Paciência no Desenvolvimento Mediúnico - Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca
logo

Paciência no Desenvolvimento Mediúnico

Publicado em 19/01/2023

Paciência no Desenvolvimento Mediúnico


É impressionante a pressa que alguns médiuns iniciantes têm, em mal entrar em um Terreiro de Umbanda, e já "sair incorporando". Entendemos a pressa do médium em "começar a fazer caridade", mas é fundamental que se entenda que não é somente "dando incorporação" que a caridade é feita. Além do mais, se este for mesmo o tipo de mediunidade da pessoa, há que se esperar e se certificar de inúmeros fatores antes de "colocar o médium para dar consulta".

É claro que cabe ao Dirigente EXPLICAR e ORIENTAR que tudo tem seu tempo e sua hora, que o desenvolvimento mediúnico não ocorre exatamente igual com todos... mas muitas pessoas ficam dizendo que antes de entrar para o terreiro incorporavam "por nada", no trabalho, na escola, lendo, etc, praticamente exigindo ou "culpando" o Terreiro por não estar incorporando agora.

Por que isto acontece? Simples. Enquanto o médium não entra para uma corrente, a sua mediunidade fica absolutamente sem disciplina e sem doutrina, a partir do momento que ingressa, que passa a fazer parte da corrente de um terreiro, tanto médium quanto entidades passarão por um processo de adaptação e aprendizado, que visa disciplinar tanto um quanto outro. Além do mais, como ter certeza que era realmente incorporação e não simples animismo, ou descontrole emocional e nervoso?

É fundamental esse tempo, para que todas as orientações possam ser absorvidas e compreendidas. Apressar qualquer processo de desenvolvimento mediúnico, querer queimar etapas, que se existem, são importantes, é certamente colocar em risco todo o processo. Lições que deveriam ser absorvidas, são apenas ultrapassadas, sem a devida confirmação de aprendizado. Precipitar o processo pode acarretar em desânimo e frustração no futuro, pode transformar um bom médium num embusteiro, num vaidoso e talvez até fazendo com que se desvie do caminho, culpando a Umbanda pela incompetência do dirigente em explicar e orientar e do médium em esperar. Além do mais, quando isto acontece é justamente para se ver a determinação do médium, se ele realmente deseja fazer caridade, ser umbandista, ou está apenas empolgado.

Portanto lembrem-se, quando tratamos de desenvolvimento mediúnico falamos em processo, onde a pressa é inimiga da compreensão e, consequentemente, da evolução.

Mãe Iassan Ayporê Pery



Um comentário:

  1. E o que pensar a respeito de casas onde não se tem o desenvolvimento mediunico como foco? Sei que devemos respeitar cada casa, cada doutrina, o que um medium deve fazer nesses casos? Ao entrar em uma casa e estar há 9 anos em desenvolvimento numa casa com aproximadamente 80 mediuns onde ninguem incorpora exceto o dirigente e há mediuns com mais tempo de casa e também não incorporam e também onde se percebe um incentivo a não "ter pressa" na incorporação entre médiuns beirando 15 anos ou mais sem incorporar de fato, deve o medium tentar outro caminho em prol de sua evolução?

    ResponderExcluir