Mediunidade de Cura

Mediunidade de Cura

A mediunidade de cura é muito antiga, mais ou menos discutida e pouco estudada. 

A maioria das doenças começa no Espírito e se manifesta no corpo material como que por repercussão. A causa pode ser um fato de vida passada, o que gera o chamado “carma”, efeito desvelado por um pensamento, comportamento ou ato do indivíduo.

Se ele bebia, fumava, usava outras drogas ou algo parecido, por exemplo, pode ser que venha a sofrer as consequências disso apenas na sua vida seguinte ou até mesmo mais à frente, dependendo das suas programações reencarnatórias e de seus pensamentos, comportamentos e atos no futuro.

A doença pode, então, ter sido causada na mesma encarnação ou em uma anterior, porém pode ser “desarmada” antes mesmo de se manifestar na matéria grosseira, se o indivíduo, por exemplo, praticar muito o bem e terminar merecendo se livrar daquele carma. A cirurgia espiritual surge, então, como um dos meios para “desarmar a bomba cármica” programada no períspirito da pessoa.

Normalmente, contudo, essas cirurgias acontecem em casos nos quais a doença já se manifestou materialmente e está levando alguém a sofrer.

O médium João de Deus se tornou internacionalmente conhecido após aparecer, dentre outros, no programa da famosa americana Oprah Winfrey, cujos 3 vídeos podem ser encontrados aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=jvFCxdmTHOk&t=371s (parte 1)
https://www.youtube.com/watch?v=NVs1_7IYIUg (parte 2)
https://www.youtube.com/watch?v=iUxRjh3ZOWU (parte 3)


Há muitos anos, milhares de pessoas vêm sendo curadas em Abadiânia, no interior de Goiás, e isso acontece também em outros locais do Brasil e do mundo. Além da cura, um dos maiores “milagres” (na verdade, os acontecimentos são puramente naturais e serão explicados pela ciência terrena mais cedo ou mais tarde) da cirurgia espiritual é fortalecer a fé de muitos dos assistidos na espiritualidade, na existência de inteligências invisíveis, levando-os a buscar mudanças nos seus pensamentos, comportamentos e atos, procurando, por exemplo, mais autoconhecimento e evolução moral.

Os índices de melhora (78%) e de cura (42% a 43%) têm sido muito altos, segundo o próprio Dr. Fritz.

Eles caem em se tratando de cirurgia espiritual à distância, aquela na qual há intermediação de alguém em lugar do paciente ou na qual os Espíritos visitam (visita espiritual) o paciente em casa, não havendo contato com um médium. No primeiro caso, os índices têm sido de 34% de melhora e 14% de cura total. No segundo caso, os índices têm sido 28% de melhora e 2% a 3% de cura total.

A fé, essa essencial faculdade, esse sentimento inato do homem, é importante em trabalhos de cura espiritual. Se o paciente tem fé, está com o Espírito receptivo, o trabalho tende a fazer mais efeito, porém o próprio Dr. Fritz destaca que o trabalho é médico, científico, de modo que tende a levar à cura havendo ou não fé.

É fundamental na vida ter fé e entender sua relevância, mas os indivíduos não devem se enganar a ponto de acreditar que somente a fé, por si, resolverá sempre os seus problemas, pois há leis da Natureza a serem respeitadas e técnicas específicas para solução de problemas materiais e espirituais.

A fé deve ser ativa, disciplinada, esforçada, e precisa se utilizar dos conhecimentos mais avançados, para que possa ter seus efeitos maximizados.

Outra questão que chama a atenção é o fato de a reforma moral não ser fator imprescindível para a cura, segundo afirma o próprio Dr. Fritz:

“Como médico, minha meta é curar as pessoas. Não me importa se vão se tornar melhores ou não. O meu trabalho não é esse, o meu trabalho é agir como médico, o que é 100% científico, consequência de técnicas e métodos espirituais de atendimento ao perispírito doente e não passa por questões de fé. Claro que, quando meu paciente tem fé, o meu trabalho rende mais. Quando o paciente passa por uma transformação moral isso quer dizer que a semente que foi plantada nele, através do meu processo fluídico em comunhão com o médium, está sendo cuidada e isso é muito bom, tanto para o paciente como para o resultado do meu trabalho” (Cirurgias Espirituais, p. 87).

A explicação acima só confirma o que viemos defendendo nos textos anteriores: a transformação moral é o objeto principal das nossas vidas encarnadas e desencarnadas, mas não se pode esquecer que problemas espirituais, como obsessões e muitos outros, têm causas e tratamentos variados, devendo-se usar, como coloca o Dr. Fritz, todas as melhores técnicas e métodos para a cura, o que requer muita pesquisa, estudos e experiência. A reforma moral determinará se a doença irá retornar ou não, mas o tratamento, frequentemente, independe dela.

Os tratamentos com ervas e outros elementos da natureza, tão comuns na Umbanda e sobre os quais recai preconceito em boa parte do movimento espírita, são defendidos pelo Dr. Fritz e utilizados nas equipes que trabalham com ele. Segundo palavras dele mesmo transcritas no livro “Cirurgia Espiritual”, na página 99:

“O corpo humano é um verdadeiro laboratório e os chás, ervas e emplastros que são receitados nas cirurgias espirituais são compostos químicos tratados na espiritualidade que interagem com a química própria de cada paciente. Certa vez curei uma paciente que estava com um problema no fígado com um colírio, um chá para prisão de ventre e uma massagem nas costas”.

Aqueles que possuem o conhecimento espiritual não podem se furtar de utilizar todos os recursos existentes para a cura das pessoas. Os espiritualistas em geral devem estar atentos para o fato de que os tratamentos precisam ser holísticos, assim como a educação já o deve ser desde o ventre da mãe.

Torçamos para que a Federação Espírita Brasileira (FEB) divulgue esse conhecimento e incentive a adoção de tratamentos e processos educacionais mais holísticos, que permitam a cura e o desenvolvimento do ser em toda a sua magnitude possível neste momento evolutivo.

Que Deus continue abençoando os Espíritos curadores e seus médiuns para que mais e mais pessoas sejam curadas e para que a certeza da vida após morte e da importância do progresso espiritual fique marcada cada vez em mais corações.


***


Mediunidade de Cura
INTRODUÇÃO

Perispírito – Corpo fluídico da alma, constituído de matéria quintessenciada.
Duplo Etérico – Elemento transitório que desempenha a função de canal ou veículo de intercâmbio entre o perispírito e o corpo físico.
Corpo Carnal – Vestimenta material que a alma ajusta para poder fixar-se nos mundos escolas.

CAUSAS DAS ENFERMIDADES
Infelizmente a vossa humanidade ainda ignora que a maior parte das doenças do corpo tem sua origem em distúrbios agudos de ordem psíquica, pois a cupidez, a avareza, o ódio, a vingança, o ciúme, a ambição, o orgulho e outros tóxicos de ordem moral são matriz de moléstias como o câncer, tuberculose e outras.
As variadas províncias celulares sofrem o impacto constante das radiações mentais a lhes absorverem os princípios de ação e reação desse ou daquele teor, pelos quais os processos da saúde e da enfermidade, da harmonia e desarmonia são associados e desassociados, conforme a direção que lhes imprima a vontade.

OBJETIVO DAS CURAS MEDIÚNICAS
O alívio, o reajuste físico, ou as curas conseguidas por intermédio da faculdade mediúnica tem por objetivo principal sacudir o ateísmo do enfermo, despertando o entendimento para os ensinamentos da vida espiritual.
A mediunidade de cura mediante o espiritismo, em sua profundidade, é uma cooperação de objetivo Crístico, condicionada a Evangelização do homem, despertá-lo para os deveres e responsabilidades do Espírito Imortal.

MEDIUNS CURADORES – PREPARAÇÃO FÍSICA

Se o médium não tem saúde, não pode dar a outrem.
Se os fluídos saem do corpo e do espírito do médium é lógico que vão impregnados do que eles contém.
A mais leve alteração na saúde do médium, o impossibilita de dar passes.
Boa alimentação é o primeiro passo, abster-se de carne pesada e condimentos muito apimentados, chocolate também é contrário aos bons fluidos.
Regime alimentar vegetariano e dieta hídrica.
Água em jejum e na hora do repouso, proporciona a regularização de todos os órgãos responsáveis pela nutrição.
O exercício de respiração, respirar lentamente para permitir a perfeita combustão do sangue nos pulmões.
Evitar muito desgaste físico nas tarefas diária, para manter reserva de bons fluidos.
Dormir no mínimo 7h por noite, o excedente de horas é supérfluo e prejudicial.

MEDIUNS CURADORES – PREPARAÇÃO MENTAL

Sem uma moral a prova das tentações inferiores, não pode em absoluto, haver um bom médium.
O médium está na obrigação de trilhar a senda evangélica por pensamento, palavras e obras.
Manter uma linha de conduta impecável
Boa saúde e moral sã = bons fluidos.
MEDIUNS CURADORES – PREPARAÇÃO ESPIRITUAL
O médium curador prepara-se espiritualmente pela reforma moral, reajustando os bons sentimentos.

MEDIUNS ENFERMOS

O passe mediúnico, se o médium se encontra enfermo, a sua tarefa mediúnica se torna contraproducente, uma vez que ele projeta algo de sua própria condição enfermiça sobre os pacientes que se sintonizarem passivamente à sua faixa vibratória psicofísica.

RECEITUÁRIO MEDIÚNICO
Como funciona à distância:

Exige a participação de diversas equipes espirituais sob o comando de uma entidade responsável pela boa ordem dos trabalhos.
Essas equipes compõem-se de técnicos, médicos, laboratoristas, enfermeiros, químicos e pesquisadores, em comunhão com outras entidades, que auxiliam o serviço coletivo, disciplinado e ágil.
Por meio de vibrações, as entidades responsáveis pelos diversos setores recebem a notificação da consulta, entram em relação com o consulente, captam a sua imagem perispiritual e a retransmitem para o local dos trabalhos, projetando-se em ondas no espelho fluídico e em uma fração de minuto é examinada pelos companheiros espirituais ali presentes, embora o médium não enxergue o espelho fluídico porque está em uma freqüência mais alta.

O diagnóstico

Todas as toxinas psíquicas que se instalam e afetam a contextura do perispírito refletem-se na sua circulação astralina, na sua irradiação e cores áuricas, tons, luminosidade, magnetismo, transparência e temperatura.
Os sinais cromosóficos, as alterações magnéticas, de transparência ou luminosidade, que o órgão perispiritual apresenta definem a enfermidade e sua gravidade.
O médium intuitivo no receituário mediúnico
O espírito receitista escolhe no arquivo mental do médium a medicação que julga mais apropriada para o consulente.
A medida que se amplia o conhecimento do médium, cresce o êxito do receituário mediúnico.
O médium intuitivo não pode receitar remédios que não conheça.
O médium mecânico, sonambúlico ou de incorporação no receituário mediúnico
Podem receitar medicamentos que lhes sejam desconhecidos.
No caso de médiuns mecânicos os espíritos terapeutas acionam o braço do médium à altura do plexo braquial e trabalha movendo-o como se fosse uma caneta viva, podendo receitar, podendo receitar sem ter como veículo o cérebro humano.

Consumo dos medicamentos receitados:

Os remédios prescritos mediunicamente deixa de produzir os resultados vaticinados pelos terapeutas do espaço, caso não sejam utilizados em 10 dias, pois além desse prazo ocorrem reações orgânicas inesperadas de efeitos mórbidos imprevistos.

Organização:

Não é possível êxito absoluto num receituário mediúnico desarticulado, conduzido as pressas, conforme é comum na maioria dos centros espíritas, devido a inexperiência, indisciplina e ignorância nos trabalhos, limitar a quantidade de receitas para cada sessão evitando o receituário excessivo, pois exige do médium um dispêndio de energias que resulta em fraca sintonia com o guia assistente.

Prioridade:

Fora os médiuns experimentados, sonambúlicos ou absolutamente mecânicos, os demais se quiserem manter um ritmo equilibrado e sem a tradicional fadiga mental, devem limitar as consultas atendendo de preferência, as que exigem solução mais urgente.
Cansar o médium intuitivo congestiona a comunicação perispiritual, prejudicando o trabalho.

Amparo

Receituário mediúnico exige o máximo de e critério e prudência para merecer o amparo.
Quando o médium é apenas intuitivo e ocioso aos estudos, então o caso assume um aspecto mais grave, porque pode ser que o médium não possua as qualidades morais para uma boa assistência espiritual, além disso os médiuns receitistas incompetentes, ignorantes e indisciplinados ou exclusivamente anímicos, que prescrevem aos doentes tudo aquilo que germina fantasiosamente no cérebro e considera receita intuída pelos desencarnados.

Receituário mediúnico remunerado

É serviço a ser efetuado gratuitamente em favor da humanidade, para cobertura de dívidas pretéritas, por cujo motivo não o credencia a cobrança ou ressarcimento material.
Em conseqüência, sempre resulta em agravo espiritual para o médium curador a cobrança pelo seu serviço mediúnico, mesmo quando a paga é na forma de presentes espontâneo oferecido por aqueles que o consultam.

CIRURGIAS ESPIRITUAIS
Cirurgias diretas:

No caso de operações diretas, os técnicos desencarnados utilizam o ectoplasma do médium de fenômenos físicos, e também os fluidos nervosos emitidas pelas pessoas presentes, e esta aglutinação polarizada sobre o enfermo presente possibilita resultados mais eficientes e imediatos.

Cirurgias processadas a distância

Em tais casos os técnicos siderais operam no perispírito dos enfermos, e o duplo etérico se encarrega de transmitir para o corpo físico todas as reações específicas da interação processada naquele.
Pelo fenômeno de repercussão vibratória manifesta seus efeitos lenta e gradualmente no corpo de carne.
Os espíritos servem-se dos instrumentos operatórios do vosso setor utilizando a substância astralina do seu ambiente próprio, usam os moldes ou duplo etéricos das ferramentas adotadas pelos médicos terrenos.
Todos os objetos ou seres possuem seu molde ou duplo astral.
Os espíritos operadores desmaterializam as ferramentas dos médicos terrenos, e manuseando as matrizes etéricas das mesmas operam o corpo perispiritual na parte que se apresenta afetada.
A intervenção na matriz perispiritual leva tempo para corrigir as deformações nos órgãos afetados em sua contraparte carnal.

Cirurgias Mediúnicas - Incorporação

O espírito quando opera incorporado no médium é sempre auxiliado por companheiros experimentados na mesma tarefa, os quais cooperam e ajudam no controle da intervenção cirúrgica.
Os médicos desencarnados trocam opiniões e antecipadamente examinam as anomalias dos enfermos a serem operados. Entidades experimentadas na ciência química preparam os fluidos anestesiantes e cicatrizantes e depois o transferem do mundo oculto para o mundo físico conforme o necessário.


PASSES

Deve o passista cultivar as seguintes qualidades.

- Boa vontade
- Prece e mente pura
- Elevação de sentimentos e amor

A prece especialmente, representa elemento indispensável para que a alma do passista estabeleça comunhão direta com as forças do bem, favorecendo, assim, a canalização, através da mente, os recursos magnéticos das esferas elevadas.

A oração é prodigioso banho de forças, tal vigorosa corrente mental que atrai.

Para o êxito da tarefa deve-se expulsar as preocupações do dia a dia e sorver do plano espiritual substancias renovadoras.

O que impossibilita o êxito:

- Mágoa excessiva e paixões
- Alimentação inadequada e alcoólicos
- Desequilíbrio nervoso e inquietude

A alimentação excessiva favorece o vampirismo da criatura por entidades infelizes, o mesmo o correndo com os alcoólicos em demasia.
O passista que não confia no alto limita sua capacidade de receptiva, fecha as portas da casa mental, obstruindo o acesso a recursos magnéticos.


FLUIDOS PROJETADOS A DISTÂNCIA – (Passes)

Pode ser ministrado com eficiência desde que haja uma sintonia entre aquele que administra e o que recebe. Nesse caso, diversos companheiros espirituais se ajustam no trabalho de auxílio, favorecendo a realização e a prece silenciosa será o melhor veículo de força condutora.
Por serem fluidos mais fracos do que os doados pelo médium de efeitos físicos (Ectoplasma) são submetidos a um tratamento químico especial pelos operadores invisíveis afim de se obterem resultados positivos
Fatores que impedem que os fluidos transmitidos a distância sejam da mesma eficácia do que os do médium na intervenção direta.

- Falta vontade disciplinada
- Vibração emotiva fervorosa
- Não tem boa saúde
- Fumam muito
- Abusam de alcoólicos
- Alimentação carnívora

Para suprir as necessidades fluídicas os espíritos bem feitores se utilizam também de vibrações espirituais de fiéis de outras crenças ou religiões, quando se encontram reunidos em seus templos, imantados em preces, cânticos ou devoções.

FLUIDIFICAÇÃO DA ÁGUA

Em espiritismo entende-se por água fluida aquela em que os fluidos medicamentosos foram imergidos, por ação magnética de médiuns ou por intervenção de Espíritos benfazejos.

Os processos de fluidificação da água consistem em:

1 - Pelas próprias pessoas
2 – Pelos médiuns
3 – Pelos Espíritos do bem

A fluidificação de água pelos espíritos pode processar-se na presença do médium, ou a distância. No primeiro caso não dispensa a concentração do médium, no segundo faz-se a exposição da vasilha ao sereno da noite.
A água recebe-nos a influência ativa da força magnética e princípios terapêuticos que aliviam e sustentam, que ajudam e curam.
Os médiuns vegetarianos, sem vícios deprimentes e libertos de paixões violentas, são capazes de produzir curas prodigiosas pelo emprego da água fluidificada, a qual ainda é super ativada pelo energismo mobilizado pelos espíritos desencarnados em serviço socorrista aos encarnados.
Ao ingerir a água fluidificada, isto é, um conteúdo potencializado no seu energismo, o homem recebe diretamente e em estado de pureza esta carga de forças vitalizadoras.
Não é o bastante os médiuns fluidificarem a água, eles precisam melhorar sua saúde física e sanar seus desequilíbrios morais, exige também do médium o fiel cumprimento das leis de higiene física e espiritual afim de elevar o padrão qualitativo de suas irradiações vitais.
O êxito mediúnico de passes e fluidificação da água é afetado, quando os médiuns são negligentes a sua higiene física e mental.
Jesus era pobre, mas asseado, suas mãos eram limpas e ele evitava até alimentação indigesta ou tóxica.

Entramos em contato todos os dias com poeira, substâncias tóxicas, enfermos e na falta de limpeza prévia ela se transforma, à hora dos passes, em desagradável chuveiro de fluidos contaminados pelos germes e partículas nocivas a transmitirem-se ao consulente.
Os consulentes se tornam mais receptivos aos fluidos terapêuticos mediúnicos quando os recebem de passistas que se impõe pelo melhor aspecto moral, asseio e delicadeza.
O êxito depende fundamentalmente do estado de receptividade do consulente.

“E qualquer que tiver dado só que seja um copo d’água fria por ser meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum, perderá seu galardão” Jesus – Mateus 10:42


AUTO CURA:

Quando a criatura possui a convicção sincera e pura lembrada por JESUS no exemplo do grão de mostarda e da Fé que remove montanhas ela mesmo pode dispensar o curandeiro, o médium e os médicos e assim recuperar-se completamente.
“Vós sois Deuses” JESUS

Se não fosse assim o mestre teria dito!

ÊXITO DAS CURAS MEDIÚNICAS

O próprio Jesus não pode curar todos os enfermos, pois enquanto alguns não possuíam a fé “Que remove montanhas”, outros não estavam em condições de livrar-se dos seus sofrimentos e mazelas físicas determinadas pela lei do Carma.”
A saúde do corpo físico é menos importante do que o equilíbrio espiritual da alma.

OS IMPEDIMENTOS QUE NÃO PERMITEM A CURA

A perfeição das leis cósmicas não permitem curar externamente quem não quer curar-se internamente.
Poses mentais descontroladas dificultam a análise perispiritual, o diagnóstico fica comprometido.
Vícios desregrados destroem as possibilidades de êxito do além, pois tornam o perispírito sujo e oleoso que formam uma cortina opaca, intransponível.


OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

Vibrações balsamizantes conseguem acalmar o sofrimento do enfermo, porém, em nenhuma hipótese evitarão que se processe o determinismo da Previdência Divina quanto a sua vida ou morte.


FINALIZANDO

O verdadeiro sentido da Vida é Amor! E o amor é um estado de espírito de doação incondicional que nos impõe no dever de pensarmos também nas aflições dos outros.

Assim todo o gesto ou ato que tenha em vista satisfazer a nossa vaidade, ou nosso orgulho, é sempre uma realização desfavorável ao próximo, pesando na balança da Justiça Divina contra nós mesmos.

“Bem aventurados os que sofrem porque deles é o Reino dos Céus” JESUS

“Só pelo amor será salvo o homem” JESUS

***


MÉDIUNS DE CURA




ZÉ ARIGÓ

Mediunidade de Cura
José Pedro de Freitas (Fazenda do Faria, Congonhas, 18 de outubro de 1922 (ou 1921) foi um médium brasileiro. Era conhecido como José Arigó ou simplesmente Zé Arigó.

Desenvolveu suas atividades espirituais em Congonhas durante cerca de vinte anos, tornando nacional e internacionalmente conhecidas as cirurgias e curas realizadas por intermédio de sua faculdade mediúnica, pelo espírito que se denominava como Dr. Fritz, um médico alemão falecido em 1918, durante a Primeira Guerra Mundial.

Apesar de possuir desenvolvida mediunidade, Arigó possuía formação católica tradicional, e seu nome, a rigor, não se associa formalmente nem ao Espiritualismo nem ao Espiritismo. Apesar da desaprovação da Igreja Católica (com quem, entretanto, não criou inimizades) e das autoridades civis, Arigó fundou uma clínica à Rua Marechal Floriano, em Congonhas, onde chegava a tratar, gratuitamente, até duzentas pessoas por dia, oriundas da região e dos diversos Estados do país, da América do Sul, da Europa e dos Estados Unidos. À época, Congonhas chegou a estar ligada a Buenos Aires (Argentina) e a Santiago do Chile (Chile) por linha de ônibus direta e regular.

Entre as dificuldades de ordem legal enfrentadas pelo médium, destaca-se o processo instaurado em 1956 pela Associação Médica de Minas Gerais, sob a acusação de prática de curandeirismo, e pelo qual foi condenado a quinze meses de prisão (1958); entretanto, teve a sua pena reduzida à metade e não chegou a ser preso, uma vez que recebeu indulto do então Presidente da República, Juscelino Kubitschek, cuja filha também havia sido atendida pelo médium, sendo-lhe diagnosticados dois cálculos renais. Anos mais tarde, responderia a novo processo, sendo condenado a 18 de novembro de 1964. Desta vez, tendo compreendido o que era um indulto, recusou-o, sendo detido por sete meses em Conselheiro Lafaiete (MG), pelo exercício ilegal da medicina. Continuou a prática mediúnica mesmo dentro dos muros do presídio, tendo retornado a Congonhas com prestígio ainda maior.

Nessa época, o estadunidense Henri Belk, fundador de uma fundação para pesquisa de fenômenos paranormais, acompanhado por Andrija Puharich (ou Henry K. Puharich), especialista em bioengenharia, deslocaram-se até Congonhas, acompanhados por dois intérpretes da Universidade do Rio de Janeiro e por Jorge Rizzini, conhecido pesquisador espírita brasileiro, para iniciar uma pesquisa com Arigó (1963). Na ocasião, o Dr. Puahrich teve extraído um lipoma de seu cotovelo esquerdo, em um procedimento indolor que consumiu apenas cinco segundos, executado com um canivete comum. A incisão de menos de 5 centímetros, com pouco sangue, não inchou, conforme documentado nítidamente em filme (a cores) por Rizzini, vindo a cicatrizar completamente, sem infecção.

Em 1968, dois outros médicos estadunidenses chegaram a Congonhas para complementar as pesquisas: os Drs. Laurence John e P. Aile Breveter, da William Benk Psychic Foundation. Mesmo sem ter alcançado uma explicação conclusiva para o fenômeno, comprovaram que a prática do médium não comportava ilusionismo ou feitiçaria, declarando que 95% dos diagnósticos do médium eram corretos e que, as operações realizadas com um canivete, sem qualquer assepsia, só eram possíveis devido à sua sensibilidade, explicável apenas à luz da parapsicologia.

Incorporado, Arigó utilizava-se de facas e canivetes para extrair em rápidos procedimentos, quistos e tumores. As incisões eram pequenas, se comparadas aos procedimentos cirúrgicos praticados à época, muitas vezes menores que o material por elas extraído. Por vezes, durante a intervenção, Arigó ditava uma receita, datilografada por um de seus assistentes, para ser entregue ao paciente.

Morte:

Os seus biógrafos registram que Arigó teve um sonho com um crucifixo negro, convencendo-se de sua morte próxima. No dia em que faleceu, como de hábito, compareceu à sua clínica, mas avisou os pacientes que o aguardavam que necessitava ir a uma localidade próxima para buscar um carro usado, que acabara de adquirir. Segundo o boletim de ocorrência policial, na rodovia BR-040, às 12:23h de 11 de Janeiro de 1971, José Pedro, vítima de mal súbito, perdeu a direção do Chevrolet Opala que dirigia, ingressando na contramão onde colidiu com um veículo do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), vindo a falecer vítima de traumatismo cerebral.

***


EDSON QUEIROZ

Mediunidade de Cura Edson Cavalcante Queiroz (Recife, 23 de agosto de 1950 - 5 de outubro de 1991) foi um médico ginecologista e médium brasileiro.

Destacou-se pela prática de cirurgias espirituais atribuídas ao espírito do Dr. Fritz na sucessão de José Arigó e dos irmãos Oscar e Edivaldo Wilde.

Em 1979 começou a incorporar o espírito do Dr. Fritz, que, como a Arigó, lhe trouxe reconhecimento e fama: com o aumento do afluxo de pacientes no centro espírita em que atendia em Recife, a sua equipe ampliou-se até ao número de 80 pessoas atendendo o trabalho burocrático.

Apresentou-se no VIII Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas de 1982 em Salvador, na Bahia, e em 31 de março e 1 de abril de 1983 em São Paulo, a convite da Federação Espírita do Estado de São Paulo(FEESP).

O programa da TV Bandeirantes 3.ª Visão, em seu 2.º episódio (3 de abril de 1987), apresentado por Luiz Antonio Gasparetto, exibiu cirurgias espirituais do Dr. Fritz através do médium, filmadas no centro espírita Grupo da Fraternidade Irmão Altino (Guaratinguetá/SP), em 1983.

Neste período as formas de tratamento praticadas pelo Dr. Fritz eram diversificadas:
alguns pacientes recebiam receitas dos medicamentos que deveriam tomar;
outros eram tratados espiritualmente, à distância;
uma boa parte era encaminhada ao Departamento de Passes;
as cirurgias espirituais eram efetuadas em dias marcados, em grupos de até cem pessoas.

As cirurgias eram efetuadas com grande rapidez, caracterizadas por escasso sangramento, cortes fechados sem suturas e as pessoas raramente sentiam dor. Por vezes eram utilizadas agulhas, através das quais era desmaterializada qualquer substância estranha no interior do local, muitas vezes rematerializada em seguida, do lado de fora do corpo do paciente. Em outras ocasiões, o material sólido liquefazia-se, escorrendo gota a gota pela agulha. Segundo informado pelo Dr. Fritz, o tratamento com agulhas era utilizado nos pacientes que apresentavam problemas espirituais, obsessivos ou de ordem moral.

Uma das características que mais chamavam a atenção no trabalho com o Dr. Fritz, à semelhança do que acontecera com José Arigó, era a aparente falta de assepsia durante os procedimentos. Queiroz chamava esse fenômeno de "fritzação", que descrevia como a inativação da patogenicidade dos micróbios. A rapidez com que o processo de cicatrização ocorria comprovaria esse processo.
Um último aspecto, além da capacidade de diagnóstico, medicação e cirurgia, era a capacidade que o médium apresentava em transferir para alguém de sua escolha, parte de sua capacidade mediúnica. existem estatísticas com relação ao trabalho mediúnico de Edson Queiroz, que se afirma chegava a atender centenas de pessoas por dia na Fundação Espírita Adolph Fritz, em Recife.

O médium percorreu todos as cidades do estado de Pernambuco, e estendeu a sua atividade a outros estados do país, assim como a diversos países da América Latina como a Argentina, a Bolívia, o Paraguai, e o Uruguai.

Na Europa esteve na Alemanha, na França e na Itália. Na Suíça participou do Congresso Astra, onde fez várias cirurgias no palco do evento, diante de milhares de participantes. Foi declarado "Mestre da paranormalidade" por médiuns das Filipinas.

Na América do Norte apresentou-se em Nova Iorque, Miami, São Francisco e Palo Alto (Califórnia).

Problemas com a Justiça e o seu assassinato

Um único paciente terá falecido após ser operado pelo Dr. Fritz pela mediunidade de Edson Queiroz: segundo testemunhas, tratava-se de um caso já desenganado, e que a Medicina convencional se recusara a tratar.

Em 1983, o Conselho Regional de Medicina do Ceará acusou Cavalvante Queiroz e prática ilegal da Medicina o que resultou na cassação de seu registro profissional. Dois anos depois foi absolvido, no entanto.

Outros processos, pela mesma acusação e por charlatanismo, quase levaram à cassação do seu registro profissional, mas Queiroz não parou o seu trabalho com os Espíritos. Como Arigó, nada cobrava por sua dedicação e veio a ter morte trágica - assassinado a facadas por seu caseiro, José Ricardo da Silva, o que acabou reforçando a lenda em torno da entidade e seus médiuns.


***


JOÃO DE DEUS

Mediunidade de Cura
João Teixeira de Faria (Cachoeira de Goiás, 24 de junho de 1942), no Brasil mais conhecido como João de Deus ou João de Abadiânia e em outros países como John of God, é um médium, filantropo e fazendeiro brasileiro.

Residente na cidade de Abadiânia, estado de Goiás, é mundialmente famoso por realizar tratamentos espirituais, incluindo "cirurgias espirituais" sem cortes e "cirurgias espirituais" com cortes de pele sem a utilização de anestesia, em que não ocorrem sangramentos e nem infecções pós-operatórias. 

Para esses atendimentos fundou em 1976 a Casa de Dom Inácio de Loyola, onde atende seus consulentes. Destes, cerca de 80 % são estrangeiros. 

Em 2000 o psiquiatra e parapsicólogo espírita Alexander Moreira de Almeida, junto com dois outros médicos, estudaram as cirurgias espirituais realizadas pelo médium e concluíram que:

“ Pode-se concluir que as cirurgias estudadas e os materiais extraídos são reais, não há utilização de técnica asséptica ou anestésica, mas não foi detectada nenhuma infecção e apenas um paciente referiu dor. Como não houve identificação de fraudes, o fenômeno necessita de posteriores estudos..."

Pesquisado por Ednay Melo

Fontes de pesquisa:
Jornal GGN (Marcos Villas-Bôas)
Site Mundo Espírita (Leandro Brancher de Oliveira)
Wikipédia






Comentários