Sacrifício de Animais não é Umbanda - Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca
logo

Sacrifício de Animais não é Umbanda

Publicado em 11/08/2021

Sacrifício de Animais não é Umbanda


O sacrifício ritualístico de animais não é prática umbandista, é prática de outras religiões. Adentramos a este tema apenas porque percebemos muitas dúvidas, da sociedade em geral, se a Umbanda se utiliza deste ritual ou não. Definitivamente não, a Umbanda não sacrifica, imola, abate nenhum tipo de animal e tentaremos esclarecer o porquê, com respeito a todas as religiões que se utilizam desta prática.

É comum ouvirmos dos irmãos seguidores das religiões que fazem o ritual do abate de animais se referirem a nós, que não praticamos este ritual, de hipócritas, pois ingerimos a carne dos animais nas nossas refeições e no entanto, criticamos esta prática.

Responderemos a esta colocação com humildade e pacificidade, somente a termos de esclarecimento:

Existe uma enorme diferença entre utilizar a carne animal para satisfazer as necessidades fisiológicas e utilizar para fins de magia espiritual, é questão de energia.

O sangue do animal está impregnado de fluidos vitais e o ambiente do abate mantém fortes impressões da dor do sofrimento que este animal vivenciou durante o sacrifício. Logo, a energia que envolve este sangue é energia preferida dos espíritos que têm sede de fluidos vitais, que são os espíritos que estão na escala inferior da evolução, que não se desapegaram do mundo material e estes fluidos os ajudam a se manterem no planeta, sugando, vampirizando não só o fluido vital do animal, mas a pessoa que faz a prática de imolação. Eles mantêm um processo obsessivo para convencer cada vez mais a estas pessoas fazerem este ritual, para mantê-los “vivos” entre os encarnados. A impressão de dor que o animal deixou no ambiente do abate, é outro fator que atrai muitos espíritos que têm este mesmo sentimento de dor ou que se comprazem com a dor do outro, encontrando neste ambiente fluidos que os ajudam em suas práticas malignas.

Vocês podem perguntar o porquê isto não acontece quando ingerimos a carne animal. Simplesmente porque não tem um pensamento direcionado para o plano espiritual, simplesmente porque não há magia em uma simples refeição. Magia é a utilização de elementos materiais para fins espirituais, que se movimenta com a força do pensamento.

Ainda há críticas aos que não praticam sacrifícios de animais, se referindo que nós umbandistas utilizamos os elementos vegetais, que também têm vida, têm fluidos vitais. Sim, os vegetais têm fluidos vitais, mas não têm pensamentos nem sentimentos, e os seus fluidos vitais não satisfazem a necessidade dos espíritos vampirizadores. Os vegetais têm fluidos próprios da natureza, que vêm para as nossas mãos e a ela retornam, sem agredir nem causar danos a nenhuma consciência.

Enfim, a Umbanda entende o ritual de sacrifício de animais uma prática desnecessária e que compromete ainda mais estes espíritos equivocados que buscam por sangue vital, a fim de compensar o seu desequilíbrio. Abater animais para fins espirituais é faltar com a caridade com estes espíritos, é incentivar processos obsessivos, é causar danos à consciência animal que desencarna de forma violenta e é promover um cenário repugnante de morte e dor, que os espíritos compromissados com o Bem não participam.

Do livro Umbanda Luz e Caridade - Ednay Melo




Um comentário:

  1. Não concordo. Primeiramente sou adepto a umbanda brasileira, mais vejo o sacrifício de animal, em outras religiões, sérias , de outra forma, como ela realmente é. O sacrifício do animal em um sacramento é feito com orações e propósitos dignos, onde o axé da menga é de forte contato, e urgente , tanto para firmar um batismo, como salvar vidas humanas, onde a urgência e axé enérgico si faz necessário. Existe também o sacrifício em dia de homenagem a Taís entidade ou orixá , onde o sangue é oferecido e o restante do animal é alimento sagrado para todos da corrente. Aí eu compreendo, agora sacrificar animal com objetivo não dignos, aí sim, haverá sofrimento na hora do abate, pois diferente de um sacramento, as entidades são si vampiros, aí esse sacrifício é uma cena de terror, o animal não si entrega, si bate e pede clemência. Esses horrores não pertence as religiões sérias que utilizam o axé menga. E são como a nossa umbanda preconceituosas, por causa da maldade humana.

    ResponderExcluir