Pular para o conteúdo principal

Destaques

Encontros e Despedidas

ENCONTROS E DESPEDIDAS 

Milton Nascimento, Fernando Brant 
Canta: Maria Rita



Mande notícias do mundo de lá
Diz quem fica
Me dê um abraço
Venha me apertar
Tô chegando
Coisa que gosto é poder partir
Sem ter planos
Melhor ainda é poder voltar
Quando quero

Todos os dias é um vai-e-vem
A vida se repete na estação
Tem gente que chega pra ficar
Tem gente que vai pra nunca mais
Tem gente que vem e quer voltar
Tem gente que vai e quer ficar
Tem gente que veio só olhar
Tem gente a sorrir e a chorar

E assim, chegar e partir
São só dois lados 
Da mesma viagem
O trem que chega 
É o mesmo trem da partida
A hora do encontro 
É também despedida
A plataforma dessa estação
É a vida desse meu lugar
É a vida desse meu lugar
É a vida

***



Interpretação da Letra:

Em “Encontros e Despedidas” a referência é o espiritismo de Chico Xavier.

Assim, os autores traçam uma engenhosa relação entre o vai-e-vem de uma estação e a doutrina espírita.

Para os artistas, as relações são claras: Quem perdeu um ente querido fica querendo ter notícias do outro, na outra dimensão da vida, ou seja, “do lado de lá”. E quem partiu pede um carinho, um abraço, uma lembrança boa, uma prece de quem ficou.

O melhor da vida é o esquecimento do passado e não saber quando, não ter plano para partir. E se o espírito for um pouco evoluído, poderá voltar e ver os entes queridos quando quiser.

Para os autores, a vida é uma estação e todos os dias é um vai e vem. Alguns renascendo e outros desencarnando. Tem aqueles que vêm pra ficar e cumprir o seu planejamento reencarnatório todo, tem outros que vão pra nunca mais porque já estão muito evoluídos e só voltarão se quiserem, em alguma missão. Têm aqueles que renascem porém estão com medo dos compromissos e das provas, por isso querem voltar. Tem outros, tão apegados à vida material que vão mas querem mesmo é ficar por aqui. Têm espíritos cuja prova é só vir, olhar e voltar, por isso tem espíritos a sorrir e a chorar. Os que sorriem à chegada de um bebê e os que choram a partida de um amor. Assim, renascer e desencarnar “são só dois lados da mesma viagem”. “O trem que chega” (o processo de justiça da reencarnação) é o mesmo da desencarnação.

Conclusão: A vida é a plataforma da estação de chegada e partida dos espíritos pela Lei de Justiça, Amor e Caridade…(Autor desconhecido)




Comentários