Pular para o conteúdo principal

Os Gigantes e a Submissão



Os Gigantes e a Submissão

Conta-se que certa vez, num país distante, um homenzarrão todo esculhambado e trovejante com a sua voz muito forte, chegou na casa de um homem que morava sozinho numa choupana à beira de um riacho. Esse homem simples, cuidava, na sua humilde propriedade, de uma vaquinha que lhe dava o leite todo o dia, algumas galinhas, um ou outro porco que, numa celebração, pudesse lhe oferecer sua carne para o seu festejo.

Aquele homem enorme e autoritário,irrompeu pela sua casa, sentou-se numa de suas cadeiras, também humildes, dentre as poucas que lhe sobrara de toda uma vida passada ali naquele recinto de cômodos toscos e minimamente confortáveis. O homem grande, forte, com botas que escondiam pés enormes e calçando umas botas altas que mais pareciam revestir uma pilastra do que propriamente pés e pernas,olhou para aquele ambiente, depois dirigiu o seu olhar para o homem que morava naquela casa simples e falou tão forte como se tivesse um megafone instalado na garganta:

Então, você vai ficar aí parado, e não quer me servir?

Aquele vozeirão soou dentro do dono da casa como uma ordem indiscutível e nenhuma resposta lhe saiu da garganta. Apressou-se em matar uma ave e fazer logo um cozido. Providenciou um pouco de pão que ele mesmo havia feito, reuniu algumas frutas frescas e logo a mesa estava posta para o gigante fartar-se. O homem enorme comeu e se lambuzou, e depois dormiu sentado ali mesmo. E ele não dava sinais de ir embora depois de fartar-se e foi ficando, e a querer mais e mais ser servido. Aquele homem simples, morador da casa simples também, foi servindo aquele homem, por vários dias, que depois se transformaram em semanas, e o tempo foi passando.

Passaram-se meses e até mesmo anos e aquele gigante era servido com a mesma fidelidade e eficiência da primeira vez. Tanto o homenzarrão comeu e fartou-se e dormiu e roncou que ali foi ficando, até que um dia, um ataque fulminante do coração, pelo menos foi o que pareceu, o fez contorcer-se, depois obrigou que o gigante levasse a mão ao peito até que por fim desabou daquela cadeira indo ao chão já sem vida. Estava morto o glutão exigente. O morador da casa então, providenciou uma lona enorme que estava dobrada e empoeirada no seu celeiro vazio e enrolou aquele corpo naquele encerado carcomido pelo tempo, mas ainda muito resistente. Embrulhou-o devidamente e depois providenciou alguns pedaços de cordas velhas fazendo um grande pacote com o corpo do gigante que alimentara por tanto tempo. Com muito esforço arrastou o fardo para fora de sua casa. Com muita dificuldade, aproximou-se de uma ribanceira e com cuidado depositou aquele embrulho à beira do penhasco. Afastou-se um pouco, providenciou uma vara forte o suficiente para fazer rolar aquela enorme embalagem e, no silêncio daquela tarde morna, parou um pouco, respirou fundo antes, pensou e pensou quando as palavras do gigante lhe vieram altissonantes na cabeça novamente:

Então, você vai ficar aí parado, e não quer me servir?

E ao relembrar tão nitidamente aquela pergunta feita há tanto tempo, o homem, mesmo estando ali sozinho junto aquele corpo inerte embrulhado, mais parecendo um casulo desproporcional, reuniu todo o ar que seus pulmões puderam aspirar e gritou fazendo ecoar a sua voz por toda aquela região:

N Ã O ! ! !

E com um último esforço, fez rolar aquele corpo embrulhado pelo abismo abaixo.

Quando ouvi esta história me pus a pensar. Quantas respostas, em infinitas situações, a nossa alma anseia dar para situações boas ou más, ansiosas ou calmas, amorosas ou revoltadas, pacientes ou cheias de intolerância e a nossa voz demora tanto a sair do peito? O que nos levaria a dar respostas tão tardias para questões urgentes? O que nos faria sofrer, muitas vezes, aparentemente por muito mais tempo do que poderíamos ter escolhido sofrer? Seria indecisão? Seria prudência ou calma excessiva? Seria uma espécie de paciência de monge levada às últimas conseqüências? Seria por causa dos outros? Seria por causa de nós mesmos?

As perguntas 833 e 834 do Livro dos Espíritos tratam da Liberdade de Pensamento. Perguntados sobre, se o homem goza de uma liberdade absoluta, os espíritos responderam: “É pelo pensamento que o homem goza de uma liberdade sem limites, porque o pensamento não conhece entraves. Pode-se impedir a sua manifestação, mas não aniquilá-lo”. Por estranho e contraditório que possa parecer, podemos defender a hipótese de que o homem da história contada acima exerceu a sua liberdade de pensamento. Aparentemente não se mostrou livre nas suas ações, mas foi livre na sua subordinação em servir ao gigante. Usou a sua liberdade íntima, a liberdade dos seus pensamentos, na medida em que planejou, por longos anos da sua vida, gritar aquele não imenso. Mostrou-se livre na sua forma de pensar quando reconheceu a sua impotência e a sua pequenez frente à força do gigante intruso. Exerceu liberdade na medida em que não se precipitou pondo em risco a sua vida. Mostrou-se livre na forma de, consciente e deliberadamente, deixar o tempo passar. Exerceu a sua liberdade na maneira de existir quando soube que o silêncio é um princípio de sabedoria e realiza a sua tarefa frente ao acontecimento. Não se entrega à fatalidade do que lhe acontecera, mas age com consciência, perseverança, paciência e abnegação. Não foge, reconhecendo que uma tarefa veio ao seu encontro e tornara-se necessário que ele a desempenhasse, pois no bom desempenho da sua tarefa, existia o germe da sua liberdade definitiva.

Como compreender a Doutrina Espírita sem fazer culto ao sofrimento e sem confundir clareza de pensamento com mera submissão aos acontecimentos? Como promover o nosso desenvolvimento sem praticar atos de resignação e renúncias piegas que mais se parecem com conformismo e com impotência? A pergunta 834 indaga se o homem é responsável pelo seu pensamento. E a resposta diz que “ele é responsável perante Deus. Só Deus, podendo conhecê-lo, condena-o ou absolve-o, segundo a sua justiça”. As atitudes do homem da nossa história parecem muito mais conter uma sabedoria de como enfrentar os problemas da vida do que propriamente fazer-se submisso camuflado por uma aura de estoicismo. Esta história nos remete a Jó que, eternizou-se por sua paciência, mas na realidade passou boa parte da sua vida, debatendo com Deus o que lhe acontecia e procurando entender o significado do seu sofrimento. Fazer bem as nossas tarefas não implica no silêncio das nossas bocas. Podemos ser praticantes do bom desempenho mesmo, na medida em que interrogamos sobre o que não compreendemos ou o que não nos satisfaz. Se Deus nos deu o livre arbítrio não foi para que, de posse dele, nos subjugássemos às contingências das nossas vidas. O livre arbítrio é uma grande ferramenta de aprimoramento do nosso Espírito, pois ele permite analisar o bem e o mal e tomar decisões que sejam as mais sábias possíveis, não apenas para a nossa vida, mas para a nossa evolução.

Enéas Martim Canhadas


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tapete de Oxalá (Boldo) - Pesquisado por Ednay Melo

BOLDO SETE-DORES


Nome Científico: Plectranthus barbatus Andrews 
Família botânica: Lamiaceae (Labiatae)
Sinonímias: Coleus barbatus (Andr.) Benth.

Nomes populares: boldo, boldo-de-jardim, boldo-africano, boldo-silvestre, boldo-nacional, falso-boldo, boldo-do-reino, malva-santa, malva-amarga, sete-sangrias, sete-dores, folha-de-oxalá, tapete-de-oxalá.
Origem ou Habitat: É originária da Índia (LORENZI; MATOS, 2008).
Características botânicas: é um arbusto perene, pubescente, com aproximadamente 1,5m de altura. Caule amarelo-acinzentado bastante rugoso, pouco ramificado, com ramos quadrangulares. Folhas com 4 – 8 cm de comprimento, 2,5 – 6 cm de largura, simples, opostas, ovado-oblongas, com margem dentada, verde-claro na página superior e verde-pardacento na inferior. Flores azul-violáceas , com até 2 cm de comprimento.
Habitat: Planta brasileira presente em quase todas as regiões do país - em jardins, hortas, terrenos baldios e cultivados.
História: Faz parte da medicina popular, com as mesma…

Cores, Datas Comemorativas e Dias da Semana dos Orixás - Por Ednay Melo

A Umbanda é uma religião que nos dá a oportunidade de escolher a melhor forma de praticá-la, respeitando os valores e crenças de cada um. Na umbanda existem conceitos universais, aqueles que se não forem seguidos não se pode considerar Umbanda, como por exemplo a crença em Deus e nos Orixás, a crença nos trabalhadores que formam as linhas de Umbanda como os Caboclos, os Pretos Velhos e Ibejis, a prática da caridade sem qualquer tipo de cobrança, seja material ou psicológica, não sacrificar animais, o predomínio da cor branca, trabalhos direcionados apenas para o Bem, entre outros. 
A questão das cores dos Orixás, datas comemorativas e dias da semana está confundindo muitos irmãos de fé diante de tantas informações desencontradas, mas que se apreciadas empaticamente, fazem todo o sentido dentro da realidade de cada um. 
O julgamento precipitado, a crítica que acaricia o ego, a falta de sensatez de discursos superficiais do que não se conhece, prejudica mais do que aclara o entendiment…

Sugestão de Livros Espiritualistas

Para você leitor, disponibilizamos em nosso Blog uma lista com sugestão de livros! 


Livros de Umbanda, Espiritualistas e Espíritas - clique aqui





















A Linha do Oriente e de Cura na Umbanda - Por Edmundo Pellizari

"A Linha do Oriente é parte da he­rança da Umbanda brasileira. Ela é com­posta por inúmeras entidades, classi­ficadas em sete falanges e majorita­riamente de origem oriental. Apesar dis­­so, muitos espíritos desta Linha po­dem apre­sentar-se como caboclos ou pretos velhos. 
O Caboclo Timbirí (ca­bo­clo japo­nęs) e Pai Jacó (Jacob do Ori­ente, um preto velho bastante ver­sado na Ca­bala Hebraica), săo os casos mais co­nhe­cidos. Hoje em dia, ganha força o cul­to do Caboclo Pena de Pa­văo, enti­dade que trabalha com as for­ças espiri­tuais divinas de origem indiana. 
Mas nem todos os espíritos săo ori­entais no sentido comum da palavra. Es­ta Linha procurou abri­gar as mais di­ver­sas entidades, que a princípio năo se encaixavam na matriz formadora do bra­sileiro (índio, portuguęs e afri­cano). 
A Linha do Oriente foi muito popular de 1950 a 1960, quando as tradiçőes bu­­­distas e hindus se firmaram entre o povo brasileiro. Os imigrantes chineses e japoneses, sobretudo, passaram a…

Erva Peregum - Pesquisado por Ednay Melo

Peregum - Dracena – Dracaena fragrans
Nome Científico: Dracaena fragrans Sinonímia: Aletris fragrans, Aloe fragrantissima, Cordyline fragrans, Dracaena deremensis, Pleomele fragrans, Draco fragrans, Dracaena albanensis, Dracaena aureolus, Dracaena broomfieldii, Dracaena butayei, Dracaena deisteliana, Dracaena janssensii, Dracaena latifolia, Dracaena lindenii, Dracaena massangeana, Dracaena smithii, Dracaena steudneri, Dracaena ugandensis, Sansevieria fragrans, Pleomele deremensis, Pleomele smithii, Pleomele ugandensis

Nomes Populares: Dracena, Dragoeiro, Pau-d'água, Coqueiro-de-vênus, Dracena-deremenis, Cana-agna, Cana-índia, Tronco-do-brasil, Pau-do-brasil, Peregum

Família: Asparagaceae

Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Folhagens

Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical,Temperado, Tropical

Origem: Angola, Costa do Marfim, Moçambique, Sudão,Tanzânia, Zâmbia

Altura: 0.6 a 0.9 metros, 0.9 a 1.2 metros, 1.2 a 1.8 metros,1.8 a 2.4 metros, 2.4 a 3.0 metros, 3.0 …

Macassá - Pesquisado por Ednay Melo

Nome científico: Aeollanthus suaveolens Mart. ex Spreng

Nomes populares: Macassá, catinga de mulata, bergamotinha, taia.


Aeollanthus suaveolens, conhecida popularmente como massacá ou catinga de mulata, é uma erva de origem africana introduzida na cultura brasileira durante o processo de colonização. Pertence à família Lamiaceae e é uma erva anual ocorrente na Amazônia.

A planta é usada pela população em banhos de cheiro feito pela infusão de plantas aromáticas, em motivos religiosos ou folclóricos, e em perfumes caseiros. No folclore é usado para quebranto. Na etnomedicina é usado no combate à febre, dor de cabeça, início de derrame, sendo a folha a parte mais utilizada como chá e sumo.

USO RITUALÍSTICO
Erva que vibra na irradiação das Orixás Iansã e Oxum,  trata da depressão e baixa auto estima. Amplamente utilizada em obrigações rituais. Indicada para banhos de purificação e energização.
Ednay Melo
Fonte: http://herbario.jungalchimie.com




Você Conhece Mesmo a Umbanda? - Por Ednay Melo

Consulta com um Guia de Umbanda

A Umbanda merece respeito, principalmente com os Guias que vêm nos acolher em uma consulta! Não os subestime, achando que são fracos porque não satisfez a sua curiosidade. O objetivo do Guia e de toda Umbanda é te ajudar a viver melhor, a ter paz e equilíbrio e, sobretudo, te ajudar a subir um degrau na tua evolução! A Umbanda te ajuda a angariar conquistas para o espírito e não para a matéria, pelo simples fato que um é eterno e a outra perecível. Satisfazer só uma curiosidade, que não acrescenta nada de real utilidade para a evolução, não é papel de um verdadeiro Guia de Umbanda.

Então, não procure uma consulta com um verdadeiro Guia de Umbanda somente para perguntar, por pura curiosidade apenas: se o seu marido tem outra; se vai obter um emprego; quem fez demanda contra ti; o que quer dizer aquele sonho que tiveste; com qual dos dois amores deve ficar; qual imóvel deve comprar; se pode confiar em determinada pessoa; se deve mudar de emprego, etc... O…

A Linha dos Caboclos

Todos os Caboclos são regidos por um Mistério Maior que pertence ao Trono do Conhecimento (Regência do Orixá Oxóssi).  Mas cada Caboclo (ou Cabocla) vem na Irradiação de um ou mais Orixás, pois eles próprios são “filhos”de determinado Orixá e perante outros Orixás foram iniciados para trabalharem em Seus Mistérios (exemplos: Caboclo Pena Branca: de Óxóssi e Oxalá; Caboclo Pena Dourada: de Oxóssi e Oxum; Cabocla do Mar: de Yemanjá; Caboclo Sete Montanhas: de Oxalá e Xangô). Os Caboclos são espíritos muito esclarecidos e caridosos, assim como os Pretos-Velhos. Tiveram encarnações como cientistas, sábios, magos, professores etc. Alguns, em determinada encarnação, foram mesmo nativos (chamados de indígenas, aqui no Brasil). Enfim, no decorrer de encarnações, elevaram-se e vêm na Umbanda para auxiliar aos irmãos enfermos da alma e do corpo. Muitos são escolhidos pela Espiritualidade para serem os Guias-Chefes dos Terreiros ou então de seus médiuns. Na linguagem comum, a palavra “caboclo” desi…

Povo Cigano: Significado das Frutas e Flores

As flores e frutas sempre estiveram presentes na vida do homem acompanhando-o durante toda a história. Dessa forma, tem fascinado povos e nações durante séculos, seja pelo encanto e delicadeza ou pela sua eficácia na expansão de energia.
Para o Feng Shui, tanto as frutas quanto as plantas são consideradas “geradores de energia”. A sua presença, em qualquer local de uma residência, deixa o ambiente mais alegre, decorado, perfumado, bonito, agradável, romântico, próspero, suave e “limpa” o local das energias mais pesadas, pois, as flores e frutas têm a capacidade de absorver as energias negativas. Por isso, escolha aquelas que você mais gosta e não deixe de enfeitar o seu lar com elas.
Veja o significado que cada uma delas pode trazer para o ambiente:
FLORES
Tulipa – Beleza e prosperidade. A amarela significa amor com esperança, reconciliação, enquanto a vermelha remete à declaração de amor. Rosa – Eterna paixão, romantismo. A amarela significa alegria, saúde e sucesso. A branca: pureza…

Carrapateira (Mamona) - Pesquisado por Ednay Melo

MAMONA
Ricinus communis


Descrição: Da família das Euforbiáceas,também conhecida como mamoneira, palma-Christi, carrapateiro e rícino. Caracteriza-se por folhas grandes palmadas e frutos rodeados de espinhos e contendo três sementes em seu interior. É um arbusto ou árvore anual, cujo porte atinge até 3 metros de altura, com caule ereto e ramos herbáceos, grossos, lisos e fistulosos. As folhas são alternas, longamente pecioladas, grandes, em formato de estrela com cerca de 8 pontas, denticuladas, glabas, com glândulas e estípulas. As flores apresentam-se em grandes cachos terminais e eretos. São numerosas, com pétalas pequenas e de cor pálida. O fruto é uma cápsula espinhosa e contêm até 3 sementes.
Trata-se de uma planta arbustiva com diferentes colorações de caule, folhas e cachos. Os frutos apresentam espinhos e as sementes possuem tamanhos, formatos e cores diferentes.
O óleo de rícino é obtido por extração fria das sementes, que contêm 45% a 50% de óleo. O rícino pode ser subdividid…