Pular para o conteúdo principal

As Qualidades do Médium Umbandista

As Qualidades do Médium Umbandista

Muitos ao lerem o título irão dizer, que as qualidades são: AMOR, FÉ E CARIDADE, mas esses valores infelizmente não bastam para que aquele médium tenha as qualidades necessárias, são sim a base, o fundamento dos que virão logo a seguir.

COMPROMETIMENTO: hoje em dia estamos nos deparando com um grande aumento do número de jovens em nosso seguimento, e isso nos deixa muito felizes, porque esses médiuns serão nossa herança, mas ao mesmo tempo nos deixa preocupados, será que a juventude umbandista está tendo realmente a força e o suporte, acompanhamento necessário para o bom desempenho mediúnico e espiritual dentro da Umbanda? Será que vão ter maturidade para suportar as dificuldades que irão vir?

Porque algumas questões já são difíceis para os mais amadurecidos dentro da religião, para os mais jovens então não será tarefa fácil, explico: o médium deve primeiramente estar disposto ao serviço, sua vontade, seus valores morais serão cruciais para que consiga realizar até o final sua missão espiritual, deverá possuir em suas qualidades morais e espirituais valores não só de comprometimento, mas de abnegação, resiliência, determinação. Porque terão momentos que o dever espiritual irá lhe privar de momentos de distração e divertimento. O dever mediúnico como servidor e instrumento do astral irá lhe privar de momentos festivos por exemplo, para estar ali dentro do terreiro prestando a caridade, cedendo sua matéria aos guias e mentores no trabalho de cura e amor ao próximo. E muitos obstáculos virão até de pessoas que lhe terão muita estima, mas que desconhecem sobre os caminhos do mundo espiritual, que cobrarão e exigirão suas presenças nesses momentos festivos, e será nessa hora que o médium deverá optar pelo que é mais importante para o todo, se sua missão mediúnica ou uma festa. Claro que terá os momentos de que essas situações serão bem conciliadas, mas terá outros que não. Tem um ditado que diz: o cabo da enxada poderá ser forte e sua lâmina nova, mas se quem o empunha não tiver a força e garra necessárias nenhum trabalho será realizado. O médium deve ter plena certeza da responsabilidade do seu papel como instrumento na obra do espiritual.

A RESISTÊNCIA: Muitos médiuns se perdem na vaidade, no ego doentio, e no orgulho. Muitos usam de seus dons mediúnicos de uma forma irresponsável e manipulativa. Quando um médium começa a se destacar dentro de um terreiro através de seus guias e mentores, ele terá que resistir as tentações que lhe apresentarão pelo seu caminho, tentações bem carnais até mesmo de luxúria e volúpia de sentimentos, onde devido ao seu destaque, poderá fazer escolhas erradas, usando de seus dons para proveito próprio e se esquecendo do seu papel de servidor e instrumento.

Contarei a história de Manoel, um médium excelente, com guias e mentores que faziam curas espetaculares, todos amavam seus guias e a ele. Mas Manoel estava vivendo um momento de carência afetiva, de solidão e falta de dinheiro. E muitos dos consulentes que se apresentavam a ele lhes oferecia quantias de dinheiro em troca de seus préstimos espirituais, no começo resistente a esses chamamentos escusos, agradecia e negava. Mas Manoel conheceu Patrícia, uma mulher maliciosa, interesseira que viu naquele médium uma fonte de renda fácil. Patrícia se aproveitou da carência afetiva de Manoel e começou a seduzi-lo de todas as formas, ao ponto que em pouco tempo Manoel estava de joelhos a seus pés. Patrícia começou a cobrar de Manoel condições financeiras mais favoráveis e começou a exigir que passasse a cobrar seus tratamentos mediúnicos e espirituais. Seus guias e mentores incessantemente usavam de todos os meios para o desviar da queda inevitável, eram em sonhos, em mensagens, usando da boca e intuição de outros médiuns mas nada adiantou. E Manoel não conseguiu resistir e com medo de perder a companheira lhe fez sua vontade escusa. Manoel em pouco tempo começou a afastar os seus guias e mentores dando passividade a outro tipo de ordem espiritual que se sintonizavam com tais malefícios e sortilégios e pouco tempo estava fazendo toda uma série de feitiçarias negativas em troca de altas quantias em dinheiro. Manoel e Patrícia se enriqueceram, mas a lei do retorno tarda mais não falha. Mas a falta de resistência nos valores morais e espirituais, levou Manoel a queda certa, onde foi sucumbido por um câncer agressivo que lhe tirou a vitalidade e posteriormente a vida. Os espíritos negativos que fazem uso desses médiuns corrompidos lhe sugam até as últimas forças, porque o maior objetivo destes é lhes tirar a vontade, a evangelização, e cabe ao médium tomar cuidado para não lhes ceder solo fértil. Patrícia foi um instrumento desses espíritos, onde também não teve um bom final, sofrendo um acidente terrível que lhe impossibilitou de andar.

CORAGEM: Muitos médiuns se perdem no caminho espiritual por falta de coragem, possuem tanto medo do espiritual, que não se abrem a ele, se bloqueiam de tal forma que como instrumentos ficam inutilizados, quebrados, uma viola sem cordas para o bom músico tocar.

Muitos médiuns quando iniciam sua trajetória possuem tanto medo de errar que não se deixam acertar. Mas se esquecem que as vezes o erro é o caminho para o acerto, para a correção.

É preciso coragem, para aprender, para acertar, e se para aprender é necessário errar que assim seja, estamos numa grande escola somos meros aprendizes.

Coragem também se faz necessária nas escolhas certas que muitas vezes são difíceis de serem tomadas, mas que o resultado compensa no final.

HUMILDADE: Médiuns cuidado com os elogios exagerados, os endeusamentos vindo de outras pessoas, os puxa saquismos, cuidado com o amaciamento do ego, lembre-se que você é apenas um bom instrumento mas que a boa música é produzida pelo artista que o toca, seus guias e mentores, cuidado para não se achar a própria manifestação deles em terra. O elogio amacia o ego, nos faz se sentir bem, comprova que estamos fazendo um bom trabalho como médiuns, mas devemos saber recebê-los com sabedoria e comedimento. O Médium de Umbanda precisa tomar muito cuidado com a vaidade, porque a Umbanda não é luxo e nem paetês, é beleza singela, simples. Cuidado no chamar a atenção para si em demasia, talvez você esteja se colocando num papel que não te pertença, lembre-se você é apenas o mediador. Se coloque no seu lugar. Quando um médium esteja querendo chamar mais a atenção para si, para suas vestimentas, com luxos desnecessários ele está fugindo e muito do que seja um médium umbandista.

SABEDORIA: Para o que muito foi dado, muito será cobrado. Um dirigente espiritual precisa tomar cuidado dobrado, sua missão no ajudar a conduzir almas é de suma responsabilidade, e terá que se vigiar quanto a exemplo a serem seguidos. Os médiuns de sua seara espiritual se espelharam nele como médium. Seus valores espirituais e mediúnicos lhes servirão como base. Ele será a árvore e seus filhos seus frutos que irão gerar novas sementes com a mesma qualidade. Deverá ter sabedoria no conduzir dessas vidas, sabendo que muitas vezes terá que tomar decisões que exigirão renúncia para que o certo e o bem reinem e prevaleçam. Muitos dirigentes se perdem na arrogância, na falta de estudo e conhecimento, acabam por corromper bons médiuns por falta de conduta, e infelizmente isso terá um preço perante o espiritual, quando corrompe um bom soldado ele coloca em risco todo o exército.

POSTURA e DISCRIÇÃO: Está ai uma questão que muitas vezes é negligenciada muitas vezes por conveniência. Um médium não é somente médium quando está dentro do terreiro, ele deve entender que ele não deixa de ser médium, não tem um botãozinho que o liga e desliga. Muitas vezes vemos médiuns com posturas horríveis, extremamente dissimulados, fofoqueiros, mentirosos, invejosos, beberrões, promíscuos, viciados em drogas. O médium como um veículo, um instrumento ele está sujeito a uma série de influências espirituais e quando cede a certas posturas não condizentes está abrindo canais para ataques espirituais que tentaram usar de suas fraquezas para o corromper. Fora que um médium com comportamentos como esses descritos, perante a sociedade religiosa a qual pertença fica desacreditado, mal visto, e sujeito a uma série de julgamentos, que poderiam ser evitados caso tivesse compostura. Quem irá por crédito num médium promíscuo, que vive embrigado ou mesmo se drogando? que veracidade e confiabilidade terá seus guias e mentores? infelizmente nenhuma, será apenas mais um instrumento que foi quebrado e inutilizado. Fora que por mais que esses médiuns tenham bons guias e mentores chegara o tempo que após resolutas tentativas de esclarecimento irão se afastar por questões de sintonia vibratória.

O DOM: dons como o de clarividência, vidência, audição, olfativo, devem sempre serem usados para o benefício e caridade do próximo, nunca como meio e sim como fim. Esses dons quando bem trabalhados salvam vidas, mas o inverso também lhes cabe quando usados por médiuns corruptos e gananciosos, que usam de seus dons como especulação para se tirar proveito e manipular pessoas crédulas e ingênuas. Os dons devem ser utilizados com sabedoria e cautela.

COOPERAÇÃO: quando o trabalhador está pronto, o serviço lhe aparece. O médium é o trabalhador que deve estar sempre querendo ajudar o seu próximo como a si mesmo, o bem praticado a outrem, nos irá servir de balsamo em outras paragens. O espírito de cooperação lhe é essencial. Lembrando que nem sempre esse espírito de cooperação será dado a alguém que tenha em alta estima, deverá essa vontade cooperativa estar disponível a quem o necessitar. Lembrando que tal cooperação é muitas vezes responsável pela evolução, evangelização, redenção e perdão dos espíritos. ESSE SERVIÇO DE COOPERAÇÃO SEMPRE TERÁ UM ENVIADO DE DEUS A ACOMPANHAR E AMPARAR.

GENEROSIDADE E BONDADE: Médiuns ser generoso e bondoso não se limita as questões espirituais e mediúnicas dentro do terreiro, devem ser estandarte, lema e objetivo de vida.

“O Inferno não é como nos ensinaram na infância um lugar de fogo, mas nosso Inferno e nosso Céu são criados conforme as escolhas que fazemos. E colheremos. Mas toda vez que causamos dor e sofrimento estamos criando nosso próprio inferno. Sendo assim escolha o caminho”.

ATENÇÃO – OUVIDOS E OLHOS: O ato de ouvir é diferente de escutar, ouvir é uma consequência de sons a nosso redor que não conseguimos evitar, escutar é voltar nossa atenção ao que é dito é dar importância. Alguns médiuns se perdem no caminho porque não escutam o bom aconselhamento, ouvem mas não dão importância, sua teimosia os cega, e os leva a cometer falhas graves que possivelmente lhes irá prejudicar não só a si como aos outros ao seu redor. Quando um guia dá um bom conselho, escutem. Eles provavelmente estão querendo lhes poupar de sérios sofrimentos. Só lembrando que a escolha pertence ao médium e suas consequências também.

O ver e enxergar, o ato de ver é algo superficial, não guardamos e muitas vezes logo em seguida nem conseguimos dizer exatamente o que estava ali. O enxergar é algo mais profundo, não se limita ao físico, sua mente está aberta a percepções intuitivas, você memoriza, guarda e registra no mais profundo do seu ser. Enxergar é ver além das aparências, das falas do palpável, diria que enxergar as coisas é um dom muito além da própria intuição.

O médium deve estar atento e não julgar precipitadamente nada no contexto espiritual e mediúnico. Mas sim ficar atento em todo seu contexto que lhe apresente.

REALIDADE – PÉS NO CHÃO SEMPRE: o médium deve se dedicar ao estudo e conhecimento, porque estudando, buscando boas doutrinas, não irá cair no excesso de fantasia, onde vemos médiuns sugestivos fazerem papéis constrangedores usando da roupagens dos guias e entidades. O médium deve primeiramente entender que o mundo espiritual não é o mundo de Hogwarts, costumeiramente vemos cenas que se não fossem trágicas seriam cômicas, médiuns fantasiosos que extravasam suas imaginações perturbadas usando nomes de entidades e guias sérios. Outros usam da roupagem de seus guias para extravasarem suas raivas e emoções, num verdadeiro passar o carro na frente dos bois. O dirigente deve orientar e corrigir com veemência, caso contrário está fadado a tornar seu terreiro um circo, um mero teatro de atores ruins.

IDONEIDADE: seja correto ao lidar com a espiritualidade, não a menospreze e nem negligencie. Muitos espíritos dependem que sua missão seja realizada com honestidade, e seriedade. Eles torcem por você, é o soldado que volta vitorioso depois da guerra travada. Os benefícios serão pesados juntamente com os malefícios, que o bem praticado esteja em maior cota na balança da justiça divina. O soldado quando derrotado perante as tentações do mundo, volta para casa calejado, ferido, adoentado, envergonhado da missão não realizada, o hospital dos médiuns o irá amparar, mas a recuperação será difícil e dolorosa, exigira muita vontade de viver novamente.

Vai por mim, o lado certo sempre vence, pelo simples fato que há uma força grandiosa de luz que conspira a favor.

Quando você ergue seus olhos a luz do bem, ela não te cega, ela te toma, vira teu escudo sua fortaleza.

Médiuns não queiram partir desse mundo de mãos vazias, o cultivo das boas ações espirituais e mediúnicas, devem gerar uma colheita farta. O trabalhador deve ter suas mãos carregadas de luz, para que com ela abra as portas do outro mundo. Orai e Vigiai porque as armadilhas do inimigo são muitas, sejam o balsamo do caminho do viajante.

Por Cristina Alves





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Tapete de Oxalá (Boldo) - Pesquisado por Ednay Melo

BOLDO SETE-DORES


Nome Científico: Plectranthus barbatus Andrews 
Família botânica: Lamiaceae (Labiatae)
Sinonímias: Coleus barbatus (Andr.) Benth.

Nomes populares: boldo, boldo-de-jardim, boldo-africano, boldo-silvestre, boldo-nacional, falso-boldo, boldo-do-reino, malva-santa, malva-amarga, sete-sangrias, sete-dores, folha-de-oxalá, tapete-de-oxalá.
Origem ou Habitat: É originária da Índia (LORENZI; MATOS, 2008).
Características botânicas: é um arbusto perene, pubescente, com aproximadamente 1,5m de altura. Caule amarelo-acinzentado bastante rugoso, pouco ramificado, com ramos quadrangulares. Folhas com 4 – 8 cm de comprimento, 2,5 – 6 cm de largura, simples, opostas, ovado-oblongas, com margem dentada, verde-claro na página superior e verde-pardacento na inferior. Flores azul-violáceas , com até 2 cm de comprimento.
Habitat: Planta brasileira presente em quase todas as regiões do país - em jardins, hortas, terrenos baldios e cultivados.
História: Faz parte da medicina popular, com as mesma…

Cores, Datas Comemorativas e Dias da Semana dos Orixás - Por Ednay Melo

A Umbanda é uma religião que nos dá a oportunidade de escolher a melhor forma de praticá-la, respeitando os valores e crenças de cada um. Na umbanda existem conceitos universais, aqueles que se não forem seguidos não se pode considerar Umbanda, como por exemplo a crença em Deus e nos Orixás, a crença nos trabalhadores que formam as linhas de Umbanda como os Caboclos, os Pretos Velhos e Ibejis, a prática da caridade sem qualquer tipo de cobrança, seja material ou psicológica, não sacrificar animais, o predomínio da cor branca, trabalhos direcionados apenas para o Bem, entre outros. 
A questão das cores dos Orixás, datas comemorativas e dias da semana está confundindo muitos irmãos de fé diante de tantas informações desencontradas, mas que se apreciadas empaticamente, fazem todo o sentido dentro da realidade de cada um. 
O julgamento precipitado, a crítica que acaricia o ego, a falta de sensatez de discursos superficiais do que não se conhece, prejudica mais do que aclara o entendiment…

Sugestão de Livros Espiritualistas

Para você leitor, disponibilizamos em nosso Blog uma lista com sugestão de livros! 


Livros de Umbanda, Espiritualistas e Espíritas - clique aqui





















A Linha do Oriente e de Cura na Umbanda - Por Edmundo Pellizari

"A Linha do Oriente é parte da he­rança da Umbanda brasileira. Ela é com­posta por inúmeras entidades, classi­ficadas em sete falanges e majorita­riamente de origem oriental. Apesar dis­­so, muitos espíritos desta Linha po­dem apre­sentar-se como caboclos ou pretos velhos. 
O Caboclo Timbirí (ca­bo­clo japo­nęs) e Pai Jacó (Jacob do Ori­ente, um preto velho bastante ver­sado na Ca­bala Hebraica), săo os casos mais co­nhe­cidos. Hoje em dia, ganha força o cul­to do Caboclo Pena de Pa­văo, enti­dade que trabalha com as for­ças espiri­tuais divinas de origem indiana. 
Mas nem todos os espíritos săo ori­entais no sentido comum da palavra. Es­ta Linha procurou abri­gar as mais di­ver­sas entidades, que a princípio năo se encaixavam na matriz formadora do bra­sileiro (índio, portuguęs e afri­cano). 
A Linha do Oriente foi muito popular de 1950 a 1960, quando as tradiçőes bu­­­distas e hindus se firmaram entre o povo brasileiro. Os imigrantes chineses e japoneses, sobretudo, passaram a…

Erva Peregum - Pesquisado por Ednay Melo

Peregum - Dracena – Dracaena fragrans
Nome Científico: Dracaena fragrans Sinonímia: Aletris fragrans, Aloe fragrantissima, Cordyline fragrans, Dracaena deremensis, Pleomele fragrans, Draco fragrans, Dracaena albanensis, Dracaena aureolus, Dracaena broomfieldii, Dracaena butayei, Dracaena deisteliana, Dracaena janssensii, Dracaena latifolia, Dracaena lindenii, Dracaena massangeana, Dracaena smithii, Dracaena steudneri, Dracaena ugandensis, Sansevieria fragrans, Pleomele deremensis, Pleomele smithii, Pleomele ugandensis

Nomes Populares: Dracena, Dragoeiro, Pau-d'água, Coqueiro-de-vênus, Dracena-deremenis, Cana-agna, Cana-índia, Tronco-do-brasil, Pau-do-brasil, Peregum

Família: Asparagaceae

Categoria: Arbustos, Arbustos Tropicais, Folhagens

Clima: Equatorial, Mediterrâneo, Oceânico, Subtropical,Temperado, Tropical

Origem: Angola, Costa do Marfim, Moçambique, Sudão,Tanzânia, Zâmbia

Altura: 0.6 a 0.9 metros, 0.9 a 1.2 metros, 1.2 a 1.8 metros,1.8 a 2.4 metros, 2.4 a 3.0 metros, 3.0 …

Macassá - Pesquisado por Ednay Melo

Nome científico: Aeollanthus suaveolens Mart. ex Spreng

Nomes populares: Macassá, catinga de mulata, bergamotinha, taia.


Aeollanthus suaveolens, conhecida popularmente como massacá ou catinga de mulata, é uma erva de origem africana introduzida na cultura brasileira durante o processo de colonização. Pertence à família Lamiaceae e é uma erva anual ocorrente na Amazônia.

A planta é usada pela população em banhos de cheiro feito pela infusão de plantas aromáticas, em motivos religiosos ou folclóricos, e em perfumes caseiros. No folclore é usado para quebranto. Na etnomedicina é usado no combate à febre, dor de cabeça, início de derrame, sendo a folha a parte mais utilizada como chá e sumo.

USO RITUALÍSTICO
Erva que vibra na irradiação das Orixás Iansã e Oxum,  trata da depressão e baixa auto estima. Amplamente utilizada em obrigações rituais. Indicada para banhos de purificação e energização.
Ednay Melo
Fonte: http://herbario.jungalchimie.com




Você Conhece Mesmo a Umbanda? - Por Ednay Melo

Consulta com um Guia de Umbanda

A Umbanda merece respeito, principalmente com os Guias que vêm nos acolher em uma consulta! Não os subestime, achando que são fracos porque não satisfez a sua curiosidade. O objetivo do Guia e de toda Umbanda é te ajudar a viver melhor, a ter paz e equilíbrio e, sobretudo, te ajudar a subir um degrau na tua evolução! A Umbanda te ajuda a angariar conquistas para o espírito e não para a matéria, pelo simples fato que um é eterno e a outra perecível. Satisfazer só uma curiosidade, que não acrescenta nada de real utilidade para a evolução, não é papel de um verdadeiro Guia de Umbanda.

Então, não procure uma consulta com um verdadeiro Guia de Umbanda somente para perguntar, por pura curiosidade apenas: se o seu marido tem outra; se vai obter um emprego; quem fez demanda contra ti; o que quer dizer aquele sonho que tiveste; com qual dos dois amores deve ficar; qual imóvel deve comprar; se pode confiar em determinada pessoa; se deve mudar de emprego, etc... O…

A Linha dos Caboclos

Todos os Caboclos são regidos por um Mistério Maior que pertence ao Trono do Conhecimento (Regência do Orixá Oxóssi).  Mas cada Caboclo (ou Cabocla) vem na Irradiação de um ou mais Orixás, pois eles próprios são “filhos”de determinado Orixá e perante outros Orixás foram iniciados para trabalharem em Seus Mistérios (exemplos: Caboclo Pena Branca: de Óxóssi e Oxalá; Caboclo Pena Dourada: de Oxóssi e Oxum; Cabocla do Mar: de Yemanjá; Caboclo Sete Montanhas: de Oxalá e Xangô). Os Caboclos são espíritos muito esclarecidos e caridosos, assim como os Pretos-Velhos. Tiveram encarnações como cientistas, sábios, magos, professores etc. Alguns, em determinada encarnação, foram mesmo nativos (chamados de indígenas, aqui no Brasil). Enfim, no decorrer de encarnações, elevaram-se e vêm na Umbanda para auxiliar aos irmãos enfermos da alma e do corpo. Muitos são escolhidos pela Espiritualidade para serem os Guias-Chefes dos Terreiros ou então de seus médiuns. Na linguagem comum, a palavra “caboclo” desi…

Povo Cigano: Significado das Frutas e Flores

As flores e frutas sempre estiveram presentes na vida do homem acompanhando-o durante toda a história. Dessa forma, tem fascinado povos e nações durante séculos, seja pelo encanto e delicadeza ou pela sua eficácia na expansão de energia.
Para o Feng Shui, tanto as frutas quanto as plantas são consideradas “geradores de energia”. A sua presença, em qualquer local de uma residência, deixa o ambiente mais alegre, decorado, perfumado, bonito, agradável, romântico, próspero, suave e “limpa” o local das energias mais pesadas, pois, as flores e frutas têm a capacidade de absorver as energias negativas. Por isso, escolha aquelas que você mais gosta e não deixe de enfeitar o seu lar com elas.
Veja o significado que cada uma delas pode trazer para o ambiente:
FLORES
Tulipa – Beleza e prosperidade. A amarela significa amor com esperança, reconciliação, enquanto a vermelha remete à declaração de amor. Rosa – Eterna paixão, romantismo. A amarela significa alegria, saúde e sucesso. A branca: pureza…

Carrapateira (Mamona) - Pesquisado por Ednay Melo

MAMONA
Ricinus communis


Descrição: Da família das Euforbiáceas,também conhecida como mamoneira, palma-Christi, carrapateiro e rícino. Caracteriza-se por folhas grandes palmadas e frutos rodeados de espinhos e contendo três sementes em seu interior. É um arbusto ou árvore anual, cujo porte atinge até 3 metros de altura, com caule ereto e ramos herbáceos, grossos, lisos e fistulosos. As folhas são alternas, longamente pecioladas, grandes, em formato de estrela com cerca de 8 pontas, denticuladas, glabas, com glândulas e estípulas. As flores apresentam-se em grandes cachos terminais e eretos. São numerosas, com pétalas pequenas e de cor pálida. O fruto é uma cápsula espinhosa e contêm até 3 sementes.
Trata-se de uma planta arbustiva com diferentes colorações de caule, folhas e cachos. Os frutos apresentam espinhos e as sementes possuem tamanhos, formatos e cores diferentes.
O óleo de rícino é obtido por extração fria das sementes, que contêm 45% a 50% de óleo. O rícino pode ser subdividid…