20 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

Mediunidade de Cura

Mediunidade de Cura

A mediunidade de cura é muito antiga, mais ou menos discutida e pouco estudada. 

A maioria das doenças começa no Espírito e se manifesta no corpo material como que por repercussão. A causa pode ser um fato de vida passada, o que gera o chamado “carma”, efeito desvelado por um pensamento, comportamento ou ato do indivíduo.

Se ele bebia, fumava, usava outras drogas ou algo parecido, por exemplo, pode ser que venha a sofrer as consequências disso apenas na sua vida seguinte ou até mesmo mais à frente, dependendo das suas programações reencarnatórias e de seus pensamentos, comportamentos e atos no futuro.

A doença pode, então, ter sido causada na mesma encarnação ou em uma anterior, porém pode ser “desarmada” antes mesmo de se manifestar na matéria grosseira, se o indivíduo, por exemplo, praticar muito o bem e terminar merecendo se livrar daquele carma. A cirurgia espiritual surge, então, como um dos meios para “desarmar a bomba cármica” programada no períspirito da pessoa.

Normalmente, contudo, essas cirurgias acontecem em casos nos quais a doença já se manifestou materialmente e está levando alguém a sofrer.

O médium João de Deus se tornou internacionalmente conhecido após aparecer, dentre outros, no programa da famosa americana Oprah Winfrey, cujos 3 vídeos podem ser encontrados aqui:

https://www.youtube.com/watch?v=jvFCxdmTHOk&t=371s (parte 1)
https://www.youtube.com/watch?v=NVs1_7IYIUg (parte 2)
https://www.youtube.com/watch?v=iUxRjh3ZOWU (parte 3)


Há muitos anos, milhares de pessoas vêm sendo curadas em Abadiânia, no interior de Goiás, e isso acontece também em outros locais do Brasil e do mundo. Além da cura, um dos maiores “milagres” (na verdade, os acontecimentos são puramente naturais e serão explicados pela ciência terrena mais cedo ou mais tarde) da cirurgia espiritual é fortalecer a fé de muitos dos assistidos na espiritualidade, na existência de inteligências invisíveis, levando-os a buscar mudanças nos seus pensamentos, comportamentos e atos, procurando, por exemplo, mais autoconhecimento e evolução moral.

Os índices de melhora (78%) e de cura (42% a 43%) têm sido muito altos, segundo o próprio Dr. Fritz.

Eles caem em se tratando de cirurgia espiritual à distância, aquela na qual há intermediação de alguém em lugar do paciente ou na qual os Espíritos visitam (visita espiritual) o paciente em casa, não havendo contato com um médium. No primeiro caso, os índices têm sido de 34% de melhora e 14% de cura total. No segundo caso, os índices têm sido 28% de melhora e 2% a 3% de cura total.

A fé, essa essencial faculdade, esse sentimento inato do homem, é importante em trabalhos de cura espiritual. Se o paciente tem fé, está com o Espírito receptivo, o trabalho tende a fazer mais efeito, porém o próprio Dr. Fritz destaca que o trabalho é médico, científico, de modo que tende a levar à cura havendo ou não fé.

É fundamental na vida ter fé e entender sua relevância, mas os indivíduos não devem se enganar a ponto de acreditar que somente a fé, por si, resolverá sempre os seus problemas, pois há leis da Natureza a serem respeitadas e técnicas específicas para solução de problemas materiais e espirituais.

A fé deve ser ativa, disciplinada, esforçada, e precisa se utilizar dos conhecimentos mais avançados, para que possa ter seus efeitos maximizados.

Outra questão que chama a atenção é o fato de a reforma moral não ser fator imprescindível para a cura, segundo afirma o próprio Dr. Fritz:

“Como médico, minha meta é curar as pessoas. Não me importa se vão se tornar melhores ou não. O meu trabalho não é esse, o meu trabalho é agir como médico, o que é 100% científico, consequência de técnicas e métodos espirituais de atendimento ao perispírito doente e não passa por questões de fé. Claro que, quando meu paciente tem fé, o meu trabalho rende mais. Quando o paciente passa por uma transformação moral isso quer dizer que a semente que foi plantada nele, através do meu processo fluídico em comunhão com o médium, está sendo cuidada e isso é muito bom, tanto para o paciente como para o resultado do meu trabalho” (Cirurgias Espirituais, p. 87).

A explicação acima só confirma o que viemos defendendo nos textos anteriores: a transformação moral é o objeto principal das nossas vidas encarnadas e desencarnadas, mas não se pode esquecer que problemas espirituais, como obsessões e muitos outros, têm causas e tratamentos variados, devendo-se usar, como coloca o Dr. Fritz, todas as melhores técnicas e métodos para a cura, o que requer muita pesquisa, estudos e experiência. A reforma moral determinará se a doença irá retornar ou não, mas o tratamento, frequentemente, independe dela.

Os tratamentos com ervas e outros elementos da natureza, tão comuns na Umbanda e sobre os quais recai preconceito em boa parte do movimento espírita, são defendidos pelo Dr. Fritz e utilizados nas equipes que trabalham com ele. Segundo palavras dele mesmo transcritas no livro “Cirurgia Espiritual”, na página 99:

“O corpo humano é um verdadeiro laboratório e os chás, ervas e emplastros que são receitados nas cirurgias espirituais são compostos químicos tratados na espiritualidade que interagem com a química própria de cada paciente. Certa vez curei uma paciente que estava com um problema no fígado com um colírio, um chá para prisão de ventre e uma massagem nas costas”.

Aqueles que possuem o conhecimento espiritual não podem se furtar de utilizar todos os recursos existentes para a cura das pessoas. Os espiritualistas em geral devem estar atentos para o fato de que os tratamentos precisam ser holísticos, assim como a educação já o deve ser desde o ventre da mãe.

Torçamos para que a Federação Espírita Brasileira (FEB) divulgue esse conhecimento e incentive a adoção de tratamentos e processos educacionais mais holísticos, que permitam a cura e o desenvolvimento do ser em toda a sua magnitude possível neste momento evolutivo.

Que Deus continue abençoando os Espíritos curadores e seus médiuns para que mais e mais pessoas sejam curadas e para que a certeza da vida após morte e da importância do progresso espiritual fique marcada cada vez em mais corações.


***


Mediunidade de Cura
INTRODUÇÃO

Perispírito – Corpo fluídico da alma, constituído de matéria quintessenciada.
Duplo Etérico – Elemento transitório que desempenha a função de canal ou veículo de intercâmbio entre o perispírito e o corpo físico.
Corpo Carnal – Vestimenta material que a alma ajusta para poder fixar-se nos mundos escolas.

CAUSAS DAS ENFERMIDADES
Infelizmente a vossa humanidade ainda ignora que a maior parte das doenças do corpo tem sua origem em distúrbios agudos de ordem psíquica, pois a cupidez, a avareza, o ódio, a vingança, o ciúme, a ambição, o orgulho e outros tóxicos de ordem moral são matriz de moléstias como o câncer, tuberculose e outras.
As variadas províncias celulares sofrem o impacto constante das radiações mentais a lhes absorverem os princípios de ação e reação desse ou daquele teor, pelos quais os processos da saúde e da enfermidade, da harmonia e desarmonia são associados e desassociados, conforme a direção que lhes imprima a vontade.

OBJETIVO DAS CURAS MEDIÚNICAS
O alívio, o reajuste físico, ou as curas conseguidas por intermédio da faculdade mediúnica tem por objetivo principal sacudir o ateísmo do enfermo, despertando o entendimento para os ensinamentos da vida espiritual.
A mediunidade de cura mediante o espiritismo, em sua profundidade, é uma cooperação de objetivo Crístico, condicionada a Evangelização do homem, despertá-lo para os deveres e responsabilidades do Espírito Imortal.

MEDIUNS CURADORES – PREPARAÇÃO FÍSICA

Se o médium não tem saúde, não pode dar a outrem.
Se os fluídos saem do corpo e do espírito do médium é lógico que vão impregnados do que eles contém.
A mais leve alteração na saúde do médium, o impossibilita de dar passes.
Boa alimentação é o primeiro passo, abster-se de carne pesada e condimentos muito apimentados, chocolate também é contrário aos bons fluidos.
Regime alimentar vegetariano e dieta hídrica.
Água em jejum e na hora do repouso, proporciona a regularização de todos os órgãos responsáveis pela nutrição.
O exercício de respiração, respirar lentamente para permitir a perfeita combustão do sangue nos pulmões.
Evitar muito desgaste físico nas tarefas diária, para manter reserva de bons fluidos.
Dormir no mínimo 7h por noite, o excedente de horas é supérfluo e prejudicial.

MEDIUNS CURADORES – PREPARAÇÃO MENTAL

Sem uma moral a prova das tentações inferiores, não pode em absoluto, haver um bom médium.
O médium está na obrigação de trilhar a senda evangélica por pensamento, palavras e obras.
Manter uma linha de conduta impecável
Boa saúde e moral sã = bons fluidos.
MEDIUNS CURADORES – PREPARAÇÃO ESPIRITUAL
O médium curador prepara-se espiritualmente pela reforma moral, reajustando os bons sentimentos.

MEDIUNS ENFERMOS

O passe mediúnico, se o médium se encontra enfermo, a sua tarefa mediúnica se torna contraproducente, uma vez que ele projeta algo de sua própria condição enfermiça sobre os pacientes que se sintonizarem passivamente à sua faixa vibratória psicofísica.

RECEITUÁRIO MEDIÚNICO
Como funciona à distância:

Exige a participação de diversas equipes espirituais sob o comando de uma entidade responsável pela boa ordem dos trabalhos.
Essas equipes compõem-se de técnicos, médicos, laboratoristas, enfermeiros, químicos e pesquisadores, em comunhão com outras entidades, que auxiliam o serviço coletivo, disciplinado e ágil.
Por meio de vibrações, as entidades responsáveis pelos diversos setores recebem a notificação da consulta, entram em relação com o consulente, captam a sua imagem perispiritual e a retransmitem para o local dos trabalhos, projetando-se em ondas no espelho fluídico e em uma fração de minuto é examinada pelos companheiros espirituais ali presentes, embora o médium não enxergue o espelho fluídico porque está em uma freqüência mais alta.

O diagnóstico

Todas as toxinas psíquicas que se instalam e afetam a contextura do perispírito refletem-se na sua circulação astralina, na sua irradiação e cores áuricas, tons, luminosidade, magnetismo, transparência e temperatura.
Os sinais cromosóficos, as alterações magnéticas, de transparência ou luminosidade, que o órgão perispiritual apresenta definem a enfermidade e sua gravidade.
O médium intuitivo no receituário mediúnico
O espírito receitista escolhe no arquivo mental do médium a medicação que julga mais apropriada para o consulente.
A medida que se amplia o conhecimento do médium, cresce o êxito do receituário mediúnico.
O médium intuitivo não pode receitar remédios que não conheça.
O médium mecânico, sonambúlico ou de incorporação no receituário mediúnico
Podem receitar medicamentos que lhes sejam desconhecidos.
No caso de médiuns mecânicos os espíritos terapeutas acionam o braço do médium à altura do plexo braquial e trabalha movendo-o como se fosse uma caneta viva, podendo receitar, podendo receitar sem ter como veículo o cérebro humano.

Consumo dos medicamentos receitados:

Os remédios prescritos mediunicamente deixa de produzir os resultados vaticinados pelos terapeutas do espaço, caso não sejam utilizados em 10 dias, pois além desse prazo ocorrem reações orgânicas inesperadas de efeitos mórbidos imprevistos.

Organização:

Não é possível êxito absoluto num receituário mediúnico desarticulado, conduzido as pressas, conforme é comum na maioria dos centros espíritas, devido a inexperiência, indisciplina e ignorância nos trabalhos, limitar a quantidade de receitas para cada sessão evitando o receituário excessivo, pois exige do médium um dispêndio de energias que resulta em fraca sintonia com o guia assistente.

Prioridade:

Fora os médiuns experimentados, sonambúlicos ou absolutamente mecânicos, os demais se quiserem manter um ritmo equilibrado e sem a tradicional fadiga mental, devem limitar as consultas atendendo de preferência, as que exigem solução mais urgente.
Cansar o médium intuitivo congestiona a comunicação perispiritual, prejudicando o trabalho.

Amparo

Receituário mediúnico exige o máximo de e critério e prudência para merecer o amparo.
Quando o médium é apenas intuitivo e ocioso aos estudos, então o caso assume um aspecto mais grave, porque pode ser que o médium não possua as qualidades morais para uma boa assistência espiritual, além disso os médiuns receitistas incompetentes, ignorantes e indisciplinados ou exclusivamente anímicos, que prescrevem aos doentes tudo aquilo que germina fantasiosamente no cérebro e considera receita intuída pelos desencarnados.

Receituário mediúnico remunerado

É serviço a ser efetuado gratuitamente em favor da humanidade, para cobertura de dívidas pretéritas, por cujo motivo não o credencia a cobrança ou ressarcimento material.
Em conseqüência, sempre resulta em agravo espiritual para o médium curador a cobrança pelo seu serviço mediúnico, mesmo quando a paga é na forma de presentes espontâneo oferecido por aqueles que o consultam.

CIRURGIAS ESPIRITUAIS
Cirurgias diretas:

No caso de operações diretas, os técnicos desencarnados utilizam o ectoplasma do médium de fenômenos físicos, e também os fluidos nervosos emitidas pelas pessoas presentes, e esta aglutinação polarizada sobre o enfermo presente possibilita resultados mais eficientes e imediatos.

Cirurgias processadas a distância

Em tais casos os técnicos siderais operam no perispírito dos enfermos, e o duplo etérico se encarrega de transmitir para o corpo físico todas as reações específicas da interação processada naquele.
Pelo fenômeno de repercussão vibratória manifesta seus efeitos lenta e gradualmente no corpo de carne.
Os espíritos servem-se dos instrumentos operatórios do vosso setor utilizando a substância astralina do seu ambiente próprio, usam os moldes ou duplo etéricos das ferramentas adotadas pelos médicos terrenos.
Todos os objetos ou seres possuem seu molde ou duplo astral.
Os espíritos operadores desmaterializam as ferramentas dos médicos terrenos, e manuseando as matrizes etéricas das mesmas operam o corpo perispiritual na parte que se apresenta afetada.
A intervenção na matriz perispiritual leva tempo para corrigir as deformações nos órgãos afetados em sua contraparte carnal.

Cirurgias Mediúnicas - Incorporação

O espírito quando opera incorporado no médium é sempre auxiliado por companheiros experimentados na mesma tarefa, os quais cooperam e ajudam no controle da intervenção cirúrgica.
Os médicos desencarnados trocam opiniões e antecipadamente examinam as anomalias dos enfermos a serem operados. Entidades experimentadas na ciência química preparam os fluidos anestesiantes e cicatrizantes e depois o transferem do mundo oculto para o mundo físico conforme o necessário.


PASSES

Deve o passista cultivar as seguintes qualidades.

- Boa vontade
- Prece e mente pura
- Elevação de sentimentos e amor

A prece especialmente, representa elemento indispensável para que a alma do passista estabeleça comunhão direta com as forças do bem, favorecendo, assim, a canalização, através da mente, os recursos magnéticos das esferas elevadas.

A oração é prodigioso banho de forças, tal vigorosa corrente mental que atrai.

Para o êxito da tarefa deve-se expulsar as preocupações do dia a dia e sorver do plano espiritual substancias renovadoras.

O que impossibilita o êxito:

- Mágoa excessiva e paixões
- Alimentação inadequada e alcoólicos
- Desequilíbrio nervoso e inquietude

A alimentação excessiva favorece o vampirismo da criatura por entidades infelizes, o mesmo o correndo com os alcoólicos em demasia.
O passista que não confia no alto limita sua capacidade de receptiva, fecha as portas da casa mental, obstruindo o acesso a recursos magnéticos.


FLUIDOS PROJETADOS A DISTÂNCIA – (Passes)

Pode ser ministrado com eficiência desde que haja uma sintonia entre aquele que administra e o que recebe. Nesse caso, diversos companheiros espirituais se ajustam no trabalho de auxílio, favorecendo a realização e a prece silenciosa será o melhor veículo de força condutora.
Por serem fluidos mais fracos do que os doados pelo médium de efeitos físicos (Ectoplasma) são submetidos a um tratamento químico especial pelos operadores invisíveis afim de se obterem resultados positivos
Fatores que impedem que os fluidos transmitidos a distância sejam da mesma eficácia do que os do médium na intervenção direta.

- Falta vontade disciplinada
- Vibração emotiva fervorosa
- Não tem boa saúde
- Fumam muito
- Abusam de alcoólicos
- Alimentação carnívora

Para suprir as necessidades fluídicas os espíritos bem feitores se utilizam também de vibrações espirituais de fiéis de outras crenças ou religiões, quando se encontram reunidos em seus templos, imantados em preces, cânticos ou devoções.

FLUIDIFICAÇÃO DA ÁGUA

Em espiritismo entende-se por água fluida aquela em que os fluidos medicamentosos foram imergidos, por ação magnética de médiuns ou por intervenção de Espíritos benfazejos.

Os processos de fluidificação da água consistem em:

1 - Pelas próprias pessoas
2 – Pelos médiuns
3 – Pelos Espíritos do bem

A fluidificação de água pelos espíritos pode processar-se na presença do médium, ou a distância. No primeiro caso não dispensa a concentração do médium, no segundo faz-se a exposição da vasilha ao sereno da noite.
A água recebe-nos a influência ativa da força magnética e princípios terapêuticos que aliviam e sustentam, que ajudam e curam.
Os médiuns vegetarianos, sem vícios deprimentes e libertos de paixões violentas, são capazes de produzir curas prodigiosas pelo emprego da água fluidificada, a qual ainda é super ativada pelo energismo mobilizado pelos espíritos desencarnados em serviço socorrista aos encarnados.
Ao ingerir a água fluidificada, isto é, um conteúdo potencializado no seu energismo, o homem recebe diretamente e em estado de pureza esta carga de forças vitalizadoras.
Não é o bastante os médiuns fluidificarem a água, eles precisam melhorar sua saúde física e sanar seus desequilíbrios morais, exige também do médium o fiel cumprimento das leis de higiene física e espiritual afim de elevar o padrão qualitativo de suas irradiações vitais.
O êxito mediúnico de passes e fluidificação da água é afetado, quando os médiuns são negligentes a sua higiene física e mental.
Jesus era pobre, mas asseado, suas mãos eram limpas e ele evitava até alimentação indigesta ou tóxica.

Entramos em contato todos os dias com poeira, substâncias tóxicas, enfermos e na falta de limpeza prévia ela se transforma, à hora dos passes, em desagradável chuveiro de fluidos contaminados pelos germes e partículas nocivas a transmitirem-se ao consulente.
Os consulentes se tornam mais receptivos aos fluidos terapêuticos mediúnicos quando os recebem de passistas que se impõe pelo melhor aspecto moral, asseio e delicadeza.
O êxito depende fundamentalmente do estado de receptividade do consulente.

“E qualquer que tiver dado só que seja um copo d’água fria por ser meu discípulo, em verdade vos digo que de modo algum, perderá seu galardão” Jesus – Mateus 10:42


AUTO CURA:

Quando a criatura possui a convicção sincera e pura lembrada por JESUS no exemplo do grão de mostarda e da Fé que remove montanhas ela mesmo pode dispensar o curandeiro, o médium e os médicos e assim recuperar-se completamente.
“Vós sois Deuses” JESUS

Se não fosse assim o mestre teria dito!

ÊXITO DAS CURAS MEDIÚNICAS

O próprio Jesus não pode curar todos os enfermos, pois enquanto alguns não possuíam a fé “Que remove montanhas”, outros não estavam em condições de livrar-se dos seus sofrimentos e mazelas físicas determinadas pela lei do Carma.”
A saúde do corpo físico é menos importante do que o equilíbrio espiritual da alma.

OS IMPEDIMENTOS QUE NÃO PERMITEM A CURA

A perfeição das leis cósmicas não permitem curar externamente quem não quer curar-se internamente.
Poses mentais descontroladas dificultam a análise perispiritual, o diagnóstico fica comprometido.
Vícios desregrados destroem as possibilidades de êxito do além, pois tornam o perispírito sujo e oleoso que formam uma cortina opaca, intransponível.


OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

Vibrações balsamizantes conseguem acalmar o sofrimento do enfermo, porém, em nenhuma hipótese evitarão que se processe o determinismo da Previdência Divina quanto a sua vida ou morte.


FINALIZANDO

O verdadeiro sentido da Vida é Amor! E o amor é um estado de espírito de doação incondicional que nos impõe no dever de pensarmos também nas aflições dos outros.

Assim todo o gesto ou ato que tenha em vista satisfazer a nossa vaidade, ou nosso orgulho, é sempre uma realização desfavorável ao próximo, pesando na balança da Justiça Divina contra nós mesmos.

“Bem aventurados os que sofrem porque deles é o Reino dos Céus” JESUS

“Só pelo amor será salvo o homem” JESUS

***


MÉDIUNS DE CURA




ZÉ ARIGÓ

Mediunidade de Cura
José Pedro de Freitas (Fazenda do Faria, Congonhas, 18 de outubro de 1922 (ou 1921) foi um médium brasileiro. Era conhecido como José Arigó ou simplesmente Zé Arigó.

Desenvolveu suas atividades espirituais em Congonhas durante cerca de vinte anos, tornando nacional e internacionalmente conhecidas as cirurgias e curas realizadas por intermédio de sua faculdade mediúnica, pelo espírito que se denominava como Dr. Fritz, um médico alemão falecido em 1918, durante a Primeira Guerra Mundial.

Apesar de possuir desenvolvida mediunidade, Arigó possuía formação católica tradicional, e seu nome, a rigor, não se associa formalmente nem ao Espiritualismo nem ao Espiritismo. Apesar da desaprovação da Igreja Católica (com quem, entretanto, não criou inimizades) e das autoridades civis, Arigó fundou uma clínica à Rua Marechal Floriano, em Congonhas, onde chegava a tratar, gratuitamente, até duzentas pessoas por dia, oriundas da região e dos diversos Estados do país, da América do Sul, da Europa e dos Estados Unidos. À época, Congonhas chegou a estar ligada a Buenos Aires (Argentina) e a Santiago do Chile (Chile) por linha de ônibus direta e regular.

Entre as dificuldades de ordem legal enfrentadas pelo médium, destaca-se o processo instaurado em 1956 pela Associação Médica de Minas Gerais, sob a acusação de prática de curandeirismo, e pelo qual foi condenado a quinze meses de prisão (1958); entretanto, teve a sua pena reduzida à metade e não chegou a ser preso, uma vez que recebeu indulto do então Presidente da República, Juscelino Kubitschek, cuja filha também havia sido atendida pelo médium, sendo-lhe diagnosticados dois cálculos renais. Anos mais tarde, responderia a novo processo, sendo condenado a 18 de novembro de 1964. Desta vez, tendo compreendido o que era um indulto, recusou-o, sendo detido por sete meses em Conselheiro Lafaiete (MG), pelo exercício ilegal da medicina. Continuou a prática mediúnica mesmo dentro dos muros do presídio, tendo retornado a Congonhas com prestígio ainda maior.

Nessa época, o estadunidense Henri Belk, fundador de uma fundação para pesquisa de fenômenos paranormais, acompanhado por Andrija Puharich (ou Henry K. Puharich), especialista em bioengenharia, deslocaram-se até Congonhas, acompanhados por dois intérpretes da Universidade do Rio de Janeiro e por Jorge Rizzini, conhecido pesquisador espírita brasileiro, para iniciar uma pesquisa com Arigó (1963). Na ocasião, o Dr. Puahrich teve extraído um lipoma de seu cotovelo esquerdo, em um procedimento indolor que consumiu apenas cinco segundos, executado com um canivete comum. A incisão de menos de 5 centímetros, com pouco sangue, não inchou, conforme documentado nítidamente em filme (a cores) por Rizzini, vindo a cicatrizar completamente, sem infecção.

Em 1968, dois outros médicos estadunidenses chegaram a Congonhas para complementar as pesquisas: os Drs. Laurence John e P. Aile Breveter, da William Benk Psychic Foundation. Mesmo sem ter alcançado uma explicação conclusiva para o fenômeno, comprovaram que a prática do médium não comportava ilusionismo ou feitiçaria, declarando que 95% dos diagnósticos do médium eram corretos e que, as operações realizadas com um canivete, sem qualquer assepsia, só eram possíveis devido à sua sensibilidade, explicável apenas à luz da parapsicologia.

Incorporado, Arigó utilizava-se de facas e canivetes para extrair em rápidos procedimentos, quistos e tumores. As incisões eram pequenas, se comparadas aos procedimentos cirúrgicos praticados à época, muitas vezes menores que o material por elas extraído. Por vezes, durante a intervenção, Arigó ditava uma receita, datilografada por um de seus assistentes, para ser entregue ao paciente.

Morte:

Os seus biógrafos registram que Arigó teve um sonho com um crucifixo negro, convencendo-se de sua morte próxima. No dia em que faleceu, como de hábito, compareceu à sua clínica, mas avisou os pacientes que o aguardavam que necessitava ir a uma localidade próxima para buscar um carro usado, que acabara de adquirir. Segundo o boletim de ocorrência policial, na rodovia BR-040, às 12:23h de 11 de Janeiro de 1971, José Pedro, vítima de mal súbito, perdeu a direção do Chevrolet Opala que dirigia, ingressando na contramão onde colidiu com um veículo do Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER), vindo a falecer vítima de traumatismo cerebral.

***


EDSON QUEIROZ

Mediunidade de Cura Edson Cavalcante Queiroz (Recife, 23 de agosto de 1950 - 5 de outubro de 1991) foi um médico ginecologista e médium brasileiro.

Destacou-se pela prática de cirurgias espirituais atribuídas ao espírito do Dr. Fritz na sucessão de José Arigó e dos irmãos Oscar e Edivaldo Wilde.

Em 1979 começou a incorporar o espírito do Dr. Fritz, que, como a Arigó, lhe trouxe reconhecimento e fama: com o aumento do afluxo de pacientes no centro espírita em que atendia em Recife, a sua equipe ampliou-se até ao número de 80 pessoas atendendo o trabalho burocrático.

Apresentou-se no VIII Congresso Brasileiro de Jornalistas e Escritores Espíritas de 1982 em Salvador, na Bahia, e em 31 de março e 1 de abril de 1983 em São Paulo, a convite da Federação Espírita do Estado de São Paulo(FEESP).

O programa da TV Bandeirantes 3.ª Visão, em seu 2.º episódio (3 de abril de 1987), apresentado por Luiz Antonio Gasparetto, exibiu cirurgias espirituais do Dr. Fritz através do médium, filmadas no centro espírita Grupo da Fraternidade Irmão Altino (Guaratinguetá/SP), em 1983.

Neste período as formas de tratamento praticadas pelo Dr. Fritz eram diversificadas:
alguns pacientes recebiam receitas dos medicamentos que deveriam tomar;
outros eram tratados espiritualmente, à distância;
uma boa parte era encaminhada ao Departamento de Passes;
as cirurgias espirituais eram efetuadas em dias marcados, em grupos de até cem pessoas.

As cirurgias eram efetuadas com grande rapidez, caracterizadas por escasso sangramento, cortes fechados sem suturas e as pessoas raramente sentiam dor. Por vezes eram utilizadas agulhas, através das quais era desmaterializada qualquer substância estranha no interior do local, muitas vezes rematerializada em seguida, do lado de fora do corpo do paciente. Em outras ocasiões, o material sólido liquefazia-se, escorrendo gota a gota pela agulha. Segundo informado pelo Dr. Fritz, o tratamento com agulhas era utilizado nos pacientes que apresentavam problemas espirituais, obsessivos ou de ordem moral.

Uma das características que mais chamavam a atenção no trabalho com o Dr. Fritz, à semelhança do que acontecera com José Arigó, era a aparente falta de assepsia durante os procedimentos. Queiroz chamava esse fenômeno de "fritzação", que descrevia como a inativação da patogenicidade dos micróbios. A rapidez com que o processo de cicatrização ocorria comprovaria esse processo.
Um último aspecto, além da capacidade de diagnóstico, medicação e cirurgia, era a capacidade que o médium apresentava em transferir para alguém de sua escolha, parte de sua capacidade mediúnica. existem estatísticas com relação ao trabalho mediúnico de Edson Queiroz, que se afirma chegava a atender centenas de pessoas por dia na Fundação Espírita Adolph Fritz, em Recife.

O médium percorreu todos as cidades do estado de Pernambuco, e estendeu a sua atividade a outros estados do país, assim como a diversos países da América Latina como a Argentina, a Bolívia, o Paraguai, e o Uruguai.

Na Europa esteve na Alemanha, na França e na Itália. Na Suíça participou do Congresso Astra, onde fez várias cirurgias no palco do evento, diante de milhares de participantes. Foi declarado "Mestre da paranormalidade" por médiuns das Filipinas.

Na América do Norte apresentou-se em Nova Iorque, Miami, São Francisco e Palo Alto (Califórnia).

Problemas com a Justiça e o seu assassinato

Um único paciente terá falecido após ser operado pelo Dr. Fritz pela mediunidade de Edson Queiroz: segundo testemunhas, tratava-se de um caso já desenganado, e que a Medicina convencional se recusara a tratar.

Em 1983, o Conselho Regional de Medicina do Ceará acusou Cavalvante Queiroz e prática ilegal da Medicina o que resultou na cassação de seu registro profissional. Dois anos depois foi absolvido, no entanto.

Outros processos, pela mesma acusação e por charlatanismo, quase levaram à cassação do seu registro profissional, mas Queiroz não parou o seu trabalho com os Espíritos. Como Arigó, nada cobrava por sua dedicação e veio a ter morte trágica - assassinado a facadas por seu caseiro, José Ricardo da Silva, o que acabou reforçando a lenda em torno da entidade e seus médiuns.


***


JOÃO DE DEUS

Mediunidade de Cura
João Teixeira de Faria (Cachoeira de Goiás, 24 de junho de 1942), no Brasil mais conhecido como João de Deus ou João de Abadiânia e em outros países como John of God, é um médium, filantropo e fazendeiro brasileiro.

Residente na cidade de Abadiânia, estado de Goiás, é mundialmente famoso por realizar tratamentos espirituais, incluindo "cirurgias espirituais" sem cortes e "cirurgias espirituais" com cortes de pele sem a utilização de anestesia, em que não ocorrem sangramentos e nem infecções pós-operatórias. 

Para esses atendimentos fundou em 1976 a Casa de Dom Inácio de Loyola, onde atende seus consulentes. Destes, cerca de 80 % são estrangeiros. 

Em 2000 o psiquiatra e parapsicólogo espírita Alexander Moreira de Almeida, junto com dois outros médicos, estudaram as cirurgias espirituais realizadas pelo médium e concluíram que:

“ Pode-se concluir que as cirurgias estudadas e os materiais extraídos são reais, não há utilização de técnica asséptica ou anestésica, mas não foi detectada nenhuma infecção e apenas um paciente referiu dor. Como não houve identificação de fraudes, o fenômeno necessita de posteriores estudos..."

Pesquisado por Ednay Melo

Fontes de pesquisa:
Jornal GGN (Marcos Villas-Bôas)
Site Mundo Espírita (Leandro Brancher de Oliveira)
Wikipédia






Leia mais

19 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

O Benzimento

O Benzimento

Segundo o dicionário, a palavra benzer vem de fazer a cruz. E é com esse símbolo que a maioria dos benzimentos tem início.

Na cultura popular, corpo e espírito não se separam, tampouco desliga-se o homem do cosmos, ou a vida da religião. Para todos os males que atingem o corpo e a alma do homem sempre há uma reza para curar. É por isso que, apesar do tempo e dos avanços da medicina, a tradição dos benzedores ainda persiste na nossa moderna sociedade capitalista.

Acreditando ou não no poder da reza, tem sempre aqueles que procuram, nas rezas e nas benzeções, uma cura para a sua doença ou um alívio para a sua dor.

O que é o benzimento?

Benzer significa tornar Bento ou Santo. Benzer uma pessoa é o ato de rezá-la, pedindo que dela se afastem todos os males ou o mal específico que lhe esteja afligindo.

Faz-se o “sinal da cruz” sobre a pessoa, animal ou objeto, recitando orações diversas com o objetivo de consagrá-la ao divino e pedir para o favor do céu, abençoando.

A bênção é um veículo que possibilita ao seu executor estabelecer relações de solidariedade e de aliança com os santos, de um lado, com os homens de outro e entre ambos, simultaneamente (Oliveira, 1985).

É uma prática muito antiga a muitas culturas, mas aqui no Brasil ganhou força no período da colonização junto aos imigrantes que chegaram.

Vale lembrar que os próprios Índios aqui já estabelecidos praticavam seus rituais de cura dentro de um conjunto de orações no seu próprio dialeto.

A maioria das benzedeiras são idosas, católicas, com pouca escolaridade e baixa renda.

Elas encaram seu ofício como um serviço assumido por tradição e em resposta a necessidades, da comunidade. Não cobram pelos benzimentos, mas geralmente os que procuram seus serviços, levam presentes como forma de agradecimento.

No quadro dos colonos tínhamos duas classes predominantes no Benzimento:

As parteiras e os benzedeiros.

O benzimento é uma técnica simples, independente de crença ou religião, de dia, lua, horário ou local para ser praticado.

Quem pode benzer?

Alguns dizem que o benzimento só pode ser praticado quando se aprende dentro de uma tradição ou quando se é passado por alguém da própria família.

A maioria das antigas benzedeiras relatam que aprenderam com alguém da família ou que foram apadrinhadas por outra benzedeira pois tinham o dom. Algumas relatam que receberam as orações e a missão de benzer durante um sonho.

Atualmente muitas pessoas defendem que para praticar o benzimento não é preciso ser médium, possuir dons espirituais, nem ter nenhum tipo de pré-requisito além da vontade de ajudar ao próximo. Sendo assim o Benzimento é livre a qualquer pessoa que queira aprender.

Qualquer pessoa pode fazê-lo desde que tenha fé na força que vem de Deus e que habita em cada um de nós.

Através da vontade no bem, criamos um campo fluidico cheio de magnetismo benéfico, repleto de agentes restauradores de forças e energias gastas, que ao serem repostas, atuam na reparação dos males que se instalaram.

O que pode ser benzido?

As enfermidades curadas pelas benzedeiras se configuram como perturbações que atingem não apenas o corpo, a esfera física, mas estão relacionadas a questões sociais, psicológicas e/ou espirituais que afetam o cotidiano.

Enquanto a Medicina científica se concentra nos aspectos biológicos do processo saúde-doença, a benzeção ocupa-se de perturbações que desequilibram a vida das pessoas e que podem ser causadas por um amplo leque de fatores, aproximando-se mais da forma subjetiva como as pessoas vivenciam o processo saúde-doença. Além disso, a eficácia do benzimento está estreitamente relacionada ao modo como as pessoas percebem a saúde e a doença.

A BENZEDURA COMO PRÁTICA TERAPÊUTICA

Negócios, mal no corpo, doenças físicas, psicológicas ou espirituais, sapinho na boca, quebranto, mau olhado, etc. Algumas benzedeiras se especializam em determinadas rezas. Por exemplo: geralmente as mulheres benzem crianças e os homens picadas de cobra.

Elementos no benzimento

O dom ou a faculdade de curativa é inerente ao benzedor, a preferência por certo objeto, erva, ou certa gesticulação, serve-lhe de catalizador do próprio benzimento.

Os elementos utilizados são diversos, tais como:

Vela, tesoura, faca, carvão, ervas, água, ramos, sal, Bíblia, rosários, fios de linha, etc

O elemento mais popular é o ramo. Algumas benzedeiras dizem que quando não usam o ramo o mal “vira prá elas”; após a reza, se a pessoa estiver carregada, as folhas ficam “muchas”. Pode-se usar qualquer tipo ramos de plantas para realizar o benzimento.

Dentre as ervas podemos citar a arruda, o alecrim, o alevante, o guiné. Pelas propriedades de cada uma delas, de limpar a energia negativa. Ou ainda alguma erva que a benzedeira use somente para esse fim.

Também são utilizados elementos em rezas específicas, como por exemplo uma faca para cortar o mau olhado ou o ramo de oliveira para a “vermelhidão”. No entanto é importante que aqueles que queiram iniciar a prática do benzimento saibam que os elementos não são necessários.

Quando mencionamos o uso de objetos dentro do benzimento, notamos que na realidade se vincula aos mesmos no plano etéreo suas atuações idênticas no plano físico.

Quando utilizamos facas para se benzer, nem sempre esta prática é bem aceita pois a associação que se faz com este elemento esta sempre ligada ao negativo. Olhando por um prisma espiritual verificaremos que a faca tem uma única função “CORTAR" e não se dever ser associado a ela a AÇÃO que o ser vivente toma com a mesma, sendo esta segunda de total responsabilidade de quem o faz.

Ao benzermos uma pessoa com o uso de uma faca, pouco importa sua forma ou alegoria que nela seja colocada, nem tão pouco se tenha corte ou não, pois em momento algum há o contato dela e de seu fio de corte com a pessoa que esta sendo benzida, ficando a atuação somente no campo ritualístico.

Os movimentos neste benzimento devem ser lentos para não assustar o assistido e vale lembrar que a fé é elemento propulsor de energia e sem a mesma nada se realiza.

Géro Maita



Leia mais

17 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

Por Que os Maus se Dão Bem na Vida?

Por Que os Maus se Dão Bem na Vida?

De vez em quando vemos as pessoas fazerem a seguinte indagação:
Por que muitas pessoas boas, que ajudam os outros, estão mal, sofrendo, e ficam com suas vidas bloqueadas? E por que outras pessoas egoístas, orgulhosas, que prejudicam os outros, estão bem, ganham dinheiro, tudo em suas vidas dá certo e elas conseguem o que desejam?
Em primeiro lugar devemos dizer que não há como saber se essas pessoas estão mesmo bem e felizes. Alguns desses indivíduos egoístas, arrogantes, rancorosos, intolerantes etc, podem ter boas condições financeiras, família, uma vida confortável e ter poucos problemas, mas nada disso garante alegria e paz. A felicidade não se encontra em nenhuma destas coisas, mas num desprendimento interior, numa liberdade de ser e numa consciência que independem de qualquer aspecto da vida humana. Por isso, nada nos faz acreditar que essas pessoas são felizes. Talvez essa felicidade seja apenas uma aparência. Aliás quase tudo na vida humana é feito de imagens, de miragens e de ilusões. A imagem de felicidade e bem estar que muitas pessoas projetam a outras não é exceção.
Em segundo lugar, é preciso verificar se as pessoas que julgamos “boas” são tal como nós pensamos. O ser humano cria em sua mente um modelo de bondade, de santidade, de solidariedade que está baseado em suas crenças pessoais. Pessoas boas podem ser boas apenas na aparência, mas por dentro guardarem uma escuridão interior. Elas fingem ser bondosas a fim de ganhar alguma coisa com isso, nem que seja reconhecimento que vem alimentar seu ego. Por outro lado, muitas pessoas que são supostamente boas, caso tivessem poder, usariam mal esse poder adquirido. Vemos todos os dias situações parecidas com essa. Pessoas que pareciam ser boas apenas por não lhes ter sido dada a oportunidade de se mostrarem tal como são. Como diz a máxima: “Quer conhecer uma pessoa? Dê poder a ela.” É certo que muitos oprimidos anseiam em se tornar opressores. Ao invés de lutarem contra as injustiças, sonham em um dia terem as mesmas condições de seus algozes e ser como eles. Portanto, é preciso tomar cuidado com rótulos de bondade. Da mesma forma que não devemos fazer um julgamento de uma pessoa como sendo alguém mau e perverso, não devemos também julgar uma pessoa como sendo boa antes de conhece-la mais a fundo.

O terceiro ponto dessa resposta, e o mais importante, é entender que as pessoas realmente boas e puras estão mais adiantadas no caminho espiritual, e por esse motivo, estão aptas a enfrentar provas mais duras. Para entender esse ponto, vamos recorrer a um exemplo. Vamos imaginar um aluno da primeira série fazendo uma prova. Vamos imaginar também um aluno da sétima série fazendo uma prova. Cada um desses alunos realiza um exame que foi preparado de acordo com os conhecimentos do aluno dentro da série onde ele está. Alguém imagina o aluno da primeira série sendo obrigado a resolver as questões de uma prova da sétima série? Claro que não. O aluno da primeira série deverá fazer uma prova adaptada aos padrões da ensino da série em que se encontra.
O mesmo ocorre com as almas que vem a esse mundo. Cada alma possui um certo nível de amadurecimento espiritual. Os espíritos se encontram em certa fase de seu desenvolvimento. Uns são mais adiantados e outros são mais atrasados. As almas mais adiantadas devem obviamente realizar provas mais difíceis porque já estão aptas a serem bem sucedidas. As almas mais atrasadas, por outro lado, não estão preparadas para provações mais complexas, mais duras, mais pesadas, que exijam muito delas, pois se isso ocorrer, elas facilmente vão sucumbir a essas adversidades. Não se pode exigir algo de quem não tem. É necessário dar as provações mais difíceis aos espíritos mais avançados e provas mais simples aos espíritos igualmente mais simples. No futuro, as almas menos adiantadas vão avançar em evolução, e nesse momento, estarão preparadas para as provas mais árduas, mais penosas, que exijam mais de si mesmos. Como diz a máxima: “Deus dá as batalhas mais difíceis aos seus melhores soldados”.
Por isso, ninguém deve se surpreender quando pessoas sem caráter, primitivas e grosseiras se dão bem na vida. Na realidade, esses espíritos ainda não podem ser submetidos aos testes mais rigorosos, caso contrário, ficarão revoltados, perdidos e podem desistir. É preciso que as almas primitivas vão recebendo as lições espirituais mais lentamente, aos poucos, dentro do nível que eles são capazes de assimilar. Assim, eles vão sendo preparados de forma branda para depois serem introduzidos nas provações de nível mais alto. Por outro lado, aqueles que sofrem provações mais severas devem agradecer essa oportunidade, pois Deus já sabe que essas almas são mais adiantadas e estão preparadas para desafios maiores.
Respondendo então a pergunta inicial, os espíritos atrasados não se dão bem na vida. Eles apenas se encontram incapacitados de superar provas mais duras. Por isso, essas provas são adiadas até que eles estejam preparados.

Hugo Lapa




Leia mais

15 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

Saravá Umbanda!

Salve o dia 15 de novembro!
109 anos refletindo a Luz Divina!

Gratidão à luz que vem de Aruanda!

Gratidão aos nossos mais velhos!

Parabéns a todos os umbandistas, que levam ao mundo inteiro a bandeira de Oxalá!

Saravá Umbanda!





Leia mais

14 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

A Roupa Branca

A Roupa Branca

Por causa de Oxalá, a cor branca está associada ao candomblé e aos cultos afro-brasileiros em geral, e não importa qual o santo cultuado num terreiro, nem o Orixá de cabeça de cada filho de santo, é comum que se vistam de branco, prestando homenagem ao Pai de todos os Orixás e dos seres humanos.

Além disso, quando da manifestação do Caboclo das Sete Encruzilhadas, no momento em que expressou as diretrizes da nova religião, a Umbanda, ele sugeriu que todos os médiuns, sacerdotes ou pessoas que participassem das sessões vestissem roupas de cor branca.

A cor branca sempre foi usada desde os tempos remotos para simbolizar a paz e a fraternidade. Nas antigas ordens religiosas do Oriente, encontramos a cor branca como sinônimo de elevada sabedoria e alto grau de espiritualidade. Os Magos Brancos da antiga Índia eram assim chamados por utilizarem sua magia sempre para o bem, e suas vestes sacerdotais eram sempre brancas. Também consideramos que a cor branca dá a sensação de limpeza, beleza, paz e harmonia, por isso, tantos profissionais a utilizam para representar sua ação, como a área médica e a de ensino. Há, ainda, uma razão científica para o uso dessa cor. Segundo estudos e pesquisas elaborados pelo cientista Isaac Newton, descobriu-se que, quando a luz solar (branca) passa por um prisma de cristal, desdobra-se a cor matriz (branca) nas cores do arco-íris, provando assim que a cor branca contém dentro de si todas as demais cores.

Em outras palavras...

Essas duas cores, branca e preta, representam à união e a ausência de todas as cores e nos levam ao plano iniciatório ultrapassando a dualidade. São as cores do universo simbólico representado no tabuleiro do Xadrez, no preto que é luto no ocidente e no branco que é o luto no oriente, no branco que é a cor do vestido da noiva e no preto que a cor do fraque do noivo, no preto que é a noite insondável e no branco que é a neve que reflete a luz fria em altitudes inatingíveis. O branco e o preto se alternam quando a palheta de cores atinge certa rotação, formando um desenho preto-branco e branco-preto criando uma nova unidade de cor. O branco é a pureza e o preto é atração magnética que tudo absorve, é o feminino e o masculino, o positivo e o negativo, o oriente e o ocidente, o yin e o yang, o sol que reflete a luz e a lua que absorve a claridade, é a presença e a ausência.- Branco: pureza, inocência, reverência, paz, simplicidade, esterilidade, rendição.- Preto: poder, modernidade, sofisticação, formalidade, morte, medo, anonimato, raiva, mistério.

Na Umbanda usa-se como roupagem para os médiuns apenas roupa branca, representando a simplicidade e humildade. O branco representa e é a cor de Oxalá e além do sentido da pureza e da reverência ele traz a proteção espiritual para o médium, pois o branco É IRRADIADOR POR SI SÓ formando um campo de força único, fazendo com que o baixo astral não consiga enxergar ou caracterizar o médium protegendo-o dos ataques espirituais.

A cor branca resulta da sobreposição de todas as cores, enquanto o preto é a ausência de luz. Uma luz branca pode ser decomposta em todas as cores (o espectro) por meio de um prisma. Na natureza, esta decomposição origina um arco-íris.

Na Umbanda por exemplo, aquela trazida pelo Caboclo das 7 Encruzilhadas, não é comum o uso de fantasias, adornos, enfeites, objetos brilhantes e coloridos, ou afins, como se verifica no candomblé ou kimbanda por exemplo, onde cada qual segue sua ritualística. Pode ocorrer de uma preta velha solicitar uma saia ou um lenço para simplesmente amarrar os cabelos... Mas uma outra visão sobre a vestimenta e apetrechos materiais utilizados pelos Guias Espirituais são como condensadores de energia, sendo um modo de concentrar-la e depois enviá-la ou dissipá-la no elemento apropriado.
Deve-se ficar atento diante das solicitações espirituais para que não haja influência do próprio médium perdendo todo o efeito de realização e descaracterizando a Umbanda de sua simplicidade, pois como diz seu Zé, vestir branco é o branco interno e não o externo.
No entanto a roupa branca quando destinada aos trabalhos caritativos deve ser usada única e exclusivamente na hora dos trabalhos mediúnicos.

Mônica Caraccio




Leia mais

6 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

A Natureza do Perispírito

A Natureza do Perispírito

Conhecer melhor o corpo fluídico que envolve o espírito é a chave que permite compreender a enorme gama de fenômenos mediúnicos.

Alcione Rebelo Novelino - Associação Médico-Espírita do Brasil

Perispírito, corpo fluídico ou corpo espiritual, no dizer dos espíritos, é um corpo fluido que envolve o espírito. Kardec é quem deu a este corpo fluídico o nome de perispírito, em alusão ao perisperma, membrana que envolve a semente de um fruto.

O perispírito é um dos produtos mais importantes do Fluido Cósmico Universal. "É uma condensação deste fluido em torno de um foco inteligente ou alma". Tanto o corpo carnal como o perispírito são matéria e derivam do fluido cósmico, mas a matéria de ambos se encontra em diferentes condições vibratórias, como diria André Luiz.

Praticamente todas as civilizações humanas do passado falaram no perispírito. Os egípcios conheciam-no como o "KHA". Na índia, no Rig Veja, fala-se em "Iíngua-sharira", enquanto que no esoterismo judeu é o "nephesh". Paracelso o chamou de "corpo astral" ou "evestrum" e Paulo de Tarso o denominou como "corpo espiritual" ou "corpo incorruptível".

Formado dos fluidos espirituais de cada globo, o perispírito varia de acordo com o meio onde se encontra. Suas características dependem do nível moral e espiritual alcançado por cada individualidade, pois é esta moral idade e espiritualidade alcançada em numerosas experiências reencarnatórias que funcionará como um foco de atração para este ou aquele elemento (átomo) da matéria espiritual, de sorte que o perispírito retratará sempre o nível espiritual de cada criatura.

Portanto, o corpo espiritual ou perispírito tem uma forma para se constituir bem distinta do corpo físico. Enquanto que este é formado basicamente dos elementos carbono, oxigênio, hidrogênio e nitrogênio (constituintes básicos da matéria orgânica), os átomos espirituais que compõem o perispírito variam de acordo com sua evolução.

MATRIZ ESPIRITUAL DO CORPO

Kardec nos ensina que o perispírito, por meio de uma expansão do mesmo, une-se ao ser humano desde o momento da fecundação do óvulo pelo espermatozóide. Daí para frente, orienta a divisão celular do mesmo, unindo-se ao corpo físico célula a célula, órgão a órgão, molécula a molécula, átomo a átomo. Esta união permanece por toda a vida física do indivíduo e só por ocasião da morte do corpo físico é que ocorre a desunião do perispírito, quando ele volta ao mundo espiritual, que é seu local de origem.

Orientando a divisão celular, o perispírito é, por isso mesmo, a matriz do corpo físico. Numerosos fenômenos podem ser explicados quando conseguimos perceber que a matriz do corpo físico se encontra fora do mesmo, embora agregado a ele. Um deles é o intrincado fenômeno da embriogênese.

É muito conhecido entre os embriologistas e curiosos o fato de que, quando nos estágios iniciais de formação do embrião, ao se colocar uma célula que, em seu lugar de origem, já estava sendo diferenciada para dar formação a uma estrutura do aparelho digestivo, por exemplo, em um local que deveria redundar no olho do organismo, esta célula que já estava se diferenciando regride para seu estágio de indiferenciação e começa agora a se diferenciar novamente, para ajudar a formar o olho do organismo. Tudo se passa como se, por trás da gênese orgânica, houvesse "algo" que orientasse sua formação.

É a este algo que o fisiologista francês Claude Bernard dá o nome de "idéia diretriz", Hans Driesch dá o nome de "intelékia" e o dr. Hernani Guimarães Andrade, parapsicólogo brasileiro, dá o nome de "modelo organizador biológico". O Espiritismo nos ensina que esse "algo" que organiza a matéria orgânica nada mais é que uma das propriedades do perispírito que se manifesta como a matriz orientadora do corpo físico.

O leitor poderá objetar que tal princípio está concentrado nos genes que estão inseridos nos cromossomos das células, como vem demonstrando tão bem a genética, ciência que estuda os fenômenos da hereditariedade. Sem dúvida, a genética tem elucidado muitas leis que regem a hereditariedade, mas está longe de conhecer e explicar todos os fenômenos da organogênese.

Dentre os muitos fatos que a genética ainda não consegue explicar, poderíamos citar como exemplo o curioso fato das moscas sem olhos. O dr. Hernani Guimarães Andrade relata em seu livro Psi Quântico que "realizando o cruzamento entre si, as moscas das frutas (Orosophila melanogaster) portadoras dos genes recessivos correspondentes ao caráter "mosca sem olhos" podem gerar o aparecimento de moscas sem olhos. Neste caso, a linhagem é pura com relação a este caráter, o que quer dizer que, de acordo com as leis da genética, as descendências deverão ser sempre moscas sem olhos. Entretanto, não é isto exatamente o que ocorre. Depois de um certo número de gerações por entrecruzamento de moscas cegas, surgirão novamente moscas com olhos normais" .

Diante de fenômenos como este, os geneticistas se perguntam: o que aconteceu ou o que interferiu nos genes para provocar tal mutação e corrigir o defeito da cegueira das moscas? Para tal pergunta, a genética não tem resposta. No entanto, se ela não responde, o Espiritismo o faz, quando nos afirma que toda a experiência da vida no planeta está registrada no perispírito e que, por isso mesmo, quando ocorre alguma anomalia no código genético da matéria, o espírito lança mão do arquivo mnemônico do perispírito para corrigi-Ia, provocando pequenas alterações nos genes no transcorrer das gerações, até que o defeito ou anomalia seja corrigido.

O Espiritismo não veio para desacreditar a genética ou qualquer outra ciência, mas veio para se associar a ela, a fim de permitir explicar numerosos fatos que a ciência por si só logra fazê-lo.

É bem conhecido o fato de que, no ser humano, todas as células físicas se desgastam e são substituídas, de sorte que, excetuando-se as células do sistema nervoso, todas as outras células são trocadas. No espaço de aproximadamente oito anos, todas as células do organismo foram substituídas, mas, no entanto, a criatura conserva seus traços fisionômicos. Esta "memória" que permite a recomposição celular sem perda dos sinais fisionômicos do indivíduo é mais uma das propriedades do perispírito.

O perispírito retrata nosso estado mental, pois, como foi mencionado na introdução, a matéria espiritual que está agregada ao corpo espiritual depende do grau de desenvolvimento moral e espiritual do espírito. Daí decorre que o que a pessoa é está estampado em sua fisionomia.

ALTERAÇÕES TRANSITÓRIAS DA FORMA

Uma das características da matéria espiritual é o fato dela ser muito dócil à ação plasmatizante do pensamento. Ela sofre a ação do pensamento e se modela de acordo com as sugestões do mesmo. Isto nos permite compreender uma série de fenômenos do plano espiritual. Um deles é o fato de que, estando o espírito condicionado que está doente, enfiridado ou aleijado, plasma em seu organismo, por mecanismos de auto-sugestões mentais, os sinais das moléstias que acredita possuir, enfiridando-se ou provocando aleijões. No entanto, basta se libertar dos condicionamentos para que o organismo espiritual volte a se apresentar totalmente saudável.

Estas sugestões podem também chegar ao espírito por via indireta, através de forte sugestão mental vinda de um outro espírito. André Luiz, espírito que nos escreve através da medi unidade psicográfica de Chico Xavier, conta em seu livro Libertação como uma mulher no plano espiritual, após sofrer fortes sugestões mentais hipnóticas de um outro espírito de que era uma loba, acabou por acatá-las, incorporando-as ao seu perispírito, cuja matéria espiritual se modelou de acordo com as sugestões.

Gradativamente, as expressões fisionômicas dessa senhora foram se modificando até tomar a forma de uma loba. Estes fenômenos de transformação fisionômica do espírito por sugestões hipnóticas é conhecido como "Iicantropia". No entanto, é preciso que se esclareça que esta é uma alteração provisória e não definitiva, pois quando cessam as sugestões hipnóticas, imediatamente o indivíduo recupera sua fisionomia humana. Portanto, não se trata de um retrocesso involutivo, o que nunca acontece, conforme nos esclarece a doutrina espírita.

A matéria espiritual se situa em um espaço diferente do nosso, possivelmente em um espaço de mais de três dimensões. Isto nos permite compreender o porquê do corpo espiritual ou perispírito poder atravessar nossa matéria sem impedimento. Um espírito pode atravessar nossas paredes e nossas portas mesmo que fechadas.

PERCEPÇÕES E SENSAÇÕES

No corpo físico, a percepção do mundo exterior é feita através dos órgãos dos sentidos. Exceto o fato que nos permite perceber o meio que nos cerca através de todo o nosso organismo, nós só podemos ouvir pelos nossos ouvidos, ver pelos olhos, degustar pelo paladar e sentir os odores pelo nosso olfato.

No entanto, no plano espiritual, pode-se perceber o mundo espiritual através de todo o perispírito, isto é, pode-se ver, sentir, ouvir, perceber odores e o gosto das substâncias por qualquer parte do perispírito e não somente pelos órgãos dos sentidos.

Alguns fatos paranormais estudados por nossos cientistas parecem apoiar estes conceitos. O dr. César
Lombroso, famoso metapsiquista italiano, teve, no transcorrer de sua vida, vários médiuns de renome à sua disposição e que lhe permitiram interessantes pesquisas e estudos.

Certa feita, trabalhou com sensitivas que apresentavam uma sensibilidade exacerbada quando em estado hipnótico. Estas sensitivas, quando em transe hipnótico, eram capazes de perceber odores e sons pelas mais variadas localizações de seu corpo. Eram, por exemplo, capazes de sentir odores pelos pés, ouvirem pelos joelhos etc.

Se formos explicar o fato pela teoria espírita, o que ocorre é que no indivíduo em transe hipnótico, o perispírito se expande e se exterioriza além dos limites corporais. Como a sensibilidade do perispírito é global, a capacidade de penetrar o meio externo pode acontecer em qualquer ponto do organismo. No entanto, quando o indivíduo sair do estado hipnótico, o perispírito se recolhe aos limites do corpo físico e a percepção exterior volta a ser feita apenas através dos sentidos físicos.

Outros fatos que também parecem cooperar para que se acredite na sensibilidade global do perispírito são as experiências conscientes de desdobramento. O sr. Monroe, de nacionalidade norte-americana, apresenta esta interessante característica de se desdobrar conscientemente. Muitas dessas experiências ele relata em seu livro Viagens Fora do Corpo.

Em uma dessas viagens, conta o sr. Monroe que andava por um determinado local quando, sem que virasse a cabeça, teve a sensação de ter visto um determinado objeto que estaria situado atrás dele. Ao voltar a cabeça para trás, constatou a presença do objeto. Em inúmeras outras experiências de desdobramento, percebeu que poderia ver sem os olhos, até tomar consciência de que, estando desdobrado e com sua consciência trabalhando em seu perispírito, poderia ter uma visão de 360 graus e não necessitaria dos olhos para ver. Ver pelos olhos era tão somente um condicionamento que adquirira com seu corpo físico.

Como já conhecemos, a matéria que compõe o perispírito dos espíritos depende do grau evolutivo do mesmo. Quanto mais evoluído, maior é a capacidade do espírito de atrair átomos mais sutis da matéria espiritual para formar seu perispírito. Esses átomos mais sutis são de pouca densidade e muitas vezes emitem luminosidade. Esta baixa densidade permite a esses espíritos sofrerem uma atração gravitacional muito pequena do planeta onde se encontram, o que lhes facilita a locomoção e permite a alguns deles a volitação, isto é, a capacidade de voar. A luminosidade irradiada pelos átomos espirituais permite que esses espíritos irradiem luz e até mesmo possam ser reconhecidos por seu espectro luminoso.

FENÔMENOS MEDIÚNICOS

Todos os fenômenos mediúnicos acontecem graças às propriedades do perispírito. Portanto, no perispírito se encontra a chave para o conhecimento desses fenômenos.

Para que aconteça o fenômeno mediúnico, é preciso que o perispírito se expanda e se exteriorize para além do corpo físico. É o que Kardec chama de "exteriorização do perispírito". Assim expandido, o perispírito passa a exibir suas propriedades, apercebendo-se do meio espiritual que o cerca. Se essa percepção não impressionar nenhuma área específica do cérebro, o indivíduo tem uma percepção geral do plano espiritual, que lhe chega à consciência geralmente na forma de impressões emocionais, como de agrado ou desagrado. Quando estas impressões conseguem atingir determinadas áreas cerebrais, elas podem ser específicas e o indivíduo pode "ver" ou "ouvir" o mundo espiritual.
Os espíritos podem, por sua vontade (e isto também está na dependência de suas aquisições evolutivas), condensar as moléculas de seu perispírito até que as mesmas se aproximem das características das moléculas da matéria física, o que permite que sejam vistos pelos médiuns videntes.

A bicorporeidade é a visualização do espírito de um indivíduo encarnado. O indivíduo em desdobramento, isto é, com seu perispírito afastado de seu corpo físico, poderá também sofrer uma condensação de suas moléculas, que, se forem de grande intensidade, poderá impressionar até os olhos físicos de qualquer criatura, dando a impressão de que o indivíduo tem dois corpos, o que é vulgarmente conhecido como "homens duplos".

TRANSFIGURAÇÃO DO PERISPÍRITO

Na transfiguração, o médium em transe mediúnico sofre um apagamento de seus traços
fisionômicos e aparece a fisionomia da entidade comunicante.

O que parece ocorrer é que há uma exteriorização do perispírito do médium além dos limites de seu corpo físico. Por mecanismos de afinidades, ocorre uma sintonia do perispírito da entidade que deverá se comunicar, formando-se uma atmosfera psíquica perispiritual comum entre o médium e a entidade. Através desta atmosfera perispirítica comum, há uma simbiose de pensamentos, sentimentos e sensações de ambos. Em seguida, as moléculas do perispírito do médium sofrem uma condensação, formando uma névoa brumosa em torno do médium, escondendo seus traços fisionômicos. Por mecanismos telepáticos, o médium recebe as impressões fisionômicas da entidade comunicante e o próprio psiquismo do médium impressiona seu perispírito com os traços fisionômicos da entidade comunicante, dando a impressão de que a entidade entrou no corpo do médium. Este tipo de fenômeno é bastante raro.

Fenômeno ainda mais raro é quando o médium sofre uma transfiguração e, com seu perispírito exteriorizado e as moléculas do mesmo condensadas, permite que se veja seu estágio evolutivo estampado em seu perispírito. O caso mais inusitado de que se tem notícia é o fenômeno da transfiguração de Cristo no Monte Tabor.

Contam-nos os evangelistas que, certa feita, Cristo convidou três de seus discípulos (Pedro, João e Tiago) para orarem com ele numa alta montanha, que parece ser o Monte Tabor. Estando Cristo em oração, eis que o rosto deste resplandece como o sol, suas vestes ficam alvas como a luz e, como esta, surgiram Moisés e Elias a seu lado. E então Pedro disse: "Senhor, que bom é estarmos aqui, pois faremos três tendas, uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias". Isto ele dizia porque não sabia o que dizer. Neste momento, uma nuvem os cobriu e uma voz, como um trovão, surgiu de dentro dela e disse: "Este é o meu filho amado, em quem me com prazo, ouvi-o"! Os três apóstolos se assustaram tanto que colaram seus rostos ao chão.

Neste caso, podemos entender a transfiguração de Cristo como a exteriorização de seu perispírito, seguida pela condensação das moléculas do mesmo, permitindo que os discípulos o pudessem ver em toda sua glória, isto é, em toda sua evolução.

O estudo do perispírito é muito apaixonante. No conhecimento de sua natureza e propriedades se encontra a chave que nos permite compreender uma gama enorme de fenômenos biológicos, psíquicos e paranormais.




Leia mais

2 de novembro de 2017

Textual description of firstImageUrl

Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Chakras são centros de força situados no duplo etérico (corpo energético) cuja função é captar, absorver e distribuir energias. As energias salutares são as captadas do fluido cósmico universal ou prana, a fim de equilibrar energeticamente o indivíduo como ser físico e espiritual. Os chakras fazem a ligação energética entre o corpo físico, o espiritual e o meio ambiente. Transmutam energias tornando-as mais condensadas e adequadas ao corpo físico. Assemelham-se à flor-de-lótus, giram no sentido horário, situam-se na região dos plexos nervosos; as energias captadas pelos chakras são conduzidas através do sistema nervoso. O tamanho e velocidade do chakra irá depender do grau evolutivo do indivíduo. Um chakra em desequilíbrio não capta energia para a sua região, prejudicando o metabolismo dos órgãos do corpo relacionados a ele. Apesar de cada chakra está relacionado com determinado sistema de órgãos do corpo físico, quando um está em desequilíbrio afetará em maior ou menor proporção todos os outros, da mesma forma que a doença de um órgão afeta outros órgãos ou sistemas.

Existem terapias que facilitam o processo de abertura, alinhamento e equilíbrio dos chakras, auxiliando no processo de cura. A partir do ano 2018, o nosso Templo, a Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca irá oferecer Tratamentos de Auxílio para a Cura (TAC), totalmente gratuito como todas as atividades da nossa Tenda; em um dia específico a ser divulgado na agenda 2018. Sempre amparados e dirigidos pela espiritualidade que nos assiste.

Em cada chakra pode-se trabalhar a cura de patologias físicas, mentais, emocionais e espirituais, bem como o seu alinhamento, equilíbrio e reposição energética salutar, favorecendo o aumento da qualidade de vida.

É através dos chakras que o tratamento espiritual atua e direciona fluidos benéficos de acordo com a patologia ou desequilíbrio. É através dos chakras que a mediunidade é trabalhada e desenvolvida. É enfim, através dos chakras a comunicação do indivíduo com o mundo espiritual, que pode ser mundos superiores ou inferiores, de acordo com os pensamentos, sentimentos e ações de cada um.

Existem milhares de chakras, porém, apenas sete são considerados principais, porque estão ligados ao sistema endócrino do organismo físico, dessa forma, cada chakra tem uma glândula endócrina correspondente. A ligação hormonal entre os chakras e as glândulas endócrinas remete a alterações nas células de todo o corpo, bem como a diminuição de energia de um chakra pode produzir uma diminuição da atividade na glândula endócrina correspondente. Então são sete chakras maiores e principais, os demais chakras são secundários. Vamos nos deter neste artigo apenas aos chakras principais.

Alguns autores consideram o chakra esplênico como principal. Porém o chakra esplênico está relacionado com o baço, que não é uma glândula endócrina.

Os chakras se apresentam em linha vertical, acompanhando a coluna vertebral e são:

Coronário - Frontal - Laríngeo - Cardíaco - Umbilical - Sexual - Básico.

Cada chakra tem uma cor de fundo, que pode modificar-se de acordo com o momento emocional do indivíduo. Têm também uma função específica e variável de acordo com a necessidade de auxiliar o alinhamento dos outros chakras. Cada chakra representa um elemento da natureza, com exceção do coronário e frontal, porque estes estão ligados ao orum (céu). Cada chakra tem também um ou mais orixás correspondentes, pois a função dos Orixás também é promover o equilíbrio integral do ser. Cada chakra tem, também, uma pedra cristal correspondente.

Com a morte física, o duplo etérico com os seus chakras deixam de existir.

A seguir, falaremos um pouco de cada chakra e, como os estamos descrevendo apenas teoricamente, enumeramos os chakras de cima para baixo:



1) Coronário:



Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Conhecido como o lótus das mil pétalas, situa-se na área correspondente ao topo da cabeça por onde entram as energias celestes que alimentam os outros chakras. Responsável pela conexão com esferas superiores. Seu desequilíbrio gera falta de significado para a vida, pois o indivíduo fica desconectado da espiritualidade e da sua essência.

Glândula correspondente: pineal, considerada o ponto de ligação das energias superiores.

Cor de fundo: violeta ou branco fluorescente.

Função: expansão da consciência. Importante nos fenômenos anímicos-mediúnicos. Auxilia no equilíbrio de todos os outros chakras. Alimenta o sistema nervoso central.

Orixás correspondentes: Oxalá e o casal de Orixás ancestrais.

Pedras: ametista, tanzanita, lolita, lepidolita, cocoxenita, fluorita, safira violeta, quartzo transparente, criatal arco-íris, cristal rutilado de dourado, pedra da luz.

Tratamento: doenças mentais, emocionais, principalmente depressões severas e patologias neurológicas. Auxilia na cura de todas as doenças.



2) Frontal:



Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Conhecido como o terceiro olho. Situa-se na área da glabela (entre as sobrancelhas), no espaço espiritual interno da testa.

Glândula correspondente: hipófise.

Cor de fundo: azul índigo

Função: Aprimorar inteligência, aprendizado, conhecimento. Importante para a intuição, inspiração e clarividência. Alimenta o sistema nervoso autônomo.

Orixá correspondente: Orixá que está a frente do indivíduo na atual encarnação. Influencia a maneira de ver e de estar no mundo. Chakra que abre oportunidades de crescimento pelo aprendizado constante, através da observação e assimilação gradual das vivências no mundo físico em comunhão com o mundo espiritual.

Pedras: safira, sodalita, lápis lazuli, quartzo azul intenso, turmalina azul, azurite, pedra da lua, apatita azul, cianita, fluorita.

Tratamento: desequilíbrio dos sentidos físicos. Doenças relacionadas aos órgãos da cabeça, enxaquecas, infecções, fragilidade mental e muscular, apatias e depressões. Trata perturbações psíquicas, especialmente as causadas por obsessões. Problemas de memória, do sono, alucinações, delírios e ilusões.



3) Laríngeo:



Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Situado no espaço correspondente à frente da garganta. É o chakra da expressão em todas as formas.

Glândula correspondente: tireóide, que tem como uma das funções desintoxicar e purificar a corrente sanguínea.

Cor de fundo: azul celeste

Função: Energiza as cordas vocais, boca, dentes, língua, faringe, laringe, esôfago, traquéia. Influencia na comunicação, deglutição e respiração. Promove a psicofonia e a clariaudiência.

Orixás correspondentes: Iansã e Xangô. Iansã atua para aumentar a velocidade do chakra, tornando a pessoa mais comunicativa e expressiva. Xangô atua para diminuir a velocidade do chakra, caso a pessoa precise conter as suas expressões na busca do equilíbrio.

Elemento: ar

Pedras: água marinha, turquesa, quartzo azul, quartzo lavanda, ágata azul rendada, berilo, apatita, jade, lápis lazuli, ágata musgosa, citrino, jasper marrom.

Tratamento: Este chakra estando em desequilíbrio, a tireóide não purifica o sangue, daí surgem inflamações, principalmente articulares como tendinites, bursites, artrites e artroses. Doenças como faringites, amigdalites, laringites, sinusites, otites, asmas e todas as patologias relacionadas ao pulmão, bem como isolamento social, dificuldade de linguagem, incertezas e desânimos.



4) Cardíaco: 


Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Está relacionado com a área cardio-respiratória. É o canal do sentimento, expressa o amor. É o ponto de encontro das energias superiores que vem do chakra coronário com as energias da terra, que vem do chakra básico. Daí remete ao arquétipo de plenitude: "o céu e a terra se harmonizam em mim" (Encontro do triângulo para cima - energias superiores - e do triângulo para baixo - energias inferiores - símbolo da Estrela de Davi).

Glândula correspondente: timo

Cor de fundo: verde ou rosa

Função: equilibrar as energias de todos os outros chakras. Influencia na circulação sanguínea e sistema imunológico. Auxilia a auto-estima e a capacidade de amar.

Orixás correspondentes: todos, pois todos os orixás trabalham harmoniosamente para o equilíbrio do indivíduo e todos expressam o amor de Deus por Suas criaturas.

Elemento: ar

Pedras: quartzo verde, malaquita, esmeralda, turmalina verde, turmalina rosa, rodocrosita, quartzo rosa, aventurina, rodonita, canga rosa.

Tratamento: todas as doenças psicossomáticas e acarretadas por desequilíbrios emocionais, especialmente do aparelho digestivo, pele e pulmão. Todas as doenças relacionadas ao sistema cardio-respiratório. Trata as tristezas, mágoas e ressentimentos.




5) Umbilical:


Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Localiza-se em toda a área abdominal, incluindo o sistema digestório. Chakra das emoções inferiores.

Glândula correspondente: pâncreas.

Cor de fundo: amarelo

Função: facilita a percepção das energias do meio ambiente. Relacionado a questões do poder. Atua no sistema nervoso.

Orixás: Ogum e Oxum. Ogum liberta das energias inferiores e Oxum traz o equilíbrio emocional.

Elemento: fogo

Pedras: citrino, jaspe amarelo, topázio amarelo, âmbar, berilo amarelo, ágata cornalina, cacochinita, hematita, quartzo rosa.

Tratamento: doenças do aparelho digestivo, enjoos, vômitos, má digestão, ansiedade, diabetes, úlceras, hérnia de hiato, gastrites, cálculos de vesícula. Trata de fobias, medos, irritações, insônias, pânicos e timidez, bem como patologias causadas por sentimentos de ódio, rancores e vinganças.



6) Sexual:



Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Localizado na área correspondente ao aparelho genital. Relacionado à sexualidade, reprodução e vias urinárias. Chakra regido pela lua.

Glândula correspondente: gônadas: ovários na mulher e testículos nos homens.

Cor de fundo: laranja

Função: contribui para melhorar o funcionamento dos outros chakras. Relacionado a questões do prazer.

Orixás: Iemanjá, relacionada à reprodução e Ogum relacionado à vitalidade sexual.

Elemento: água

Pedras: cornalina, calcita laranja, pedra do sol, topázio imperial, rubi, granada, rubilita, dolomita, magnetita, hematita, olho de tigre, água marinha.

Tratamento: depressões, desânimos, impotência sexual e frigidez, infertilidade, alergias, problemas de pele, hemorróidas, gula, baixa auto-estima, sentimentos de culpa. Todas as doenças relacionadas com o aparelho genital.



7) Básico:


Chakras e Cura - Por Ednay Melo

Situado na área correspondente à base da coluna vertebral. Absorve energia telúrica. Tem relação direta com os fenômenos bioenergéticos e parapsíquicos.

Glândula correspondente: supra-renais

Cor de fundo: vermelho ou preto

Função: responsável pela energia do corpo e circulação sanguínea, ao captar energia da terra favorece à auto-estima e vitalidade. Relacionado a questões de segurança e sustentação.

Orixás: Omulu e Oxossi. Omulu é o maior provedor de energias telúricas e Oxossi, sendo o orixá da fartura e do conhecimento, promove os meios de cultivo dessas energias para obter a sustentação do corpo.

Elemento: terra

Pedras: rubi, calcita vermelha, jaspe sangue, granada vermelha, coral vermelho, turmalina negra, ônix, quartzo vermelho, turmalina vermelha, morion, opala dentrita, esmeralda, quartzo verde.

Tratamento: doenças ósseas, musculares, cânceres, tumores retais, ciática, varizes, sistema sanguíneo, desnutrição e patologias ou disfunções dos órgãos relacionados ao aparelho genital, reprodutor e urinário. Trata medos, fobias e inseguranças.

Ednay Melo



Leia mais
Textual description of firstImageUrl

Como Surgem as Doenças?

Como Surgem as Doenças?

Será que, ao nos sintonizarmos com energias e atitudes negativas, não estamos abrindo caminho para ficarmos doentes?

Antes de se falar em cura espiritual, é importante definirmos o que é uma doença. Seria ela um mal de fato? No livro Mãos de Luz, a curadora norte-americana Barbara Ann Brennan apresenta um raciocínio muito interessante: "Toda doença é uma mensagem direta dirigida a você, dizendo-lhe que não tem amado quem você é e nem se tratado com carinho, a fim de ser quem você é". De fato, todas as vezes que nosso corpo apresentar alguma "doença", isto deve ser tomado como um sinal de que alguma coisa não está bem.

A doença não é uma causa, é uma conseqüência proveniente das energias negativas que circulam por nossos organismos espiritual e material. O controle das energias é feito através dos pensamentos e dos sentimentos, portanto, possuímos energias que nos causam doenças porque somos indisciplinados mentalmente e emocionalmente. Em Nos Domínios da Mediunidade, André Luiz explica que "assim como o corpo físico pode ingerir alimentos venenosos que lhe intoxicam os tecidos, também o organismo perispiritual absorve elementos que lhe degradam, com reflexos sobre as células materiais".

Permanentemente, recebemos energia vital que vem do cosmo, da alimentação, da respiração e da irradiação das outras pessoas e para elas imprimimos a energia gerada por nós mesmos. Assim, somos responsáveis por emitir boas ou más energias às outras pessoas. A energia que irradiamos aos outros estará impregnada com nossa carga energética, isto é, carregada das energias de nossos pensamentos e de nossos sentimentos, sendo necessário que vigiemos o que pensamos e sentimos.

TIPOS DE DOENÇAS

Podemos classificar as doenças em três tipos: físicas, espirituais e atraídas ou simbióticas. As doenças físicas são distúrbios provocados por algum acidente, excesso de esforço ou exagero alimentar, entre outros, que fazem um ou mais órgãos não funcionarem como deveriam, criando uma indisposição orgânica.

As doenças espirituais são aquelas provenientes de nossas vibrações. O acúmulo de energias nocivas em nosso perispírito gera a auto-intoxicação fluídica. Quando estas energias descem para o organismo físico, criam um campo energético propício para a instalação de doenças que afetam todos os órgãos vitais, como coração, fígado, pulmões, estômago etc., arrastando um corolário de sofrimentos.

As energias nocivas que provocam as doenças espirituais podem ser oriundas de reencarnações anteriores, que se mantém no perispírito enfermo enquanto não são drenadas. Em cada reencarnação, já ao nascer ou até mesmo na vida intra-uterina, podemos trazer os efeitos das energias nocivas presentes em nosso perispírito, que se agravam à medida que acumulamos mais energia negativa na reencarnação atual. Enquanto persistirem as energias nocivas no perispírito, a cura não se completará.

Já as doenças atraídas ou simbióticas são aquelas que chegam por meio de uma sintonia com fluidos negativos. O que uma criatura colérica vibrando sempre maldades e pestilências pode atrair senão as mesmas coisas? Essa atração gera uma simbiose energética que, pela via fluídica, causa a percepção da doença que está afetando o organismo do espírito que está imantado energeticamente na pessoa, provocando a sensação de que a doença está nela, pois passa a sentir todos os sintomas que o espírito sente. Aí, a pessoa vai ao médico e este nada encontra.

André Luiz afirma que "se a mente encarnada não conseguiu ainda disciplinar e dominar suas emoções e alimenta paixões (ódio, inveja, idéias de vingança), ela entrará em sintonia com os irmãos do plano espiritual, que emitirão fluidos maléficos para impregnar o perispírito do encarnado, intoxicando-o com essas emissões mentais e podendo levá-lo até à doença".

O SURGIMENTO DAS DOENÇAS

A cada pensamento, emoção, sensação ou sentimento negativo, o perispírito imediatamente adquire uma forma mais densa e sua cor fica mais escura, por causa da absorção de energias nocivas. Durante os momentos de indisciplina, o homem mobiliza e atrai fluidos primários e grosseiros, os quais se convertem em um resíduo denso e tóxico.

Devido à densidade, estas energias nocivas não conseguem descer de imediato ao corpo físico e vão se acumulando no perispírito. Com o passar do tempo, as cargas energéticas nocivas que não forem dissolvidas ou não descerem ao corpo físico formam manchas e placas que aderem à superfície do perispírito, comprometendo seu funcionamento e se agravando quando a carga deletéria acumulada é aumentada com desatinos da existência atual.

Em seus tratados didáticos, a medicina explica que, no organismo do homem, desde seu nascimento físico, existem micróbios, bacilos, vírus e bactérias capazes de produzirem várias doenças humanas. Graças à quantidade ínfima de cada tipo de vida microscópica existente, eles não causam incômodos, doenças ou afecções mórbidas, pois ficam impedidos de terem uma proliferação além da "cota mínima" que o corpo humano pode suportar sem adoecer. No entanto, quando esses germes ultrapassam o limite de segurança biológica fixado pela sabedoria da natureza, motivados pela presença de energias nocivas no corpo físico, eles se proliferam e destroem os tecidos de seu próprio "hospedeiro".

Partindo das estruturas energéticas do perispírito na direção do corpo, em ondas sucessivas, essas radiações nocivas criam áreas específicas nas quais podem se instalar ou se desenvolver as vidas microscópicas encarregadas de produzir os fenômenos compatíveis com os quadros das necessidades morais para o indivíduo. Elas se alimentam destas energias nocivas que chegam ao físico, conseguindo se multiplicar mais rapidamente e, em conseqüência, causando as doenças.
A recuperação do espírito enfermo só poderá ser conseguida mediante a eliminação da carga tóxica que está impregnada em seu perispírito. Embora o pecador já arrependido esteja disposto a uma reação construtiva no sentido de se purificar, ele não pode se subtrair dos imperativos da Lei de Causa e Efeito. Para cada atitude corresponde um efeito de idêntica expressão, impondo uma retificação de aprimoramento na mesma proporção, ou seja, a pessoa tem que dispender um esforço para repor as energias positivas da mesma maneira que dispende esforços para produzir as energias negativas que se acumulam em seu perispírito.

ELIMINANDO AS ENERGIAS TÓXICAS

Assim, como decorrência de tal determinismo, o corpo físico que veste agora ou outro, em reencarnação futura, terá de ser justamente o dreno ou a válvula de escape para expurgar os fluidos deletérios que o intoxicam e impedem de firmar sua marcha na estrada da evolução. Durante a purificação perispiritual, as toxinas psíquicas convergem para os tecidos, órgãos ou regiões do corpo, provocando disfunções orgânicas que conhecemos como doença.

Quando o espírito não consegue expurgar todo o conteúdo venenoso de seu perispírito durante a existência física, ele desperta no além sobrecarregado de energia primária, densa e hostil. Em tal caso, devido à própria "lei dos pesos específicos", ele pode cair nas zonas umbralinas pantanosas, onde é submetido à terapêutica obrigatória de purgação no lodo absorvente. Assim, pouco a pouco vai se libertando das excrescências, nódoas, venenos e "crostas fluídicas" que nasceram em seu tecido perispiritual por efeito de seus atos de indisciplina vividos na matéria.

Os charcos pantanosos do umbral inferior são do mesmo nível vibratório das manchas e placas, por isso servem para drenar essas energias nocivas. Embora sofram muito nesses locais, isso os alivia da carga tóxica acumulada na Terra, assim como seu psiquismo enfermo, depois de sofrer pela dor cruciante, desperta e se corrige para viver existências futuras mais educativas ou menos animalizadas.

Os espíritos socorristas só retiram dos charcos purgatoriais os "pecadores" que já estão em condições de uma permanência suportável nos postos e colônias de recuperação perispiritual adjacentes à crosta terrestre.

Cada um tem certo limite que pode agüentar em meio a estes charcos, então eles são resgatados mesmo que ainda não tenham expurgado todas as placas, reencarnando em corpos onde permanecerão expurgando e drenando essas energias através das doenças que se manifestarão no corpo físico.

AJUDA DA MEDICINA

A doutrina espírita não prega o conformismo, por isso é lícito procurar a medicina ter rena, que pode aliviar muito e curar onde for permitido. Se a misericórdia divina colocou os medicamentos ao nosso alcance é porque podemos e devemos utilizá-los para combater as energias nocivas que migraram do perispírito para o corpo físico, mas não devemos esquecer que os medicamentos alopáticos combatem somente os efeitos da doença.

Isto quer dizer que, quando as doenças estão presentes no corpo físico, devemos combatê-la, buscar alívio. Muitas vezes, estas doenças exigem tratamentos prolongados, outras vezes necessitamos até de cirurgia, mas tudo faz parte da "Lei de Causa e Efeito", que tenta despertar para uma reforma moral através deste processo doloroso. Qualquer medida profilática em relação às doenças tem que se iniciar na conduta mental, exteriorizando-se na ação moral que reflete o velho conceito latino: mens sana in corpore sano.

Estados de indisciplina são os maiores responsáveis pela convocação de energias primárias e daninhas que adoecem o homem pelas reações de seu perispírito contra o corpo físico. Sentimentos como orgulho, avareza, ciúme, vaidade, inveja, calúnia, ódio, vingança, luxúria, cólera, maledicência, intolerância, hipocrisia, amargura, tristeza, amor-próprio ofendido, fanatismo religioso, bem como as conseqüências nefastas das paixões ilícitas ou dos vícios perniciosos, são também geradores das energias nocivas.

Ou seja, a causa das doenças está na própria leviandade no trato com a vida. Analisando criteriosamente o comportamento, ver-se-á que os males que atormentam as pessoas persistirão enquanto não forem destruídas as causas. Portanto, soluções superficiais são enganosas. É preciso lutar contra todas as aflições, mas jamais de forma milagrosa. Procuremos sempre pensar e agir dentro dos ensinamentos cristãos, a fim de alcançarmos a cura integral.

Por Edvaldo Kulcheski




Leia mais
Topo