Ervas na Umbanda - Por Ednay Melo - Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca
logo

Ervas na Umbanda - Por Ednay Melo

Publicado em 21/07/2012

Ervas na Umbanda


As ervas nos rituais de Umbanda têm a função de descarregar, purificar, equilibrar, propiciar e fortalecer pessoas e ambientes. A energia vital dos vegetais tem o poder de atuar na aura humana e modificar o campo energético de acordo com a função terapêutica de cada erva, sob a orientação das entidades espirituais que militam na seara umbandista.

Comumente usam-se as ervas em forma de banhos e defumadores. Existem os banhos e defumadores de descarrego de energias negativas e os de fixação de energias positivas.

Classificam-se as ervas em quentes, mornas e frias; geralmente as ervas quentes são utilizadas para o descarrego de energias mais densas e, no banho, nunca devem ser jogadas sobre o ori (cabeça) e sim do pescoço para baixo, salvo as ervas do orixá regente que podem ser jogadas sobre o ori, em conjunto com uma erva fria. As mornas e frias são equilibradoras do campo energético e propiciadoras do tratamento específico para cada pessoa, geralmente podem ser jogadas sobre a cabeça.

Usam-se também as ervas para fortalecer o canal mediúnico e promover uma melhor sintonia com os Orixás e com os Guias, estes são feitos em forma de amaci, que é um ritual realizado no Terreiro sob a orientação do Guia Chefe da Casa.

O ideal é que não se use as ervas sem a orientação de uma entidade espiritual, porque além da característica vibratória diferenciada de cada uma delas, existe a interação entre elas que modifica a sua estrutura energética inicial e que, se indevidamente conduzida, pode prejudicar em vez de auxiliar.

Para banhos, as ervas devem ser frescas e maceradas em água de fonte natural, como rios e mares ou água mineral e para defumadores as ervas devem ser secas. Deixar as ervas depois de maceradas em infusão na água por pelo menos uma hora, de preferência ao ar livre e sob os raios do sol ou da lua. Após este tempo pode-se coar a mistura, tomando-se o banho com o líquido e desprezando os restos das ervas em lixo comum, enroladas com papel jornal.

Toma-se o banho de ervas após o banho comum de higiene, de preferência usar vasilhas de louça ou barro e não se enxugar para absorver melhor as vibrações. Durante o banho voltar os pensamentos para as falanges que vibram naquelas ervas.

Além do poder natural das ervas, é fundamental para absorvê-las plenamente a educação mental de quem quer se beneficiar. Quando estiver macerando ligar-se mentalmente ao "dono" daquela erva, que é o Orixá ou Guia de Umbanda, sintonizar-se com preces ou entoando pontos cantados ou, ainda, mentalizando o Reino daquele Orixá, sempre com pensamentos positivos e muita fé, para ser beneficiado de acordo com o merecimento.

Na Umbanda, os Pais e Mães de Santo são orientados pelos Guias para o uso das ervas e preparo dos banhos, cujo procedimento varia de forma individual e coletiva, respeitando cada caso em particular, desta forma, não existe uma regra, nem uma receita para a utilização das ervas, por exemplo, a arruda é uma erva quente, pode ser utilizada como descarrego e pode também ser utilizada como banho de fixação e proteção sob a vibração do Orixá Oxossi, sem falar que tanto os Pretos Velhos como os Exus também trabalham com esta erva. Então tem que seguir as orientações das entidades espirituais.

Do livro Umbanda Luz e Caridade - Ednay Melo


Saiba mais sobre algumas Ervas::




2 comentários:

  1. gostaria de saber se os 7 banhos de lacre serve para desenvolver as correntes,para que eu possa trabalhar recebendo os meus guias e mestres da jurema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia!
      Sugerimos consultar o seu sacerdote, pois cada Casa tem a sua ritualística. Axé

      Excluir