oportunidade de escolher a melhor forma de praticá-la, respeitando os valores e crenças de cada um. Na umbanda existem conceitos universais, aqueles que se não forem seguidos não se pode considerar Umbanda, como por exemplo a crença em Deus e nos Orixás, a crença nos trabalhadores que formam as linhas de Umbanda como os Caboclos, os Pretos Velhos e Ibejis, a prática da caridade sem qualquer tipo de cobrança, seja material ou psicológica, não sacrificar animais, o predomínio da cor branca, trabalhos direcionados apenas para o Bem, entre outros. 
A questão das cores dos Orixás, datas comemorativas e dias da semana está confundindo muitos irmãos de fé diante de tantas informações desencontradas, mas que se apreciadas empaticamente, fazem todo o sentido dentro da realidade de cada um. 
O julgamento precipitado, a crítica que acaricia o ego, a falta de sensatez de discursos superficiais do que não se conhece, prejudica mais do que aclara o entendiment…