31 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Espíritos participam do ato sexual no motel ou no lar?



Espíritos participam do ato sexual no motel ou no lar?

No motel existe proteção contra espíritos zombeteiros? No livro “Sexo e Destino” diz que Espíritos protetores impedem que Espíritos zombeteiros e devassos penetrem o ambiente doméstico durante o ato sexual de um casal. E na atualidade muitos casais recorrem a motéis. No Motel também há esta proteção espiritual?
Divaldo: No motel não há proteção. Porque o motel é lugar da fuga. Muito casal tem dito que tem buscado as emoções nos Motéis pelos estímulos eróticos.

Estes casais estão cansados, perderam o encanto. Então, vão à busca de novos estímulos. Quando um casal de namorados vai ao Motel, não vai por sentimento de nobreza. Vai para descarregar energias ou para se entregar ao prazer sem necessidade (prostituição). Mas, no santuário do lar, se ele tem vida digna, se há um respeito pela família, há Espíritos nobres. Nesses lares, a comunhão sexual é muito privativa. Eu já tive ocasião de psicografar que um Espírito ia reencarnar e os mentores vieram para aquela reencarnação. Primeiro eles estimularam os parceiros e depois saíram para que eles pudessem ter o conúbio e, após o término eles entraram para poder realizar a reencarnação. Eles respeitam a intimidade. 
- Divaldo Franco

Observação: No livro Missionários da Luz, André Luiz tinha esta dúvida quando estavam preparando a reencarnação de Segismundo. Disse ele:

“...preocupava-me o instante da primeira ligação de Segismundo à matéria. Como agiria Alexandre no momento da união sexual ou o fenômeno obedeceria a diferentes determinações?” Alexandre esclareceu:

“Não é necessária a nossa presença ao ato de união celular. Semelhantes momentos do tálamo conjugal são sublimes e invioláveis nos lares em bases retas(...) Todos os encarnados que edificam o ninho conjugal, sobre a retidão, conquistam a presença de testemunhas respeitosas, que lhes garantem a privatividade dos atos mais íntimos, consolidando-lhes as fronteiras vibratórias e defendendo-as contra as forças menos dignas, tomando, por base de seus trabalhos, os pensamentos elevados que encontram no ambiente doméstico dos amigos; não ocorre o mesmo, entretanto, nas moradias, cujos proprietários escolhem baixas testemunhas espirituais, buscando-as em zonas inferiores.

A esposa infiel aos princípios nobres da vida em comum e o esposo que põe sua casa em ligação com o meretrício, não devem esperar que seus atos afetivos permaneçam coroados de veneração e santidade. Suas relações mais íntimas são objeto de participação das desvairadas testemunhas que escolheram. Tornam-se vítimas inconscientes de grupos perversos, que lhes partilham as emoções de natureza fisiológica, induzindo-as à mais dolorosa viciação (...)” Pergunta André Luiz: "(...) considerando o perigo de certas atitudes inferiores dos que assumem o compromisso da fundação de um lar, que condição, por exemplo, é a da esposa fiél e devotada, ante um marido desleal e aventureiro, no campo sexual? Ela permanecerá à mercê das criminosas testemunhas que o homem escolheu?" Alexandre respondeu: "Não. O mau não pode perturbar o que é genuinamente bom. Em casos dessa espécie, a esposa garantirá o ambiente doméstico(...)"

No livro "Deixe-me viver", o espírito Luiz Sérgio explica no cap. XXI que: "......o plano inferior vive das vibrações baixas dos encarnados......os motéis, por exemplo, possuem uma aura vermelha que, imantada pela luxúria da perversão, fornece energia aos espíritos que ainda desejam praticar sexo, mesmo já desencarnados. É nesses lugares que eles buscam as forças sexuais lá existentes, para suprir seus desejos desenfreados."

Fonte: GRUPO DE ESTUDO ALLAN KARDEC


Quero ler o post completo

30 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Tal Médium, Tal a Mediunidade

Tal Médium, Tal a Mediunidade



“Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos próprios profetas.” 1 Coríntios, cap. 14 – v.32

A afirmativa de Paulo é de uma profundidade admirável. Em poucas palavras, ele define bem o papel dos médiuns nas comunicações: “Os espíritos dos profetas estão sujeitos aos próprios profetas”.

Sem rodeios, o Apostolo quis dizer que o médium atrai os espíritos com os quais se afiniza e que, de certa forma, os espíritos que por ele se expressam se lhe submetem...

Se lhe submetem ao que?! – muitos formulariam a indagação. Sem a pretensão de uma resposta definitiva, redargüiríamos: se lhe submetem aos conhecimentos, se lhe submetem aos sentimentos, se lhe submetem aos propósitos, se lhe submetem ao modo de ser, se lhe submetem ao animo, se lhe submetem á vontade...

É claro que os espíritos que não aceitam tal ou qual médium, procuram outro e... se lhe submetem. A recíproca igualmente é valida: o médium também está sujeito aos espíritos que por ele se expressam... Sujeito as suas intenções, sujeito aos seus anseios, sujeito a sua condição espiritual...

Vejamos que a responsabilidade do medianeiro no intercambio entre as duas dimensões é fundamental. O médium pode, e, infelizmente, isso é o que quase sempre acontece, distorcer a opinião do espírito, alterar o seu parecer, mudar o teor de suas palavras, forçar a sua interpretação... Tem razão os que dizem que, em determinados médiuns, fica difícil separar o que pertence a eles do que pertence aos espíritos, mas semelhante colocação nem sempre evidencia a fidelidade do médium em ralação ao espírito comunicante.

É comum que médiuns, a fim de verem acatadas as opiniões que lhes são próprias, as atribuam aos espíritos, transferindo-lhes a paternidade de suas idéias.

Sabendo que “os espíritos dos profetas estão sujeitos aos próprios profetas”, notemos que a personalidade do médium retrata a personalidade dos espíritos que com ele se dispõem a trabalhar, porquanto espíritos humildes não se sujeitarão a médiuns arrogantes... Embora a sua humildade, deixarão que os medianeiros arrogantes se lhe tornem instrumentos menos presunçosos e, portanto, um tanto mais maleáveis ao espírito da mensagem que desejam transmitir.

Observemos, ainda, que a personalidade do médium pode acabar interferindo na personalidade dos espíritos, assim como a convivência de uma pessoa com outra pode influenciá-la. O médium despojado de qualquer interesse pessoal estabelecerá sintonia com espíritos de bom senso, espíritos conscientes de suas limitações e que não hesitarão em declinar seus equívocos.

Mas avancemos um tanto alem em nossas considerações, a respeito das sabias anotações de Paulo no capitulo em foco. O médium, como médium, pode ser excelente instrumento, mas não tendo bom caráter, os espíritos bem intencionados o deixarão entregue as experiências que lhe dizem respeito. Ele, o médium, poderá até prosseguir desenvolvendo considerável tarefa, pois, em seu tempo de convivência com os espíritos, terá algo aprendido com eles; todavia, se assim podemos nos expressar, sempre estará “faltando espírito” naquilo que faz.

Portanto, para os espíritos, é preferível um médium que seja menos médium do que um que o seja em excesso mas sem o mínimo de discernimento.

Em mediunidade, o caráter do médium chega a ser mais importante que a mediunidade em si.

A formação do médium é de importância fundamental para os espíritos. Muitos espíritos desistem do contato com os homens, porque não encontram sensitivos capazes de interpretá-los na integralidade de suas emoções... O autor de uma peça teatral anseia por um ator que consiga ser ele próprio em cena.

Nem sempre o que um espírito diz através de um médium é como ele gostaria de te-lo dito e, quase sempre, é necessário que ele se contente com a “filtragem psíquica” que obteve. É preciso cautela com o médium que, á miúde, afirma que tal ou qual espírito está dizendo isto ou aquilo e cuidado redobrado com o “espírito” que, freqüentemente, se imiscui nos comezinhos assuntos do cotidiano das pessoas.

Sintetizando: a alma do médium atrai o espírito com o qual se compraz e por ele deixa-se empolgar nos interesses que lhes são comuns. Tal o médium, tal a mediunidade...

Fonte: "Mediunidade e Apostolado" / Odilon Fernandes & Carlos A. Baccelli




Quero ler o post completo

28 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Giras e Rituais



Giras e Rituais

A Umbanda não tem, infelizmente, um órgão centralizador, que a nível nacional ou estadual, dite normas e conceitos sobre a religião ou possa coibir os abusos. Por isso cada terreiro segue um ritual próprio, o que faz a diferenciação da qualidade de um para outro. Entretanto, a base de todo terreiro tem que seguir o principio básico do bom senso, da honestidade e do desinteresse material, além de pregar, é claro, o ritual básico transmitido através dos anos pelos praticantes. Com este tópico para esclarecer, transmitimos, sem nenhum segredo o ritual que nós praticamos.


GIRAS

No sentido de trabalho significa reunião de vários espíritos de uma mesma categoria. As giras podem ser festivas, de trabalho, de treinamento, fechada ou aberta e especifica. Antes das giras propriamente ditas, deve ser feita uma “abertura dos trabalhos” para que o ambiente seja devidamente preparado. Apresentaremos um modelo de abertura de gira em capítulo a parte.

Festiva ­ é aquela em que se presta uma homenagem ao Orixá/Entidade do dia. Nela pode-se puxar outras vibrações, separadamente;

De trabalho ­ são giras realizadas regularmente para o atendimento de consulentes;

De treinamento ­ pode ser realizada junto com a gira de trabalho ou em dia especifico. Nela se processa o desenvolvimento mediúnico dos iniciantes que serão trabalhados pelas entidades incorporadas ou por médiuns feitos, através da vibração de seus guias, sem incorporação;

Aberta ­ é uma gira onde se toca para duas ou mais categorias de espíritos. Nela podem trabalhar, ao mesmo tempo, Caboclos, Pretos Velhos, Ibeijada, etc. Cada médium trabalha com a entidade que desejar se manifestar.

Fechada ­ nessas giras trabalha-se com uma “linha” de cada vez. Somos mais favoráveis a este tipo de gira por não haver cruzamento de energia, assim existindo melhor aproveitamento dos fluidos por parte dos médiuns;
Neste caso, chama-se uma única linha por vez, espera-se encerrar seu trabalho, e só depois que ela tiver deixado a gira, chama-se outra linha. Todos os médiuns trabalham com Caboclos, depois com Baianos, por exemplo.

Especifica ­ são as giras de Abaluaê, Oriente, Ibeijada, Exús e Pomba Giras. No caso destas giras são necessários certos procedimentos para se isolar o trabalho. Isso pode ser feito com preces, cânticos especiais ou até mesmo em dias especiais após imantações.

A gira de Exú é uma gira difícil de ser trabalhada pois muitos deturpam a sua finalidade e o modo de trabalho de tais entidades. A falta de conhecimento leva muitos a acreditarem que se trata do “diabo”. Mal sabem que o diabo é o mal, o orgulho, a vaidade, a discriminação e a preguiça que alguns carregam consigo.

Deve-se cantar 7 curimbas para Ogum que sempre abre e fecha esta gira – não é obrigatória a incorporação de Ogum. A energia de Ogum é responsável pelo equilíbrio dos espíritos desta faixa de evolução. Os Exús e Pomba Giras não precisam usar bebidas a não ser para trabalhos específicos e a quantidade é absurdamente pequena. Eles recebem sua libação na tronqueira.

Os Exús e Pomba Giras são entidades evoluídas, embora estejam na base do desenvolvimento espiritual, por isso não aceitamos, de forma alguma, aqueles que fazem gestos obscenos, falam palavrões e dão gargalhadas espalhafatosas ou mesmo que utilizam roupas extravagantes já que todas as outras entidades trabalham com os médiuns vestidos de branco. Isso tudo é teatro, brilho, fantasia não tem nenhuma importância espiritual. Tais entidades são de muito respeito e muita luz, porém humildes e muito próximas da consciência terrena, deixam seus médiuns a vontade até mesmo em suas “palhaçadas”. Médium evoluído, Exú em evolução, valendo também o inverso.

Estas entidades defendem nosso campo anímico (ligação matéria/espírito) para que Oxalá possa continuar conveccionando a vida. Vemos assim que elas têm uma importante função no plano espiritual.

A gira de Ibeijada também é uma das giras difíceis de um terreiro. Após a “abertura” normal da gira e com todos os fundamentos preparados para este trabalho puxa-se a falange das crianças que, por acaso, não são malcriadas apesar de serem alegres e brincalhonas. Muitos médiuns se aproveitam de tal situação e fazem arruaça, achando que com isso tornam autentica a sua incorporação.

Os Erês ou Cosmes (homenagem a São Cosme , entidade protetora das crianças segundo a Igreja Católica) podem brincar sem desrespeitar os princípios espirituais. Essas entidades são a sublimação das forças cósmicas e jamais devemos desafiá-las pensando que por “serem crianças” não tem muita força. A devoção a essa vibração pode nos salvar de situações difíceis.

Deve-se, sempre após uma gira de Ibejada, chamar outra entidade para encerrar os trabalhos, pois as “crianças” limpam os consulentes e fazem os trabalhos, mas não descarregam a negatividade.

A gira de Abaluaê deve ser isolada das demais, através de preces específicas que devem ser rezadas antes e depois desta gira. Nessas preces deve-se buscar o fortalecimento mental dos médiuns da corrente e projetar energia equilibrando-os para conseguirem assimilar esta vibração que, por ser uma energia de sublimação (Nanã = reação, Omulú = ação) chega na terra de forma triangular , ocupando um espaço maior que as demais vibrações, portanto formando um campo magnético amplo em que o médium pode não conseguir permanecer.

A gira do Oriente deve começar a ser preparada uma semana antes do dia propriamente dito. Ela deve ser aberta pelo Zelador com preces e, durante a semana, devem ser invocadas todas as entidades que irão trabalhar, mantendo-se iluminados os respectivos pontos de firmeza. No dia da gira só deverão participar os médiuns que se mantiveram em harmonia com os fundamentos do terreiro naquela semana. Nestas giras geralmente recebe-se espíritos de muita sabedoria que vem a terra para nos ensinar ou passar mensagens importantes. Não devemos confundir esta gira com a festa dos ciganos. Agira do Oriente trabalha com os espíritos mentores de diversas crenças e culturas orientais.

GIRA BLOQUEADA

Assim chamamos a dificuldade que o médium de incorporação parcial tem de penetrar na faixa vibratória de certos consulentes. Quando isso ocorre o médium não está, necessariamente, falhando ou sem a sua entidade.

Os motivos podem ser:

a) consulente carregado de energia negativa. O consulente fica envolvido dentro de uma redoma.

b) consulente que procura a tenda por simples curiosidade ou para testar as entidades.

c) o consulente é médium ou mesmo Zelador. Já tem sua “coroa” feita e sua próprias entidades fecham a sua faixa vibratória para resguardá-lo.

Nos casos “a” e “b” o médium não deve se deixar perturbar e também não deve tentar romper o bloqueio, pois além de lhe causar grande perda de ectoplasma isso pode fazer com que caia em descredito. O correto é recomendar ao consulente um limpeza espiritual através de banhos de descarrego, imantações e preces e pedir-lhe que retorne para nova consulta.

É importante salientar que as giras de passe não são “consultório sentimental” ou lugar de “conversa fiada, muito menos fábrica de milagres. As pessoas devem ser orientadas para que não desgastem os médiuns contando toda a sua vida. A entidade irá perguntar somente o necessário, não ficará tentando fazer adivinhações.

O Consulente deve ser instruído a manter-se concentrado em seus objetivos para que toda a força do terreiro seja empenhada em fazer a ciclagem espiritual do mesmo. É desta forma que se consegue o que se procura e não com trabalhos direcionados a terceiros. Ninguém tem o direito de interferir no caminho espiritual de outra pessoa a não ser que esta peça. Não devemos esquecer do “livre arbítrio” e principalmente de que “nos tornamos responsáveis por tudo que cativamos”

No caso “c” deve-se somente saudar a “coroa” do consulente e realizar o passe.

PROCEDIMENTO DENTRO DA GIRA

Após o devido preparo espiritual com banhos e imantações e depois de receber as orientações preliminares (aulas) o médium deve seguir o seguinte esquema dentro das giras:

Reflexão – o médium ao adentrar a gira deve refletir sobre sua vida nos dias que antecederam ao trabalho, procurando observar seus pontos fracos, seus erros e acertos. Deverá agradecer a Pai Oxalá a chance de estar novamente a seu serviço.

Concentração – após a reflexão, o médium deve se desligar de tudo que o cerca. Deve fixar seu pensamento num ponto que lhe seja positivo, que lhe cause bem estar, a fim de que sua mente fique livre para receber todas as vibrações e de que seu corpo possa absorver completamente as imantações do ambiente.
Desde a sua entrada no terreiro até o inicio da gira, o médium deve manter-se em silencio absoluto, respirando pausadamente, aguardando a chegada dos demais companheiros.

Quando o médium entra no terreiro ele pode tocar o chão com a mão direita e em seguida benzer-se com o sinal da cruz, saudando as entidades da casa. Não é obrigatório, se não vier do coração.

Após o início da gira chegará o momento de “bater cabeça”. O que isso significa? Como fazê-lo?

Cada médium poderá ter seu “pano-de-cabeça”, o qual deverá ser estendido no chão, diante do Peji, e, ao som de cântico correspondente, deverá tocar o chão, sobre o pano, com a testa (Salve meu Pai Oxalá). Depois deverá tocar o chão com o lado direito da fronte saudando o Orixá masculino do terreiro (quando já souber seu Pai de Cabeça, ele é quem deverá ser saudado). A seguir deverá tocar o chão com o lado esquerdo da fronte saudando o Orixá feminino do terreiro (quando já souber sua Mãe de Cabeça deverá saudá-la).

A seguir será feita a defumação do ambiente quando, então, os médiuns que já usam as guias, deveram colocá-las no pescoço após imantá-las com a defumação.

DEFUMAÇÃO ­ A produção de aroma se faz pela mistura e aquecimento de várias ervas e essências e tem a finalidade de atrair vibrações e romper o campo magnético do ambiente que será utilizado para os trabalhos.

A cada material cabe atrair um tipo de vibração: boa ou má. Por exemplo: as ervas favorecem as boas vibrações e as espalham pelo ar, já o carvão atrai as más vibrações, porém as retém. Esse carvão será deixado na tronqueira até o final da gira e depois será jogado fora pois a negatividade já terá sido absorvida pelos Exús. (Veja Defumação)

Considerações Gerais

Começamos com o terreiro. Na frente, no portão de entrada normalmente tem uma pequena casa. Nós a chamamos de Tronqueira. Lá dentro tem uma imagem do Sr. Tranca-Ruas, o poderoso Exú protetor do terreiro. É a nossa guarda.

O Terreiro é dividido em duas partes: a da assistência e o terreiro onde se desenvolve a “engira”. Daqui para a frente simplesmente “gira”. Em todo terreiro costuma-se haver um quadrado ou um centro de vibração, onde está enterrada a segurança de toda a casa. É um buraco que contém as armas do Orixá Chefe. Dali, emanando todo o axé da casa. Cria-se, então, um campo vibratório de muita força.

Em alguns terreiros existe hierarquia. Além do dirigente, existem as figuras da Mãe-Pequena e do Pai-Pequeno. Após os capitães de terreiro e dos ogans (atabaqueiros). Todos os membros da corrente devem prestar-lhes obediência e respeito e, ao entrar no terreiro, devem reverenciar-lhes, ritual rigorosamente observado pela religião umbandista. Todos carregam guias diferenciadas dos membros da corrente.

O médium deve ter sempre a consciência de nunca comer carne no dia em que irá trabalhar. Carne proveniente de animais de sangue quente podem conter energias contrárias às necessidades do trabalho que será desenvolvido. Além disso, o sangue contêm muita energia que, se usada por espíritos de pouca ou nenhuma luz, pode atrapalhar consideravelmente o bom andamento do trabalho.

Considerando também que na evolução do reino animal, usar-se-á para sua própria alimentação animais que estejam distantes do grau evolutivo do ser humano, ou seja, recomenda-se o uso de peixes para se alimentar evitando animais mais evoluídos afastando-se das energias inerentes a animais sacrificados para nossa alimentação e que nos sejam “próximos”.

Como o dia de trabalho é sagrado, deve-se evitar a todo custo pensamentos pecaminosos, xingamentos, sentimentos de ódio de maneira geral, sexo, frequentar lugares que sugiram alguma ligação com energias que possam ser prejudiciais ao trabalho.

Não lavar a cabeça mas sim o restante do corpo. Não deve também cortar seu cabelo ou qualquer outra ação que envolva a manipulação de seu chakra coronário.

(Obs.: Banho de descarga com as ervas do seu Orixá).

Chegando no terreiro…

Saudar a(s) Tronqueira(s):

Saudar Seu Tranca Ruas.

Pedir proteção, pedir ajuda nos trabalhos.

Pedir para limpar seu corpo de larvas e miasmas astrais.

Pedir licença para entrar no terreiro. Considere sempre que o chão do terreiro é um solo sagrado e é onde serão desenvolvidos todos os trabalhos. Portanto, faz-se necessário pedir licença para pisá-lo.

Para pedir licença para pisar no terreiro deve-se tocar o chão com o dedo médio, tocando-o 3 vezes, descrevendo um triângulo, (tríade Crianças, Caboclos e Pretos-Velhos) e em seguida tocar a fronte, o lóbulo parietal e lóbulo occipital (tríade matéria, mente e espírito) solicitando-lhes que nos ajude a manter o fortalecimento e a harmonia destes planos.

As Crianças significam a infância, com sua pureza e inocência.

Os Caboclos significam a mocidade com sua energia.

Os Pretos Velhos significam a velhice com sua humildade e experiência.

Saudar Oxalá.

Saudar seu Orixá de cabeça. Se não souber ainda qual é seu Orixá de cabeça, bastará saudar Oxalá.

Em terreiros que tenham Ogan deve-se saudar o Ogan Chefe. O Ogan é o chefe dos atabaques.

Em terreiro que mantém hierarquia com capitães, deve-se cumprimentar os Capitães do terreiro obedecendo a hierarquia entre eles, ou seja, o 1º capitão a ser cumprimentado deve ser sempre o capitão mais novo a ocupar esta posição, em seguida cumprimentar o segundo e assim consecutivamente até o Capitão mais antigo do terreiro.

Em terreiros que tem pai-pequeno/mãe-pequena deve-se cumprimentá-los. É importante observar que a Umbanda não tem cargos hierárquicos. Muitas vezes esses cargos e definições dentro do terreiro são características advindas do Candomblé.

Cumprimentar o dirigente do terreiro.

Ao som do Hino da Umbanda, a corrente entra no terreiro, cantando alegres, dispostos, de branco, com suas guias e banho de ervas previamente tomado. Após, inicia-se a defumação em todos os presentes. Vale aqui dizer que todo o ritual tem que, obrigatoriamente, ser feito com pontos cantados. Após a defumação, vem o bate-cabeça, oportunidade dos membros da corrente. Os que têm hierarquia já o fizeram no início. Em seguida a saudação aos Anjos da Guarda. Louva-se aos Orixás e aos espíritos que trabalham através dos cavalos (médiuns) no terreiro. Em seguida pede-se a proteção do Sr. Ogum de Ronda. Saudação à Quimbanda e ao Sr. Tranca-Ruas não podem faltar. Feito este ritual é que começam as incorporações.

FUNDAMENTOS DO RITUAL

Hino de Umbanda

É um mantra de louvação à Umbanda.

Os povos em suas liturgias religiosas, desde os tempos imemoriais, invocam suas divindades, não só pelo vocábulo, como também, pela palavra cantada, através de hinos, ladainhas, mantras, cânticos, salmos e pontos cantados.

Defumação

A defumação harmoniza e aumenta o teor das vibrações psíquicas, produzindo condições de recepção e inspiração nos planos físico e espiritual.

Além de influenciar em nossas vibrações psíquicas, as ervas utilizadas na defumação são poderosos agentes de limpeza vibratória, que tornam o ambiente mais agradável e leve. Ao queimarmos as ervas, liberamos em alguns minutos de defumação todo o poder energético aglutinado em meses ou anos no solo da terra, absorção de nutrientes dos raios de sol, da lua, do ar, além dos próprios elementos constitutivos das ervas. Deste modo, projetam-se forças capazes de desagregar miasmas astrais que dominam a maioria dos ambientes humanos, produto de baixa qualidade de pensamentos e desejos, como raiva, vingança, orgulho, mágoa ,etc.

O que fazer nesta hora? Pedindo pela purificação do Terreiro dos médiuns e assistência fechando o nosso corpo e mentalizar os guias, anjo da guarda, pedindo que essas energias nocivas se dissipem.

Bate Cabeça

Neste momento os filhos estão saudando seus Orixás de cabeça e pedindo licença aos mentores espirituais da casa para iniciar os trabalhos.

Anjo da Guarda

Neste momento de louvação ao nosso Anjo de Guarda, devemos pedir sua proteção e harmonia.

Prece de Abertura

É o momento aonde elevamos os nossos pensamentos e pedimos por nós, pelo bom andamento dos trabalhos espirituais, por parentes e amigos encarnados ou desencarnados, deixando toda as mágoas e maus pensamentos, tudo que é de ruim do lado de fora, para que possamos formar uma corrente com bastante solidez que possa combater qualquer força contraria sem romper um elo desta corrente.

Abertura de Gira

Neste momento o dirigente puxa o ponto de abertura de gira (Eu abro a nossa gira com Deus e Nossa Senhora…), é um momento de muita concentração, é quando ele recebe a permissão dos guias espirituais para dar início ao trabalho.

Deus Salve a Pemba, Salve a Toalha e Salve Nosso Congá

Pemba: a caneta dos guias, objeto sagrado na Umbanda, é através dela que se dá a grafia dos espíritos.

Toalha: é onde saúda-se o Orixá, pano de cabeça imantado através do ritual do amaci.

Congá: lugar sagrado aonde estão representados os Orixás e guias que são cultuados na Umbanda.

Salve a Engoma

Engoma: Atabaques, instrumento sagrado e de grande poder vibratório.

Neste momento do trabalho são tocados ritmos de imantação e fixação de energia.

Os atabaques são responsáveis pela harmonia do terreiro através do ritmo.

Salve as Setes linhas da Umbanda

Saudação aos naturais: espíritos que habitam a natureza, que nunca tiveram encarnações, por isso são puros.

Cinco são os reinos naturais: mineral, vegetal, aquático, aéreo, telúrico.

Salve as Crianças

Preparo da firmeza do terreiro. São responsáveis pela nossa alimentação de força.

Salve as Entidades da Casa

É o momento em que se sauda todas as entidades que cuidam da casa e os mentores espirituais do trabalho.

Saravá Exú

Normalmente saúda-se o Sr. Tranca Ruas, porque ele é quem recebe a responsabilidade de cuidar de todas as tronqueiras dos terreiros de Umbanda, é ele que abre o terreiro e fecha a rua e no fim da gira fecha o terreiro e abre a rua.

Pode-se, neste momento, saudar algum outro Exú que esteja com a responsabilidade contígua de guardar a casa e a gira.

Saravá Ogum de Ronda

Nesse momento os Oguns se postam como sentinelas do terreiro, cuidando e rondando para evitar intrusos que possam vir atrapalhar o andamento da gira.

Saravá (Orixá)

É cantado ponto de firmeza de linha do Orixá regente do dirigente.


Autor desconhecido




Quero ler o post completo

22 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Pedras e Suas Utilidades

pedras e cristais

As pedras são fonte de energia, força e poder, os cristais são os melhores condutores e amplificadores, pois através de sua estrutura molecular exprimem a perfeição cósmica, afetando direto ou indiretamente todos que se colocam em sua presença, meditar com os Cristais é simples e deve ser algo muito natural, todo trabalho com cristais leva em consideração a intuição em primeiro lugar já que ao lidarmos com estes fantásticos cérebros da natureza saberemos exatamente oque deve ser feito se estivermos receptivos. Por isso a técnica de meditação deve ser aquela que mais nos agrada e que nos traga um maior bem estar.


A finalidade de toda meditação é nos alinhar com o divino, proporcionando um canal aberto para nosso Eu Superior. Quando conseguimos um estado de harmonia e silencio interior nossa luz se irradia com mais facilidade e a energia flui sem obstáculos, neste estado podemos nos integrar com o Todo e dissolver a visão do tempo, percebendo o passado, o presente e o futuro como uma única manifestação. Assim durante as meditações é comum surgirem visões do futuro ou insights esclarecedores de problemas do passado. A pratica constante da meditação com os Cristais faz com que este estado de harmonia e integração não durem apenas aqueles instantes e nos ajuda manter esta consciência alerta ao longo de nosso dia a dia.


As pedras e os Cristais podem ser usados de varias formas, sevem para uso pessoal, remédios e cura, meditações, orações, banhos, energização de ambientes e de plantas, animais entre outras coisas.


Limpeza


A limpeza é feita numa vasilha com água e 3 punhados de sal comum onde serão colocados os cristais, as pedras e assim deverão permanecer 3 dias e 3 noites sob a luz do solar e lunar, sendo retirado pela manhã ao nascer do Sol. Após este período deverão ser lavados com água corrente visualizando uma luz dourada jorrar sobre eles junto com a água corrente e seque-os ao Sol, antes de guarda-los convém energiza-los, deixando-os expostos ao sol e a lua durante um dia e uma noite.


Existem outros métodos de limpeza, pode-se defuma-los com:


incenso preferido soprando-o sobre os cristais de modo a defumar todas as suas faces.


Chuva: Deixe –os sob a chuva bem forte.


Drusa: Serve para limpar pedras pequenas deixando-as permanecer algum tempo sobre um aglomerado de Cristais de quartzo branco que tem propriedades auto limpantes e auto energizantes.


Sopro: Inspirar, mentalizar luz branca ou violeta e expirar pela boca sopre o Cristal ou as pedras visando intencionalmente limpa-lo e retirar toda a energia negativa.


Outros métodos… exponha os Cristais á poderosa energia do Sol e a feminina da Lua, também pode enterra-los de três a vinte quatro horas, a terra é energizante, mais um método é coloca-las em uma tempestade com bastante ventos e raios.


Algumas Pedras


Ágatha Azul- Azul clarinho com inclusões de listras brancas no qual parece uma renda.


Atributos Modernos: Conhecida como pedra dos anjos, trás alegria de viver, libertando nossa fé, equilibra o emocional, mental e o físico.


Água- marinha – Cor : verde azulada.


Atributos tradicionais: Considerada protetorados marinheiros e das embarcações.


Atributos Modernos: Ligada a comunicação, á expressão de pensamentos puros por meio da fala, simboliza a paz, a coragem e a purificação em seu sentido mais amplo.


Amazonita- Cor azul esverdeada.


Atributos Modernos: Calmante e estabilizadora do sistema nervoso.


Âmbar- Cor: Amarelo-claro a pardo.


Atributos Tradicionais: Ligavam –na á imortalidade, era usada para tratar febre, cegueira, surdez e outras deficiências físicas.


Atributos Modernos: Estabilizador geral ligado a força, paz e sabedoria.


Ametista – Cor: Violeta.


Atributos Modernos: É uma pedra de meditação por excelência, aplicada em casos de alcoolismo, dores de cabeça, enxaquecas, insônia, entre outros, é eficaz também em distúrbios de polaridade sexual.


Azurita – Cor: Azul celeste á azul marinho.


Atributos Modernos: Purificadora e reativadora de partes do corpo lesionadas.


Aventurina- Cor : Verde.


Atributos Modernos: É aplicada para recuperar o equilíbrio do organismo como todo estendendo seus poderes ao nível mental e espiritual.


Bronzita- Cor: Coloração de bronze com inclusões prateadas.


Atributos Modernos: Trabalha como escudo de proteção, absorve energias negativas e favorece na concentração.


Calcita- Cor Formação cristalina transparente opaca, nas cores azuis , rosa, verde, amarelo, dourado, laranja, violeta, marrom e incolor.


Atributos Modernos: Sua energia é anti – depressiva, pois ajuda a encarar a vida com mais humor e alegria a cada passo do caminho. Ajuda também a aliviar dores, quando colocado diretamente sobre a área dolorida (qualquer área do corpo).


Citrino- Cor: Amarelo Claro.


Atributos Modernos: Auxilia no tratamento da diabete e serve como purificador da pele.


Cornalina- Cor : Laranja, vermelha, vermelho castanho.


Atributos Modernos: Eficaz no tratamento de feridas, problemas sanguíneos, de pele e sexuais, trás bem estar pela vida, paciência, coragem e confiança.


Crisocola – Cor: Azul, verde.


Atributos Modernos: Suas cores se associam ao mar, reduto feminino.


Diamante- Cor: Incolor, avermelhado, castanho, verde, amarelo, negro e azul.


Atributos Modernos: Combate feitiçaria, protege, purifica, cura e dá coragem, pedra de grande cura e purificação.


Enxofre – Cor : Amarelo.


Atributos Modernos: Purificador, contra pragas e pestes, proteção, cura e poder pessoal.


Esferas- São lapidações especiais ( bola de cristal) em que a energia é distribuída de uma forma homogênea, ótimos instrumentos para meditação e clarividência através de sua contemplação entramos em contato com do plano astral onde é possível vislumbrar o passado, o presente e o futuro.


Esmeralda- Cor : Verde Gema.


Atributos Modernos: Simboliza o verde dos campos, nos festivais da Grande Mãe, revitalizadora do físico, trás benefícios a memorias, amplia poderes psíquicos, paz e abundancia.


Fluorita- Cor: Incolor, vermelha, amarela, laranja, verde, azul, violeta.


Atributos Modernos: Poderes de cura.


Granada – Transparente vermelho escuro e acastanhado, nos trás energia Kundalini, amplifica os desejos, as emoções e a vitalidade.


Atributos Modernos: Força feminina, proteção, purificação dos pensamentos.


Heliodoro- Cor: Amarelo, dourado.


Atributos Modernos: Harmoniza e equilibra as atividades mentais, alivia estresse e fortalece os dons.


Hematita- Cor: Vermelha.


Atributos Modernos: Pedra da cura, purifica, energiza o corpo físico.


Jade- Cor: Opaca translucida na cor verde.


Atributos Modernos: Age no subconsciente fazendo com que a pessoa tenha sonhos e elucidativos a respeito de si mesmo, aumenta a fertilidade, trás equilíbrio emocional e alegria de viver.


Jaspe- Cor: Opaco, várias tonalidades, geralmente com manchas que formam desenhos.


Atributos Modernos: Atua no segundo chacra (sexual), reduzindo sentimentos de vitimização e trazendo uma energia mais dinâmica e vivaz. É particularmente aconselhável para pessoas que sintam culpa ou vergonha por terem uma orientação sexual diferente, estimulando a auto-aceitação e a auto-estima.


Lápis Lázuli- Cor: Azul brilhante, índigo.


Atributos Modernos: Cura e purificadora.


Malaquita – Cor: Verde.


Atributos Modernos: Contra mau olhado, purificadora e curativa.


Obsidiana – Cor: Verde , Marrom, preta.


Atributos Modernos: Possui poderes divinatórios, incentiva transformações evolutivas em todos os aspectos.


Olho de Falcão- Cor: Azuis acinzentados, azuis esverdeados, com opalescências na superfície.


Atributos Modernos: Auxilia na observação aguçada da realidade em seu ambiente físico, como também na energia das pessoas que interagem conosco, proporciona maior união no casamento e nos ajuda obter maior juventude e saúde .


Olho De Gato- Cor: Opaco, é um quartzo que amianto verde oliva, apresentando uma opalescência.


Atributos Modernos: Aumenta e preserva a beleza e a juventude, ativa a intuição, nos protege, trás sorte, deve ser usada durante especulações financeiras.


Olho De Tigre- Cor: Marrom dourado a pardo dourado com opalescências.


Atributos Modernos: Nos trás proteção, segurança no trato com dinheiro, fortalece auto- confiança e valor próprio.


Ônix- Cor: Opaco com veios brancos.


Atributos Modernos: Protege contra energias negativas, melancolia, depressão, pedra de ancoramento.


Pedra da lua – Cor: Incolor, marrom claro, amarela.


Atributos Modernos: Equilibra as emoções, e facilita o contato com o lado feminino de cada um.


Pedra Do Sol- Cor: Opaco cores alaranjado, vermelho pardo cintilante.


Atributos Modernos: Nos trás luz, brilho do Sol, charme, autoridade, energia e vitalidade sexual.


Perita- Cor: Opaca nas cores acinzentadas, amarela acinzentado com brilho metálico, também conhecida como ouro dos tolos, devido a sua semelhança com o ouro.


Atributos Modernos: Fortalece nossa capacidade metal, desenvolve as faculdades mais elevadas da mente, estimula o QI, ajuda na realização de nossos objetivos, atrai riqueza e proteção.


Quartzo Rosa- Cor: Transparente, translucido nas cores rosa intenso e rosa pálido, representa o amor universal, regula as energias emocionais, sua principal função é estimular o amor próprio onde para se amar alguém é fundamental amar a si mesmo, limpa magoas antigas e ensina o perdão nos trazendo bem estar e harmonia.


Rubi- Cor: Opacos translúcidos, transparentes na cores vermelha.


É a pedra da energia vital, fortalece a pessoa para ela assumir sua verdade interna, repele inimigos e enfermidades, representam o amor, fidelidade, paixão, poder e riqueza.


Safira- Cor: Transparente opaco nas cores azul em diversas tonalidades, ativa a clarividência usada na frontal, desperta ou aperfeiçoa habilidades psíquicas, aumenta sabedoria, otimismo, intelecto, generosidade, lealdade e trás sorte.


Selenita- Cor: Transparente translucida incolor em camadas.


Limpa todos os corpos sutis, tem o poder de limpar outras pedras e ambientes, esta pedra ajuda nas reconciliações.


Sodalita- Cor: Opaco translucido na cor azul índigo profundo com veios brancos.


Ajuda a se equilibrar emocionalmente, nos deixa autoconfiantes com poder de decisão e com mais coragem.


Topázio Azul- Cor: Transparente Translucido na cor azul clara.


Aumenta a capacidade telepática, trás harmonia emocional, nos trazendo inspiração, clareza e calma.


Turmalina Negra-


Repele energias negativas, estimula a concentração, é usada contra abusos de drogas e excesso de desejo sexual.


Cor: Opaca nas cores azuis celeste, azul esverdeado e verde maça.


É a pedra da verbalização, clareza na comunicação, criatividade, muda de cor para avisar algum contratempo, confere sucesso, sorte, fortuna, alegria e verdade.


Por: Vania Chammas – Taróloga



Quero ler o post completo

20 de julho de 2014

Comentário do texto "Observai os Pássaros do Céu"



EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO

Cap. XXV - Itens 6 a 8



Observai os pássaros do Céu


São os tesouros do espírito que nos engrandece perante o Pai, nos fortifica para vencermos os desafios que nos apresentam nas lutas diárias. É muito difícil para nós seres humanos não nos preocuparmos com o futuro: o que teremos para vestir, o que teremos para comer no amanhã, faz parte do presente a expectativa do futuro, é natural e plausível. O que o Evangelho nos convida é não darmos importância maior aos bens materiais do que aos bens espirituais. Devemos nos dedicar ao trabalho material para a conquista dos bens materiais e, se por acaso estes nos faltar, aguardar em Deus, porque ele nos suprirá de acordo com a observância das suas leis e a fé que nutrimos n'Ele e por Ele. São nos momentos de carência diante das vicissitudes que somos testados na nossa fé. Ter fé em um Templo religioso é fácil, ter fé quando tudo transcorre como queremos é fácil, é fácil orar, é fácil pedir... O difícil é ter a humildade de aguardar com fé em Deus no momento da dor, com a certeza de um melhor amanhã. Infelizmente ainda encontramos irmãos que estão em pior situação evolutiva quando além de não ter a fé, ainda blasfemam contra Deus e não se conformam com a sua situação, que se a fé predominasse, perceberiam que é situação passageira. Então, cultivemos o nosso ser espiritual, independente da religião, praticando as virtudes que semeiam o Evangelho de Jesus, único meio de subirmos sempre, rumo a nossa evolução. 

Ednay Melo






Quero ler o post completo
Textual description of firstImageUrl

HOMENAGEM TULCA À MAMÃE OXUM - 2014

Homenagem Tulca à Oxum

Homenagem Tulca à Oxum

Homenagem Tulca à Oxum

"(...) E com seu manto sagrado, me cubra e me ampare, oh minha mãe! "

Hoje aqui venho agradecer seu amor e sua proteção por mais um ano 
inteiro de luzes e bençãos!

Mãe sagrada de Umbanda, padroeira querida da nossa Casa, amor incondicional que veio a nós por herança, a nos iluminar em três anos de trabalho árduo de amor e caridade e que há de se perpetuar por toda a eternidade...

"(...) eu bato a minha cabeça para louvar a minha Mãe Senhora..."

Ora Aiêeu Mamãe Oxum!!! Salve a Sua Força!!!

Família Tulca em 19/07/2014 


Quero ler o post completo

18 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

As Entidades Que Atuam Nas Linhas de Umbanda


Entidades espirituais da umbanda


As entidades que atuam na Umbanda não são apenas de uma raça ou religião. Vêm de todos os lugares da Terra e trazem consigo os seus últimos ensinamentos religiosos, porém já purificados dos tabus criados pelos encarnados.



A Umbanda é uma religião aberta a todos os espíritos, tanto encarnados quanto desencarnados. Para ela afluem milhões de espíritos de todo o planeta, oriundos das mais diversas religiões e rituais místicos, mesmo de religiões já extintas, tal como a caldeia, a sumeriana, a persa, a grega, as religiões europeias, caucasianas e asiáticas.

O Ritual Africano entrou com as suas linhas de forças atuantes, e os ameríndios, tais como os índios brasileiros, os incas, os astecas e maias, os norte-americanos, entraram por terem sido extintos, ou por estarem em fase de extinção e não quererem deixar perder o saber acumulado nos milênios em que viveram em contato com a Natureza.

Cada um entra com o seu saber, poder e magia, mas todos seguem as mesmas ordens de trabalho. Podem sofrer pequenas variações, mas a essência permanece a mesma. A variante que se adaptar melhor irá predominar no futuro. Por ser um ritual de ação positiva sobre a humanidade, atrai milhões de espíritos sedentos de ação em benefício dos semelhantes. Milhões deles já foram doutrinados e anseiam por uma oportunidade de comunicação oracular com o nosso plano. Todos têm algo a nos ensinar e falta-lhes apenas a oportunidade.

Não se incomodam em se manifestar em templos humildes ou cômodos pequenos. À beira-mar, nas matas, nas cachoeiras, ou mesmo numa reunião familiar.

Estão sempre dispostos a nos ouvir e ensinar. Sempre solícitos e pacientes, não se incomodam com a nossa ignorância a respeito dos mistérios sagrados.
Têm um saber muito grande, mas conseguem se comunicar de uma forma simples. Têm o saber que nos falta e a paciência com os nossos erros que os encarnados não têm. São maravilhosos pela simplicidade que nos passam.

Cada grupo de espíritos que acompanha um médium cuida de um grupo de pessoas, auxiliando-as na medida do possível e do permitido pela Lei. Se um grupo de espíritos está em dificuldades, outros ocorrem em seu auxílio, até que vençam as dificuldades.

Sofrem quando veem seus mediadores cometerem erros que atrasam suas evoluções. Choram com nossas provações e sorriem com nossa alegria. Festejam nossas vitórias e amargam nossas derrotas. Pulsam, como nós, por uma rápida aproximação com o Criador.

Ficam felizes quando os médiuns, chamados pela Lei, vêm ao encontro do dom de incorporação, e se sentem derrotados quando alguns, por ignorância, os repelem. Vibram ao redor dos que vencem os obstáculos impostos pela Lei Imutável do Criador.

Quando damos provas de que estamos aptos, formam uma grande falange de trabalho ao nosso redor. Quanta grandeza na humildade dos servidores invisíveis da Luz e da Lei!

Não há distinção de raça, origem religiosa ou cor. Branco ou negro, feio ou bonito, inexistem para eles. Estes são atributos materiais que não importam. O que interessa é a beleza da alma, é o valor do caráter, é o dom puro da simplicidade. Amam a todos e sabem que a carne é somente um veículo transitório para o espírito eterno. Tudo isso os torna queridos e respeitáveis.

Eles não pregam a intolerância religiosa, mas, sim, o amor a todos como criação do mesmo Pai. Não existem dois deuses, apenas Um, e Ele é tolerante com nossa ignorância a respeito dos Seus desígnios e mistérios.


Por tudo isso que a Umbanda já deixou de ser uma seita e é uma religião. Porém, por ordem da Lei, ela é mantida dentro de uma linha de expansão horizontal, tudo sob a direção dos espíritos que se manifestam em seu ritual através do dom ancestral místico de incorporação oracular.



Fonte: As Sete Linhas de Umbanda – Rubens Saraceni – editora Madras 


Quero ler o post completo

16 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Salve o Dia 16 de Julho! Ora aiêeo Mamãe Oxum!


Oxum umbanda



Sincretizada com Nossa Senhora do Carmo, homenageamos a nossa Mãe Oxum no dia 16 de julho.



Orixá do sentimento, da harmonia, da concórdia e do equilíbrio emocional. Tem como reino as cachoeiras e rios.



Oração a Mamãe Oxum:



Que Brilho é esse que emana dos Teus olhos,

E reacende o brilho dos Teus filhos?

Que Encanto é esse que vem da Tua dança,

E nos encanta e pacifica a alma?

Que Doçura é essa que vem das Tuas águas,

E acalanta o nosso peito tão cansado?

Que Fonte de Compaixão é essa na qual Tu existes,

E desfaz toda mágoa e dor em nós?

Ó, Mãezinha Oxum! Doce e querida Mãe!

Esse Brilho,

Esse Encanto,

Essa Doçura,

Essa Fonte de Compaixão,

Tudo isso que as palavras não traduzem,

E muito mais,

É o Amor,

O Ouro de Deus da Tua Natureza Divina,

Que nos abençoa

E nos convida a viver a Prosperidade!



Doce Mãe,

Senhora do Ouro de Deus, olha por nós!

Abençoa a nossa família,

Abençoa o nosso trabalho,

Abençoa o nosso pão do corpo e da alma!

Abençoa e purifica as nossas crenças,

Para que os nossos pensamentos, palavras e obras

Sejam iluminados por Ti,

E assim sejamos prósperos

No espírito, na mente e no corpo.


Olha por nós, Mãezinha Divina do Amor!

Ora aiêeo, Mamãe Oxum!

Bênção, Mãe!
(Fátima, 13/4/2012.)
Fonte: Instituto Cultural Sete Porteiras





Quero ler o post completo

14 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Ascensão e Queda de um Médium

Ascensão e Queda de um Médium

Texto proferido por Pai Ronaldo Linares em 1969 no programa “Umbanda em Marcha” na extinta Rádio Cacique de São Caetano do Sul, este texto também faz parte da apostila do, 25 Barco de Babalawô, “Curso de Sacerdócio”, da Federação Umbandista do Grande ABC. Publicado no Jornal de Umbanda Sagrada em Setembro de 2006.

Dizem que os fatos na história es­tão sempre se repetindo. Também na Umbanda observamos fatos, como a história do “Pai X”, que segundo con­tam, em sua juventude era do­tado de privilegiada inspiração cós­mica. Apesar de pouca instrução, pos­suía grande imaginação; falava co­mo filósofo, podendo até prever acon­tecimentos futuros. Tinha gran­de respeito às religiões e bastante inclinação para estudos místicos e religiosos.

Filiou-se, posteriormente, a al­gumas escolas e freqüentou várias re­ligiões. Cursou algumas escolas de origem oriental, onde adquiriu algu­mas noções de misticismo. Ingressou no espiritismo e, por algum tempo, estudou com entusiasmo as ins­tru­ções kardecistas. Mais tarde, in­gres­sou na Umbanda, onde dizia ter se encontrado, pela ritualística, pela ma­gia e encan­tamento. Revelou-se bom médium, realizando inclusive, curas com sucesso.

Mais tarde, com a graduação de Ba­ba­lorixá, ou Sacerdote de Um­ban­da, abriu um Templo e teve seus pró­prios discípulos. Ensinou de início algo que admitia, não era dele. Tornou-se conhecido e, passou a gostar da notoriedade e popularidade. Poste­riormente passou a declarar que os ensinamentos eram seus, assim como todas as coisas que estava fazendo e dizendo. Pensava com exclusi­vismo, considerava-se autônomo e único orientador espiritual capacita­do, esquecendo-se das Leis, que exprimem o pensamento de Deus, dos Orixás.

Violou a Lei do Amor Fra­ter­no, inver­ten­do a direção da verda­deira Lei da Espiritualidade na ilusão de crescer e subir. Muitos manuscritos de natureza altamente espiritual afir­mam que não há pecado maior na ma­téria, do que a vaidade, filha dileta do egoísmo.
Com esta atitude, Pai X foi decaindo, também na saúde um exemplo típico que foi rejeitado pelo cósmico, em virtude da violação das Leis do Universo. Na ilusão de crescer e subir, ficou aprisionado em seu próprio desespero. Tornou-se uma vítima de suas obsessões e desencarnou após anos de terrível sofrimento íntimo.

A vaidade, a tentação de procurar poder e a ânsia pela popularidade em ver-se chamado de mestre supremo, o levou à queda espiritual, material e física.

POIS QUEM SE FAZ DEUS, POR DEUS SERÁ PUNIDO.

Será que o que aconteceu com o Pai X vem acontecendo em nossos dias?

É necessário que se encare a doutrina como algo muito sério, principalmente o médium deve conscientizar de que é apenas um instrumento para servir as Leis do Universo e espirituais.

Do livro: Iniciação à Umbanda/Ronaldo Antônio Linares








Quero ler o post completo

13 de julho de 2014

Textual description of firstImageUrl

Porta da Frente ou Porta dos Fundos?

Porta da Frente ou Porta dos Fundos?


O movimento de entrada e saída de médiuns do templo é algo comum e natural em todas as Casas Sagradas. Cada terreiro tem seus procedimentos e regras para aceitar novos filhos. Em alguns, basta manifestar a vontade e o sacerdote já deixa entrar na corrente mediúnica. Em outros, é preciso estagiar num grupo prático de desenvolvimento em dias específicos. Ainda há aqueles em que o aspirante a corpo mediúnico passa por um período preparatório mais longo, que inclui a discussão de temas sobre mediunidade e (con)vivência dentro do terreiro e exercícios práticos de incorporação.

Apesar dos procedimentos diferentes, na hora de buscar um novo terreiro, os motivos são basicamente os mesmos: descontrole mediúnico, vontade de desenvolver a mediunidade, ou dar continuidade ao trabalho espiritual já iniciado.

Não importa o que trouxe o médium à nova Casa, o comportamento dos iniciantes é sempre igual: alegria, contentamento, satisfação, gratidão e empolgação pela nova jornada que se inicia.

Porém, é importantíssimo que, antes de iniciar qualquer projeto em nossas vidas, saibamos terminar o anterior - as entradas são triunfais, mas e as saídas???

Como sacerdotisa, o que não quero para mim, não desejo para o outro. Quando alguém manifesta o desejo de participar do Templo, a primeira orientação é para se desligar do terreiro anterior que participava de forma direta, decente e respeitosa.

Na hora de entrar, tudo são flores; mas a convivência errada dentro do terreiro gera conflito, atrito, ciúme, briga, inveja, descontentamento, frustração e raiva... ocasionando saídas feias e desagradáveis!

Há uma ligação espiritual entre você e seu sacerdote, ele assumiu um compromisso perante os Pais e Mães Orixás de conduzir e amparar sua Coroa enquanto você pertencer à Casa dele. Dê uma satisfação formal sobre seu desligamento e desvincule-se energética e espiritualmente do Templo/sacerdote que já não satisfaz mais suas necessidades religiosas.

Ao desligar-se, tenha uma atitude ética: seja honesto e diga a verdade para seu sacerdote! Dê a oportunidade dele repensar a organização e estrutura Casa (e até mesmo seu próprio comportamento) se for procedente sua reclamação.

Não desapareça! Não mande recado por bilhete, e-mail, torpedo ou facebook, avisando que vai sair. Vá pessoalmente, pois foi pessoalmente, olho no olho, que você pediu para entrar.

E não tenha medo de possíveis demandas desse sacerdote - boa parte desse medo é infundado, pois dirigir um Templo ocupa muito tempo e energia de um líder espiritual para ele desgastar-se com alguém descontente com seu solo sagrado.

Mas claro que há, infelizmente, sacerdotes que enxergam a posse de sua "prole" e não permitem uma saída tranquila. Esse apego aos filhos da Casa (ou ao que eles podem proporcionar materialmente) é uma degeneração da liderança religiosa que devia entender e aceitar que esse movimento de saída é natural.

Para esses casos, tenha certeza que seu novo sacerdote irá lhe amparar e proteger espiritualmente.

O fundamental é você fazer a sua parte e sair limpo e de cabeça erguida pela porta da frente - que foi por onde você entrou!

Fabiana Carvalho
Fonte: Jornal de Umbanda Sagrada



Quero ler o post completo
Topo

Melhores Textos sobre Umbanda