Novembro 2014 - Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca

28 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Não Sofra Por Causa de Vasos de Barro , Artigos Interessantes ,

Não Sofra Por Causa de Vasos de Barro


Linda mensagem espírita

Tudo na sua vida está em constante movimento, e no mundo da Ilusão, tudo tem um começo e um fim. A árvore começa em uma semente lançada a terra, e perfazendo seus ciclos, à terra retornará. Cada forma, na natureza, cada animal, planta, fruto, pedrinha até, iniciou e terá seu fim. Nada permanece.

Este é um princípio da Lei dos Ciclos, uma das Leis conectadas a Lei do Karma. E sua utilidade é múltipla. Lembre-se de que o que é Real não perece, permanece, o restante cessa, por não ser real. O SER é Real. O Estar, não. Das várias utilidades, escolhi uma em particular e compartilharei hoje, com vocês.

Tudo o que você acha que tem foi confiado a você e confiado por um tempo. Pertence ao universo, é energia condensada formando algo a que o ser humano atribuiu algum valor. Mas a ilusão de posse é muito profunda, arraigada, e por conta disso, os desejos desenfreados sustentados pela ilusão do possuir, levam ao medo de deixar de possuir. Quem deseja ganhar, em algum momento temerá perder.

O vaso é feito do barro da terra, e quando o vaso se quebrar, deixar de atender à função atribuída a ele, voltará à terra. Todo vaso quebra. Cedo ou tarde. É só uma questão de tempo. Nem a própria terra permanece.

Então não venere seus objetos; considere-os vasos de barro. Seu computador, seu carro, seu dinheiro. Use com sabedoria – que significa extrair a utilidade daquilo que temporariamente está sob seus cuidados (que você acha que possui)- e se desapegue, pois uma das grandes causas do sofrimento, assim como o desejo de ter é o medo de deixar de ter (apego).

Olhe para tudo aquilo que você tem: são vasos de barro. Se pergunte qual a utilidade e faça jus à utilidade de cada vaso. Considere tudo aquilo que deseja possuir: são vasos. Se questione sobre qual a utilidade do que deseja ter - de pronto perceberá que parte do que deseja, nem necessário é.

Por isso, para caminhar no sentido da cessação do sofrimento (zerar o karma), pare de perseguir miragens, ilusões. Realize o uso dos vasos que a você foram confiados, sabendo que eles quebram. Estão seus. Não são seus.

Não dependa do ter e não tema não ter. Não sofra por desejar possuir e não sofra por temer deixar de possuir. A realidade, a verdade profunda e incontestável, é que tudo o que perece, todos os vasos de barro, pertencem ao universo. Transporte o Real: você, seus princípios, sua percepção e sua disposição, seu amor e saber. Eu topo seguir contigo, mas sem bagagem, ok?

Por  Lucius Augustus 


Quero ler o post completo

27 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , A Dedicação do Médium de Umbanda , Mediunidade ,

A Dedicação do Médium de Umbanda

Texto bem-vindo a qualquer época! Apenas acrescentamos que se o médium, por algum motivo, tiver dificuldade de assimilar ou respeitar as normas da Casa que são imprescindíveis para a manutenção da disciplina e bom andamento dos trabalhos, deve com urgência rever os seus valores dentro da Umbanda!

***

Amigos, a Umbanda tem em seu mais profundo cerne a prática da caridade pura, o amor incondicional, a paz e a humildade. Ela também se propõe a produzir, pela modificação vibracional ou fluídica (conhecida popularmente como "magia"), modificações que permitam a melhoria de vida do ser humano.

Através da caridade e dedicação espiritual o médium Umbandista vai adquirindo elevação e consciência do valor de seu domínio mediúnico como forma de comunicação com seres superiores de outras esferas.

As incorporações, os passes e descarregos feitos na Umbanda formam o conjunto de afazeres espirituais do dia a dia do médium.

Portanto, o Médium é Patrimônio maior desta maravilhosa religião que é a Umbanda.

Acontece que a mediunidade é uma faculdade e como toda faculdade psíquica precisa ser aprimorada e disciplinada.

Na Umbanda, alguns critérios devem ser sempre observados:

Quando um médium entra em trabalho, ele estabelece uma espécie de ligação com a espiritualidade. Esta ligação gera uma constante descarga fluídica no sistema nervoso do médium. Por este motivo é importante a disciplina da mediunidade. O médium precisa aprender a fazer e desfazer esta ligação para evitar o desgaste do sistema nervoso.

Médiuns faltosos, ausentes das sessões de desenvolvimento, doutrinas, sessões de descarrego e passes estão sujeitos a sofrer as consequencias destes transtornos fluídicos como debilidade do sistema nervoso e patologias degenerativas.

Disciplina se torna palavra chave, bem como Obediência e Respeito.

As facilidades do estabelecimento do contato mediúnico resulta do aprendizado moral e de um conjunto de pontos que alicerçam os degraus da evolução.

Conserve sua Saúde Psiquica, vigiando seu aspecto Moral.

Conselhos para os Médiuns:

Não alimente vibrações negativas de ódio, rancor, inveja, ciume, etc.;

Não fale mal de ninguém, pois não é juiz, e via de regra, não se pode chegar às causas pelo aspecto grosseiro dos efeitos;

Não julgue que o seu Guia ou Protetor é o mais forte, o mas sabido, muito mais do que o de seu irmão, isto vale para o aparelho também;

Não viva querendo impor seus dons mediúnicos, comentando, insistentemente, os feitos do seu Guia Protetor. Tudo isso pode ser bem problemático e não esqueça de que você pode ser testado por outrem e toda a sua conversa vaidosa ruir fragorosamente. Dê paz ao seu protetor no astral, deixando de falar tanto no seu nome. Assim você esta se fanatizando e aborrecendo a Entidade pois, fique sabendo, ele, o Protetor, se tiver mesmo "ordens e direito de trabalho" sobre você, tem ordens amplas e pode discipliná-lo, cassando-lhe as ligações mediúnicas;


Quando for para sua sessão, não vá aborrecido e quando lá chegar, não procure conversas fúteis. Recolha-se a seus pensamentos de fé, de paz, e sobretudo de caridade pura para com o próximo, entre em sintonia com o astral firmando as ligações com as entidades da sua coroa.

Não mantenha convivência com pessoas Más, Invejosas, Maldizentes, etc... porque é importante para o equilíbrio de sua Aura e dos seus próprios pensamentos e:

Faça todo bem que puder, sem visar recompensas ou agradecimentos;

Tenha ânimo forte, através de qualquer prova ou sofrimento, confie e espere;

Faça recolhimentos diários, a fim de meditar sobre suas ações;

Não conte seus "segredos" a ninguém, pois sua consciência é o templo onde deverá levá-los à análise;

Não tema a ninguém, pois o medo é uma prova de que está em débito com sua consciência;

Lembre-se de que todos nós erramos, pois o erro é humano e fator ligado à dor, ao sofrimento e conseqüentemente, às lições com suas experiências. Sem dor, lições, experiência não há carma, não há humanização nem polimento intimo, o importante é que não erre mais, ou melhor, que não caia nos mesmos erros. Passe uma esponja no passado, erga a cabeça e procure a senda da reabilitação:

Para isso, "mate" a sua vaidade e não se importe, de maneira alguma, com o que os outros disserem ou pensarem a seu respeito.

Faça tudo para ser tolerante, compreensivo, humilde, pois assim só poderão dizer boas coisas de você.

Zele por sua Saúde Física com uma alimentação racional e equilibrada:

Não abuse de carnes vermelhas, fumo, álcool ou quaisquer excitantes;

No dia da sessão, não como carne, álcool ou qualquer excitante;

De véspera e após a sessão, evite manter contato sexual. O ato sexual promove grande escape de energia através do chakra genésico e conseqüentemente uma grande baixa de energia na aura. Vale lembrar também que a troca de fluídos corporais também traz em si uma imensa carga energética que pode não ser benéfica.

Todo mês deve escolher um dia para ficar em contato com a natureza, especialmente uma mata, uma cachoeira, um jardim silencioso, etc... Ali deve ficar lendo ou meditando, pois assim ficará a sós com sua própria consciência, fazendo revisão de tudo que lhe pareça ter sido positivo ou não em sua vida material, sentimental e espiritual.

Autor desconhecido



Quero ler o post completo

24 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Trabalhadores da Última Hora - Por Ednay Melo , Artigos Ednay Melo , Estudos da Doutrina Espírita ,

Trabalhadores da Última Hora - Por Ednay Melo


EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
Trabalhadores da Última Hora

A princípio parece injusto que quem se dedica à vida espiritual desde o início receba a mesma recompensa de quem se dedica por último. 

Na vida espiritual não existe o tempo assim como o conhecemos, e de acordo com esta passagem, mais vale a intenção e a qualidade da dedicação do que o tempo que está se dedicando. 

Muitas vezes, tomando a nossa religião como exemplo, a pessoa não se dedica à vida espiritual simplesmente porque não encontra oportunidade, não encontra uma casa a qual se identifique. 

A outra mensagem do texto que achamos importante a assimilação: Não julgar principalmente às determinações do alto! O trabalhador desta passagem achou injusto o que chegou depois dele ganhar a mesma moeda como recompensa. Mais uma vez lembramos que a humildade é fundamental para quem pacientemente espera a sua vez na grande ascensão espiritual. 

Ednay Melo 



Quero ler o post completo

23 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Simpatia Cigana para o Ano Novo - Cigana Esmeralda / Ednay Melo , Artigos Ednay Melo , Linhas Auxiliares na Umbanda , Livro Umbanda Luz e Caridade / Ednay Melo , Livros de Umbanda ,

Simpatia Cigana para o Ano Novo - Cigana Esmeralda / Ednay Melo

Simpatia Cigana para o Ano Novo - Cigana Esmeralda / Ednay Melo


Material:
  • 1 cristal branco
  • 1 taça de vidro para por o cristal
  • água mineral
  • vela colorida
  • prato branco
  • folha de louro
  • erva doce
  • cravo da índia
  • carvão vegetal
  • incensário para carvão
  • bacia ágata
  • sal grosso 

Procedimento:
  • No dia 30 de dezembro, colocar o cristal de molho em água com sal grosso na bacia de ágata, por 1 noite ao ar livre.
  • No dia seguinte, 31, pela manhã, retirar o cristal da água com sal e colocá-lo sob o sol por 1 hora.
  • Próximo da virada do ano, defumar a casa com folha de louro, erva doce e cravo da índia.
  • Após a defumação, colocar o cristal branco na taça de vidro e completar com água.
  • Em frente a taça, acenda um ponto colorido no prato branco para o povo cigano e peça prosperidade para o ano que se inicia.
  • Use a taça com o cristal como decoração em sua casa, troque a água a cada 7 dias.
Pela Cigana Esmeralda, em Gira Pública da TULCA em 22/11/14 / Médium Ednay Melo.

Trecho retirado do Livro Umbanda Luz e Caridade - Cap. 4 - Ednay Melo



Texto atualizado em 13/06/17



Quero ler o post completo

21 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Início da Mediunidade - Por que Ficamos Ansiosos? , Mediunidade ,

Início da Mediunidade - Por que Ficamos Ansiosos?


Início da Mediunidade - Por que Ficamos Ansiosos?

A maioria dos médiuns tem sua iniciação mediúnica – momento em que suas faculdades mediúnicas já despertadas passam a ser utilizadas de modo sistemático e mais intenso, dentro dos rituais e trabalhos existentes numa casa umbandista – marcada pela difícil fase da ansiedade e da adaptabilidade que esse começo representa.

Ansiedade no médium iniciante pode trazer algumas situações desconcertantes como:

  • Ficar pensando de modo intenso nas coisas ligadas à espiritualidade;
  • Ficar com os pontos cantados ecoando na mente;
  • Ficar cantando a qualquer momento e lugar os pontos cantados;
  • Conversar somente sobre o assunto espiritualidade a qualquer oportunidade em que hajam mais pessoas que pertençam à mesma religião ou casa;
  • Ler muitos livros sobre o assunto, querendo esgotar todos os pontos de dúvidas;
  • Querer conhecer tudo sobre a Umbanda num espaço de tempo curto;
  • Ter sonhos constantes com rituais, entidades, trabalhos;
  • Ficar vendo em qualquer situação algum tipo de ligação com a espiritualidade;
  • Não parar de preocupar-se em manter-se dentro das condutas que sua casa pede;
  • Querer incorporar logo;
  • Ficar muito preocupado se está mesmo incorporando uma entidade ou se está apenas imitando uma entidade;
  • Desejar ardentemente que tenha a inconsciência durante as incorporações;
  • Querer aprender tudo sobre os rituais que sua casa pratica, chegando ao ponto de perguntar de tudo a todos os demais médiuns mais experimentados;
  • Querer saber tudo, através de relatos de outros médiuns, o que ele fez quando estava incorporado, o que a entidade falou, deixou de fazer;
  • Passar a realizar em seu próprio lar, uma verdadeira transformação de hábitos, querendo que todos tomem banhos de defesa, defumem-se, orem, cantem, entre outras coisas;
  • Querer erigir algum tipo de altar ou espaço sagrado em seu lar, tentando imitar o mais perfeito possível a quantidade de imagens, a disposição dos santos que há em seu templo umbandista;
  • Querer que suas entidades receitem rapidamente a confecção ou aquisição das guias (colares) e quanto maior o número de guias melhor;
  • Desejar ardentemente que tenha incorporações “fortes”, isto é, que as entidades já venham de modo com que não gerem dúvida a ninguém;
  • Que suas entidades já risquem seus pontos e que seja algo bem impressionável;
  • Que suas entidades deem logo seus nomes e torce para que sejam nomes “fortes” e conhecidos;
  • Querem decifrar todos os símbolos que suas entidades desenharam em pontos riscados;
  • Querem saber da história, vida, ponto cantado e tudo o mais sobre suas entidades;
Essas situações e mais outras não citadas são consideradas até normais e encaradas por aqueles outros médiuns mais tarimbados como coisa comum de se acontecer. E de fato é. O que o dirigente e os médiuns mais experientes devem fazer é aconselhar esses neófitos, direcioná-los em atividades que os tirarão um pouco desta fixação, é ouví-los e explicar cada uma das dúvidas e dificuldades existentes.

Toda essa ansiedade é temporária e assim que o novo médium for tendo mais e mais experiências, ele passa a lidar de modo mais natural, menos ansioso e aflito com essas situações.

O tema deve ser abordado de modo atencioso, respeitoso, prático e esclarecedor para poder dar melhor formação espiritual e criar uma estrutura mediúnica mais eficaz à própria casa, uma vez que estes novos médiuns passam a compor o já formado corpo mediúnico da casa, fazendo número e qualidade na força da corrente da casa umbandista.

Desperdiçar a chance de esclarecimento quando esses médiuns estão ávidos por conhecimento e abertos para serem direcionados é deixar ao acaso a responsabilidade da formação destes médiuns, podendo levá-los a vícios, “cacoetes” e maus hábitos mediúnicos que nunca mais poderão ser retirados.

E o velho adágio popular é verdadeiro: “Pau que nasce torto, morre torto”...

Casa Luz Eterna





Quero ler o post completo

19 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Você Acredita nos Seus Guias? , Linhas de Trabalho na Umbanda ,

Você Acredita nos Seus Guias?




Guias de Umbanda


Vivemos em uma religião espiritualista, e por muito podemos dizer até que universalista. Em nossa religião, temos diversos guias, mestres e mentores, que são espíritos em evolução, outros em ascensão plena e outros até ascensionados, que direcionam os trabalhos de Umbanda em outro plano amparados pelos Sagrados Orixás.

Analisando isso, somos muito bem aparados e guiados, por espíritos que nos amam e que tem uma afinidade ímpar conosco. Muitos de nossos guias mais próximos possuem uma ligação familiar de muitas vidas passadas e trazem como missão nesta passagem da vida nos amparar e nos guiar conforme nossas necessidades e merecimentos em cada momento de nossas vidas.

Mas a grande pergunta é: você acredita no seu guia, ou na sua banda?

Vejo muitos médiuns de Umbanda, por muitas vezes duvidarem do trabalho dos seus guias e até mesmo questionando suas orientações para com você e outras pessoas. Vejo também a famosa frase: “Mas meu Guia não me ajuda por quê? Só ajuda os outros?

Devemos primeiro entender que nós médiuns somos canais, veículos de espíritos evoluídos que nos guiam, orientam e ajudam a quem necessitar e merecer (inclusive nós).

Não confunda seus medos, sua incertezas com a força e a capacidade dos seus guias. Nossos guias nos ajudam o máximo que podem, dentro da Lei Maior e da Justiça Divina, e se por algum momento de sua vida eles “não te ajudarem”, pode ter certeza: é um momento que você deve firmar suas pernas no chão, ser forte e adentrar de cara na situação, pois a sua vida quem deve viver é você.

Nossos guias não são muletas ou muito menos babás, para ficar nos mimando ou nos bajulando. Os guias são espíritos que nos fazem crescer, pensar e principalmente sermos racionais assim andando com nossas próprias pernas.

Quando a incerteza bater em sua porta, a vaidade, e o ego tentarem te acolher, firme sua cabeça em Deus, nos Orixás, e em seus guias. Pode ter certeza que se você acreditar, o seu mundo irá mudar, seus guias lhe mostraram o caminho para você percorrer. Suas decisões você que deve tomar e aceitar as consequências também.

Não importa se você errar, falhar, cair, os guias sempre irão te amparar, desde que você confie neles e em Deus e tenha plena certeza de que você está aqui para aprender, seja lá como for.

Confie em você, na sua natureza, e com certeza através dessa confiança seus guias se manifestarão em sua vida naturalmente e com muito poder de realização.

Confie.

Por Nikolas Peripolli



Quero ler o post completo

16 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Concentração nas Reuniões Mediúnicas , Mediunidade ,

Concentração nas Reuniões Mediúnicas


Reuniões mediúnicas




Uma das dificuldades dos integrantes das reuniões mediúnicas diz respeito à concentração.

A capacidade de controlar, direcionar e manter o pensamento dentro das finalidades da reunião é, para a maioria, um esforço muito grande e que nem sempre dá bons resultados. Não raro os pensamentos se dispersam, fixam-se em fatos do dia-a-dia e acabam por tornar alguns sonolentos, enquanto outros estão distraídos e longe dos objetivos propostos para um trabalho sério. Alguns poucos, então, conseguem uma boa concentração e estes sustentarão os trabalhos programados, porém, como é óbvio, sem alcançar melhor produtividade devido aos bloqueios vibratórios existentes no ambiente.
A nossa cultura ocidental não dá ênfase à necessidade do controle mental, pois é fundamentada em uma mentalidade racional, extremamente prática, extrovertida e imediatista valorizando a horizontalidade da vida terrestre, exatamente oposta ao Oriente, cuja mentalidade se estrutura de forma intuitiva, mística e introvertida e que realça a essência espiritual do ser humano, incentivando a busca da verticalidade.
Nos últimos tempos tem-se notado um sensível aumento no interesse por algumas práticas orientais, ressaltando-se a meditação, cujos benefícios estão sendo procurados pelos ocidentais, que despertaram para a necessidade de uma busca interior, ou seja, o autoconhecimento.
A concentração que é praticada nas reuniões mediúnicas, evidentemente, tem conotações próprias e não deve ser tomada aqui como as realizadas nas práticas orientais, embora os aspectos semelhantes nas suas bases, quais sejam a disciplina mental, o controle e equilíbrio dos pensamentos. Exatamente por terem estes mesmos fundamentos é que citaremos algumas definições de autores do Oriente, visto que a sabedoria oriental é multimilenar e pode beneficiar-nos sobremaneira através desses pontos comuns.

Concentração 

- Conceito: Concentrar, segundo o dicionário Aurélio, significa "fazer convergir para um centro ou para um mesmo ponto. Aplicar a atenção a algum assunto".

Um autor oriental, Mouni Sadhu, esclarece que o poder de concentração consiste na "habilidade para manter inabalavelmente sua percepção sobre um tema escolhido, pelo tempo que você decidir continuar com ele" (Do livro "Meditação").
É exatamente essa capacidade de concentrar nos objetivos da reunião mediúnica que irá favorecer a realização dos trabalhos.

Leon Denis, em sua magistral obra "No Invisível", alerta:

"Conforme o seu estado psíquico,
os assistentes favorecem ou
embaraçam a ação dos Espíritos"

Dificuldades de Concentração

Deixamos a palavra com Leon Denis, que assinala o motivo principal da dificuldade de concentrar:

"Na maior parte dos homens os
pensamentos flutuam sem cessar.
Sua mobilidade constante e sua
variedade infinita pequeno acesso 
oferecem às influências superiores. 
É preciso saber concentrar-se, pôr 
o pensamento acorde com o 
pensamento divino.(...)" 
("O Problema do Ser, do Destino 
e da Dor", cap. XX) 

A reunião mediúnica apresenta ainda outras conotações que são peculiares ao tipo de atividade que ali se desenvolve.
Assim, a dificuldade de concentrar-se nos objetivos elevados que o exercício da mediunidade requer é resultado da pouca prática que a maioria das pessoas têm de fixarem seus pensamentos em assuntos edificantes, em ideais e ideias nobres durante o seu dia-a-dia. Estão com a mente sempre ocupada pelos problemas e questões do cotidiano, por coisas supérfluas e interesses imediatistas, pelo noticiário e programa da TV, por literatura e músicas teor inferior, por conversações extremamente banais e irresponsáveis, e não conseguem esvazia-la desses assuntos para dar campo às influências benéficas dos Espíritos Superiores, dos Mentores que assessoram os trabalhos.

Ensina Leon Denis:

"As preocupações de ordem material criam correntes 
vibratórias horizontais, que põem obstáculo às radiações 
etéreas e restringem nossas percepções. Ao contrário, a 
meditação, a contemplação e o esforço constante 
para o bem e o belo formam correntes ascensionais, 
que estabelecem as relações com os planos superiores 
e facilitam a penetração em nós dos eflúvios divinos. " 

A importância da concentração mediúnica

"Nesse sentido, consideremos a concentração mental de modo diverso dos que a comparam a interruptor, de fácil manejo que, acionado, oferece passagem à energia comunicante, sem mais cuidados... A concentração, por isso mesmo, deve ser um estado habitual da mente em Cristo e não uma situação passsageira junto ao Cristo".
Nossos pensamentos têm determinado teor vibratório, de acordo com os sentimentos que os tipificam.
É imprescindível compreendermos que o pensamento é energia viva "construindo paisagens ou formas e criando centros magnéticos ou ondas, com os quais emitimos a nossa atuação ou recebemos a atuação dos outros(Emmanuel - "Roteiro", cap.28).
Este é o processo natural de sintonia e que predomina no curso de nossa existência.
Nas tarefas mediúnicas esta sintonia apresenta peculiaridades próprias. É essencial que exista uma afinizaçào, uma sintonia entre os participantes para que se estabeleça uma sincronia de forças, a conhecida "corrente vibratória".
Pode-se inferir, desde agora, o quanto é importante a concentração individual, visto que a qualidade dos trabalhos de intercâmbio depende fundamentalmente da participação consciente e responsável de cada um.

Recordemos Leon Denis, quando leciona a respeito:

"São favoráveis as condições de experimentação quando o
médium e os assistentes constituem um grupo harmônico,
isto é, quando pensam e bibram em uníssono. No caso
contrário, os pensamentos emitidos e as forças exteriorizadas
se embaraçam e anulam reciprocamente..."(No Invisível)

Ele acrescenta ainda que o médium em meio a essas correntes contrárias fica bloqueado, sem condições de atuar mediunicamente ou bastante prejudicado na filtragem das mensagens.
Em "O livro dos Médiuns", o Codificador ressalta a necessidade da concentração ao referir-se à reunião como um ser coletivo, resultante das qualidades e propriedades de seus membros e esta tanto mais força terá quanto maior homogeneidade vibratória houver. Ele afirma que o poder de associação dos pensamentos de todos é que contribuirá para a comunicação dos Espíritos, "mas a fim de que todos esses pensamentos concorram para o mesmo fim, preciso é que vibrem em uníssono; que se confundam, por assim dizer em um só, o que não pode dar-se sem a concentração"(Item 331).
Portanto, cada participante precisa estar consciente de sua contribuição para que haja êxito nas atividades programadas pela Espiritualidade Maior.

João Cleófas(Espírito), em seu excelente livro "Intercâmbio Mediúnico", desenvolve o pensamento de Kardec e Denis, em linguagem moderna:

"A média que resulta das fixações mentais dos membros
que consituem o esforço da sessão mediúnica oferece
os recursos para as realizações programadas.
A concentração individual, portanto é de alta relevância,
porque a mente que sintoniza com as idéias superiores
vibra em frequências elevadas"


Como Obter uma boa Concentração

A concentração não requer um esforço físico. Pessoas que tentam concentrar franzindo a testa, fechando os olhos com força ou denotando qualquer outro tipo de tensão muscular não alcançarão a finalidade a que se propõem.

Ao contrário do que imaginam, a concentração exige um relaxamento e passa por alguns estágios, quais sejam:

1. Relaxamento - O relaxamento do corpo físico serve para preparar e favorecer a calma, a tranqüilidade interior.

2. Abstração - Abstrair-se do mundo exterior, de tudo ao seu redor.

3. Interiorização - Fazer silêncio interior, abstraindo-se também dos conteúdos psicológicos(emoções, pensamentos, imagens, lembranças, etc).

4. Fixar a mente - A mente se fixa e a atenção volta-se exclusivamente para o objetivo da reunião.

5. Aquietar a mente - Neste ponto a mente se aquieta e, no caso dos médiuns, oferece espaço para a sintonia mental com o Espírito que irá transmitir a comunicação.

Afirma João de Cleófas:

"A concentração, é, pois, a fixação da mente numa ideia positiva,
idealista, ou na repetição meditada da oração que edifica, e que,
elevando o pensamento às fontes geradoras da vida, dá e recebe,
em reciprocidade, descargas positivas de alto teor de energias
santificadoras."(Intercâmbio Mediúnico)


Pensamentos Intrusos

Todos os que se iniciam nos exercícios de concentração ou de meditação percebem que é difícil controlar os pensamentos e que, com freqüência, vêem-se assaltados por pensamentos intrusos, inconvenientes e inoportunos.

Deixemos a lição a respeito com um dos mestres orientais:

"No início toda a sorte de maus pensamentos podem ocorrer,
se levantarão na sua mente. Você se sobressaltará .
Ficará atormentado. Isto é um bom sinal. É sinal de progresso
espiritual. Você está evoluindo espiritualmente. Esses
pensamentos, com a continuidade(dos exercícios), morrerão
com o tempo".(Trechos do livro "Concentração e Meditação",
de Swami Sivananda).


Ele também aconselha que a pessoa não lute contra a sua mente durante a concentração.
O mais acertado é aceitar com tranqüilidade e estabelecer o hábito de retorno, isto é, retornar aos objetivos propostos.
No livro de Mira y Lopes, "Curso Prático de Concentração Mental" o autor refere-se ao"hábito de retorno", para disciplinar a mente.
André Luiz, sintetizando o esforço que os integrantes dos grupos mediúnicos devem realizar, anota em seu livro "Os Mensageiros" a palavra de Aniceto, relativa ao nosso tema:

"Boa concentração exige vida reta. Para que os nossos
pensamentos se congreguem uns aos outros, fornecendo
o potencial, de nobre união para o bem, é indispensável o
trabalho preparatório de atividades mentais na meditação
de ordem superior. A atitude íntima de relaxamento(este
termo tem neste contexto o significado de descaso), ante
as lições evangélicas recebidas, não pode conferir ao crente,
ou ao cooperador, a concentração de forças espirituais no
serviço de elevação tão-só porque estes se entreguem
apenas por alguns minutos na semana, a pensamentos
compulsórios de amor cristão.(...)."(Cap. 47)

A Doutrina Espírita é um convite permanente à transformação moral, levando a um processo natural de autodescobrimento e propiciando condições para a realização desse encontro pessoal. Toda essa mudança, quando ocorre naquele que já interiorizou os princípios espíritas, denota um amadurecimento que favorece a uma nova compreensão da vida e a uma necessidade premente da busca da verticalidade. Quando existe essa conscientização o indivíduo torna-se cônscio de usas responsabilidades procurando, então, adquirir hábitos equilibrados, o que irá favorecer a sua concentração enquanto integrante de um grupo mediúnico.

Deixemos com Emmanuel a palavra final:

"Receberás, portanto, variados apelos, nascidos do campo
mental de todas as inteligências encarnadas e desencarnadas
que se afinam contigo, tentando influenciar-te através de
ondas inúmeras em que se revela a gama infinita dos
pensamentos da Humanidade, mas se buscas o Cristo, não
ignoras em que altura lhe brilha a faixa."
("Seara dos Médiuns" / Emmanuel - Chico Xavier)

Grupo Paz





Quero ler o post completo

13 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Devemos Sair Antes da Gira Terminar? , Ritualísticas ,

Devemos Sair Antes da Gira Terminar?

Devemos Sair Antes da Gira Terminar?



Texto ditado por Pai Antônio das Almas
Canalizado por Géro Maita

Pergunta: Pai Antônio o senhor poderia dar sua opinião a respeito do consulente sair antes do término da gira de Umbanda? Existe algum problema de ordem energética ou espiritual?

Pai Antônio: Meus filhos que Olorum nos abençoe e que possamos manter sempre nossos corações abertos para a nossa transformação.
O assunto é amplo neste caso filho, devido a dois pontos que aqui iremos observar, deixando claro que não existe pretensão de nossa parte aprendizes ainda que somos de criarmos uma palavra ou ideia única no que tange doutrina de Umbanda ou ainda quebrar às regras impostas por determinada casa, mas tão somente expormos um ponto de vista.

O primeiro ponto que achamos prudente comentar trata-se de casas de Umbanda que não estipulam um horário para término de seus trabalhos, tornando ai cansativa a permanência do consulente no mesmo. Lembramos que os espíritos desenvolvem tarefas dentro e fora de um terreiro e que a criação de uma regra de trabalho os beneficia, além de auxiliar os médiuns ainda envolvidos pelo animismo e por que não dizer certos (as) dirigentes a não confundir o fator tempo com qualidade e eficiência.

Em sequência temos o consulente que frequenta um terreiro filho. Devido a liberalidade criada em nome e não da mediunidade dentro de certos terreiros e não é de nossa pretensão generalizar esta opinião, principalmente dos anos 70 em diante quando começa a ganhar maior força o movimento Umbandista no Brasil nos deparamos com médiuns apressados e presos a fenômenos e não a doutrina de Umbanda e dirigentes despreparados na condução da mediunidade e da disciplina dentro de um terreiro, dentro do estudo, do bom senso e da caridade.

Ao abordar a questão disciplinar vamos encontrar a mesma sendo aplicada em toda a vertente religiosa no que tange organização e fora deste sistema também no setor público e privado. Encontramos regras no trabalho, nas escolas, repartições públicas que regem a vida em sociedade de forma pautada e por que não dizer saudável.

Mas tais regras não eram aplicadas ao consulente de um terreiro onde víamos em muitas casas e ainda hoje é assim:
Médiuns saindo para fumar, conversar e agirem como se estivessem em uma festa na hora dos trabalhos espirituais de uma casa ignorando totalmente os campos de forças formados pelos Exus para dar segurança vibratória ao trabalho realizado.
Consulentes que permanecem do lado de fora de um terreiro e somente adentram a casa na hora em que o rito de “consulta espiritual” (que não adotamos, sugerindo o aconselhamento espiritual) se inicia.

Dentro desta questão vamos encontrar consulentes que ao se aconselharem, receberem passes e trabalhos com os guias, simplesmente viram às costas e saem do terreiro, pois julgam que o seu papel foi cumprido.

Este pai velho pede desculpas se vai desagradar aqueles que procedem desta forma e param para ler este texto, mas já é hora de se conscientizar do papel que uma casa desenvolve dentro de questões energéticas filhos.

Sair no meio de uma missa realizada nos primórdios dos ritos Católico Apostólico Romano, não faz com que todas as bênçãos daquele dia se resumissem somente até a hora de se tomar a hóstia consagrada.

Sair no meio de um trabalho em um terreiro de Umbanda, a nosso ver também perde o efeito energético quando abandonado pela metade.
Dentro de um terreiro existem espíritos trabalhando em todos os setores da casa na hora de um atendimento espiritual e certos trabalhos somente se concluem quando encerrada à gira.
Sair no meio deste trabalho, além de ser um gesto deselegante, mal educado com os servidores desta casa de Umbanda encarnados ou não nos mostra o exercício do egoísmo, onde o consulente pensa somente em si e não no todo e quando falo em “todo” devemos ai nos lembrarmos dos campos formados para segurança pelos Exus, lanceiros, Purís, pelas bênçãos dos pais e mães velhos no ato de benzer, pela força Elemental utilizada dentro do terreiro para o atendimento e pelos servidores que ali estarão dando o melhor de si até o final do trabalho.

É preciso compreensão do consulente no que tange disciplina de buscar, mas também de receber, e de exercitar a paciência para que o remédio seja dado na dose certa e não pela metade.

Certas casas liberam os consulentes para saírem antes, pois é notado o ar de indiferença e pieguice quando é solicitado que todos permaneçam até o fim da reunião e novamente insistimos que a nosso ver esta não é uma atitude correta o que leva muito a crerem que o terreiro é liberal aos extremos inclusive quando se trata de doutrina e postura doutrinária.

Acreditamos filhos e valorizamos a permanência do consulente até o final das giras de forma consciente, sabendo que o mesmo recebe bons fluidos do início ao final de um trabalho de terreiro.

Sabemos que nem todos concordam com estas palavras deste pai velho, mas nossa intenção reforçamos mais uma vez é somente expormos meus filhos nossa humilde opinião e sempre valorizarmos mais todas as energias que são trabalhadas dentro de um terreiro.

O pão para se tornar macio e saboroso, passa por todo um processo de preparo e tempo para alcançar o ponto exato para ser consumido.
Não é diferente o trabalho de um terreiro que dentro dos padrões de atendimento energético visa o máximo de energia para auxiliar aquele que presta de seu tempo para ser atendido e simplesmente ignorar isso saindo a hora que se quer e exercitando ai a lição do egoísmo, acreditamos que seja uma total perda de tempo.

Cada qual na sua reflexão leia esta mensagem com o coração e exercite seu bom senso dentro de suas conclusões finais.

Do amigo de caminhada,

Pai Antônio das Almas




Quero ler o post completo

12 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Natureza das Comunicações , Artigos Ednay Melo , Estudos da Doutrina Espírita , Livro Umbanda Luz e Caridade / Ednay Melo , Livros de Umbanda ,

Natureza das Comunicações

Comentário sobre a "Natureza das Comunicações"


Natureza das Comunicações

A natureza das comunicações revela a natureza do espírito. É preciso atenção e cuidado para que toda informação passe pelo crivo da razão. Percebemos que algumas pessoas valorizam mais a forma do que a essência de uma comunicação. Todo espírito compromissado com o Bem visa um fim útil em suas mensagens.

Achamos conveniente acrescentarmos ao texto do cap. 10 do livro dos médiuns, aspectos sobre o médium que serve de instrumento para a comunicação do espírito.

Sabemos que a nenhuma comunicação é dada 100% de autenticidade, pois o espírito se utiliza do arquivo mental do médium e o que ele tem de conhecimento para a transmissão da sua mensagem (...)

Trecho retirado do Livro Umbanda Luz e Caridade - Cap. 7 - Ednay Melo

Texto atualizado em 13/06/17






Quero ler o post completo
Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Breve Comentário sobre Passe , Artigos Ednay Melo , Estudos da Doutrina Espírita ,

Breve Comentário sobre Passe

Breve Comentário sobre Passe


A reação das pessoas no momento do passe: 

Dependendo de cada pessoa em particular, pode ocorrer: reações corporais histéricas, que podem denotar o desequilíbrio da mediunidade, fator emocional ou psicológico ou mesmo uma obsessão.

Atitude ideal do passista: com muita calma chamar a atenção da pessoa para orientá-la no tempo e no espaço. Se não conseguir encaminhar silenciosamente para sala reservada com médiuns treinados a fim de receber o socorro devido.

Também pode acontecer da pessoa que recebe o passe estar tão ajustada energeticamente que o próprio passista se beneficia com os seus bons fluidos.

Ednay Melo




Quero ler o post completo

9 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , A Posição do Médium , Mediunidade ,

A Posição do Médium


Médium


A posição de um médium em uma reunião requer muito cuidado e observação, tanto perante os assistentes quanto perante a sua própria consciência. O fenômeno que se chama repercussão é coisa muito séria em relação ao equilíbrio do próprio médium. A experiência nos faz compreender que todo trabalho de caráter sério busca na ciência e nos fatos compreensão profunda do seu exercício, para que não venhamos a ser cegos conduzindo cegos, ambos caindo nos despenhadeiros. 

A posição do médium deve ser correta, de modo a ampliar todos os conhecimentos estudados com as experiências oriundas de seus próprios exercícios espirituais. 

Nunca te enveredes por caminhos escolhidos afoitamente. Lembra-te de que muitas cabeças poderão formar diretrizes com maiores possibilidades de acertar. Uma das coisas essenciais para o medianeiro, em qualquer função espiritual, é a humildade, sem que esse gesto se transforme em fraqueza. A modéstia deve ser enriquecida com os valores da compreensão. 

Os assistentes de uma reunião mediúnica formam sempre uma heterogenia no campo mental. Os pensamentos, nas suas variações, guardam mais afinidades com o médium ou a ele se dirigem, por imposição dos participantes. O médium é sempre visado. É bom que te lembres disso todas as vezes em que praticares a mediunidade. A atmosfera que acompanha o intermediário dos Espíritos é de alta sensibilidade e sempre cede à sua vontade. Se essa vontade é educada, criará defesas naturais, perdendo a afinidade com o mal e estabelecendo a harmonia, de modo a assegurar o equilíbrio do instrumento dos Espíritos. 

O que chamamos de repercussão são pensamentos de tonalidades diferentes nascidos em muitas mentes e encaminhados para a mente do médium que, em seguida, sofre os desajustes dos mesmos na sua câmara sensível de fluidos imponderáveis. Certamente os Espíritos benfeitores ajudam, mas nem sempre o necessário, pois existe a parte do médium, que só ele deve fazer. Esse médium pode ser levado ao desgaste, tanto físico quanto emocional. As energias que circulam nos centros de forças distribuídas e redistribuídas em todo o corpo, podem sofrer perda com a repercussão, às vezes de modo irreparável. Os pensamentos dos assistentes são forças virgens que podem ajudar ou destruir, conforme a educação de cada um. Eis porque aconselhamos, em todos os tipos de reuniões, leituras elevadas, de cunho evangélico, acompanhadas de comentários feitos por pessoas que saibam lidar com as palavras nas áreas que constroem, alertam, educam e despertam esperança naqueles que ali se reúnem à procura do Senhor. 

A posição do médium é delicada. Ele está sempre no meio das trevas, procurando fazer luz. Os sofredores são muitos a buscarem conforto. O médium sem Cristo é ambiente sem paz. Aquele que não deseja educar-se, não serve para servir. A doutrina dos Espíritos é uma escola que veio com a missão de mostrar aos novos seguidores do Senhor um caminho bem melhor que tantos outros em evidência no mundo: o caminho do amor. 

Podes ouvir e conversar com as pessoas que procuram conforto e saúde, porém não deves alimentar o mesmo desequilíbrio nas tuas emoções. Certamente não é preciso responder-lhes com aspereza, porque a caridade educa a tonalidade da voz e é força disciplinadora dos próprios gestos. O bom senso deve ser a tônica de todas as conversações. Seja qual for a situação dos nossos irmãos que sofrem, não devemos sofrer com eles. Bastam-nos os nossos fardos; se os levarmos sem reclamações, já teremos cumprido um dever que alivia a consciência. 

O médium que já se candidatou a discípulo de Jesus não fere o companheiro. Procura esclarecer, se não pela palavra, pelo exemplo. Perdoa sem condições, sem anunciar o perdão e abençoa pelo que faz, sem desejar recompensa. O transe mediúnico é ato muito sério, que nos compete analisar. A nossa mente se abre em flor em busca do que desejamos fazer, auxiliando. E o que vem de fora, encontrando sintonia no que está dentro, acasala-se na conjunção da própria natureza, formando algo que nos ajuda ou nos perturba. O médium deve ser reto, nas suas qualidades de pensar, de saber e de sentir.

Os sentimentos são forças que se irradiam em todas as direções que indicamos e que reclamam os iguais, retornando à fonte de onde surgiram para se multiplicarem, desfazendo-se na própria personalidade como energias gastas, alimentadoras de desequilíbrios, ou como fluidos imponderáveis da natureza divina, que fortificam a alma para a libertação. 


A mediunidade é dom generalizado em todas as criaturas, à espera de educação e disciplina. Sem certas regras orientadas pelo Cristo, ela é apenas um instrumento de satisfação pessoal ou meio de vida na pauta dos negócios. Há muita diferença entre o médium da luz e o das trevas, entre a faculdade divina e a faculdade humana. A posição do sensitivo ante sua mediunidade é que sua língua deve perder a força de ferir, suas mãos a força de revidar e suas idéias, a força de contrariar as leis de Deus. 

Todos os médiuns são testados por meios variados. Por onde não se espera é que o inimigo chega. O defeito que insistimos em apontar nos outros é o que temos com mais saliência. A casa do vizinho está sempre alterada, quando analisada pela razão em distúrbio. 

Se tiveres que chorar por alguém que errou, chora por ti mesmo. Se tiveres de alterar a voz com irmãos que julgaste incursos em erro, altera a voz contigo mesmo. Se tiveres de anunciar alguma virtude que não possuis, fala das qualidades dos companheiros e dos esforços que eles fazem para melhorar. 

A posição do médium no lugar em que foi chamado a trabalhar é a de servir de instrumento para o bem em todas as direções da vida. Quando vamos trabalhar na caridade, recebemos de Deus uma cota de luz divina, mas não podemos esquecer que tal cota é para ser doada, e se ela se transforma fielmente no que nós desejamos que ela seja, torna-se uma carta com endereço certo. Eis a posição do médium diante da consciência.

Do Livro "Segurança Mediúnica" - Miramez / João Nunes Maia




Quero ler o post completo
Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , A Vingança , Estudos da Doutrina Espírita ,

A Vingança

A Vingança


EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO



Cap. XII - Amai os Vossos Inimigos

Texto: 
"A Vingança"



JULES OLIVIER

Paris, 1862



9 – A vingança é um dos últimos resíduos dos costumes bárbaros, que tendem a desaparecer dentre os homens. Ela é, como o duelo, um dos derradeiros vestígios daqueles costumes selvagens em que se debatia a humanidade, no começo da era cristã. Por isso, a vingança é um índice seguro do atraso dos homens que a ela se entregam, e dos Espíritos que ainda podem inspirá-la. Portanto, meus amigos, esse sentimento jamais deve fazer vibrar o coração de quem quer que se diga e se afirme espírita. Vingar-se é ainda, vós o sabeis, de tal maneira contrário a este preceito do Cristo: “Perdoai aos vossos inimigos”, que aquele que se recusa a perdoar, não somente não é espírita, como também não é cristão.

A vingança é um sentimento tanto mais funesto, quanto à falsidade e a vileza são suas companheiras assíduas. Com efeito, aquele que se entrega a essa paixão cega e fatal quase nunca se vinga às claras. Quando é o mais forte, precipita-se como uma fera sobre o que considera seu inimigo, pois basta vê-lo para que se inflamem a sua paixão, a sua cólera e o seu ódio. No mais das vezes, porém, assume uma atitude hipócrita, dissimulando no mais profundo do seu coração os maus sentimentos que o animam. Toma, então, caminhos escusos, seguindo o inimigo na sombra, sem que este desconfie, e aguarda o momento propício para feri-lo sem perigo. Ocultando-se, vigia-o sem cessar, prepara-lhe cilada odiosa, e quando surge à ocasião, derrama-lhe o veneno na taça.

Se o seu ódio não chega a esses extremos, ataca-o na sua honra e nas suas afeições. Não recua diante da calúnia, e suas pérfidas insinuações, habilmente espalhadas em todas as direções, vão crescendo pelo caminho. Dessa maneira, quando o perseguido aparece nos meios atingidos pelo seu sopro envenenado, admira-se de encontrar semblantes frios onde outrora havia rostos amigos e bondosos; fica estupefato,quando as mãos que procuravam a sua agora se recusam a apertá-la; enfim, sente-se aniquilado, quando os amigos mais caros e os parentes o evitam e se esquivam dele. Ah!, o covarde que se vinga dessa forma é cem vezes mais criminoso que aquele que vai direto ao inimigo e o insulta face a face!

Para trás, portanto, com esses costumes selvagens! Para trás com esses hábitos de outros tempos! Todo espírita que pretendesse ter, ainda hoje, o direito de vingar-se, seria indigno de figurar por mais tempo na falange que tomou por divisa o lema: Fora da caridade não há salvação. Mas não, não me deterei em semelhante ideia, de que um membro da grande família espírita possa jamais ceder ao impulso da vingança, mas, pelo contrário, ao do perdão.


Quero ler o post completo

6 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Médium Rebelde , Mediunidade ,

Médium Rebelde


Médium Rebelde


Apesar do Médium Rebelde possuir uma boa mediunidade, e receber de Deus toda a força para caminhar no caminho correto, estas pessoas fogem e buscam alternativas perigosas. Mediunidade é uma coisa muito séria e não se deve brincar com ela.

Conheci uma médium que possuía uma boa mediunidade, mas era muito rebelde. Criticava a todos os seus amigos, falava mal dos outros, faltava ao trabalho, era relapsa. As suas opiniões tinham que ser aceitas como ela as ditava, ninguém poderia divergir dos seus pensamentos. E, por incrível que pareça, tinha péssimas idéias. Resultado: ninguém a queria por perto, vivia abandonada, os vizinhos não queriam saber dela, pra dizer a verdade foi abandonada até mesmo pelos parentes e quase sempre estava doente e vivia sofrendo pelos caminhos da vida.

Um dia entrou num centro espírita e foi aceita para o começo do trabalho, mas logo vieram as observações. Para ela tudo estava errado e precisaria mudar muito. Suas idéias não foram aceitas. Mesmo assim continuou. Quando se viu que ela realmente iria trabalhar, foi-lhe enviada uma pasta como trabalhadora da casa e todas as normas, leis e regulamentos da casa para que ela se adentrasse.

Ela não disse não, mas arrumou uma trouxa de roupa velha e no meio da roupa velha colocou a pasta do mesmo jeito que recebera. Estava devolvendo as orientações do trabalho que ela teria que executar a Deus. E devolvendo de uma maneira maldosa: praticamente num saco de lixo. Nunca mais apareceu na casa espírita e provavelmente deve estar sofrendo muito por aí.

Outra pessoa começou a prestar serviço a uma casa espírita, mas dizia a pessoa que o espiritismo não poderia mudar seu estilo de vida. Assim trabalhou um tempo nesta casa e depois começou a faltar. Nunca abandonou o vício da bebida e do cigarro, pelo contrário passou a beber mais e bebia para todo mundo ver. Deixou de freqüentar a casa espírita.

O médium rebelde terá muito a galgar se insistir em se submeter às próprias vaidades

E assim vemos muitos médiuns sofredores como estes. Vai ser preciso outras existências para que eles possam se melhorar.

Por outro lado grande parte destes médiuns sofre de obsessões. Quase sempre foram pessoas muito más no passado e fizeram muita gente sofrer. A mediunidade é uma janelinha que Deus abre na mente destas pessoas, para que elas possam ver um pouco de suas maldades do passado e possam se melhorar no presente, ajudando a todos aqueles que eles prejudicaram no passado.

Quase todos os médiuns foram pessoas muito ruins no passado e suas vítimas estão cobrando agora o que receberam. São espíritos que querem se vingar. Tanto é que quando o médium cumpre suas obrigações para com Deus, as coisas melhoram, quando se afastam, as coisas pioram.

Estes espíritos obsessores têm um dos dois caminhos a seguir, quando o médium se torna melhor: ou seguem com o médium, se melhorando com ele, tornando-se um amigo; ou eles se afastam e esperam uma pequena queda do médium para retornar. Por isto todos os médiuns precisam estar vigilantes todos os dias. “Orai e vigiai” já dizia o Cristo. Temos uma grande missão na humanidade e prometemos a Deus, quando estávamos na espiritualidade, que desta vez não iríamos falir. Muitos cumprem direitinho até o fim, outros ficam perdidos pelas estradas tortuosas desta vida. O arrependimento geralmente vem muito tarde.

Fonte: religiaoespirita.com




Quero ler o post completo

5 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Comentário Sobre "O Retorno da Vida Corpórea à Vida Espiritual" , Artigos Ednay Melo , Estudos da Doutrina Espírita ,

Comentário Sobre "O Retorno da Vida Corpórea à Vida Espiritual"

Comentário Sobre "O Retorno da Vida Corpórea à Vida Espiritual"


TEMA DA DOUTRINA ESPÍRITA
L.E. Cap. III


RETORNO DA VIDA CORPÓREA À VIDA ESPIRITUAL

Negar a individualidade da alma é negar a vida espiritual como um todo. Tomamos como exemplo as psicografias de Chico Xavier, onde até a assinatura do desencarnado provava a sua existência pós morte do corpo físico. 

Já vimos no livro dos médiuns, que o espírito toma a aparência que quiser e de acordo com o seu propósito. Na questão 150 do L.E. observamos que aparência da última escarnação se apresenta como forma de constatar para o desencarnado a sua individualidade, neste caso não é a vontade do espírito que faz a sua aparência e sim a bondade de Deus para lhe ajudar no momento que pode ser confuso para ele, que é o momento da sua morte.

Existem espíritos em estado de perturbação tal, que não percebem que morreram e não enxergam, na vida espiritual, os espíritos que vêm em seu socorro. Daí a necessidade do acolhimento a estes espíritos dentro da casa espírita e de Umbanda, o choque anímico que experimenta com o médium que lhe dá passividade é como um bálsamo a acalmar a sua aflição, a partir daí o orientamos com relação ao seu estado de desencarnado, geralmente pedimos que ele perceba as mãos, os braços e o corpo do médium e perguntamos se ele sabe de quem é aquele corpo, neste momento ele constata que não possui mais o veículo físico.

O momento da separação da alma do corpo não é dolorosa, porém as sensações que o espírito experimenta vai depender da sua evolução moral, do ser humano bom ou mau enquanto encarnado, do seu apego ou não as coisas materiais. As pessoas muito apegadas à matéria demoram muito para o desenlace e dão maior trabalho aos socorristas espirituais no momento da morte, já as mais evoluídas, tem consciência da sua situação e facilitam o trabalho. Sabemos que o fenômeno da morte, em qualquer espírito, proporciona o sofrimento da saudade dos que ficam e, de certa forma, torna o desenlace mais lento, podemos observar quando os enfermos em coma, demoram-se para o desenlace. Além do sofrimento do enfermo que se prepara para a morte, tem também o sofrimento dos familiares e amigos. Por isto ouvimos tanto o termo "melhora da morte: ele teve uma melhora e logo após, morreu!", que nada mais é do que os socorristas espirituais proporcionarem uma melhora aparente a fim de que a família relaxe o seu mental, retorne para a sua casa mais tranquila e desta forma facilite o desenlace do corpo físico do seu ente familiar.

A alma se liberta pouco a pouco, o primeiro laço a se desfazer é o correspondente do perispírito nos pés. Geralmente, a alma próxima do desenlace, a primeira parte do corpo que esfria são os pés.

E nas mortes violentas, o que acontece? Antes do choque final, o espírito perde a consciência e não participa do desenlace.

E os que ficam sofrendo junto ao corpo em decomposição? Mais uma vez a evolução moral de cada um irá interferir neste processo. Percebam que evolução moral não tem relação com a evolução intelectual. Pode ser um trabalhador rural, que nem sabe que a Doutrina Espírita existe, mas se é puro de coração, a espiritualidade não irá permitir nenhum tipo de sofrimento a este espírito.

Sugerimos a leitura do livro "Voltei" do Irmão Jacob, em psicografia de Chico Xavier, para enriquecer o tema aqui abordado.

Ednay Melo




Quero ler o post completo

3 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Sítios Vibratórios: Importância para o Médium Umbandista , Mediunidade ,

Sítios Vibratórios: Importância para o Médium Umbandista

Sítios vibratórios na umbanda



Desde o advento da humanidade no globo terrestre, a natureza tem sido fonte inesgotável de recursos bio-energéticos para a criação, evolução e sedimentação dos vários organismos que a compõem. As antigas religiões orientais como o Bramanismo, Induísmo, Confucionismo, Budismo, além dos cultos Ameríndios e Africanistas, sempre valorizaram a natureza como essência catalisadora de energias para equilibrar a psico-fisiologia do ser humano.

É da natureza que se extrai os elementos necessários ao reajustamento das faculdades bio-psico-motoras, tão importantes à mente, ao espírito e a parte corpórea. É na natureza que há uma maior interação entre o plano material e o astral. Em contato com rios, florestas, cachoeiras, mares, campinas etc., absorvemos as vibrações emanadas do Cosmo, que são recepcionadas por estes sítios de captação fluidico-espiritual. É na natureza que encontramos o habitat de certas formas espirituais, de evolução diferente dos seres humanos, chamados por alguns de gnomos, silfos, salamandras, ondinas etc., o que na Umbanda nomeamos Elementais ou Espíritos da Natureza.

Os Elementais são os responsáveis pela manipulação etérea dos materiais existentes nestes sítios vibracionais, condensando partículas energéticas que muitas vezes são utilizadas por Caboclos, Pretos-Velhos, Exus e Crianças, dentre outros, para trabalhos de cura, desobsessão, neutralização de demandas e assim por diante.

Tal importância têm os Elementais na dinâmica telúrico-cósmica que Allan Kardec, no Livro dos Espíritos, no capítulo destinado à categoria e classe dos seres espirituais, cita a existência de seres (os Elementais) responsáveis pela proteção, cultivo e manipulação de elementos atinentes aos diversos campos vibratórios.

Com a anunciação da Umbanda no plano físico em 15 de novembro de 1908 pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, forma fixadas diretrizes para o correto e integral desenvolvimento desta Corrente Astral. Dentre estas diretrizes, encontramos o culto, o trato e o usufruto, por parte de médiuns e espíritos, dos benefícios alojados nestes logradouros naturais.

O Caboclo das Sete Encruzilhadas sempre orientava quanto a importância dos trabalhos efetuados nos rincões da natureza, no tocante principalmente a limpeza, reajustamento e fortalecimento dos centros de força (chakras) e plexos nervosos, desintoxicação perispiritual, e assepsia da aura.

Alguns pensam que as florestas, rios, mares, pedreiras etc. São lugares somente destinados a louvação dos Orixás, o que é um engano. Em realidade, quando nos direcionamos a estes lugares, somos nós, médiuns, que recebemos as graças e os cuidados que todo aquele que serve de medianeiro à ação dos espíritos bons necessita ter.

Durante um gira ou sessão nos campos vibratórios, somos ofertados por nossos Guias e Protetores com uma contínua carga de fluídos positivos, cujos elementos constitutivos são retirados das flores, folhas, raízes, água doce, água salgada etc. Neste aspecto, o trabalho de nossos amigos espirituais é facilitado, pois estando seus aparelhos em contato direto com a natureza, e por isto sujeitos à influência das energias dali emanadas, a missão de impregnação fluídica positiva torna-se mais eficaz, o que seria difícil acontecer longe destes campos. Devido ao acúmulo de cargas eletromagnéticas densamente negativas sobre as cidades, produto do atual estágio consciencial e comportamental das pessoas, os fluídos dos sítios vibratórios sofrem, quando direcionados a outro lugar, o ataque de energias negativas chamadas formas-pensamento e também de espíritos de baixa vibração (kiumbas desqualificados), que impedem, total ou parcialmente, que aquelas energias cheguem ao seu destino.

Desta forma, a natureza constitui-se em fonte de equilíbrio, reequilíbrio, harmonização, desintoxicação, assepsia, imantação e caridade, frente aos trabalhos de Umbanda.

Salve as Forças da Natureza.

Salve a Umbanda.

Autor desconhecido



Quero ler o post completo

2 de novembro de 2014

Tenda de Umbanda Luz e Caridade - Tulca , Dia de Finados , Orixás na Umbanda ,

Dia de Finados


Dia de Finados


Dia que mais as equipes socorristas espirituais trabalham.



São milhares de encarnados que, inconformados, pranteiam seus entes queridos que já partiram para uma das moradas do Pai.

São milhares de desencarnados que se desestabilizam pelas energias de dor e desespero daqueles que ficaram.

A peregrinação aos cemitérios é intensa, muitos ali vão somente neste dia, para limpar o túmulo e colocar flores, uma forma de dizer que sentem saudades.

Porém, a melhor maneira de lembrar nossos queridos que já se encontram em uma das muitas moradas de nosso Pai Maior, é orar pedindo paz e muita luz a eles. Que tenham consciência de que a morte não existe.

Que o corpo físico termina, mas o espírito é eterno e que um dia vamos nos reencontrar, seja na espiritualidade, seja numa nova jornada reencarnacionista.

Não sou contra a ida aos cemitérios, porém muito cuidado ao circular por lá. Pedindo sempre proteção na entrada e na saída e lembrando de orar pelos irmãos desencarnados que ali permanecem, ignorantes de seu novo estado. Pedindo que cada um seja esclarecido e encaminhado, na medida de seu merecimento.

Dia de orar e vigiar, de harmonizar os sentimentos e as energias, evitando os excessos.

Parafraseando nosso amado Pai Joaquim, até amor demais é prejudicial.


O texto abaixo é um pouco longo, mas vale à pena ler:


ALMA LIVRE
Corpo carcomido, morte declarada...
Olhos se fecham na Terra, olhos se abrem no além.
Alma libertada, nova etapa anunciada, brilho novo nos olhos.
Aparência rejuvenescida.
Família espiritual alegre, contato restabelecido: reciclagem de idéias e ideais, meio ambiente luminoso.
Energias coloridas.
Música maravilhosa.
As esferas são harmônicas, o reconhecimento é intuitivo.

ESSA ALMA ESTÁ EM CASA!
Sua prova terrestre foi concluída.
A carne lhe deixou marcas, pode-se vê-las em seus olhos: são brilhantes de amor, vincados pela experiência milenar.
Seu sorriso é largo, pois alcançou a liberdade espiritual,
além das barreiras da morte.
A voz da imortalidade canta; dá boas vindas ao recém-chegado.
Os amigos se regozijam com sua presença: o velho irmão está de volta!
Largou as vestes cansadas, despiu-se do seu ergástulo terreno, e devolveu-o à "Mãe Terra".
Alma boa e laboriosa, colhe agora o fruto de seu equilíbrio.
Seu corpo espiritual está resplandecente de glória.
É lindo observar a luz da alma: ela não perece nunca.
Nem mesmo quando entranhada na carne.
As ilusões humanas podem embotar seus sentidos, mas não embotam sua beleza espiritual.

ESSA ALMA ESTÁ VIBRANDO!
Conquistou bravamente a sua liberdade.
A evolução está radiante: mais um discípulo que ascendeu à "luz maior".
Na dimensão espiritual, uma alma vibra, na dimensão humana, outras almas sofrem.
Seus familiares terrestres choram, iludidos pelas travas da carne: a dor tolheu a sua intuição.
Há espiritualidade em seus conceitos, porém, a dor dilacera seus ideais.
Embora pareçam adultos, são crianças espirituais.
Seus centros energéticos querem vibrar, mas a ilusão da perda os devora.
Poderiam estar luminosos agora, ajudando o ser querido a partir em paz.
Mas a morte estendeu seu manto de trevas sobre eles também.
Enquanto a alma canta livre, seus entes queridos destilam tristeza.
Quanto desperdício de energia!
Poderiam estar aprendendo com a morte, afinal, não é todo dia que morre um familiar.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Finalmente deixou o lar terreno, para instalar-se em seu lar verdadeiro.
Inspirados em seu exemplo, muitos reencarnarão e trabalharão,
ativando o crescimento espiritual do planeta.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Superou a roda reencarnatória; seu esforço foi dignificado.
A galeria dos grandes seres está enriquecida com sua presença: mais um filho espiritual retornou!
Na romagem terrena, há tristeza, na romagem espiritual, há festa!
Luz carinhosa acalenta os espíritos desencarnados.
Um amor maior preenche suas vidas; não há nuvens de dúvida, para toldar suas percepções.
A morte foi vencida!
A própria imortalidade é a prova disso.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Sabe que seus familiares estão tristes, mas não fica triste por isso.
Sabe que o tempo lhes ensinará e que a experiência quebrará as vidraças das suas ilusões.
Sabe que a morte também irá apanhá-los e lhes desvelará os segredos da imortalidade.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE HOJE!
Mas também já chorou no passado.
Derramou muitas lágrimas no cadinho da experiência, porque não sabia discernir o real do ilusório.
Por isso, compreende o sofrimento dos que ficaram.
Emana sua luz carinhosa por eles e sussurra ao tempo que os eduque.
O amor e o conhecimento os farão entender e, no devido tempo, eles também estarão livres.
Deixarão de chorar e mergulharão na luz da imortalidade.

ESSA ALMA ESTÁ LIVRE!
Que todos saibam disso e libertem-se também!

Rama e Os Iniciados* - Recebido espiritualmente por Wagner Borges - Texto extraído do livro "Viagem Espiritual"




***



Dia de Finados na Umbanda

Neste mês de novembro, no dia 02, temos por tradição o dia de finados. Para nós, umbandistas, esta data tem grande importância por tratar-se do dia em que louvamos a força e o poder do Divino Orixá Pai Omulu, o Senhor da Morte e das Transições no Universo Divino.


De uma forma geral, na sua doutrina, a Umbanda se apega intensamente na Vida, ou seja,em como devemos nos comportar enquanto encarnados para então, quando chegar a hora do desencarne, podermos garantir um lugar bom nas esferas espirituais.


Hoje, quero comentar sobre a visão da morte e a importância da mesma, sendo que cultuamos uma Divindade regente desse sentido da vida.


Para a Umbanda a morte do corpo físico não é o fim da vida. Entende-se apenas como o fim de um ciclo, ou seja, da passagem encarnatória. Após o ato da morte física do ser encarnado, este será encaminhado para uma esfera espiritual condizente com seus atos e vibração emocional acumuladas durante a passagem no corpo físico. Aqui no plano físico, estamos numa esfera neutra ou mista, onde tudo se encontra, sem distinção. Já no plano astral, os seres vivem em realidades dimensionais pertinentes às suas condições emocionais e vibracionais. Logo, se o ser vibrar ódio, um lugar com seres odiosos será sua morada. Se vibrar o amor, sua morada será um lugar agradável. Nós somos aquilo que criamos ao nosso redor e a realidade que desenvolvemos é a que levamos além do pós morte. Então, nada se acabará com o fim da vida física,quando o corpo perece este é o fim de uma etapa e o início de outra. Morremos para o mundo físico e renascemos para o mundo espiritual. Assim, o contrário acontece quando reencarnamos: “morremos”para a vida no plano etérico e nascemos para o plano físico. Nós umbandistas, devemos nos preocupar com o que criamos na nossa vida, pois já podemos desconfiar do resultado no desencarne. A Umbanda não crê em ressureição, como não crê em um Salvador ou Messias resgatador de seu rebanho,uma vez que ela prega a transcendência que cada ser deve alcançar. Ninguém fará nada por ninguém, cada qual com seu quinhão. No entanto, a crença no reencarne é a explicação do resgate dos débitos e aprendizado constante do ser.


No dia de finados, é fundamental que o umbandista, ao realizar o culto ao Divino Orixá Pai Omulu, vibre seus pensamentos nos antepassados, seus parentes desencarnados, solicitando ao Pai Omulu que ilumine a todos ,pois se algum antepassado estiver precisando de ajuda por estar perdido nas suas questões emocionais e ainda não ter alcançado a luz, pode ser oportuno de acontecer este resgate, e, aquele que já esteja em situações privilegiadas, então se sentirá gratificado pelas vibrações, além de ser o momento de demonstrar gratidão aos antepassados que promoveram a sua passagem presente.


O culto ao Orixá Omulu é o momento de exaltação da Divindade e o que mesmo representa, pois como entendemos que ele é a Divindade do “fim”, logo ele não está presente apenas na tão temida morte física, gerando uma imagem temerosa em relação a esse Orixá. Sua vibração se faz presente centenas de vezes durante nossa Vida, por exemplo, o fim de um relacionamento amoroso é o rompimento de cordões emocionais e o fim de um ciclo de convivência entre duas pessoas. Neste momento de finalização lá está presente a vibração desse Orixá para encaminhar os envolvidos em seus caminhos individuais, também posso citar a mudança de emprego, de moradia, fim de amizade, etc... Sempre em situações, principalmente de rompimentos ou encerramentos de ciclos, é esta a vibração divina que se faz presente na Vida dos envolvidos. Mesmo ficando a cargo de cada um a colheita necessária após o desencarne, a Umbanda tem na Cerimônia Fúnebre a preocupação de garantir que o espírito desencarnado fique a cargo da Lei Divina e não tenha problemas maiores com ataques de espíritos negativos. 


Este texto foi baseado em um seminário apresentado na Universidade do Sagrado Coração de Bauru- SP / Do Blog Templo Umbandista Estrela Dourada



Quero ler o post completo
Topo