Julho 2019 - Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca

30/07/2019

Nossos Umbigos

O terreiro de Umbanda, como um hospital de almas ou pronto socorro emergencial, recebe nos dias de sessão ou "gira" uma quantidade razoável de encarnados, mas somente os espíritos desencarnados que lá trabalham, é que podem vislumbrar a imensidão de desencarnados que se movimentam no ambiente, em busca de ajuda. Ordenados e amparados por seus tutores, chegam estropiados e com aparência assustadora, uma vez que em sua maioria representam aqueles que cansaram ou esgotaram suas forças, na vida andarilha do pós-morte do corpo físico.

Voltam a pátria espiritual e dela não tem conhecimento e sem noção da continuidade da vida, quando não, desconhecem até mesmo sua condição de espírito desencarnado e por isso continuam a sentir os desejos, ambições, gostos e dores da vida física e nesse caminho, definham suas energias.

Quando conseguem alcançar algum vislumbre de consciência de sua realidade, permitem a ajuda dos benfeitores que os encaminham a algum local sagrado, onde medianeiros encarnados possam ajudá-los através do choque anímico, permitindo o total desligamento da matéria. Neste momento os chamados Centros Espíritas e de Umbanda, tornam-se "oásis" em seus desertos e como pontes entre os céu e a terra, permitem a passagem de volta à casa.

Naquela noite chuvosa e fria, a maioria dos médiuns daquele terreiro, ressentidos pela dificuldade de deixarem o conforto dos lares, faltaram ao trabalho espiritual e o dirigente preocupado com o atendimento dos doentes que se apinhavam no espaço que dia-a-dia se tornava pequeno, ajoelhou-se em frente ao congá, assumindo sua tristeza diante dos Guias espirituais. Deixou correr duas lágrimas para aliviar seu peito angustiado. Pensou em como fora seu dia e nas atribulações a que já deveria estar acostumado, mas que agora pesavam mais pela saúde que já lhe faltava. Nas dificuldades financeiras, no aluguel da casa que já vencera e nos tantos atrapalhos que ocorreram em seu ambiente de trabalho naquele dia. Sem contar na visita que viera de longe e que deixara em casa esperando pela sua volta do terreiro. Nada disso o impediu de fazer uma prece no final do dia, de tomar seu banho de ervas e seguir a pé até o terreiro, enfrentando a distância e o temporal que se fazia.

Sentia-se feliz em cumprir sua tarefa mediúnica, mas como havia assumido abrir um "hospital de almas", juntamente com outros irmãos que se responsabilizaram perante a espiritualidade em servir à caridade pelo menos nos dias de atendimento ao público, sabia que sozinho pouco podia fazer.

Pedindo perdão aos guias pela sua tristeza e talvez incompreensão em ver os descaso dos médiuns, que a menor dificuldade, escolhiam cuidar dos próprios umbigos à servir aos necessitados, solicitou que se redobrasse no plano espiritual a ajuda e que ninguém saísse dali sem receber amparo.

Olhando a imagem de Oxalá que mesmo ofuscada pelas lágrimas, irradiava sua luz azulada, sentiu que algo maior do que a lamparina aos pés da figura, agora brilhava. Era uma energia em forma de fios dourados que se distribuíam, a partir do coração do Cristo e que cobriam os poucos médiuns que oravam silenciosos, compartilhando daquele momento, entendendo a tristeza do dirigente.

Agindo como um bálsamo sobre todos, iniciaram a abertura dos trabalhos com a alegria costumeira. Quando o dirigente espiritual se fez presente através de seu aparelho, transmitiu segurança a corrente, com palavras amorosas e firmes e nesse instante, falangeiros de todas as correntes da Umbanda ali "baixaram" e utilizando de todos os recursos existentes no mundo espiritual, usaram ao máximo a capacidade de cada médium disponível, ampliando-lhes a percepção e irradiação energética, o que valeu de um trabalho eficiente e rápido.

Harmoniosamente, os trabalhos encerraram-se no horário costumeiro e todos os necessitados foram atendidos.

Desdobrados em corpo astral, dois observadores descontentes com o final feliz, esbravejavam do lado de fora daquele terreiro. Sua programação e intenso trabalho para desviar os médiuns da casa naquela noite, no intuito de enfraquecer a corrente e consequentemente, infiltrarem suas "entidades" no meio dela, havia falhado. Teriam que redobrar esforços na próxima investida.

Quando as luzes se apagaram e a porta do terreiro fechou, esvaziando-se a casa material, no plano espiritual, organizava-se o ambiente energético para logo mais receber os mesmos médiuns, agora desdobrados pelo sono.

Passava da meia noite no horário terreno e os médiuns, agora em corpo de energia voltavam ao mesmo local do qual a pouco haviam saído. Os aguardavam, silenciosos ouvindo um mantra sagrado, seus benfeitores espirituais. Tudo estava muito limpo e perfumado por ervas e flores. Um a um, ao adentrar, era conduzido a uma treliça de folhas verdes e convidado a deitar-se, recebendo ali um banho de energias revigorantes. Quando todos já se encontravam prontos, seguiram em caravana para os hospitais do astral e lá, como verdadeiros enfermeiros, auxiliaram por horas a fio a tantos espíritos que horas antes haviam estado com eles no terreiro e recebido os primeiros socorros.

No final da noite, o canto de Oxum os chamava para lavarem a "alma" em sua cachoeira e assim o fizeram, para somente depois retornar aos seus corpos físicos que se permitia descansar no leito.

-Vó Benta, mas e aqueles médiuns que faltaram ao terreiro naquela noite, perderam de viver tudo isso?

-Nem todos zi fio! Nem todos! Dois ou três deles, faltaram por necessidades extremas e não por desleixo e assim sendo, se propuseram antes de dormir, auxiliar o mundo espiritual e por isso foram convidados a fazer parte da caravana.

- E aqueles que mesmo não tendo comparecido por preguiça, se ofereceram para auxiliar durante o sono, não foram aceitos?

-A preguiça, bem como qualquer outro vício, é um atributo do ego e não do espírito, mas que reflete neste. Perdem-se grandes e valiosas oportunidades a todo instante pela insensatez de ouvirmos o ego e suas exigências. O tempo, zi fio, é oportunidade sagrada e dele se faz o que bem quer cada um. O minuto passado, não retorna mais, pois o tempo renova-se constantemente. O amanhã nos dirá o que fizemos no ontem e esse tempo que virá é nosso desconhecido, por isso não sabemos se nele ainda estaremos por aqui servindo ou se em algum lugar, clamando por ajuda de outros que poderão alegar não ter tempo para nós, pois precisam cuidar de seus umbigos.

Assim é a vida, zi fio. Contínua troca!

Vovó Benta - Leni W. Saviscki



Leia mais

O Representante dos Guias

Se você acredita que o médium é apenas uma responsabilidade no dia da gira... você não entendeu nada do que é ser médium de Umbanda.

É muito simples no dia da gira, vestir o branco, colocar suas guias, ficar em silencio e incorporar... na verdade acho isso até robótico.

Vejo muitos filhos de Umbanda se vangloriando em ter um Orixá, dizendo sou Filho de Ogum, sou Filha de Yansa, sou Filho de Xango... tenho Pai João, Caboclo Arranca Toco, Peito de Aço... meu Exu é esse e muitos mais. Não que eu seja contra esta estima pelos guias, sou completamente a favor do Amor por Eles, acredito que tem que ter orgulho de dizer, “esse é o Meu Guia”. Mas para dizer isso, precisa existir responsabilidade, maturidade e muita dedicação. O médium é o representante encarnado dos guias, ele é quem vai mostrar e provar que reconhece e aprende os valores que Seus Guias lhe trazem e ser a manifestação Deles em terra. Isso não se mostra incorporado, se mostra no dia a dia, em casa, na família, no trabalho.

Pergunto então:

Você representa os seus guias!?

Quando lá do alto o Caboclo te olha ele diz: Esse é o meu filho!

Os seus guias tem orgulho de você?

Já dizia, "Umbanda é Coisa séria para gente séria". (Caboclo Mirim).

As atitudes morais de um médium são extremamente importantes. O que diria um Preto Velho de um médium fofoqueiro, o que diria um Exu de um médium mentiroso?

Nós, médiuns, filhos de Orixás, devemos ter a responsabilidade de carregar seres tão grandiosos em nossas coroas. Não dá mais para cair nesta conversinha que o guia é o guia e o médium é o médium. Estamos em uma busca juntos, médium e guia, existe um porquê, existe um motivo, e precisamos ser cada dia mais o que Eles esperam de nós.

Repito, Umbanda é para poucos, pois poucos entenderão que viver a Umbanda está além dos olhares.

Queiram se vestir dos guias, incorporar a verdade da vida, ser honesto e justo, para que possam se ajoelhar para Xangô e agradecer ao Pai Ogum!

Umbanda de Raiz



Leia mais

26/07/2019

Médium Indisciplinado

Quando um consulente, durante uma Gira, é atendido por um Guia, aquele é um momento mágico; muitas vezes, esclarecedor, divisor de águas e decisório na vida da pessoa. E é assim que tem que ser: ISSO É UMBANDA - ajuda, amparo e orientação!

No atendimento, a pessoa enxerga aquela incorporação como a materialização da Umbanda. Para ela, o Guia é o representante da religião e o que ele fala ou faz é reflexo do que é a Umbanda.

Essa visão pode se tornar deturpada na medida em que o consulente desconhece a possibilidade do médium desequilibrado intervir na incorporação e vai embora da Gira com uma impressão errada da nossa religião.

Dentre os vários mitos em torno da incorporação dos Guias, há um que se destaca pelo potencial de influenciar negativamente o consulente em relação ao seu conceito do que é a Umbanda: Guias bravos, estúpidos, secos, mal educados, tratando mal todo mundo!

Meu entendimento é que todo Guia, para conquistar o grau de Guia, passou por muito estudo, muito trabalho, muita vivência, onde adquiriu muita sabedoria. Na minha visão, os Guias são espíritos de irmãos mais velhos e realmente muito mais evoluídos do que nós.

Como é que alguém que adquiriu maturidade e equilíbrio pode ser estúpido e mal educado? Como assim?

Há aqueles Guias “incorporados” que só sabem dar bronca, criticar, julgar e condenar. Daí, o consulente sai da Gira muito pior do que chegou; mais triste, mais culpado, mais nervoso e, muitas vezes, com raiva da Casa, do Guia e da Umbanda. E sai falando mal por aí e nunca mais volta. E dou toda razão, pois eu faria o mesmo se estivesse buscando ajuda e recebesse pedradas!

Até os cambones evitam trabalhar com esses Guias, pois muitas vezes são mal tratados com palavras ríspidas, autoritárias e humilhantes.

Que fique muito claro uma coisa: ISSO NÃO É UMBANDA - isso é médium em animismo, colocando para fora toda sua revolta, raiva e stress que estava acumulado, contido e abafado dentro dele e explodiu na incorporação.

Uma coisa é ter um Guia específico que é mais direto, mais sério, mais disciplinador. Outra coisa é ter a maioria (ou todos) os seus Guias apresentando-se com raiva e revolta dos nossos erros e limitações encarnadas.

Caridade também é compreensão, compaixão, tolerância, paciência, incentivo e esperança - e o Guia sabe disso melhor que ninguém!

O Guia, que é calmo, equilibrado, tem discernimento e nutre por nós um amor incondicional, olha para seu médium com o carinho e a tristeza do pai que vê seu filho doente da alma.

Mas ele continua vindo e incorporando assim mesmo, pois é refletindo o íntimo de seu filho que talvez ele o desperte para os desequilíbrios de sua vida que estão se materializando durante a incorporação. E, consciente de si mesmo, esse médium busque ajuda para mudar e melhorar.

Você, médium que incorpora e dá consultas em seu terreiro, faça uma auto-análise, faça uma reflexão de seus Guias e o comportamento deles e meça onde termina o seu ego desequilibrado e onde começa a sabedoria e o amor do Guia durante as incorporações.

Texto publicado no Jornal de Umbanda Sagrada em Agosto de 2014




Leia mais

Os Trabalhos em um Terreiro de Umbanda

O QUE ACONTECE NO PLANO INVISÍVEL DURANTE OS TRABALHOS NUM TERREIRO DE UMBANDA?

Geralmente, a pessoa que procura um terreiro de Umbanda para receber um passe energético ou orientação do plano espiritual chega em desequilíbrio emocional, mental, quando não com distúrbios no corpo físico, e, por sintonia, traz consigo espíritos desencarnados que estão vibrando no mesmo diapasão. O auxílio espiritual inicia-se no momento em que o consulente entra no terreiro.

Já no portão de entrada encontramos, a postos, os Exus que farão a triagem dos espíritos desencarnados, acompanhantes do consulente. Essa triagem separará os desencarnados conforme o seu momento consciencial, de merecimento e grau de maldade, liberando para alguns a entrada ao templo, enquanto, para outros, a permissão será vetada, ficando esses últimos retidos na tronqueira – assentamentos dos Exus.

A reclusão será por um determinado tempo e, após esse período, serão encaminhados a outros locais, conforme determinação do Alto.

Para que o terreiro tenha o amparo dos espíritos benfeitores, é de máxima importância que haja disciplina, organização e respeito, bases essas onde serão firmados todos os trabalhos. Para tanto, é essencial um horário predeterminado para iniciar e terminar os trabalhos, bem como um ritual que organizará as tarefas, sejam elas mediúnicas ou relativas à assistência; respeito entre os médiuns trabalhadores e à hierarquia; ausência ou controle de fofocas, melindres ou qualquer outro tipo de desarmonia nos relacionamentos.

Consequentemente, a sessão de caridade no plano físico terá horário de término, ao passo que, na sua contraparte invisível, os trabalhos de socorro continuarão adentrando a noite. Geralmente, nessa segunda parte dos atendimentos, a espiritualidade solicita a presença de alguns médiuns que, em desdobramento natural do sono físico, ajudarão nas tarefas de socorro, fornecendo o ectoplasma necessário.

Do livro Ensinamentos Básicos de Umbanda - Lizete Chaves e Daisy Mutti



Leia mais

22/07/2019

Preceito Umbandista

“... Umbanda tem fundamento. É preciso estudar.”

Assim como nas demais religiões, a Umbanda é composta de rituais e procedimentos necessários para a execução de um bom trabalho de atendimento e para melhor preparo de seus trabalhadores independente da função que realize dentro do terreiro.

Vamos falar do preceito, é um ritual de preparo do médium feito às vésperas do atendimento em si e no dia da gira, seja ele médium de incorporação, cambone, curimbeiro, etc.

Primeiramente, qual o significado da palavra preceito?

Preceito é uma palavra que vem do latim praeceptus que significa ordem, regra, norma, condição. Pode dizer respeito a uma doutrina, mandamento ou ensinamento. Pode ser as bases de uma religião.

No catolicismo, os fiéis fazem preceito no período da semana santa, os evangélicos também realizam um preceito no período da sua santa ceia e assim por diante.

Na Umbanda, o preceito é realizado na véspera e no dia da gira.

O preceito consiste em realizar uma limpeza e resguardo de energias puras no corpo do médium. E durante esse dia, o médium faz refeições leves; não come carnes; não mantém relações sexuais; não ingere álcool e evita ao máximo situações de estresse e nervosismo.

Mas, por quê?

- A carne que consumimos vem de animais mortos em abatedouros e a carne traz consigo todo o sofrimento daquele animal e isso interfere negativamente na energia do médium

- Refeições pesadas tendem a demorar a ser digeridas e durante esse processo causa a famosa moleza no corpo e isso interfere na disposição do médium.

- Álcool como todos sabem, altera o estado psicológico do indivíduo e, portanto, altera a disposição e atenção do médium.

- No sexo há troca de energias com a outra pessoa e há também um gasto excessivo da energia do próprio médium.

- Estresse/nervoso altera o psicológico e o estado emocional do médium e, dessa forma, recomenda-se que o médium esteja em paz consigo mesmo, equilibrado e em paz com seus irmãos e demais pessoas que o cercam.

Evitando todas essas situações o médium purifica seu corpo de dentro pra fora e acumula a energia que os guias necessitam para execução do trabalho.

Enfim, o preceito é um ritual umbandista, tem fundamento e o médium deve respeitá-lo e realizá-lo com amor. Todavia, a partir do momento em que dedicar-se à sua religião for um sacrifico realizado por obrigação, é aconselhável submeter-se a uma autoanálise a fim de saber se este é o caminho que te faz feliz.

Mas, meus irmãos, apenas uma observação e deixemos a hipocrisia de lado e usemos bastante o bom-senso:

O preceito é um ato de purificação e resguardo de força e não adianta nada o médium se entupir de carne e cachaça a semana inteira, viver uma vida sexualmente compulsiva e ainda ser aquela pessoa intragável ou que vive em desavença com os outros. Daí, chega a véspera da gira, o ser parece que virou um santo e chega no terreiro o próprio cordeiro imaculado.

Peraí, né?!

A semana tem 7 dias, o preceito dependendo da casa pode ser de 12h, 24h ou mais horas e aí o cidadão acha que 1 diazinho é suficiente para limpar seu corpo e concentrar sua energia. Ou o que é pior, enquanto está dentro do terreiro trata todos com muito amor, porém é só sair portão a fora se transforma ou retorna-se ao estado original de um sujeito desagradável e sem amor.

Cabe até um conselho que é bom sim e pra quem é bom entendedor, tem um valor maior que muitos tesouros:

Somos umbandistas, irmãos. Nossa religião prega o amor, a caridade, a humildade, a sabedoria. Mas, não viemos prontos e ao passar a conhecer a religião mais a fundo, percebemos que há muita coisa que precisamos eliminar em nós mesmos e muito a melhorar no nosso interior. É a famosa reforma íntima que é realizada dia a dia progressivamente.

A Umbanda é linda, irmãos e fascinante e precisa ser absorvida e integrada em nosso modo de vida. Não é fanatismo, é viver de acordo com o que se dissemina.

Vamos então mostrar ao mundo o quão é linda através dos nossos gestos e atitudes.

Axé, irmãozinhos de fé!

Saravá Umbanda!

Centro de Umbanda Iemanjá e Ogum Beira Mar




Leia mais

21/07/2019

Homenagem à Oxum 2019

Homenagem à Oxum 2019

Oxum 2019

Oxum na Tulca 2019

Gira festiva em homenagem à Orixá Oxum, no dia 20/07/19, na sede da Tulca. Gratidão a todos pela presença e boas vibrações! Que Oxum os abençoe abundantemente! Orayêyêo!






Leia mais

16/07/2019

O Orixá e o Silêncio

Cadê? Onde está? Rezo, oro, canto e louvo e nada.
Simplesmente nada, nem uma resposta, nem um auxílio.
Pra que a fé, se nada muda?

Pedi ao Orixá e nada aconteceu...
Faço tudo certo. Dou flores, comidas, velas e o meu clamor, mas parece que nada é suficiente para ele. Penso em desistir, em mudar de religião, ou então não crer em mais nada.

Mas aí, é nesse momento que Orixá me responde:

Do que adianta tantas velas acesas?
Se sua fé, já está apagada?

Do que adianta pedir, pedir, pedir...
E nunca agradecer ?

Do que adianta desistir da sua religião...
Pois sem fé, religião alguma lhe ajudará.

Filho, não esperamos que você nos compreenda...
Só esperamos que você confie!

Queres força? Lhe trarei oportunidade de você aprender a ser forte!
Queres emprego ? Lhe darei a oportunidade de você correr atrás e conquistar seus objetivos!
Querer amor? Lhe trarei a oportunidade de você aprender a amar a si e aos outros!

Viver para Orixá é ter um aprendizado constante todos os dias.

Viver para Orixá é aprender a viver a vida, como ela é:

Com altos

Baixos

Dores

Alegrias

Perdas

E vitórias

Não é uma vida fácil. Mais é uma vida verdadeira!

Autor desconhecido





Leia mais

Terreiro Perfeito?

Uma casa religiosa precisa, necessariamente, ser um local que proporciona paz, conforto, esperança; que inspire a busca incessante por felicidade, bem estar, alegria. Um local em que, ao pisarmos, sintamos o coração bater mais rápido, o braço arrepiar-se, a alma ficar mais leve.

Quando decidimos fazer parte de uma casa religiosa, o esperado é que encontremos um local que nos complete e que nos faça sentir bem. Se o local onde frequentamos nos proporciona outros tipos de emoções, especialmente se contrárias, então devemos repensar se estamos no local correto.

Encontraremos outros que também anseiam por esse sentimento de pertencimento e encontro do interno com o externo. Alguns virão, outros irão. Não sentiremos afinidade com todos e, às vezes, podemos mesmo sentir aversão por alguns.

Neste caso, o essencial é saber conviver com a diferença, respeitando os espaços de cada um e as funções assumidas. Podemos não gostar, por exemplo, de um determinado médium, mas precisamos saber diferenciá-lo da entidade com quem trabalha e devotar a ela todo apreço que dedicaríamos a qualquer outra ali.

Mas, talvez, estejamos esperando encontrar aquela casa, aquele grupo mediúnico, que seja perfeito. Que nada há para consertar, que está tudo pronto, acabado. Um local em que tudo funcione como deve funcionar, naturalmente, sem causar aborrecimentos de espécie alguma. Um local onde o amor flua plenamente entre todos os membros, que todos se deem bem, se visitem, estimem-se em abundância e tudo seja, sempre, um mar de rosas.

O problema é que tal local não existe. Em O Evangelho Segundo o Espiritismo, podemos ler que: a felicidade não é deste mundo, o que equivale a dizer que a perfeição não é deste mundo. Não encontraremos uma casa religiosa perfeita porque não somos perfeitos; se não somos perfeitos, como vamos esperar a perfeição dos outros que, como nós, igualmente buscam seu lugar ao sol?

Precisamos, sim, encontrar um local onde nos sintamos bem e onde possamos nos aplicar, desenvolver, trabalhar, servir, estabelecer laços de amizade e crescer, fazendo, igualmente, a nossa parte para que os demais também o consigam.

Por Casa de Preto Velho



Leia mais

Desabafo de uma Macumbeira

1. Eu sei que macumba é o nome de uma árvore da qual se faz um instrumento de percussão com o mesmo nome, e que por consequência, macumbeiro seria quem toca o instrumento “macumba”. Também sei que este é um termo amplamente usado pejorativamente para designar trabalhos decorrentes de religiões afro-brasileiras, ou os denominados “despachos”. Mas uso aqui o termo “macumbeira” de propósito, pra quebrarmos de vez esse preconceito tolo. Vou pra macumba, faço macumba, e isso não tem nada de mal. Não prejudico as pessoas, não amarro ninguém, sou a favor do amor e da felicidade. Talvez você, que use esse termo com a intenção de denegrir alguém, seja o tipo de pessoa que fere, machuca e maltrata os outros. Eu não sou.

2. Eu acredito num Deus único. Às vezes o chamo de Olorum, às vezes de Zambi, ou ainda de Pai Maior, de Criador Onipotente, de Nosso Pai. Às vezes o chamo simplesmente de Deus. Se você acha que o Deus da sua religião é diferente do da minha, quem acredita que existe mais de um Deus é você e não eu.

3. Eu não idolatro imagens. Não acho que a imagem que eu tenho no meu terreiro ou na minha casa é a própria divindade. Não sou idiota. Seria o mesmo que dizer que ao beijar uma foto, eu pense que estou beijando a própria pessoa. Não menospreze a minha inteligência.

4. Considero os Orixás como qualidades divinas, irradiações do Pai todo poderoso, que minha religião usa respeitosamente e didaticamente para que entendamos como essas manifestações atuam em nossas vidas. Não é fácil entender isso. Vá estudar a respeito, e quem sabe um dia possamos conversar de igual pra igual.

5. Se você acredita que alguém está passando por algum problema na vida (seja financeiro, de relacionamento ou de saúde) pelo simples fato de ser umbandista, então provavelmente você é uma pessoa milionária, que nunca sofreu nenhuma desilusão e nunca ficou (nem ficará) doente. Se não é o seu caso, nada justifica um pensamento tão absurdo como este. Reveja seus conceitos.

6. A minha religião não cultua o demônio e só faz o bem. Se você conheceu alguém que se denominava umbandista e era do mal, saiba que isso é do indivíduo e não da religião. Do mesmo modo, há padres promíscuos, pastores usurpadores, espíritas soberbos que não são capazes de doutrinar nem seus demônios internos, quanto mais os dos outros. Gente ruim há em todo o canto. Não culpemos a religião pelas maldades do ser humano.

7. Sei que isso é óbvio, mas quero deixar claro que a Umbanda é uma parte importante da minha vida, mas ninguém precisa ser umbandista pra ser meu amigo. O que precisa é me respeitar e respeitar a minha religião. O fato de não acreditar nas mesmas coisas que eu não interfere em nossa amizade, desde que haja um respeito mútuo. Se minhas publicações em redes sociais o agridem, faça a gentileza de me excluir. Se minha religião o incomoda a ponto de você não conseguir conter a sua língua, favor me excluir também da sua vida. Está aí um cordão energético que não faço a menor questão de manter.

8. Se você sentir que algumas dessas palavras foram direcionadas a você, espero de verdade que elas toquem fundo o seu coração e lhe façam refletir.

9. Umbanda não é um balcão de negócios. Eu levo a sério a minha religião. Mas fique tranquilo: se um dia você precisar, pode procurar um Terreiro, pois não discriminamos ninguém. Com certeza você será bem atendido. Só prepare-se: as entidades falam o que você precisa ouvir, não necessariamente o que você quer escutar.

10. Independente da opinião de uns e outros, tento fazer a minha parte da melhor maneira possível. Às vezes erro, pois não sou perfeita. Mas estou firme em minha caminhada. A maioria dos críticos ácidos estão bem distantes da sua. Fica a dica.

Pra finalizar, agradeço por lerem meu desabafo. E a todos, independente da religião, desejo paz e luz na caminhada.

Erica Camarotto


Leia mais

08/07/2019

Dificuldade de Convivência no Terreiro

Seu compromisso é com os guias

A mediunidade é uma missão que foi firmada no astral antes mesmo de você encarnar, é um compromisso seu com a espiritualidade superior. Não é à toa que você nasceu médium, não foi para agradar ninguém e nem para receber a aprovação alheia.

O principal motivo hoje da saída das pessoas dos terreiros em que se encontram é problemas de relacionamento com outras pessoas, seja com o Pai de Santo ou alguém da hierarquia, seja com os irmãos da corrente.

Dentro da mesma casa, há filhos das mais diferentes convicções. Formam-se grupos de acordo com as afinidades de cada um, as chamadas infelizes “panelinhas". E lamentavelmente, um grupo rivaliza com o outro. Somado a isso, há muita vaidade, ego, ciúmes, fofocas, desejo de diferenciação dos outros.

E quando o médium encontra toda esta situação, desanima-se com o terreiro, e muitas vezes, com a Umbanda como um todo. Ele esquece que não está ali pelas pessoas, mas para cumprir seu compromisso com os guias.

A missão da Umbanda é a prática da caridade, e somente esta. Embora no convívio regular com os outros médiuns formamos laços de amizade, passando até mesmo a considerar alguns como familiares, o objetivo não é que todos sejam seu amigo. Estamos ali para auxiliar o próximo.

No entanto, para que uma casa esteja fortalecida, para assegurar que a corrente esteja firme, é preciso união. A fim de obter isso, não é necessário que todos gostem uns dos outros a tal ponto de chamarem-se de melhores amigos, mas o respeito deve fazer-se presente.

Os médiuns fiquem sempre cientes que o terreiro é um lugar sagrado, e por isso, deixem as diferenças de lado durante o ritual. Vençam o próprio ego e saibam trabalhar como uma equipe, uma corrente forte. Lembrem, vocês estão numa religião para evoluir espiritualmente

Lamentavelmente, há situações em que são necessárias medidas mais duras diante de comportamentos inadequados dentro do terreiro, mas isto cabe ao dirigente da casa averiguar. Caso você identifique alguma atitude que considere incorreta, conte ao Sacerdote de sua casa. Não inicie discussões, nem espalhe fofocas, muito menos interrompa sua caminhada na Umbanda. Lembre-se de que Xangô é justo.

A longo prazo, as picuinhas, intrigas e melindres causam mais sofrimento do que manter a postura de humildade e simplicidade. Estamos todos em aprendizado espiritual. Em qualquer agrupamento humano que enfrentaremos, seja no trabalho, família, política, escola ou outros locais religiosos, encontramos problemas semelhantes.

A postura mais efetiva é ser o exemplo. Ter uma postura correta e disciplinada. As palavras pouco têm poder de mudar os outros. Quando você aponta o dedo para o defeitos alheio, a tendência é que a pessoa se feche e fique na defensiva. Mas se esta pessoa te vê como um modelo de conduta correta e disciplinada, ela sente-se inspirada.

Todo mundo sabe as lições básicas: não falar mal dos outros, não espalhar fofocas, não julgar os irmãos. E principalmente, abandonar a arrogância. Ninguém é dono da verdade. A humildade e simplicidade são as melhores respostas para qualquer situação.

Quando você por os pés no terreiro, chame para sua mente o motivo de você estar ali. Não é pelos outros, mas pelos guias que te acompanham, pelo compromisso que você firmou com a espiritualidade, pela missão divina que a Umbanda é portadora.

TUANO




Leia mais

07/07/2019

Trazer o seu Amor de Volta

Trazer o seu Amor de Volta

RITUAL INFALÍVEL

Hoje vou ensinar a você um ritual para trazer a pessoa amada de volta, uma das coisas mais pedidas para mim e para diversos Umbandistas, então finalmente vou disponibilizar isso para você.

Para fazer este ritual você vai precisar de:
  • 1 Espelho
  • 1 Taça de Champanhe
  • 1 Maçã
Com tudo em mãos vamos a prática do ritual:

Durante 7 dias da semana você vai realizar este procedimento ao acordar e ao dormir. Procure um espelho, pode ser do seu quarto, sala ou banheiro, fique de frente para ele, olha bem profundamente para você, repare em todos os detalhes de seu rosto, cabelo e corpo, faça isso por alguns instantes de maneira bem profunda e então diga: "Eu sou lindo(a), eu me amo, eu sou feito(a) de Luz, eu me amo". Pronto, neste momento você já está trazendo de volta a pessoa Amada, que não é nada mais e nada menos do que você mesmo.

Na Umbanda não existe esse papo de trazer outra pessoa de volta, isso é egoísmo e destrói a sua vida e da outra pessoa também. Você deve se amar para só então poder amar outra pessoa. Se amar acima de tudo, se cuidar, dar a você o seu valor. O maior amor que podemos ter é de nós mesmos, sem amor próprio você tem baixa autoestima, você tem ciúmes, inveja e insegurança.

Aprenda a todos os dias se amar. Ah, o champanhe? Para você celebrar sua vida e suas conquistas, suas vitórias, tudo que é importante para você. E a maçã? Bem a maçã é para você ter uma vida mais saudável né?! Do que adianta trabalhar a autoestima e não trabalhar a saúde.

Umbanda é Amor, Respeito, é Evolução e não um balcão de desejos desequilibrados para você usar a seu bel prazer. Aprenda a se amar.

Por phalves



Leia mais

Mensagem de Pai João

Sem Exigências

Atentem para as mensagens que Deus está enviando para vocês, meus filhos. Em geral Deus nos fala sem palavras, e a sabedoria é transmitida sem a articulação da voz, mas somente com a experiência. Pai-velho já falou outras vezes do período de provas coletivas que a humanidade está enfrentando, e os agrupamentos religiosos, as casas espíritas serão ventiladas e visitadas com momentos graves, que representam este fogo renovador. Mas não esperem sair anjos forjados na fornalha da fé. Sairemos mais experientes após as lutas individuais e coletivas, só isso.

Não deem tanto valor e ouvido às intrigas, meus filhos; deixem de lado as fofocas e não valorizem tanto os conflitos desencadeados entre os irmãos. Vocês precisam confiar mais, ocupar mais o tempo de vocês com algo produtivo. Dar ouvido a conversas que não elevam, ou a intrigas, é como ficar parado no tempo, vendo a banda passar. E quando a banda do desequilíbrio passa, forma-se o bloco dos obsedados.

Vamos dar ouvidos a Jesus, meus filhos, ao trabalho. Sejamos a estação terminal da fofoca, do ciúme, da inveja e da intriga. Vocês já viram gente ocupada ter tempo para intrigas?

Nosso compromisso é com Jesus e com o bem. Ninguém espere encontrar companheiros perfeitos ou trabalhadores evangelizados. O que temos, na verdade, meus filhos, são instrumentos, ferramentas de trabalho que estão sendo lapidadas e preparadas à medida que são utilizadas na tarefa. Nada nem ninguém está acabado, pronto ou perfeito. Trabalhamos com vocês e os amamos da forma como se encontram. Não exigimos nem mesmo a transformação moral. Nós a incentivamos, mas sabemos respeitar cada um, o grau de maturidade espiritual de meus filhos. Não exigimos de vocês nada, porque quem ama não exige, apenas ama. Muito menos exigimos perfeição, uma vez que nós mesmos temos muito ainda a resolver dentro de nós.

Quando alguém exige de algum companheiro uma conduta perfeita, disciplinar, aquele que faz a exigência coloca-se na obrigação de se portar conforme o esperado do outro. Não temos aqui ninguém nessa condição, de perfeição. Nem os mentores que assistem vocês têm esse grau todo de adiantamento que vocês atribuem a eles. Estamos todos em processo de aprendizado, e convém usar de compreensão para com os companheiros que caminham junto de cada um.

Não importa o tanto que você errou ou julga errar, o importante é que a gente continue junto, procurando acertar.

Muitos abandonam o trabalho com medo de se contaminar; afastam-se da tarefa, criticando, então, aqueles com os quais dividiu a caminhada. Onde a amizade, meus filhos? Onde a cumplicidade das almas em evolução? Onde está, nessa atitude, a marca do amor? Permaneçamos juntos, apesar dos erros nossos e dos nossos companheiros, de vez que, se aqui estamos unidos e reunidos, é por necessidade de estabelecermos parceria, de acertarmos nossas diferenças.

A amizade verdadeira é dom de Deus. Se nós não desenvolvermos essa amizade entre nós e a compreensão advinda dela, meus filhos, não seremos dignos de ser chamados trabalhadores do Cristo. Ser irmão e amigo é estar presente tanto na alegria quanto na dor, nas dificuldades quanto nos acertos.

Ser amigo é compartilhar.

Ignoremos os espinhos, porque, sobre eles, as rosas desabrocham com perfume que inebria nossas almas. Fixemos o olhar nas flores, nos frutos, no lado bom de cada companheiro e saibamos valorizar aquilo que cada um traz de melhor em si.

Enfim, meus filhos, prossigamos unidos, embora não fundidos. Trabalhemos pela fraternidade, mas respeitemos a diversidade de formas e pensamentos. Alguém pensar diferente da gente não transforma a pessoa em inimiga do bem – que pretensão seria a nossa... Ninguém é robô para pensar e raciocinar tudinho igual. Graças a Deus há diversidade na criação; senão, meus filhos, a vida seria um tédio.

Incentivemos a caminhada, o desenvolvimento do raciocínio, mesmo que não pensemos igual e discordemos das ideias. Deus valoriza cada detalhe, e a completude é feita de pequenas partes.

Ame, compreenda e perdoe. Você não sabe em que situação estará amanhã e que porção da compreensão alheia você demandará.


Trecho do Livro "Sabedoria de Preto Velho - Robson Pinheiro"



Leia mais
Topo