Maio 2019 - Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca

26/05/2019

A Vaidade na Umbanda

Quando nós, umbandistas, elencamos as qualidades da Umbanda, é muito comum citar as lições de humildade que a mesma nos oferece em diferentes simbolismos: a começar pelos pés no chão, que nos colocam em contato com o solo sagrado do terreiro; seguido pelos pretos velhos, espíritos de escravos em terras brasileiras, que, com sua simplicidade e sabedoria, assumem o protagonismo na religião e também pela roupa branca que vestimos para, dentre outros motivos, demonstrar que somos iguais.

No entanto, cabe lembrar que, assim como outros templos religiosos, um terreiro é um espaço necessariamente de evolução espiritual. Quem entra ali e coloca a roupa branca não virou santo. A doutrina umbandista nos é passada, mas o processo de transformação, orientado pelos valores e princípios inerentes a nossa fé, não se dá da noite para o dia. Aliás, arrisco dizer que é justamente por estarmos no terreiro que seremos colocados frequentemente em testes para enfrentar nossos atrasos e defeitos. É como se esses florescessem para que possamos então lutar contra eles.

E um dos fantasmas mais comuns que somos levados a enfrentar é o da vaidade. Um problema que, claro, está longe de ser exclusivo da Umbanda, até porque é um defeito humano e, portanto, será encontrado em qualquer religião, em qualquer ambiente de trabalho, enfim, em qualquer lugar. Agora, parece interessante cuidar desse tema porque chega a ser um paradoxo: de um lado pregamos a humildade, a igualdade e, de outro, nós mesmos precisamos estar em constante vigília para não sermos seduzidos pela vaidade.

E eu digo seduzidos porque é bem esse o termo. Parece ser atraente exaltar o quanto você sabe da doutrina umbandista, o quanto as suas entidades são maravilhosas, o quanto são procuradas, o quanto a roupa da sua Padilha brilha e como é a mais bonita da Casa. A verdade é que o poder, a posição de destaque atrai muitos. Sem perceber, entramos numa armadilha que fica difícil sair. Isso porque estamos tão acostumados a apontar e ver o problema no outro, a doutrinar os próximos sobre o quanto precisamos ser humildes que, de repente, esquecemos de nos olhar no espelho.

Quantos irmãos meus foram embora assim! Se acharam tão grandes, tão poderosos que não poderiam mais ser liderados pela mãe de santo. Afinal, o ego cresceu tanto que sequer perceberam que só enxergavam eles mesmos. Fulano não fazia nada, Siclano só recebia vento, a outra estava só fazendo teatro, mas as entidades dele, nossa, você precisava ver o bem que fez na casa daquela assistente desesperada. Já estava ditando regra mais que o preto velho chefe da casa, sem sequer ter a elevação espiritual dele para tanto.

Tenho certeza que ao ler essas linhas, não serei só eu a ter histórias como essa para contar.

E aí alguns podem questionar: se a Umbanda é uma religião tão linda, por que isso acontece?

A religião é e seus fundamentos também são lindos, no entanto nós, praticantes, somos humanos. Todos nós estamos ali para cumprir nossa missão espiritual, para resgatar desavenças e falhas que colecionamos ao longo de vidas. A vaidade é uma delas.

Como ela se inicia não tem regra: pode ser pelos elogios que o médium começa a receber ou até mesmo pela falta deles e a consequente necessidade de chamar atenção. Suspeito que, em verdade, todos a temos latente em nós e o que faz com que um seja mais vaidoso que o outro é justamente a forma como a gente alimenta esse sentimento.

Um conselho simples, mas que vale sempre destacar é o seguinte: esqueça os juízos de comparação. Não existe entidade melhor que outra, muito menos médium mais importante que outro. A nossa filosofia é Ubuntu: “eu sou porque nós somos”. Não há espaço na Umbanda para ego ou para competição. Formamos uma corrente justamente porque só fazemos sentido quando unidos. Portanto, antes de fiscalizar e apontar as atitudes do outro, experimente vigiar a si mesmo. O trabalho para a nossa evolução espiritual é constante e o vestir branco deve valer como simbolismo para muito além do terreiro.

Maria Eduarda





Leia mais

22/05/2019

Eliminando a Negatividade

Eliminando a Negatividade
"Ó céus! Ó vida! Ó azar..."


Se você, de uma hora para outra, começa a sentir um cansaço inesperado, peso nos ombros, tonturas e outros incômodos, é melhor anotar essas dicas para ajudar a limpar a energia negativa.

Neste texto, Christie Marie Sheldon, explica de maneira simples, mas detalhada, como a negatividade faz parte de sua vida, muitas vezes sem que você perceba. O processo se dá da seguinte maneira:

“Você sabe que semelhante atrai semelhante, certo? Então aqui está o negócio: as pessoas positivas são atraídas para as energias positivas, as pessoas negativas são atraídas para as energias negativas.

Nós tendemos a perceber a energia negativa como algo que outras pessoas têm. Claro, às vezes nos sentimos negativos – como em “vá embora e me deixe em paz, mundo!” Mas você sabia que a negatividade pode ser tão enraizada em você que passa despercebida?

Isso porque a negatividade às vezes usa um disfarce chamado “realidade”. É fácil racionalizar e dizer que está “sendo apenas realista” em não ousar agir em um sonho – e acreditar nele!

Você pode supor que as pessoas positivas não estão sendo realistas – que estão sendo ingênuas, que estão em negação, com a cabeça enterrada na areia, que colocaram sorrisos falsos diante da dificuldade, e assim por diante. Mas são realmente bobos alegres ou há algo de bom na sua positividade?

Considere o seguinte: desde quando é que “ser realista” significa necessariamente que as coisas vão dar errado e que você tem que aceitar isso como verdade? Isso não significa que ser realista é automaticamente negativo. Quando você vê o mundo do ponto de vista “realista”, você não pode deixar de ser negativo se a sua versão da realidade é negativa.

Se a sua versão da realidade é negativa, você está condicionado a acreditar que tudo pode dar errado, vai dar errado e o que pode dar certo, provavelmente vai dar errado também. Suas crenças inconscientemente bloqueadas farão de você uma pessoa negativa sem que você saiba disso!

Portanto, se essa negatividade é tão enraizada em você que você nem a percebe, como você pode determinar se está preso em uma nuvem de energia negativa que está atraindo as pessoas erradas, situações erradas e sentimentos errados? E como você pode ter certeza que você não está perpetuando essa negatividade?”

Isso pode ocorrer com mais frequência do que você imagina. A dificuldade em perceber padrões de negatividade que podem ser transformados faz com que você acabe achando que as coisas não podem ser mudadas, esse é seu destino. E as situações que vão se repetindo constantemente vão aos poucos tirando o brilho e o prazer de sua vida.

Para verificar se isto pode estar acontecendo com você, faça o teste proposto por Christie Marie Sheldon:

“Aqui está um rápido teste para medir o nível de energia negativa dentro de você:

Você reclama? Todo o tempo ou apenas algumas vezes?

Você costuma discutir o que há de errado no mundo mais do que o que é certo? Isso inclui o tempo ‘terrível’, o tráfego ‘horrível’, o governo ‘idiota’, a economia ‘ruim’, o chefe ‘estúpido’, etc;

Você critica? O tempo todo ou apenas determinadas pessoas?

Você é atraído para o drama e o desastre? (você pode descolar-se da TV quando há uma notícia de um desastre e você pode evitar se envolver na vida das celebridades disfuncionais?)

Você culpa? O tempo todo ou apenas determinadas situações?

Você acredita que você não tem controle sobre a maioria de seus resultados?

Você se sente como uma vítima? Você fala de pessoas fazendo coisas para você?

Você é grato por aquilo que é ou vai ser grato quando as coisas finalmente começarem a dar certo para você?

Este dois últimos pontos são importantes:

Se você não é grato, exceto quando as coisas dão certo, você é negativo. A gratidão é positiva. Se você é grato por aquilo que é (incluindo a escola desagradável das lições de vida), então você pode convidar mais e mais energia positiva em sua vida.

Acreditando que as coisas acontecem para colocar você no papel de vítima, é fácil ser negativo, porque é conveniente dar-se esse poder. Portanto, considere esta alternativa: de quem ou do que é a culpa quando as coisas boas acontecem para você? Você reconhece que é responsável pelas coisas boas – como você trabalhou duro, você ganhou, etc … mas culpa eventos externos ou outras pessoas por suas falhas? Então como é que, quando coisas boas acontecem, elas são um resultado do que você faz, mas quando coisas ruins acontecem não são culpa sua? Ninguém gosta de ouvir isso. É preciso coragem para aceitar que você cria a sua experiência de vida!

Se você respondeu sim a alguma das perguntas acima, você está segurando a energia negativa em algum grau! Para limpar a sua energia negativa e elevar a sua vibração, você terá que treinar-se para escolher uma atitude positiva.

Aqui está outra ideia interessante a considerar: você já reparou que as pessoas positivas parecem conseguir o que querem da vida, e mesmo se as coisas não ocorrem à sua maneira, elas ainda desfrutam de suas vidas … enquanto as pessoas negativas lamentam e reclamam sobre os seus infortúnios, mesmo sobre as coisas boas em suas vidas?”

Ficou claro como todos esses pensamentos e todas as palavras aparentemente comuns, habituais, afinal, “todo mundo fala”, vão construindo – ou melhor – desconstruindo a sua vida? Você acaba ficando presa numa rede de energias negativas, e quanto mais se debate (ou quanto mais pensa e fala do mesmo modo), mais fica presa a ela.

Se você quer sair disso, transformar sua energia, pensar diferente, você precisa se empenhar. Todo hábito pode ser modificado, mas exige atenção, vontade, constância.

Em apenas três passos, Christie Marie Sheldon propõe uma maneira de você iniciar esse processo para limpar a energia de negatividade e dar início à sua transformação interior:

“1. Aproprie-se: “Quando você pensa que tudo é culpa de alguém, você vai sofrer muito. Quando você percebe que tudo nasce apenas de si mesmo, você vai aprender a paz e a alegria. “- Dalai Lama

2. Cancele pensamentos negativos e substitua-os por pensamentos positivos. Isso requer prática, dedicação e tomar uma decisão de ver o mundo através dos olhos de “o que pode dar certo” em vez de “o que pode dar errado.” Você vai ter que pegar a si mesmo quando você estiver agindo ou falando da sua negatividade, e imediatamente mudar sua melodia.

3. Visualize o positivo em vez de ficar sugando negatividade; supere condicionamentos passados, pense intuitivamente com a alma, em vez da “realidade”; crie uma nova e desejada realidade em sua imaginação para que se manifeste no mundo exterior. Ninguém quer a energia negativa para permear suas vidas, mas muitos de nós permitimos isso. Mas nós permitimos inconscientemente, com base no condicionamento passado que sugere um resultado inevitável de determinadas situações. Quando você superar esse condicionamento e perceber que o futuro não está gravado em pedra, mas que você tem mais controle sobre suas circunstâncias do que você acredita – então você pode começar a projetar conscientemente sua vida.

O que vai acontecer então? Sua energia positiva irá atrair magneticamente o que você considera ser bom e certo para você: as pessoas, situações, coisas … e você vai notar um aumento enorme, enorme na sua felicidade e paz interior.

Porque não escolher a energia positiva? Faça algumas alterações no interior, e você verá rapidamente mudanças positivas em sua vida. Aproveite os bons sentimentos e abundância!”

Aproveite as boas dicas e coloque-as em prática.

O melhor na vida é se sentir cada vez mais feliz, para trazer cada vez mais felicidade.

José Batista de Carvalho



Leia mais

Importância do Preceito

Importância do Preceito
Muitos filhos não entendem porque dos preceitos, o "se guardar" antes dos trabalhos Espirituais seja tão importante, não entendem, contudo não se questionam, não questionam seus Dirigentes do por quê da necessidade de "se guardar", dos banhos pra se proteger, enfim...

Pois bem, quando você vai a uma celebração precisa estar vestido adequadamente, estar limpo também conforme exigem as normas de convivência.

Nos nossos trabalhos Espirituais, o preceito serve como uma preparação para os trabalhos que vão se realizar... é o momento em que suas Entidades vão retirar toda a carga negativa, toda sujidade espiritual que você possa ter acumulado durante a semana, vão equilibrar sua energia, seus chacras para que você possa ser útil à eles durante os trabalhos.

Trabalhos esses que visam auxiliar as pessoas nos seus mais diversos problemas: pessoas com problemas de vícios ou com entes queridos com problemas sérios com drogas, álcool, fumo... como poderá você doar sua energia para que uma Entidade possa retirar a energia desequilibrada de um alcoólatra, por exemplo, se você não guardou seu preceito e se acabou numa festa ou noitada movida a álcool?

Sua energia estará também empregada de eflúvios de álcool que terão o efeito de estimular neste assistido o desejo pelo vício que está destruindo-lhe a vida familiar e a saúde!

Entende, irmão a importância da sua participação ativa durante o trabalho das Entidades que te acompanham? Você é parte importante deste processo, a Entidade poderá fazer sem sua participação o trabalho de ajuda aos assistidos da casa? Sim e fará, claro! Contudo, não é isso o que você se comprometeu a fazer quando da oportunidade de vir como médium. Você solicitou oportunidade de ser útil aos sofredores, das mais diversas formas e na religião que você abraçou com amor, a Umbanda, uma delas é a mediunidade de incorporação mas, não é somente ceder seu corpo como instrumento às Entidades de Luz, mas agir consciente, ativamente para o Bem, para a cura, para o equilíbrio de muitos e seu próprio!

Nossos Guias para estarem em nosso meio que para eles é denso, pesado; precisam baixar a própria Luz para alcançar a nossa, chegam dias antes de nós à Casa a qual servimos, para preparar as defesas necessárias, as energias que serão usadas... que tal fazermos a nossa parte com mais consciência e amor e trabalharmos para aumentar a nossa Luz e assim sermos mais úteis a esses amigos que tanto nos ajudam?

Preceito não é somente abstinência de alcoólicos, carne ou sexo... é elevar-se através de pensamentos bons, sintonizar a Luz, sintonizar seus Guias, emanar desejos de luz e paz para os trabalhos que se realizarão na casa, por isso fazemos o preceito com antecedência; para que as energias densas que emitimos em contato com essas coisas tenha o tempo para se negativarem em nós e conseguirmos o equilíbrio para este momento tão maravilhoso que é poder ser útil ao Bem Maior.

O preceito bem observado te tornará parte integrante, funcional, ativa dentro de todo o Bem que seu Guia traz aqueles que buscam a sua casa e a nossa amada Umbanda!

Fonte: Umbandalizando






Leia mais

20/05/2019

O Passe na Umbanda

O passe é um dos métodos utilizados, principalmente nos centros espíritas, para o alívio ou cura dos sofrimentos das pessoas. Quando ministrado com fé, o passe é capaz de produzir verdadeiros prodígios. Têm como objetivo o reequilíbrio do corpo físico e espiritual. Porém, o seu efeito também dependerá do receptor do passe (assistente). É necessário que o “paciente assistido” esteja em sintonia com a espiritualidade presente, permanecendo em constante concentração e prece, mantendo bons pensamentos e vibrações.

Há três tipos específicos de passe: o Passe Magnético, quando aplicado pelo indivíduo encarnado; o Passe Espiritual, que realizado pela ação dos espíritos desencarnados; e o Passe Misto, onde os fluidos do médium se misturam com os da Espiritualidade. Essa última modalidade é a mais utilizada nos terreiros de Umbanda, onde os médiuns atuam incorporados com seus Caboclos, Pretos Velhos, Ibejadas e outras entidades para trabalhar no passe.

O passe é aplicado pelos médiuns de Terreiro incorporados com suas entidades. Dessa forma, a energia da entidade em sintonia com a energia do médium atuam juntas na corrente que é transmitida para o irmão ajudado.

Um fator característico do passe na Umbanda é que, na maioria dos terreiros, as entidades utilizam de outros elementos magísticos que auxiliam na aplicação do passe. É o caso, por exemplo, de vermos alguns Caboclos que fumam charutos, Pretos Velhos com seus cachimbos, Ibejadas com doces, etc.

Porém, nada disso é à toa. A entidade não chega simplesmente para fumar o charuto, ou o cachimbo. O fumo tem um elemento mágico que atua no etéreo e elimina larvas astrais que servem de parasitas espirituais no irmão necessitado de ajuda.

Dentro de um terreiro, o assistente fica na esfera fluídica da Casa, guardado por seus sentinelas e sob as suas firmezas. Mas, para ser bem sucedido, o passe depende muito, também, da pessoa que está recebendo as vibrações.

Os cuidados também são necessários, tanto da parte do médium quanto do assistente. O médium precisa manter uma boa relação com as suas entidades, e compreender delas a necessidade de seus elementos na aplicação do passe.

O assistente também deve fazer a sua parte, mantendo-se sempre em boa sintonia com o terreiro, buscando estar em prece, mantendo bons pensamentos, e acima de tudo, não deve pensar que o passe será a solução imediata para todos os seus problemas.

Além disso, para percebermos os resultados dos passes é necessário que haja o entendimento do trabalho realizado, a boa vontade de quem doa e o merecimento de quem recebe os fluidos.

Autor desconhecido





Leia mais

19/05/2019

Homenagem ao Povo Cigano 2019

Homenagem ao Povo Cigano 2019

Homenagem ao Povo Cigano 2019

Homenagem ao Povo Cigano 2019

Homenagem ao Povo Cigano 2019

Homenagem ao Povo Cigano 2019

"Amigos joguem flores e perfumes porque os Ciganos estão em festa..."
Que os Ciganos joguem flores no caminho e perfume na vida de todos!
Gratidão aos presentes em nossa festa! E aos ausentes que vibraram conosco!
Salve o dia 24 de maio!
Optchá!
(Família Tulca em gira festiva no dia 18/05/19)






Leia mais

13/05/2019

Castigo de Santo Existe?

Castigo de Santo Existe?

É muito comum ouvirmos, principalmente de pessoas antigas, tais conceitos: “Se eu parar de trabalhar, ou não trabalhar, o santo me castiga” e por aí vai.

Mas o que eu peço pra você é um pouquinho de boa vontade em colocar a razão e reflexão para funcionar.

A Umbanda não é uma religião punitiva, ao contrário, nos ensina a liberdade de nossas ações e que somos senhores de nossas vontades e escolhas, já que possuímos a lei irrevogável dada por Deus do livre arbítrio. Não somos obrigados por Deus nem por um guia de luz e de lei a atuar como médium seja de que forma for.

Mas então porque conheço pessoas que ficam doentes se pararem de trabalhar como médiuns? Eu também já presenciei casos assim. Mas quem provoca essas doenças e desequilíbrios muitas vezes psíquicos não é o guia/entidade e sim a sua inatividade mediúnica.

Muitas pessoas vêm com uma energia magnética maior que outras, e maior que outros médiuns e por isso precisam de constante trabalho para sempre estar com seu corpo energético equilibrado. Pode ser até mesmo uma trabalho holístico como Reiki, bioenergia, cristal, limpeza e harmonização de chacras que nos ajudam a limpar e equilibrar a energia de nossos centros de força. Mas se a pessoa não pratica nada, essa energia vai se acumulando no corpo, criando toxinas, bloqueando o movimento energético de entrada e saída de energias, e aí sim, pode causar malefícios, pois tudo que é demais, é ruim. Além disso, existem pessoas que vêm com vários canais mediúnicos abertos, várias capacidades ao mesmo tempo aflorando e neste caso é preciso um trabalho de canalização e equilíbrio dessas capacidades, pois também podem causar muitos malefícios se a pessoa insiste em “deixar pra lá’ ou procurar apoio somente na medicina alopática”. Ela se cura de um mal e tempo depois aparece outro problema.  Porque a pessoa com mediunidade aberta se torna invariavelmente um ponto de energia magnética que atrai quem precisa dessa energia para se sentir melhor. O espírito doente, espírito desequilibrado emocionalmente, desvitalizado sentem sempre um grande conforto perto de médiuns que esbanjam energia. Mas muitos deles, mesmo sem ter a índole ruim, pela sua mente perturbada e corpo astral debilitado, pode trazer consequências ruins para os médiuns nos quais se aderem.

Então entendam, não são os guias que atuam para o mal, para castigar quem não quer atuar com eles. É um processo natural de uma pessoa que está no auge de sua abertura mediúnica e se recusa a procurar equilibra-la. É o que colocamos em outro texto aqui como síndrome da mediunidade reprimida.

Além disso tudo, ainda existem os que ESCOLHERAM encarnar para atuarem como médiuns, prestando serviços a humanidade, ao seu próximo para a caridade, e o amparo aos necessitados para o seu próprio aprimoramento humano e espiritual. Pessoas nessa categoria, são mais complexas, porque a questão de “livre arbítrio” fica comprometida, pois ela JÁ ESCOLHEU o labor mediúnico, só que não lembra, pelo véu de escurecimento do reencarne.

Então muitas voltas na vida essa pessoa pode dar, negar, recusar, desprezar, mais sua própria mente superior acaba sempre a conduzindo para os caminhos da espiritualidade mediúnica. Afinal, foi o caminho escolhido para esta encarnação, para o seu elevar espiritual. Eu mesma sou um exemplo vivo disso. Desde meus 17 anos que sofri com meu afloramento mediúnico que foi muito violento e traumático. Passei por médicos, emergências para controlar supostos surtos psíquicos, pastores “exorcistas”, e ninguém da minha família sabia o que fazer comigo quando eu entrava em crise. A única solução que viam era me levar pra emergência e lá tudo piorava. Perdi um ano de escola porque não conseguia estudar, quase perdi emprego porque não não conseguia ficar sentada numa cadeira, pois meu corpo ficava mole como geleia. Até que uma prima minha me levou em um centro espírita, e tudo começou a melhorar. Pararam as crises, as psicografias no meio da noite, as vozes na minha cabeça que não me deixavam dormir, os vultos que via, tudo estava indo normal, até eu precisar sair do centro por motivo de viagem e meses depois, tudo voltou, mas forte do que antes. E só fui realmente melhorar quando entrei para uma Tenda Cigana e atuar mediunicamente.

Mas todas as minhas perturbações não eram dos guias, dos Exus, ou Pombas giras, e sim de espíritos completamente desajustados que sentiam a minha energia e vinham até mim, tentando quem sabe um auxílio. Mas eu não estava pronta para ajuda-los, pelo contrário, eu era quem precisava de ajuda. Mas eles não entendiam, e só queria um meio de alívio ao sofrimento que passavam. Então casos como o meu felizmente vi poucos, mas eu não tive muitas escolhas a não ser seguir meu labor mediúnico e através dele ajudar as pessoas em seus conflitos e sofrimentos, conforme as leis de merecimento de cada um. Eu escolhi, então tive que cumprir com o que me propus.

Mas nem todas as pessoas nascem com essa “missão”. Muitas delas, só precisam tratar de um afloramento desequilibrado, sem a necessidade de seguir religião A ou B, colocar roupa, ou fazer seus votos de iniciação. Para essas pessoas, tudo é mais fácil, porque eles podem sair a hora que quiserem, pois as entidades de luz entendem e sabem que cada ser humano tem o direito de suas escolhas. Não existe a lenda de que “se você sair eu acabo com sua vida”. Vamos evocar mais uma vez o bom senso e a razão... se são espíritos evoluídos, de luz, esclarecidos, do bem que receberam pela espiritualidade superior divina a capacidade de ser UM GUIA E PORTANTO GUIAR OUTROS, jamais tomarão tal postura. Não deixem ser influenciados por ideias, conceitos e crendices sem sentido, envoltas de ignorância cultural ,pois desde muito tempo, somos pela nossa sociedade doutrinados a temer e pensar as piores coisas das religiões de matrizes africanas, afinal , se vem do negro, é porque não presta, é inferior, é coisa de selvagem ignorante. Tal qual como a Igreja católica fazia com as comunidades e aldeias pagãs, que não se convertiam ao cristianismo, eram dizimadas com requintes de crueldade, perseguidas, torturados, e assassinadas se não aceitassem o cristianismo como sua crença. Pegaram vários ícones das crenças pagãs, vários deuses e criaram verdadeiras lendas demoníacas para MANIPULAR A CRENÇA POPULAR a repudiar quem pensasse diferente deles. Assim como muitos evangélicos tentam fazer com a grande massa da população do nosso país atualmente. Porque é comum aos grandes líderes religiosos de religiões de massa (e diga-se de passagem da massa mais carente cultural, emocional e financeiramente), porque são de fácil manipulação. Mas basta um pouquinho de boa vontade para estudar a história antropológica do homem e sua religiosidade e veremos que os “Grandes” sempre querem atacar a minoria, criando na mente popular a ideia de ruim, mal, coisas de cunho demoníacas. Pensem , reflitam, leiam, busquem informação e não deixem serem conduzidos como mais uma ovelha no rebanho. Pense por si próprio e não permita que ninguém diga a você o que Deus quer pra sua vida, já que a resposta está na sua própria consciência e como você precisa fazer para ser salva.

Orixá, entidade, não dão surra, não prometem matar, não castigam. Se isso acontece na sua vida, olhe pra dentro de si e vai ver que são apenas reflexões de suas próprias escolhas impensadas e inconsequentes. De negar quem sabe, seguir um caminho, por preconceito, vergonha ou medo da opinião alheia. A maioria não tem que ditar o seu caminho, até porque o nosso caminho, caminhamos sozinhos com nossas escolhas, atitudes, ações e com os irmãos e antepassados que cultivamos na nossa trajetória humana. Aquele que diz para onde você deve ir, não irá com você, pois o caminho para “redenção” é individual e não coletivo e ele depende exclusivamente de uma cabeça boa, sadia e equilibrada com méritos de ações, coração puro e bondade ao próximo.

Ana Araújo - Terreiro de Umbanda Vovó Catarina






Leia mais

10/05/2019

Dúvidas sobre Mediunidade

A Mediunidade na Umbanda: Perguntas e Respostas...

A mediunidade é sempre um tema coberto de mitos e dúvidas em todas as religiões. Na Umbanda não é diferente. Para auxiliar aqueles que desejam conhecer melhor sobre o assunto na Umbanda, foi elaborado este pequeno conjunto de perguntas e respostas. São explanações simples e objetivas destinadas ao leigo, ao iniciante no processo mediúnico e aos integrantes de outras religiões que desejam conhecer mais sobre a mediunidade na Umbanda. O tema é muito amplo e existem muitas teorias divergentes a seu respeito e cada casa religiosa possui suas próprias premissas. O que temos aqui reflete a maneira como é tratado da mediunidade na Casa do Pai Benedito (de onde tiramos esse texto). Para facilitar o entendimento, as dúvidas estão agrupadas em blocos de acordo com seu tema:


A MEDIUNIDADE NA UMBANDA

O que é a mediunidade na Umbanda?

É um processo onde espíritos de luz, chamados de guias, utilizam de pessoas encarnadas (médiuns) como interlocutores para cumprir uma missão de caridade na terra.

É algum tipo de castigo ou punição?

Não. A mediunidade na Umbanda é uma oportunidade de trabalho para evolução pessoal e resgate cármico do médium. Ninguém é médium para “pagar o que fez” em uma encarnação passada. É médium porque se propôs a colaborar com o trabalho divino no presente, em busca de um futuro melhor para todos.

Tenho medo. Isso é ruim?

“O medo é parte integrante da mediunidade”. – palavras de Pai Benedito. O medo é útil quando traz cautela ao médium e o protege de eventuais perigos. É também perigoso quando enfraquece sua confiança e reduz sua sintonia com seus guias de luz. É preciso saber lidar com o medo a seu favor. Não tente eliminá-lo, pois ele só se fortalece. Exercite sua fé e amadureça seu espírito. Assim você vai ver o medo desaparecer gradativamente, sem você fazer força.

Posso “virar” médium se eu quiser?

Médiuns todos são, embora alguns em grau mais suave. Mas ninguém pode se “candidatar” a médium de terreiro em algum momento da vida. Estas pessoas são escolhidas como instrumentos de trabalho antes de seu nascimento, sua encarnação nesta terra. Passam a ser cuidados e protegidos por seus guias até o momento de iniciar seu trabalho. Contudo, qualquer pessoa pode trabalhar na religião, desde que suas intenções sejam boas e sinceras. Há muitas outras tarefas na religião além do trabalho mediúnico, como: cambonos, ogãs, recepcionistas, palestrantes etc.

Por que os médiuns são chamados de cavalos?

Esta é, na verdade, uma referência carinhosa dos guias para com seus protegidos. O cavalo é um elemento importante ao povo do interior. É um amigo fiel e instrumento vital ao sertanejo em todos os seus trabalhos. O cavalo é um instrumento vivo, um amigo que leva o sertanejo de forma rápida e segura e o permite alcançar terrenos onde seu condutor sozinho não poderia chegar. O bom médium representa a mesma coisa para seus guias de luz. Os médiuns também são chamados por outros nomes. Os mais comuns são: aparelho, matéria, burro entre outros.

Ser médium envolve algum risco?

Sim. A mediunidade é a abertura dos canais energéticos do corpo astral para o contato com a espiritualidade. Se o médium se afinar com seres de luz, isso é extremamente benéfico. Caso isso não aconteça, ele pode ser usado também pela espiritualidade negativa e se transforma em um instrumento da sombra. Por isso, o cuidado com o médium é tão importante, em todos os momentos de sua vida, não só no terreiro.

Como posso me proteger?

Na verdade, cada casa possui seus próprios métodos: banhos, estudo, conduta moral, trabalhos e mirongas. Mas todos eles se resumem em uma única vertente: Um médium bem cuidado é aquele que preserva sua ligação com as falanges de luz.

Por que “pego os ‘carregos’ dos outros”?

“Carregos” é o nome geralmente dados às energias nocivas que as pessoas “carregam” em seu campo astral. Há médiuns que tem a característica de “retirar” essas energias de outras pessoas. Se isso ocorre no terreiro, não costuma trazer grandes problemas, mas se acontece em todo lugar, é sinônimo que o médium está desprotegido ou em desequilíbrio.

O que são puxadas?

São processos comuns em alguns terreiros, onde espíritos sofredores ou obsessores de um consulente são “puxados” para o campo astral dos médiuns por meio do magnetismo. Acontece de forma intencional ou involuntária, para fins de tratamento do consulente e do espírito retirado.

O que é corrente mediúnica?

É uma força energética de proporções superiores e muito útil, formada por vários médiuns juntos em um trabalho direcionado. Por isso é comum ver médiuns enfileirados cantando juntos em sessões de Umbanda, por exemplo.

O que acontece se eu for chamado ao trabalho mediúnico e recusar?

Varia de acordo com o médium e a casa. Esta deve ser uma decisão livre, mas existe sim relatos de casos onde isso envolve bastante sofrimento, seja por ignorância do médium ou dos condutores de sua casa. Mas não é incomum ouvir que o médium vai “apanhar” do santo e sofrer para o resto da vida em casos semelhantes.

Na verdade, o trabalho mediúnico é uma oportunidade e não uma condenação. E este trabalho é combinado entre o médium e seus guias ainda no plano espiritual, antes de seu nascimento. Romper com este acordo traz as implicações cármicas de quem se furta ao compromisso combinado com falanges de luz, e não a “surras” de espíritos.

Por que se diz que alguém está “apanhando do santo”?

Isso ocorre quando a mediunidade de alguém encontra-se em sério desequilíbrio e ele fica sujeito diversas interferências de espíritos em momentos inoportunos de sua vida. Tem diversas causas. Entre elas, o abandono do trabalho espiritual e da proteção por parte de seus guias e protetores.

O que é mediunidade cármica?

É quando o médium tem um compromisso muito arraigado com seu resgate cármico no trabalho mediúnico. Nestas ocasiões os espíritos tentam de toda forma trazê-lo ao trabalho e, quando ele se recusa, seu desequilíbrio energético e emocional é grande. Há também a chamada mediunidade de missão, ou missionária, quando alguém se propõe ao trabalho mediúnico para seu progresso, mas não tem compromisso de resgate a fazer. Neste caso os efeitos são mais amenos se por ventura abandonam os trabalhos.

Em ambos os casos, a questão é definida antes do nascimento do médium, ainda no plano espiritual. Em ambos, o abandono dos trabalhos é algo muito triste para toda a espiritualidade.

Ao iniciar um trabalho na Umbanda, sou obrigado a permanecer nele para o resto da vida?

Não. Esta é uma decisão do médium, em parceria com suas entidades de trabalho. O trabalho pode ser interrompido por diversas causas: questões pessoais do médium, saúde, trabalho e até por simples desejo de abrir mão desta oportunidade. Contudo, a pessoa deixa o trabalho mas não deixa nunca de ser médium. É preciso se cuidar.

Como me desligar do trabalho mediúnico?

Deve-se impreterivelmente conversar com os chefes de seu terreiro. Nunca “saia simplesmente, para nunca mais voltar.” O guia do terreiro é a pessoa ideal para lhe ajudar neste desligamento e tomará as providências necessárias quando for o caso. Contudo, deve ser uma decisão muito bem refletida. Quando um médium interrompe seu trabalho na Umbanda, ele interrompe também o trabalho de toda uma falange com centenas de trabalhadores espirituais. O que é muito triste.

Espíritos de umbanda escrevem, psicografam?

Sim. Depende das características do médium que acompanham.


A INCORPORAÇÃO

O espírito “entra” no médium durante a incorporação?

Não. Na verdade o espírito se aproxima e encobre o médium com sua energia, conectando-se com ele e assumindo seu corpo através de ligações energéticas em seus chacras. Quanto mais próximo o espírito fica de seu médium, mais intensa é a incorporação.

Existe incorporação fraca?

Sim. E seus resultados são catastróficos. Quanto melhor for a ligação entre médium e seu guia, mais autêntica é sua manifestação. Daí surge a necessidade de uma boa preparação dos médiuns. Um dos reflexos mais comuns de médiuns “mal incorporados” é o animismo e a mistificação.

O que é animismo e mistificação?

Animismo é quando o médium manifesta personas de seu inconsciente e não um espírito legítimo. Neste caso, o choro, riso, alegria, tristeza e o discurso são criados na mente do médium, mas ele acredita que aquilo vem de um espírito desencarnado. A Mistificação é a fraude da incorporação. O médium finge estar incorporado e sabe o que está fazendo. Acontece com médiuns maliciosos, que pretendem enganar as pessoas (normalmente para obtenção de algum benefício) e com médiuns despreparados mas aflitos, que são muito pressionados por seus colegas e passam a forjar a incorporação para se verem livres da cobrança alheia por “resultados”.

Como evitar estes problemas?

Um bom médium passa sempre por um bom processo de desenvolvimento ou educação mediúnica. Neste processo, ele conhece estas e outras ameaças e se prepara para lidar com elas. Um bom médium nunca é perfeito, mas se prepara constantemente para lidar com suas imperfeições.

Médiuns experientes passam por este tipo de dificuldade?

Sim. Sempre que a sintonia entre o espírito e o médium se enfraquece, a incorporação torna-se falha. Quando isso acontece, é indicado que o médium restabeleça seu equilíbrio e peça a interrupção de seus trabalhos se julgar necessário. Contudo, é comum que os médiuns enfraquecidos persistam em seu trabalho mesmo assim, por medo de serem criticados ou descredibilizados por seus companheiros de terreiro. Um erro de ambos.

O que são mediunidades consciente e inconsciente?

Mediunidade inconsciente ocorre quando o espírito toma o médium de tal forma que ele perde a consciência, é como se ele adormecesse. Sua principal vantagem é que, estando “adormecido” o médium não oferece muita resistência ou interferência nas manifestações do espírito guia. Uma desvantagem é que, se tomados por espíritos desordeiros, podem executar tarefas torpes sem que percebam isso com clareza. São médiuns cada vez mais raros. Mediunidade consciente, ou semiconsciente, é aquela onde o médium percebe parcial ou totalmente o que ocorre durante a incorporação. Ele não “adormece”. Uma vantagem é que, se forem bem preparados, eles se mantém alerta à interferência de espíritos desordeiros caso isso ocorra, impedindo sua ação negativa. Uma desvantagem é que, estando mal preparados, eles interferem na manifestação das entidades de luz. Bloqueiam seus comandos e, por vezes, até assumem a condução do trabalho, o que é muito perigoso.

Quais as confusões relacionadas à mediunidade consciente e inconsciente?

Na verdade, este é um ponto de grande conflito. Muitos médiuns absolutamente despreparados assumem o trabalho de atendimento público e cometem vários erros. Quando o problema vem à tona, a desculpa mais comum é sempre a mesma: “Ah, isso acontece porque ele é médium consciente”. Mas isso é um grande erro. Tais problemas acontecem porque os médiuns são mal preparados e mal cuidados. Esta postura acabou marginalizando o médium consciente, como se ele fosse sinônimo de médium ruim ou fajuto. A partir daí os conflitos de opinião são inevitáveis. Muitos médiuns conscientes se afligem e mentem, dizendo ser inconscientes, para não serem taxados de fajutos. Outros, partem para o polo oposto, dizendo que médiuns inconscientes “não existem”, para não se sentirem menores que seus colegas. Neste contexto, há ainda os médiuns verdadeiramente inconscientes que escondem sua condição para não serem discriminados por seus colegas. Este é um bom exemplo dos problemas que podem ser criados pela ignorância e falta de preparo do umbandista. Em resumo, há sim médiuns bons e ruins, sejam eles conscientes ou não. Mas isso é devido à sua mal preparação e falta de cuidado, não à sua condição mediúnica.

Existem médiuns fortes ou fracos?

Sim. Ninguém nesta terra é igual e possui características melhores e piores em todos os aspectos de sua vida, incluindo na mediunidade. Contudo este é um tema delicado e raramente abordado pela espiritualidade. O orgulho e a vaidade dos encarnados os torna particularmente vulneráveis neste ponto, pois quase ninguém está pronto para se ver melhor ou pior que seu irmão. Grandes conflitos, disputas e perseguições são desencadeadas por conta disso. Assim, costuma-se dizer que “todo mundo é igual,” para evitar conflitos, mas pode-se observar estas diferenças no dia a dia.


MÉDIUM DE UMBANDA EM OUTRAS DOUTRINAS

Quais as diferenças e semelhanças entre os médiuns de Umbanda e do Espiritismo de Kardec?

As semelhanças são muitas. Ambos trabalham para o amparo de espíritos encarnados e desencarnados. Mas algumas diferenças são mais flagrantes. Em sua maioria, os médiuns do Espiritismo se propõem a receber espíritos sofredores necessitados de ajuda, recebendo eventualmente guias de luz para sua orientação. Na Umbanda, o cerne do trabalho do médium é servir de veículos para espíritos de luz que prestam amparo a encarnados e desencarnados aqui na terra. Na Umbanda as faculdades mecânicas são também mais amplamente exploradas pelos espíritos incorporados.

Médium de Umbanda é menos evoluído que os da doutrina de Kardec?

Existem médiuns em diversos graus de evolução. Seja na Umbanda, no Espiritismo ou em qualquer outra doutrina. Sua evolução está relacionada à sua dedicação ao próprio progresso, não à religião.

Um médium de uma religião pode trabalhar em outra?

Poder até pode, afinal somos todos livres. Mas não é nada aconselhável. Quando um médium é destinado a uma religião, seja qual for, sua falange de trabalhadores espirituais está direcionada àquela doutrina. Se ele muda de religião, estas falanges são obrigadas a se adaptar a uma nova condição, restringir ou até abandonar seu trabalho junto àquele aparelho.

Um médium de Umbanda pode trabalhar em vários terreiros distintos?

Não é impossível, mas pode ser uma fonte de conflitos, chegando a ser proibido em algumas casas. Cada casa de Umbanda possui uma característica energética muito marcante e distinta, às vezes até antagônicas. Ao frequentar tais casas, o médium se expõe a estas forças e pode entrar em desequilíbrio, prejudicando o seu trabalho e de seus companheiros.


AS FALANGES DE TRABALHADORES DA UMBANDA

O que são os guias na Umbanda?

São espíritos que atingiram um grau acentuado de iluminação e sabedoria a ponto de poderem assumir a condução e orientação de pessoas encarnadas na terra.

O que são protetores na Umbanda?

São espíritos que atingiram um certo grau de iluminação, mas não a ponto de assumirem a condução de pessoas encarnadas na terra. Assim, agem como seus protetores.

O que é chefe de cabeça?

Cada médium tem sempre um espírito que é líder em seus trabalhos. Todas as falanges de trabalhadores ligadas àquele médium estão subordinadas a ele. Este é o chamado “chefe de cabeça”. Comumente é um caboclo ou preto velho, mas pode também pertencer a outras falanges em casos específicos. Por isso se diz que “fulano” tem “tal” caboclo “de frente”, por exemplo.

Como saber meu chefe de cabeça?

Ele mesmo deve se apresentar. É um erro comum tentar prever isso no momento errado ou o médium tentar “forçar” que seja esta ou aquela entidade, por questões de afinidade.

Qual das falanges é mais forte?

Nenhuma delas. Cada uma é forte naquilo em que se especializa. As falanges de Umbanda são fortes por trabalharem unidas. Este tipo de disputa, quando acontece, tem origem na imperfeição dos médiuns encarnados.

Falanges distintas podem disputar um médium?

Este é um tema delicado. De fato acontece, mas não nos moldes como se diz. É comum que os guardiões, ou exus, do médium se coloquem à frente. Isso de deve a duas causas principais: Na primeira, o exu ainda não tem o esclarecimento apropriado e se coloca de fato “na frente” dos outros, por julgar-se “dono” daquele aparelho. Neste caso ele precisa ser esclarecido e orientado. O uso de oferendas é relativamente comum nestas ocasiões. Na segunda causa, é o médium que está tão afinado com a energia do seu guardião, que ele simplesmente não consegue se ligar a outros guias ou protetores. Por magnetismo, ele se liga imediatamente ao guardião, mesmo quando outros falangeiros deveriam incorporar. Exu está apenas ali, de guarda, fazendo seu trabalho. Mas acaba levando a culpa.

Tenho que incorporar todas as falanges de Umbanda?

Isso não é uma regra geral. Todos os médiuns de Umbanda tem ao menos um caboclo, um preto velho, uma criança a e um exu incorporante em sua falange de trabalhadores Se as outras linhas (ciganos, baianos, boiadeiros, marinheiros etc.) vão incorporar também ou quantos serão, isso varia de acordo com a casa e o médium.

Quantos caboclos ou pretos velhos eu devo ter?

São muitos os falangeiros que trabalham com um médium, centenas. Mas somente alguns líderes de falange incorporam. Isso é definido na espiritualidade e não pelo aparelho ou pela casa em que ele trabalha.

Gosto mais de trabalhar com uma entidade do que com as outras. Isso é errado?

Não. Isso é, aliás, muito comum. Errado é impedir que outras entidades trabalhem só porque você gosta de uma delas. Quase todo médium tem mais afinidade com alguma falange específica de trabalhadores.

Quando um caboclo bate forte no peito, ou fala muito alto, é porque ele é muito forte?

Não. É sinal apenas de que ele fala alto, ou que o médium se sente inseguro e forja manifestações extravagantes para reafirmar sua mediunidade diante dos colegas. Tais questões devem ser orientadas pelo chefe de terreiro. É um erro querer imitar a “extravagância” dos outros ou julgá-los extravagantes demais. A raiz destes erros ainda permanece a mesma: a insegurança e o medo de parecer menor diante de seus colegas de terreiro.

Uma entidade incorporada deve utilizar adereços como cocares, chapéus ou capas?

Cada casa possui seus instrumentos e não devemos julgá-la melhor ou pior por isso. Na Casa do Pai Benedito utilizamos bengalas, guias e ponteiros. Não utilizamos contudo capas, cocares ou coisas do gênero. É um erro dizer que um espírito depende de tais instrumentos para trabalhar, ou que nenhum espírito jamais deveria utilizá-los. Tal questão está, na verdade, mais ligada às condições de trabalho encontradas aqui na terra do que às necessidades dos espíritos do céu.

Todo exu ri quando incorpora? E por que eles riem?

Isto é um tipo de sinal, uma identidade de alguns exus. Pode ser usado como um chamado às suas falanges de trabalhadores, como um agente sonoro de energização do ambiente, ou até mesmo como um instrumento de descontração da conversa. Mas não é uma obrigatoriedade. É comum, contudo, médiuns iniciantes forjarem risadas escandalosas ou sinistras em suas manifestações mediúnicas para se afirmarem diante dos colegas. Mais uma vez, um erro devido à insegurança, medo e falta de conhecimento.

Um espírito pode se passar por outro durante a incorporação?

Sim. No caso de espíritos de luz, é raro, mas podem fazer isso para testar seus médiuns em ocasiões apropriadas. Já no caso de espíritos malfeitores, eles podem invadir qualquer sessão mediúnica “fantasiados” com outra roupagem deste que encontrem brechas para isso. Daí a importância de uma casa segura para se trabalhar e de um bom desenvolvimento mediúnico que nos permita identificar claramente a energia dos espíritos que nos assistem. Esta identidade energética, ao contrário da roupagem, nunca pode ser imitada ou falsificada.


O DESENVOLVIMENTO E A MANIFESTAÇÃO MEDIÚNICA NA UMBANDA

Como acontece o desenvolvimento mediúnico?

Não existe fórmula específica e cada terreiro possui seus próprios procedimentos. No geral, os médiuns iniciantes primeiro devem conhecer e se afinar com o terreiro, até começar a participar das sessões de desenvolvimento. A partir daí, os guias daquele médium vão se aproximando gradativamente o que provoca uma série de sensações no corpo e na mente do médium. As primeiras manifestações consumam ser irregulares, com espasmos e outras reações que chegam até a ser violentas. Com o passar do tempo a ligação mediúnica se fortalece, sua manifestação se torna cada vez mais natural e fluída, até o ponto de ele estar preparado para o trabalho na Umbanda. Durante este processo o médium apara inúmeras arestas tanto em sua mediunidade, quanto em sua moral e seu íntimo.

Quanto tempo deve durar um desenvolvimento mediúnico?

O bom desenvolvimento não é medido em tempo, mas sim em qualidade. O processo deve durar o quanto for necessário para que o médium esteja seguro e capaz de desempenhar suas funções.

Um médium que não concluiu seu desenvolvimento pode atender pessoas?

Poder não pode, mas acontece. Este é um ponto polêmico na maioria dos casos. Não é raro médiuns em processos iniciais de desenvolvimento serem escalados para atender consulentes. Assim como também não é raro estes consulentes saírem das consultas confusos e com altos graus de perturbação. Os riscos são grandes para o médium, para o consulente e para todos ao seu redor. Mas quando isso ocorre, todos têm sempre alguma desculpa que justifique sua postura e mascare seus erros. A nossa casa tem uma norma interna: nenhum médium pode trabalhar incorporado no terreiro antes de concluir seu desenvolvimento mediúnico.

É possível que o médium não esteja incorporado com espírito algum, embora se manifeste como se tivesse?

Sim. Isso pode ocorrer por engano do médium (o animismo) ou pela ação de médiuns fraudadores (a mistificação). Tal fato é, infelizmente, mais comum do que se imagina. No caso do animismo, são permitidos em alguns terreiros quando há questões psíquicas ou cármicas muito arraigadas envolvendo o médium. É uma atitude de caridade, pois mesmo à sua maneira, estes médiuns estão recebendo auxílio da espiritualidade superior naquele instante. No caso da mistificação, jamais deveriam ser permitidos. Mas nem sempre os dirigentes do terreiro tem olhos a perceber isso. Nenhum médium jamais deve prestar atendimento ao público em qualquer uma destas situações.

O que é “cangar” o médium?

É como as entidades denominam o processo de desenvolvimento. “Cangar” significa “preparar” o médium para o trabalho.

Qual a diferença na incorporação de orixás?

Orixás não incorporam, pois sua energia é intensa demais para que o corpo astral de um médium possa suporta esta ligação. Contudo estes orixás possuem seus encarregados, espíritos também superiores, porém de luz mais tênue. Ainda assim sua luz é intensa demais para permitir uma incorporação completa. São estes que se manifestam em giras de orixá nos terreiros de Umbanda. Eles apenas se aproximam do médium para tomá-lo como veículo na irradiação de sua energia pelo plano físico terrestre. Por isso, durante estas incorporações, o médium não fala, se move de maneira restrita e, comumente, ritmada, como se estivesse aplicando passes energéticos.

É possível o médium incorporar o “espírito errado”?

Se for despreparado, sim. É comum o médium ansioso se afobar durante o processo de desenvolvimento, no afã de manifestar diversos espíritos. Com isso, abandona sua condição de passividade e passa a conduzir a incorporação, ao invés de permitir que o espírito faça isso. Em um tipo de reação anímica, ele acredita estar incorporado com uma entidade quando, na verdade, que está presente é outra, que pouco pode fazer além de assistir à tudo de forma lastimosa. Durante o desenvolvimento, dedique um tempo para afinar sua percepção sobre as entidades que o cercam. Procure conhecê-las e nunca se coloque à frente delas. Você deve se oferecer como instrumento da espiritualidade e não a espiritualidade se prontificar ao seu serviço.

Como se explica o fato de, por exemplo, Maria Padilha estar incorporada em vários lugares e vários médiuns diferentes ao mesmo tempo? É possível se incorporar em vários médiuns simultaneamente?

É possível sim, como descrito na literatura de Kardec, que espíritos de alta envergadura se manifestem em vários médiuns ao mesmo tempo, mas não é este o caso no terreiros de Umbanda. Maria Padilha, 7 flechas, Pena Branca entre outros são nomes das falanges de trabalho. Todos os espíritos pertencentes àquele grupo se manifestam com o mesmo nome quando estão em terra. Mas tratam-se de espíritos, de individualidades diferentes. Assim, não é a Padilha que está em vários lugares ao mesmo tempo. São vários espíritos da mesma falange, em vários lugares, utilizando o mesmo nome.

Por que as entidades se manifestam de forma semelhante?

Para um médium vidente, é fácil identificar qual espírito está incorporado. Basta “ver”. Mas para a maioria das pessoas, não é simples assim. Por isso, cada falange de trabalhadores possui comportamentos, movimentos e sons que nos auxiliem a identificar sua presença. Caboclos costumam bater no peito, pretos velhos curvam-se frequentemente e exus dão boa noite a todos, mesmo quando é dia. Estas são algumas destas características. Por trás de cada uma delas, há ainda outros conceitos particulares, que variam muito de acordo com a falange espiritual e o terreiro onde ela trabalha.

É possível que um uma entidade “imite” a outra quando incorporada?

A imitação é possível e até muito comum, mas não por parte da entidade. Cada espírito tem sua própria individualidade. O ideal seria que todo médium oferecesse condições ideais para que eles se manifestassem segundo sua própria natureza. Porém, devido principalmente à ansiedade dos médiuns iniciantes ou má preparação dos médiuns experientes, eles mesmos buscam referências em outros espíritos para se sentir mais confiantes e passam a imitá-los. Esta questão, contudo, envolve muitos detalhes e deve ser tratada somente pelos dirigentes e entidades comandantes de cada casa. Médiuns que se julgam capazes de “decidir” qual manifestação é autêntica ou não podem tornar-se alvos fáceis da espiritualidade sombria e desencadear conflitos sérios no terreiro.

Como devo saber o nome das entidades que vão trabalhar comigo?

Elas devem se apresentar. Evite ficar imaginando como isso seria, pois a ansiedade pode prejudicar seu progresso.

Por que é pedido que as entidades risquem ou cantem seus pontos?

Estes são instrumentos de confirmação da presença da entidade junto a seu médium. Estes pontos são chaves da identidade dos espíritos e suas falanges, somente um médium bem incorporado pode traçá-los corretamente.

Com saber se o ponto riscado pela entidade está correto?

Isso é sabido pelas entidades chefes do terreiro e deve ser confirmado por elas. Quando o traçado ou o ponto cantado estão perfeitos, ele é autenticado pelo regente da casa. Quando algo está errado, o médium é carinhosamente orientado pelo guia a se preparar melhor, para permitir uma incorporação mais fidedigna na próxima oportunidade

“Sou eu ou a entidade que está falando?” Como se livrar da eterna dúvida?

Esta é talvez a dúvida mais comuns aos médiuns iniciantes. E se sua resposta fosse simples, não seria mais dúvida alguma. Na verdade, a interferência de médiuns no contexto da incorporação é muito comum no princípio do desenvolvimento e deve ser encarado como algo normal. Somente com o exercício, o médium diminui sua ansiedade e cede espaço para que a entidade se manifeste com liberdade e clareza. Durante este período o médium precisa de entrega absoluta. Ignorar o julgamento alheio e recorrer sempre aos dirigentes do terreiro para ajustar o que for preciso.

Não há regras absolutas. Contudo, há alguns indicadores típicos de interferência dos médiuns seja na comunicação, seja na movimentação do corpo. O médium está comumente travado, restringindo a ação da entidade, quando:

- A entidade incorporada não fala nada, mal se move nem sai do lugar;

- O médium tropeça, se desequilibra ou cai com frequência no processo de aproximação;

- O médium inicia o processo de incorporação mas ele se rompe “no meio do caminho”.

Por outro lado, são indicadores de animismo, de exacerbação da ação do espírito, quando:

- A entidade grita muito, fala muito alto ou se movimenta exageradamente;

- Quando há um excesso de tiques nervosos, sotaques ou ações incompreensíveis;

- Quando o que ele diz não corresponde com a realidade ocorrida;

- Quando o espírito manifesta opiniões que na verdade são do médium e não dele.

Este último caso é sempre uma questão delicada de se analisar. Contudo há uma dica que pode ajudar: A palavra de um espírito de luz possui um tipo de sabedoria claramente identificada em seu discurso, mas que dificilmente pode ser vista no discurso do encarnado. Eles não tomam partido em conflitos terrenos. Guardam uma imparcialidade ímpar nestes conflitos, mesmo quando seus aparelhos estão envolvidos, pois reconhecem todos como filhos de Deus carentes de esclarecimento e auxílio nesta terra. Esteja atento a este tipo de sabedoria. Onde você encontrá-la, estará falando com um guia autêntico.

Devo conversar com entidades incorporadas nos outros médiuns em desenvolvimento mediúnico?

Isso varia de acordo com as regras de cada casa. Em linhas gerais, é bom porque serve de exercício para o médium em desenvolvimento. À medida que a conversa flui, a entidade fortalece sua ligação e reduz as interferências do aparelho na comunicação. Mas isso requer alguns cuidados. Deve-se ter em mente de que tratam-se de médiuns “em desenvolvimento”, por isso passíveis de falhas e interferências na comunicação (o que é perfeitamente normal nesta fase). As mensagens devem ser analisadas antes de serem tomadas como verdade. Nestas ocasiões há um risco especial quando as pessoas envolvidas são parentes ou conhecidos muito próximos, pois o risco de interferência do médium é ainda maior devido à questões armazenadas em sua mente.

Por que saímos tão esgotados de algumas sessões de desenvolvimento mediúnico?

Há várias causas. Os médiuns realmente despendem muita energia na tentativa de estabelecer uma boa conexão mediúnica no início do desenvolvimento. Carências na preparação do médium ou da corrente também podem trazer este efeito, como a falta de um banho de ervas adequado ou a perda de energia para entidades mal intencionadas. Contudo, existe outra causa comum, sem ser necessariamente um problema. Em um dado momento do desenvolvimento, a entidade chefe de cabeça do médium assume a frente dos trabalhos e passa a recolher sua energia para que ela seja distribuída entre todos os espíritos que fazem parte de sua corrente de trabalho. Com esta energias eles formam um tipo de chave de proteção. Somente aqueles espíritos que possuem esta chave tem acesso ao campo astral daquele médium, tornando-o resistente à ação de espíritos desordeiros ou sofredores. Todos passam por isso embora, na maioria dos casos, nem percebam.

Para que servem os banhos durante o desenvolvimento?

São instrumentos de harmonização e sintonização do corpo astral do médium com seus guias espirituais. Ao tomar estes banhos, o médium desenvolve previamente um tipo de energia receptiva ao espírito que se aproximará dele. A sintonia e incorporação nestes casos ocorre muito mais facilmente.

Posso pedir que as entidades que trabalham comigo não usem fumo ou bebida? Para que eles servem?

Esta é uma questão bastante mal compreendida. Inicialmente, as entidades de Umbanda não fumam. Elas usam o fumo com um tipo de defumador, de agente de limpeza das energias deletérias que carregamos. Quando eles fazem uso desta ferramenta no desenvolvimento, é justamente para depurar seu aparelho mediúnico e, assim, permitir incorporações mais fáceis e firmes. Se o médium impede o seu uso, impede também este procedimento e dificulta seu progresso. A questão da bebida alcoólica é similar. É usada também para limpeza, porém de natureza mais profunda, comumente nos trabalhos e incorporações de exus. Contudo, a ingestão da bebida em médiuns não devidamente preparados ocasiona efeitos nocivos, onde médiuns chegam ao final da sessão completamente bêbados sob a alegação de que a “entidade bebeu muito”. Isso gera uma abertura muito perigosa para a ação dos espíritos da sombra no terreiro. Por isso, a ingestão de bebidas é proibida em muitas casas. Quando cachaça é necessária, seu uso é sempre externo, nunca ingerido pela entidade incorporada.

Para que servem os trabalhos e oferendas? Eles são necessários?

A necessidade ou não é questionada dependendo da vertente religiosa do iniciado. Controvérsias à parte, eles são muito úteis. São instrumentos de movimentação da energia necessária para a sintonização energética entre um médium e suas entidades de trabalho. Caso esta energia não seja acionada por meio de oferendas, terá que ser feita de alguma outra forma.

Tenda Espírita Pai Benedito de Aruanda




Leia mais

05/05/2019

Homenagem aos Pretos Velhos 2019

Homenagem aos Pretos Velhos 2019
Homenagem aos Pretos Velhos 2019

Homenagem aos Pretos Velhos 2019

Homenagem aos Pretos Velhos 2019

Mais um dia de alegria em nossa Casa! Dia de agradecer aos nossos pretinhos todos os ensinamentos e proteção, amor e paciência que nos dedicam. Que eles sejam sempre luz que conduz ao Pai Maior e o bálsamo que consola, aliviando as dores e renovando as esperanças.


Salve o dia 13 de maio!
Saravá Preeeeeto!
Eu Adorei as Almas!

Agradecemos a presença e carinho de todos!

(Família Tulca em Gira festiva em 04/05/19)






Leia mais

03/05/2019

Desabafo de um Zelador

As pessoas olham para seus zeladores como um ícone inabalável. Estão ali 24 horas a disposição de todos.
Eu acho isso muito bonito. O zelador é mesmo uma referência não só para seus filhos, como também para outras pessoas, fora do seu axé.
Muitas vezes não frequentamos uma casa, mas o zelador pode nos servir de referência, pela sua forma ímpar de agir e se colocar.

Mas, a maior questão nisso é que essas mesmas pessoas que referenciam seu zelador e, repito, acho corretíssimo, esquecem que atrás da fortaleza há um ser humano.
Esse ser humano chora sozinho, muitas vezes ri, mas dentro dele está triste.
Essa pessoa, durante o ano inteiro, por diversas vezes, não tem tempo para sua própria família.
Se divertir ????
Só em raros momentos.
Seu barracão, em muitos casos, parece uma "Open House", aberta 24 horas.
E logo depois de pedirem a benção, quando pedem, procuram saber a senha do Wi-Fi do barracão.
Mas é raro alguém ligar e dizer:
- Meu pai/mãe, só estou ligando para saber como o senhor (a) está ?
Ou então:
- Mãe/pai, estou indo passar o dia ao seu lado. Hoje eu vou fazer seu Almoço.
Ou ainda:
- Estou passando aí, pegar o senhor (a) para dar um passeio ( mesmo que não seja tão longe )
Mas não !!
Jogam sobre a "fortaleza" todos os seus problemas, que não são poucos. Falam do pseudo amigo do trabalho, dos filhos, do marido, da esposa, do papagaio que está gripado (até veterinário o pai de santo precisa ser).
E vão derramando os seus problemas, sem ao menos procurar saber da condição do pai de santo naquele dia.

E a fortaleza, ali, de pé !!
Inabalável.
Sempre solícito
Disponível
De boa vontade

Os bons momentos da fortaleza quase sempre são esquecidos, mas os momentos de raiva ninguém esquece.

Sentar em uma cadeira de zeldor(a) é missão para poucos (apesar da quantidade excessiva, mas isso é outro assunto)
Essa mesma cadeira já deu a ele motivos de alegria e, muitas vezes, motivo de tristeza, rancor.
Não pelo orixá, mas sempre pelas pessoas.

Antes de olhar seu pai de santo como uma fortaleza, lembre-se que ali tem um ser humano e, por trás dele, sentimentos, carinho, atenção, rancor, raiva, decepção.
Tudo o que você sente, mas acha que ele não deve sentir.

Ogan Asogun Alcides Amaro Dias







Leia mais

02/05/2019

Resistência Mediúnica

Você resiste à sua mediunidade?

Você é instável emocionalmente - muda de humor com freqüência - sem um motivo que justifique?

Sente dores constantes pelo corpo, que mudam de lugar?

Doenças, cuja causa o médico não encontra?

Sente medos, insatisfação, vontade de chorar, tristeza, vazio sem causa aparente?

Sua vida não flui, está truncada - tem bloqueios afetivo, financeiro - profissional e de relacionamento?

Todos esses problemas podem ser indícios de mediunidade.

Em verdade, a mediunidade faz parte da natureza humana - somos todos médiuns, uns mais desenvolvidos, outros menos.

Por ser uma condição natural do ser humano, a mediunidade deveria ser estudada com seriedade pela ciência oficial (Psicologia e Psiquiatria) por provocar - quando o médium não é bem assistido, orientado - distúrbios psíquicos, psicossomáticos, orgânicos (cuja causa a medicina não encontra) e de relacionamento interpessoal (conflitos conjugais, familiares, sociais e no trabalho).

Somos canais do mundo espiritual - captamos energias positivas ou negativas dos espíritos de luz ou das trevas, de acordo com os nossos padrões de pensamento, sentimentos e atitudes.

Neste aspecto, os espíritos desencarnados influenciam as nossas vidas muito mais do que podemos imaginar.

Bons ou maus pensamentos, sentimentos e atitudes que cultivamos no nosso dia-a-dia podem vir sob influencia de espíritos desencarnados amigos ou inimigos (obsessores do passado).

Tenho escrito nos meus artigos que 95% de meus pacientes apresentam uma interferência espiritual obsessora como causa de seus problemas emocionais, amorosos, familiares, sociais, de saúde, profissionais e financeiros. Explica, desta forma, o por que suas vidas estarem complicadas, truncadas.

Apesar de a mediunidade fazer parte da natureza do homem e, portanto, não há nada de sobrenatural, esse assunto ainda é tratado por muitos com preconceito, temor ou reserva.

“Num centro espírita já me falaram que por ser médium preciso desenvolver a minha mediunidade, mas não quero”.

É comum ouvir esse comentário. No entanto, não querer desenvolver a mediunidade me faz lembrar um comentário de meu filho - na ocasião tinha oito anos - que me disse que não queira crescer, ficar adulto por não querer assumir responsabilidade.

Ora, crescer é um processo natural do homem, o mesmo ocorrendo com a mediunidade.

Mas, se o médium resiste em trabalhar sua mediunidade, a vida tem seus próprios meios de fazê-lo expandir a sua consciência, muitas vezes de forma mais drástica.

Quanto maior for sua resistência em não aceitar se comunicar com os espíritos, maiores e mais difíceis serão suas provas.

Observe que esses médiuns estão sempre com problemas, seja na área da saúde, familiar, afetiva, profissional - financeira, etc.

Sua vida vai mal e tudo parece estar contra sua felicidade.

No entanto, quando começa a desenvolver (educar) sua mediunidade, praticando-a para ajudar os seus semelhantes, passa a levar uma vida normal e equilibrada...

Mas, por que acontece isso?

Porque há médiuns que precisam dedicar-se em favor do próximo, incorporando entidades espirituais. Escolheram isso antes de reencarnar (embora o véu do esquecimento de seu passado não os deixe se lembrar) e se comprometeram com determinados grupos de entidades espirituais por se sentirem culpados de erros cometidos em uma vida passada e, com isso, minimizar o remorso da consciência.

Porém, se esse médium resiste à sua missão espiritual, sua vida irá se complicar.

Entretanto, é importante esclarecer nesse artigo, que nem todos os médiuns se comprometeram antes de reencarnar à tarefa de incorporar entidades espirituais e ajudar os necessitados, pois há outras formas de auxílio sem precisar incorporar.

Veja o caso de um paciente que passou pela TRE (Terapia Regressiva Evolutiva - Abordagem psicológica e espiritual breve canalizada por mim através dos espíritos superiores do Astral) e descobriu que seus relacionamentos amorosos não davam certo (terminava o namoro sempre muito machucado e magoado) por não estar exercendo sua mediunidade de incorporação.

Caso Clínico:

Homem de 30 anos, solteiro.

Veio ao meu consultório querendo entender o porquê de seus relacionamentos amorosos não darem certo. Saía desses relacionamentos sempre machucado, magoado, pois se entregava e, no final, era rejeitado, humilhado. Sentia-se usado pelas mulheres.

Não conseguia se envolver com mais ninguém, e o insucesso amoroso o afetara negativamente a ponto de deixá-lo inseguro e com baixa auto-estima. Era espírita - freqüentava um centro Kardecista como assistente, mas nunca tinha incorporado uma entidade espiritual.

Na regressão o paciente me relatou:

“Sinto uma presença espiritual aqui do meu lado (paciente estava deitado no divã).

Não o vejo, mas tenho a impressão de ser uma entidade espiritual masculina“ (pausa).

- Pede para essa entidade se identificar - peço ao paciente.

(Após a minha pergunta, subitamente notei que o rosto do paciente se alterou, se contraindo - estava incorporando essa entidade espiritual).

“Não interessa o meu nome - respondeu o espírito. Mas não se preocupe, não vim fazer mal aqui (referindo-se ao meu consultório).

Na verdade, todo mundo quer vir aqui. Esse cara (paciente), não sabe, mas têm muitas amizades desse lado (das trevas).

Ele não quer ser médium, não quer dar passagem (incorporar) para a gente, não quer se envolver.

Agora está dando passagem, incorporando. Não tem jeito, ele quis ficar no muro, mas não adiantou.

Eu sou um de seus amigos do passado. A gente era tudo amigo. Ele era o dono de um prostíbulo na existência passada. Mas amigo é para sempre, inclusive depois que morre.

Ele não discrimina ninguém, amigo para ele é para vida toda. Mas precisava ajudar a gente que está desse lado.

Nosso amigo não quer assumir a responsabilidade de ser médium.

É por isso que a parte afetiva dele não vai para frente. Na verdade, esse cara já foi ruim no passado, ele aprontou muito. Ele explorou muito as prostitutas. A gente freqüentava o prostíbulo dele. As mulheres que ele explorou, maltratou, são as namoradas dele na vida atual. É por isso que hoje elas maltrataram, humilharam ele.

Mas ele é ponta firme, pode contar com ele. As amizades continuam.

Ele não sabe, mas nós somos seus verdadeiros amigos. Ele tem mais amigos aqui, desse lado, do que na vida terrena.

A gente não presta - somos do mesmo covil -, mas ele pode contar com todos nós.

Por SYLVIA LAKELAND






Leia mais

01/05/2019

A Umbanda é para Poucos

Quem não está para doar também não está para receber...

Todos querem...

Todos querem incorporar o Erê mais fofo, o Caboclo mais forte, o Pai-Velho mais sábio, o Exú ou Pomba Gira mais temível.

Poucos incorporam as doutrinas, os ensinamentos, os alertas, os conselhos, as recomendações...

Todos querem fazer trabalhos nas matas, nas praias, nas montanhas, nos rios, nas estradas, no cemitério....

Poucos querem varrer o chão, tirar o lixo, lavar a louça, arrumar as cadeiras, justamente no Terreiro onde os Orixás, Guias e Protetores trazem sua luz...

Todos querem trabalhar com oferendas de velas, ervas, alguidares, elementos mágicos....

Poucos querem raspar a tábua, esvaziar os cinzeiros, lavar os alguidares, raspar o respingo de vela..

Todos querem aprender mirongas, banhos, encantamentos, fórmulas, pontos riscados...

Poucos querem respeitar a hierarquia, acatar as normas, saudar e respeitar o chão santo...

Todos querem ver, ouvir, sentir, receber intuição...

Poucos querem ouvir as razões, ver as fraquezas, sentir a sensibilidade, intuir as carências de seu irmão...

Todos querem firmar o congá, cruzar imagem, vestir o branco, cantar pontos, bater palma, riscar a tábua...

Poucos querem ter humildade, serenidade e sinceridade...

Todos querem a roupa mais vistosa, a Guia mais elaborada, o chapéu, o brinco, a capa, a saia, o instrumento mais exótico...

Poucos querem se vestir com a armadura da fé, se vestir com as armas da coragem... e pior ainda, não querem se despir do orgulho, da vaidade e da arrogância...

Todos querem, poucos fazem.

Todos querem, poucos recebem.

Todos reclamam, poucos aprendem.

Poucos olham pra dentro de si mesmos ou para o lado...

A UMBANDA quer ser para todos,

mas a UMBANDA, infelizmente, é para poucos...

Autor desconhecido





Leia mais

O Templo é Local Sagrado

Amados filhos, Vosso Templo não existe “ao acaso”. Ele foi planejado e construído no plano astral bem antes de existir no plano físico. Portanto, a construção material não é apenas um amontoado de tijolos, telhas, cimento…Isso tudo aqui, está impregnado de matéria astral, de cor, de som e principalmente de energia resplandecente, da qual vossos olhos físicos não conseguem comensurar a dimensão e beleza.

Cada objeto aqui dentro é sagrado, pois seu uso é exclusivo para os rituais que também são sagrados.

Mesmo os restos que destinais ao lixo, serviram para o “sagrado” e deles, antes que se descarregue na natureza, são retirados pelos responsáveis no mundo espiritual, toda matéria sutil que pode ser reaproveitada. Portanto meus filhos, mesmo ele merece, antes de rejeitado e despachado, ser reverenciado e agradecido por ter vos servido.

Que se dirá então do chão que vos suporta a matéria? Do teto que vos cobre, das paredes que vos defendem das intempéries? E muito mais, acaso tendes ideia meus filhos amados, da importância do “Congá”? Tendes acaso, noção do “sagrado” que ele representa dentro do Templo?

Cada partícula que compõe a matéria de cada objeto dele, está impregnada de energia consagrada pelas hostes que vos amparam, para que possam transmitir e ou transferir a todos que direcionam a ele apenas um olhar, algo muito além de um alento.

Por isso tudo meus filhos, vos solicito “respeito” por cada objeto do local. Lavai vossas mãos, serenai e limpai vossas mentes antes de tocar nos objetos sagrados, pois algo de maior além do que vossos olhos podem ver, ali está. Não deturpai essa energia em nome de vossa pressa maquinal ou porque vossa turva visão ainda não consegue conceber o duplo etéreo de tudo isso.

Muito menos porque não possui a beleza ou sofisticação a que estais acostumados a exibir nos objetos que tendes em vossos lares.

Sendo o Templo que vos acolhe um local sagrado, sagrada deve ser vossa postura dentro dele.

Adentrai a ele com a mente serena, com corpo limpo e com o coração em traje nupcial.

Lembrando que além do plano material, acima e além dele, em estado mais sutil, mais diáfano está a construção astral onde tudo acontece e a energia se transforma. Ali seres, cujo corpo é de energia, transitam e trabalham absorvendo o que vem do “alto” mas em grande grau de dependência da energia gerado em vosso ambiente físico. Cada palavra, cada pensamento, cada atitude tem uma repercussão em maior ou menor grau no plano astral, que vos responsabiliza da mesma forma, pelo que possa resultar.

A alegria de servir à caridade não condiz com a irresponsabilidade de transformar o que é sagrado em ambiente desorganizado. Que se mantenha o que é preparado muitas horas antes de vossa presença, pelo tempo que se fizer necessário mesmo depois que vos retirais do ambiente.

Que vossas mentes irriquietas e vossos corpos ansiosos possam se fazer dignos, não só de adentrar neste ambiente sagrado, mas sobretudo, de mantê-lo adequado e digno do trabalho tão grandioso que aqui se faz.

Paz em vossos corações. Serenidade em vossas mentes.

Tucuruí, um caboclo de Oxóce, para vos servir, 11/09/2007
por Leni Winck Saviscki







Leia mais
Topo